Relatório da administraçÃO



Baixar 33.21 Kb.
Encontro21.07.2016
Tamanho33.21 Kb.


RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO
Senhores acionistas,

Atendendo às disposições legais e estatutárias, a Administração da Companhia de Bebidas das Américas – AmBev apresenta-lhes, a seguir, o Relatório da Administração e as Demonstrações Financeiras Padronizadas da Companhia referentes ao exercício social de 2009, preparadas de acordo com as práticas contábeis vigentes no Brasil,.



Conjuntura econômica

Em 2009 o ambiente econômico foi desafiador na maioria dos países em que nossas controladas atuam. No Brasil, contudo, o mais importante mercado da AmBev, a recuperação da economia foi impulsionada pela demanda interna, e o crescimento da renda disponível acima da inflação beneficiou a indústria de cerveja e de RefrigeNanc.

Adicionalmente, o clima no Brasil durante o ano foi favorável à indústria, com temperaturas médias mais altas que em 2008. Esses fatores contribuíram para um aumento significativo do crescimento orgânico de volume da Companhia.

Responsabilidade Social e Ambiental

A AmBev desenvolve suas atividades econômicas de maneira ecoeficiente, reciclando ou reaproveitando os resíduos da produção e minimizando o impacto sobre a natureza de modo a preservar nossos recursos naturais. Ao mesmo tempo em que busca uma maior competitividade na produção de bebidas, utiliza tecnologias, matérias-primas e processos que minimizam o impacto ambiental. Para tanto, estabelece indicadores de ecoeficiência que são sistematicamente monitorados. Somos referência no uso racional de água. Entre as iniciativas voltadas para o gerenciamento de uso de água em 2009, foi lançado em março um programa em referência ao Dia Mundial da Água criado pelas Nações Unidas, que resultou em economia significativa no uso de água em nosso processo produtivo.

Como resultado de projetos de desenvolvimento de fontes alternativas de energia, uma parcela importante da matriz energética da AmBev para geração de energia calorífica é composta de combustíveis provenientes de fontes renováveis. Por exemplo, o projeto CDM (Clean Development Mechanism) da fábrica de Viamão, aprovado pela Nações Unidas - UNFCC (United Nations Framework Climate Change), foi o primeiro projeto da indústria de bebidas no Brasil a receber esta certificação. Dentre as iniciativas direcionadas à eficiência energética no ciclo produtivo, a Companhia realizou em 2009 o "Energy Saving Day", campanha realizada em todas as fábricas para identificar e eliminar desperdícios de energia.

Gente AmBev

A qualidade dos funcionários da AmBev mais uma vez foi um dos diferenciais da empresa frente ao mercado em 2009. Pessoas talentosas, com motivação e comprometidas com o desempenho da Companhia fizeram a diferença no balanço final e contribuíram para os bons resultados apresentados. Por ser um dos ativos de maior credibilidade da Companhia, a AmBev busca contratar as melhores pessoas e desenvolve excelentes profissionais. Sempre pronta a ir mais longe e entregar os melhores resultados, a Gente AmBev recebe o devido reconhecimento. E a Cultura AmBev é a força motriz da nossa Gente. É ela que indica o caminho correto e as diretrizes que os funcionários devem seguir.



Importantes inovações

Em 2009 intensificamos ainda mais nosso foco em inovações para oferecer cada vez mais opções diferenciadas aos consumidores. Lançamos produtos e embalagens, expandimos linhas e áreas de vendas, e contamos com campanhas diferenciadas e novas mídias. As inovações foram diferenciais para os bons resultados de 2009. O lançamento de Antarctica Sub Zero e sua expansão para outros Estados gerou ganhos importantes para a Companhia, assim como as vendas de cerveja na garrafa de 1 litro retornável em novas regiões. Os lançamentos em lata de 269 ml, de Brahma Fresh no Nordeste, a imagem renovada de Bohemia e Bohemia Oaken e - em menor medida – Brahma nas garrafas de 300 ml retornáveis, também foram grandes contribuições para nossos resultados. Em bebidas não-alcoólicas, lançamos o Propel, extensão da linha de Gatorade, e o Frutzzz.



Manutenção fabril

Nossas fábricas também foram beneficiadas com novas ferramentas de gestão de manutenção fabril. Em 2009 implantamos sensores em nossas máquinas para que a manutenção seja realizada na hora certa, evitando custos desnecessários. Além disso, há uma rotina de manutenção preventiva, o que também otimiza a durabilidade das máquinas.



Gerenciamento de frota

Na área de logística uma das grandes novidades de 2009 foi o software de gerenciamento de frota (TMS - Transportation Management System). O TMS possibilita um controle preciso do dia-a-dia da frota de veículos da AmBev, com o objetivo de otimizar o trabalho dos caminhões. O software gera ganho de tempo, evita que os veículos circulem vazios, além de reduzir a emissão de gás carbônico. Outra novidade é o software de gestão de rota da frota, que agiliza os serviços dos caminhões e reduz custos.



Governança Corporativa

Divulgação de informações e boas práticas regem nossas relações

A política de relacionamento da AmBev com investidores e com o mercado em geral sempre foi pautada pela transparência. Adotamos níveis superiores de Governança Corporativa e nossa conduta é baseada na ampla divulgação de informações sobre a Companhia. Praticamos os mais elevados padrões de atendimento às disposições legais e regulamentares, que são aplicados às companhias abertas com valores mobiliários negociados no Brasil e no exterior.

A estrutura de Governança da AmBev é integrada pelo Conselho de Administração, pela Diretoria Executiva e pelo Conselho Fiscal. O Conselho de Administração conta com o suporte do Comitê de Operações e Finanças e do Comitê de Compliance.

Resultado das Operações

A AmBev, na condição de holding operacional, tem suas receitas constituídas principalmente pela venda de cervejas, refrigerantes e bebidas não carbonatadas e não alcoólicas, além dos investimentos em controladas e coligadas, os quais somavam R$19,4 bilhões em 31 de dezembro de 2009, assim distribuídos:









Em 31.12.09

Controlada




Participação %




Investimento (em milhares de reais)

Agrega




50,00

12.105

AmBev Bebidas




99,50

722.980

AmBev International




100,00

71.096

Anep - Antarctica Empreendimentos e Participações Ltda. ("Anep")




100,00

88.740

Arosuco




99,70

1.204.828

BSA Bebidas Ltda.




100,00

11.839

CRBS S.A.




10,68

21.304

Dahlen S.A




100,00

681.618

Eagle




95,43

2.752.231

Fazenda do Poço Agrícola e Florestamento S.A.("Fazenda do Poço")




91,41

552

Fratelli Vita




77,97

286.093

Hohneck S.A.




50,69

619.176

Labatt AS




99,99

11.202.772

Lambic Holding S.A.




87,10

582.574

Londrina Bebidas Ltda.




95,89

145.848

Maltaria Pampa S.A.




60,00

257.430

Quinsa




42,43

614.026

Skol




11,84

100.143










19.375.355

Em 2009, o lucro líquido da Companhia foi de R$6,0 bilhões, composto por R$3,7 bilhões de suas próprias operações e por R$2,3 bilhões gerados por equivalência patrimonial positiva de suas controladas.

Dividendos e Ações

O Conselho de Administração aprovou a distribuição de dividendos e juros sobre o capital próprio (JCP) no valor total bruto de R$3,3 bilhões, sendo R$2,3 bilhões a título de dividendos e R$1,0 bilhão a título de JCP, ambos resultantes do lucro apurado no exercício de 2009, os quais foram alocados ao dividendo mínimo compulsório do exercício de 2009.

Os valores brutos, pagos por ação, foram de R$5,65 por ação preferencial e R$5,14 por ação ordinária. A distribuição de JCP foi tributada segundo a legislação em vigor, o que resultou em uma distribuição líquida total de dividendos e JCP de R$5,39 por ação preferencial e R$4,90 por ação ordinária.

Esses pagamentos foram efetuados durante o exercício de 2009, conforme aprovado em Reuniões do Conselho de Administração, e sua ratificação será submetida para deliberação na Assembleia Geral Ordinária referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2009.

Na Bolsa de Valores de São Paulo foram negociados aproximadamente R$11,2 bilhões em ações preferenciais (AMBV4), R$1,1 bilhão em ações ordinárias (AMBV3). Em um ano de recuperação do desempenho de 2008, o índice Bovespa teve aumento de 82,6% e nossas ações terminaram o ano cotadas a R$174,5 (AMBV4) e R$147,5 (AMBV3), com aumento de 80% e 82,4%, respectivamente, em comparação com o fechamento de 2008.

Em 2009 a evolução da cotação das ações preferenciais e ordinárias da Companhia na BM&FBOVESPA foi a seguinte:



Empréstimos e Financiamentos

A dívida líquida (empréstimos e financiamentos, mais debêntures, menos caixa e equivalentes) totalizava R$3,0 bilhões em 31 de dezembro de 2009. Esse montante refere-se a empréstimos, financiamentos e debêntures totalizando R$4,4 bilhões conforme nota explicativa número 8 das Demonstrações Financeiras, menos caixa e equivalentes totalizando R$1,4 bilhões. Em 31 de dezembro de 2009, o patrimônio líquido da AmBev era de R$19,2 bilhões.



Estrutura Societária

Em 31 de dezembro de 2009, a Anheuser-Busch InBev, controladora da AmBev detinha uma participação de 61,8% no capital social da AmBev. A Fundação Antonio e Helena Zerrenner (FAHZ) detinha 9,5% do capital, enquanto que 20,4% correspondiam às ações em circulação na BM&FBOVESPA e 8,0% correspondiam a ADRs em circulação na New York Stock Exchange. Os demais 0,3% correspondiam a outros acionistas e ações em tesouraria.





Relacionamento com auditores independentes

A política de atuação da Companhia junto aos nossos auditores independentes na prestação de serviços não relacionados à auditoria externa se consubstancia em princípios que preservam a independência do auditor.

Estes princípios estabelecem que:

(a) o auditor não deve auditar seu próprio trabalho;

(b) o auditor não deve exercer funções gerenciais; e

(c) o auditor não deve promover os interesses de seu cliente.



Adotamos política e procedimentos de pré-aprovação segundo os quais todos os serviços de auditoria e outros serviços prestados por auditores independentes contratados pela AmBev e por suas subsidiárias devem ser submetidos ao nosso Conselho Fiscal, o qual também cumpre as funções de um comitê de auditoria para os propósitos da Lei Sarbanes-Oxley de 2002, em conformidade com a Regra 10A-3(c). O Conselho Fiscal adota uma lista de serviços e limites de valor para a contratação de auditor independente, de acordo com os termos incluídos em uma Lista Básica, por sua vez aprovada pelo nosso Conselho de Administração. Qualquer serviço constante dessa lista é considerado “pré-aprovado”. Trimestralmente, o Conselho de Administração e o Conselho Fiscal recebem do Diretor Financeiro, um relatório resumido sobre o progresso dos serviços prestados pré-aprovados e os honorários correspondentes devidamente autorizados. Quaisquer serviços não apresentados nessa Lista Básica requerem uma opinião anterior favorável do Conselho Fiscal e a aprovação do Conselho de Administração. Nossa política contém também uma lista de serviços que não podem ser prestados por nossos auditores externos. Essa política é revista pelo Conselho de Administração, por recomendação do Conselho Fiscal. 

Em atendimento ao artigo 25, parágrafo 1º, incisos V e VI, da Instrução CVM nº 480/09, os Diretores da Companhia Srs. João Maurício Giffoni de Castro Neves, Diretor Geral; Nelson José Jamel, Diretor Financeiro e Diretor de Relação com Investidores; Pedro de Abreu Mariani, Diretor Jurídico; Nicolás Ernesto Bamberg, Diretor Industrial; Carlos Eduardo Klützenschell Lisboa, Diretor de Marketing; Milton Seligman, Diretor de Relações Corporativas; Ricardo Tadeu Almeida Cabral de Soares, Diretor de Vendas; Rodrigo Figueiredo de Souza, Diretor de Logística; Ricardo Manuel Fragatos Pires Moreira, Diretor para a América Latina Hispânica e Diretor de Refrigerantes; e Márcio Fróes Torres, Diretor de Gente e Gestão; declaram que (i) reviram, discutiram e concordam com as demonstrações financeiras referentes ao exercício social findo em 31 de dezembro de 2009; e (ii) reviram, discutiram e concordam, sem quaisquer ressalvas, com as opiniões expressas no parecer emitido em 1º de março de 2010 pela KPMG Auditores Independentes, auditores independentes da Companhia, com relação às demonstrações financeiras da Companhia referentes ao exercício social findo em 31 de dezembro de 2009.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal