RelaçÃo de figuras 6 Figura 1 Mapa de Localização e Vias de Acesso 6



Baixar 0.64 Mb.
Página6/16
Encontro31.07.2016
Tamanho0.64 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   16

4 - ESTUDOS HIDROGEOLÓGICOS - CONTEXTO REGIONAL



4.1 - APRESENTAÇÃO
As fontes termais de Poços de Caldas resultam de um complexo sistema hidrogeológico desenvolvido sobre um conjunto de rochas alcalinas da chaminé vulcânica que conforma o denominado Planalto de Poços de Caldas. Suas nascentes estão diretamente relacionadas com a circulação e armazenamento das águas subterrâneas num sistema aqüífero principal, de natureza fraturada, constituído pelos esforços durante a instalação da estrutura vulcânica, em suas próprias rochas e nas encaixantes. Esse aqüífero principal está parcialmente sotoposto a um sistema granular, formado no manto de alteração das vulcânicas e em sedimentos detríticos de uma cobertura pouco espessa e descontínua

O sistema aqüífero granular é, por isso, pouco importante e de distribuição irregular, mas, pelo elevado índice pluviométrico local é capaz de dar sustentação a diversas fontes de águas de circulação rápida. Está instalado em pacote de rochas intemperisadas e depósitos de tálus, coluviões e aluviões. A profundidade desse aqüífero é variável, podendo chegar a 30m, como pode ser constatado na descrição de vários perfis de poços tubulares. O aqüífero granular apresenta parâmetros hidrodinâmicos característicos dos aqüíferos de baixa produtividade. Suas nascentes mostram vazões sempre menores que 0,25l/s, ainda que tenham grande constância durante o ano.




O aqüífero fraturado está presente no conjunto de rochas frescas do Complexo Alcalino e em suas encaixantes (gnaisses frescos ou fenitizados). Os poços tubulares existentes nesse aqüífero mostram vazões baixas, mas suas locações não aparentam ter seguido critérios técnicos, pois, a boa disponibilidade hídrica superficial demonstra a capacidade desse sistema.

A recarga dos aqüíferos do Planalto de Poços de Caldas se dá por infiltração direta nas fraturas que controlam a rede de drenagem superficial ou “per decensum”, através dos sedimentos e manto de alteração das rochas alcalinas. Assim, as principais áreas de recarga estão na serra de São Domingos e nos vales dos ribeirão da Serra e do córrego Vai e Volta, coincidindo com a área mais urbanizada do maciço alcalino, a cidade de Poços de Caldas.



4.2. - DADOS SOCIOECONÔMICOS

A Estância Hidromineral de Poços de Caldas está situada na região mais central da sede do município, projetando-se sobre uma superfície de quase 50ha. Suas fontes mais famosas são as do conjunto Pedro Botelho, que servem às Termas Antônio Carlos e ao Palace Hotel, a de Macacos, que com as primeiras constituem as nascentes sulfurosas hipertermais e a fonte Quisisana, de natureza sulfurosa, hipotermal. Há ainda um grande número de fontes de água com temperaturas normais e de composição mineral, que emprestam a Poços de Caldas seu status de cidade das águas. E não é por outra razão que o nome do lugar evoca o qualificativo “cálidas”, de águas quentes, numa alusão à cidade portuguesa de Caldas da Rainha.

O Município de Poços de Caldas, que nasceu da povoação que se formou ao redor das fontes termais e hoje ocupa uma área de 545,36 Km², foi emancipado em 1º de setembro de 1888, pela lei nº 3.659, desmembrado do Município de Caldas. Teve, anteriormente à denominação atual, os seguintes nomes: Nossa Senhora da Saúde das Águas de Caldas, Nossa Senhora da Saúde de Caldas, Nossa Senhora da Saúde de Poços de Caldas e Águas Virtuosas de Caldas.

A cidade se situa na Região de Planejamento Sul de Minas e é pólo da microrregião Poços de Caldas. Possui IDH de 0,83, sendo considerada o sexto município mais desenvolvido do Estado de Minas Gerais.

Trate-se de uma porção do território mineiro que tem uma economia bem diversificada, pontificando o setor de serviços, com sua indústria turística ancorada em excelente infra-estrutura hoteleira, a mineração, a indústria de transformação mineral em eletro-intensivos e uma agricultura bem desenvolvida do ponto de vista tecnológico, na qual se destacam as plantações de cafés finos.


4.2.1 - Aspectos Históricos de Poços de Caldas



Os índios Cataguases, primeiros habitantes da região, já conheciam e se beneficiavam das fontes termais do Planalto de Poços de Caldas. Assim, os primeiros homens brancos a chegarem àquelas paragens, portugueses caçadores ou aventureiros em busca de metais preciosos, segundo relatos verbais citados por Pedro Sanches de Lemos, foram os responsáveis pela denominação do local, por similaridade com as águas da região de Caldas da Rainha, em Portugal e os pioneiros no uso dessas águas, atribuindo-lhes propriedades medicinais. Além das fontes termais, e origem do povoado também se liga à construção, em 1776, de uma tranqueira para impedir o contrabando do ouro. Desse núcleo desenvolveu-se o que é hoje um importante centro turístico nacional e estância hidromineral e também uma reconhecida província mineral metálica e, pela fertilidade de suas terras, grande produtora agrícola.

Localizada em uma chaminé de rochas alcalinas, numa estrutura vulcânica, em terras altas de planalto, a freguesia de Nossa Senhora da Saúde de Poços de Caldas, como era conhecida, teve suas terras doadas em 1872, pelo sesmeiro major Joaquim Bernardes da Costa Junqueira. Em 1888, emancipou-se politicamente de Caldas, quando da instalação da comarca de Poços de Caldas.

Registram-se, a seguir, alguns fatos históricos relacionados com a história de Poços de Caldas:




  • relata o major Joaquim Bernardes da Costa Junqueira que as fontes termais foram descobertas por caçadores portugueses, em data desconhecida, que provavelmente as batizaram de Caldas em alusão (homenagem ou analogia) a Caldas da Rainha, em Portugal;

  • em 1815, o capitão Joaquim Bernardes da Costa, que já fazia uso terapêutico das águas sulfurosas-termais das terras do Planalto, incentivou seus filhos a requererem diversas sesmarias. Um deles, o major Joaquim Bernardes da Costa Junqueira adquiriu as terras de seus irmãos e formou a Fazenda do Barreiro;

  • só em 6 de novembro de 1872, por ato governamental, é fundada a freguesia de Nossa Senhora da Saúde de Poços de Caldas, após ser formalizada a doação de cerca de 40 ha de terras pela família Junqueira;

  • 1886 – Entre 22 e 23 de outubro, o Imperador D. Pedro II inaugura o Ramal de Caldas, da Estrada de Ferro Mogyana e faz uma visita às Águas Sulfurosas de Caldas.

  • seu desmembramento do distrito de Caldas se deu em 1888, com a criação da Vila e Município de Poços de Caldas. Sua elevação à categoria de Comarca se deu a 20 de janeiro de 1920.



4.2.2. - Informações Relevantes

O Município de Poços de Caldas tem uma superfície de 545,36 Km2 e relevo predominante ondulado (57%), seguido pelo montanhoso (36%) e áreas de topografia plana, completando os restantes 7%. O ponto de elevação máxima do município tem 1.575 m e o mínimo 943 m. Os principais cursos d’água a drenar o município são, o ribeirão das Antas, que banha a área do distrito industrial e conduz as águas coletadas para a represa Bortolan, e os ribeirões da Serra e Caldas, que drenam a quase totalidade da cidade, desde o contraforte sul da serra de São Domingos, até a região onde se encontra a represa Saturnino de Brito, construída em 1.936 e a cabeceira do córrego Vai e Volta.


Desde a década de 70 a população total de Poços de Caldas vem aumentando paulatinamente, registrando até o ano de 2001 um crescimento de 135,11%. Observa-se, inclusive, uma tendência, vista em todo o Brasil, de diminuição da população rural e fluxo positivo nas zonas urbanas das cidades de maior porte. Assim, o número de habitantes na sede passou de 51.783 habitantes em 1970 para 130.594, em 2001. No campo, esse parâmetro, no mesmo período, mostrou redução, passando-se de 5.782 para 4.749 moradores. Por sua vez, a população economicamente ativa pode ser assim distribuída, em termos percentuais:

Quadro -1- População Economicamente Ativa


SETOR

(%)

Agropecuário

8

Industrial

32

Comércio

14

Transporte / comunicação

6

Serviços em Geral

40

As atividades agropastoris se desenvolvem sob bom nível de mecanização e tecnologia. As culturas de café têm planejamento adequado e a pecuária de leite usa práticas como a ordenha mecânica e a inseminação artificial. Registram-se também a presença de cerca de 200 mil hectares de florestas plantadas (eucaliptos e pinnus). Entretanto, culturas como a de batata, de grande importância na economia agrícola local, ainda é grande usuária de herbicídas e pesticidas altamente poluentes.

O quadro a seguir mostra as áreas cultivadas e o volume de produção para diversos produtos em Poços de Caldas.


Quadro - 2- Principais produtos agrícolas




PRODUTO

Área colhida - ha

Produção - ton.

Arroz em casca (sequeiro)

10

15

Banana (2)

22

24

Batata inglesa (1º safra)

450

9.900

Batata inglesa (2º safra)

350

8.750

Café

5.500

7.800

Feijão (1º safra)

80

60

Feijão (2º safra)

180

151

Mandioca

15

270

Milho

1.200

4.800

Tomate (de mesa)

5

250

Entre as principais atividades do setor industrial desponta a mineração, com a extração de bauxita, argilas refratárias, areia, rochas ornamentais, zircônio e outros bens minerais, e a indústria de transformação mineral, como a ALCOA e a TOGNI Refratários. São secundadas por indústrias químicas, como as de fertilizantes e fibras têxteis e por um bem estruturado setor de confecções. É importante ressaltar que as águas minerais das fontes Pedro Botelho e dos Macacos são utilizados em balnearioterapia, não existindo engarrafamento. Essas águas são impróprias para tal fim.



No que tange aos transportes, trata-se de um área relativamente bem servida por rede viária (vide fig.1). Poços de Caldas está ligada a Campinas (SP) e a Pouso Alegre, Varginha e Alfenas (MG) e dessas cidades ao restante do país por rodovias estaduais e federais, inclusive as BR’s - 146, 267,e 381, esta última, em etapa final de duplicação. Conta ainda com aeroporto, com pista de asfalto de 1.251m de extensão por 30m de largura, e heliporto de 18 por 18m.


A cidade de Poços de Caldas tem agência dos Correios e serviços de telefonia fixa e celular, com DDD e DDI. A água tratada é distribuída pelo DMAE e atinge a praticamente 100% dos domicílios, o mesmo ocorrendo com a coleta de esgotos. A energia elétrica é parcialmente gerada e totalmente distribuída por empresa municipal.



No campo da educação, Poços de Caldas possui uma excelente rede de ensino, que cobre desde o primeiro ao terceiro grau, com cursos técnicos de administração, patologia clínica, magistério, alimentos, edificações, contabilidade, eletrônica, eletrotécnica, enfermagem, mecânica, processamento de dados, química e segurança no trabalho, e superiores de administração arquitetura, ciências contábeis, da computação e ciências, direito, letras, fisioterapia, filosofia turismo, pedagogia e engenharia civil, entre outros.

Na área de saúde, a população é servida por ambulatório, posto de saúde, pronto-socorro e hospitais com quase 300 leitos, inclusive UTI.


Para divulgação de eventos e difusão cultural há 5 jornais e 6 emissoras de rádio.
A cidade centraliza uma intensa atividade turística, respaldada por boa rede hoteleira e por sua proximidade com os grandes centros nacionais: São Paulo, Rio e Belo Horizonte

1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   16


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal