Responsabilidade social: menos marketing e mais ações



Baixar 14.5 Kb.
Encontro06.08.2016
Tamanho14.5 Kb.
Amoroso, Sergio. “Responsabilidade social: menos marketing e mais ações” São Paulo: Valor Econômico, 20 de agosto de 2003. JEL: I.
Responsabilidade social: menos marketing e mais ações

Sergio Amoroso

O desenvolvimento de uma nação não depende somente de mudanças e avanços na área econômica, mas de um reequilíbrio dos desafios sociais e de distribuição de renda causados por este próprio crescimento. Em decorrência disso, no Brasil, as últimas décadas vêm sendo marcadas por uma aceleração de ações sociais e intensificação de discussões em várias esferas da sociedade sobre terceiro setor e responsabilidade social.

Antes de discutir o papel da "responsabilidade social empresarial" neste novo cenário brasileiro, é importante relembrar um pouco da nossa história. O Brasil sofreu quase 30 anos de ditadura, o que feriu os nossos direitos de cidadania de maneira atroz. No entanto, mesmo superada esta fase, outros fatores da nossa estrutura social continuam ferindo os direitos do cidadão. Entre eles, a injusta distribuição de renda, terríveis desigualdades sociais, assustadores índices de analfabetismo, um deficiente sistema de saúde, para mencionar alguns.

A partir dos anos 80, no período de transição democrática, diversos grupos de defesa de minorias explodiram pelos quatro cantos do país. Nascia, bem devagarinho, um conjunto de iniciativas privadas de caráter público, sem fins lucrativos, sem discurso partidário, conhecido como "terceiro setor".

Enquanto o "terceiro setor" engatinhava, o Estado arrastava-se entre problemas econômicos e o empresariado começava a entender seu papel social. Era o início de uma política de responsabilidade social dentro das empresas. O 2º Setor tornava-se, então, parceiro e co-responsável pelo desenvolvimento social com projetos em diversas áreas: educação e cultura, saúde e prevenção, promoção social e capacitação, ecologia e preservação, etc.

Na década seguinte, tornou-se óbvio o que sempre fora evidente: nenhum setor tinha estrutura para agir sozinho nessa tarefa de equacionamento dos nossos problemas sociais. À medida que espaços eram criados para "liberdade", "solidariedade", "cidadania", "bem-estar", entre outros, o Estado, o mercado e o terceiro setor ensaiavam um novo tipo de relação. A extrema necessidade de parcerias, devolvendo esperança à sociedade, começava a despontar como determinante para o sucesso das ações sociais.

Atualmente, vivemos um momento histórico, representado pelo novo governo de fortes bases sociais e uma articulação singular da sociedade civil. Afinal, não existe política social que vigore sem um movimento engajado da sociedade. O cidadão consciente consegue questionar direitos ao governo. Mais que isso, segundo o sociólogo francês Pierre Bourdieu, somente os movimentos sociais civilizam a economia de mercado, cooperando de maneira contumaz para o próprio dinamismo e reciclagem do mesmo.

Atingimos um estágio de amadurecimento dos três setores, mas é fundamental galgar um novo patamar deste desenvolvimento. Há uma necessidade de compreensão, mais do que nunca, da importância de maior articulação e parceria entre eles. Não podemos deixar este momento de expectativa nacional, oportunidade rara de mobilização, passar, sem que tenhamos avançado nesse sentido.

O terceiro setor depende de legitimidade e sustentabilidade para desenvolver novos programas sociais. Parcerias sérias, com órgãos governamentais e empresas de credibilidade, são a base para o êxito de ações de ONGs, institutos, fundações. Postura isolacionistas confrontam a verdadeira função integradora do setor.

É preciso que o governo desenvolva uma política de relacionamento com o empresariado, para conseguir recursos financeiros, apoio técnico, científico e intelectual e com o terceiro setor, para se aproximar da comunidade, detectando necessidades e lideranças locais.

O empresariado, por sua vez, deve investir em uma postura verdadeiramente ética e transparente, visando o resgate da cidadania e o respeito ao meio ambiente do qual depende. Na verdade, estamos falando de uma grande rede que envolve governo, a iniciativa privada e as universidades, que detêm o conhecimento. O grande desafio porém é como coordenar e trazer o entendimento de que só a visão pro-ativa e integrada de todos esses setores tornará o caminho mais curto e menos penoso. Este deve ser o novo modelo de gestão capaz de conduzir à transformação social.

A ética ressurgiu como a base das relações entre empresas-cidadãs, sendo colocada em prática por meio de princípios e valores adotados por cada uma dessas organizações. No entanto, para que essa transformação se concretize, é primordial uma coerência entre discurso e ação. Um esforço sério, consciente, que zele por um público amplo, indo de acionistas a funcionários, prestadores de serviços a consumidores, comunidade a meio-ambiente etc. Só através de uma conduta responsável será possível a alavancagem de trabalhos de mobilização, credibilidade e expansão de parcerias.

O estudioso norte-americano Lester Salamon, da Universidade de Hopkins, já vem apontando há algum tempo que a responsabilidade social não surgiu por simples benevolência empresarial, mas, antes de tudo, pela necessidade crucial de estratégias de melhoria das condições de vida das pessoas que trabalham nas empresas e, também, de soluções para problemas da comunidade em que elas estão inseridas. É importante ressaltar que isso não pode se confundir com marketing, mas com o papel do empresário como transformador social e da empresa como seu instrumento.

A linha mestra das ações sociais deve nascer de uma visão profunda da relação de interdependência entre "governo-empresa-homem-natureza". Pode-se entender esta ligação como um ciclo natural, uma cadeia de ligação: este é um princípio que deve ser cultivado.



Como empresário e instituidor de uma Fundação que atua em todo o país, sei que podemos fazer ainda muita coisa pelo Brasil. Só precisamos unir forças, experiências, idéias e vontade. Esta não é uma ação do governo ou da sociedade civil, é de todos nós.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal