Resumo básico de contabilidade



Baixar 0.79 Mb.
Página3/11
Encontro19.07.2016
Tamanho0.79 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11


Dv - conta de natureza devedora; D - debitar

Cr - conta de natureza credora; C - creditar




Contas - são denominações contábeis que identificam e controlam os elementos contábeis de natureza semelhante.


Teoria das Contas




ATIVO

PASSIVO


CONTAS

DE RESULTADO

Teoria das Contas

BENS

DIREITOS

OBRIGAÇÕES


PATRIMÔNIO LÍQUIDO

RECEITAS

&

DESPESAS
Teoria Personalista

Contas  Pessoas  Débito/Crédito  Entidade

Contas dos Agentes Consignatários

Contas dos Agentes Correspondentes

Contas dos Proprietários

Teoria Materialista

Contas  Material  Entidade
Contas Integrais

Contas Diferenciais

Teoria Patrimonialista

Objeto  Patrimônio

Finalidade  controle, apuração dos resultados e prestação de informações
Contas Patrimoniais

Contas de Resultado




  • Teoria Personalista as contas representam pessoas que se relacionam com a entidade em termos de débito e crédito;




  • Teoria Materialista · as contas e a entidade mantêm uma relação material, e não pessoal;




  • Teoria Patrimonialista o objeto da Contabilidade é o patrimônio das entidades e a sua finalidade é o controle do patrimônio, a apuração dos resultados e a prestação de informações;




  • Contas de Resultado = compreendem as Receitas e as Despesas, que devem ser encerradas quando da apuração do resultado do exercício. Este resultado, lucro ou prejuízo, será incorporado ao patrimônio da entidade através da conta do patrimônio líquido “Lucros Acumulados” ou “Prejuízos Acumulados”


Plano de Contas: é constituído pelo conjunto de normas e procedimentos sobre a utilização das contas integrantes do sistema contábil da entidade. O Plano de Contas é composto pelas seguintes partes: Elenco das contas, Codificação das Contas, Função das Contas e Funcionamento das Contas.



  • Elenco das Contas conhecido como estrutura do plano de contas, consiste na relação ordenada de todas as contas utilizadas para o registro dos fatos contábeis de uma entidade.




  • Exemplo de Plano de Contas


Ativo

Ativo Circulante

Disponibilidades

Direitos Realizáveis

Estoques


Despesas do Exercício seguinte

Ativo Realizável a Longo Prazo

Ativo Permanente

Investimento

Imobilizado

Diferido
Passivo



Passivo Circulante

Passivo Exigível a Longo Prazo

Resultado de Exercícios Futuros

Patrimônio Líquido

Capital Social

Reservas de Capital

Reservas de Lucros

Lucros ou Prejuízos Acumulados



  • Codificação das Contas a codificação tem por objetivo simplificar a classificação das contas nos respectivos grupos e subgrupos




  • Exemplo: arbitramos o código 1 para o Ativo e 2 para o Passivo, o restante

ficaria:
1. Ativo

1.1. Ativo Circulante

1.2. Ativo Realizável a Longo Prazo

1.3. Ativo Permanente

1.3.1. Investimento


      1. Imobilizado



  • Função das Contas tem como finalidade explicar a razão da existência da conta, para que serve, onde se aplica, como se trabalha com ela. Ex.: a conta CAIXA representa o dinheiro, recebendo a débito os recebimentos e a crédito os pagamentos efetuados em dinheiro;



  • Funcionamento do Plano de Contas  é a parte do Plano de Contas que demonstra o relacionamento de uma conta com as demais, assim como a sua abertura, movimentação e encerramento.

4.3. métodos de escrituração


Método das Partidas Dobradas - é o método pelo qual cada débito efetuado em uma ou mais contas, deve corresponder um crédito em uma ou mais contas, de tal forma que o total debitado seja sempre igual ao total creditado.

Partidas mensais: admite-se a escrituração resumida no diário, por totais que não excedam ao período de um mês, relativamente a contas cujas operações sejam numerosas ou realizadas fora da série do estabelecimento, desde que utilizados livros auxiliares para registro individualizado e conservados os documentos que permitam sua perfeita verificação.

Escrituração: é o conjunto de lançamentos contábeis. A Escrituração completa é composta pelos lançamentos contábeis e pelas demonstrações financeiras elaboradas no encerramento de cada exercício social.


Função da Escrituração:


  • Histórica = consiste no registro dos fatos na ordem cronológica (Livro Diário);




  • Sistêmica = consiste na organização dos elementos contábeis de acordo com sua natureza e valores respectivos (Livro Razão);



Processo de Escrituração:





  • Pode ser manual, mecanizado ou por processamento de dados;

  • Todo lançamento deve estar apoiado em documentos hábeis e idôneos e adequados ao tipo de operação. Ex.: compra de mercadorias documento hábil é a nota fiscal;

  • Registro dos fatos no livro Diário;

  • Transcrição dos registros para o livro Razão;

  • Elaboração do Balancete de Verificação;

  • Apuração do Resultado e elaboração das demonstrações contábeis (Balanço Patrimonial e Demonstração do Resultado do Exercício), transcrevendo-se estas demonstrações no livro Diário.



4.3.1. lançamentos

Lançamento

Ex.: Compra de um veículo à vista, no dia 01/04/02, conforme NF nº 51, no valor de $ 700.000, emitida pela MARELA.




S J Rio Preto, 01 de abril de 2002
Veículos

a Caixa ......................... $ 700.000





Fórmulas de Lançamento



1ª - Fórmula Simples – apenas uma conta é debitada e uma única conta é creditada.
Ex.: compra de uma bicicleta, à vista, por $ 1.000




Veículos

a Caixa ......................... $ 1.000





2ª - Fórmula Composta - apenas uma conta é debitada e mais de uma conta é creditada.

Ex.: compra de uma bicicleta por $ 1.000, pagando-se $ 500 com cheque do Banco do Brasil e aceitando uma duplicata pelo restante, $ 500.


Veículos

a Diversos

a Banco c/ Movimento .. $ 500

a Duplicatas a Pagar...... $ 500 $ 1.000




3ª - Fórmula Composta - mais de uma conta é debitada e uma única conta é creditada.

Ex.: Integralização do capital Social no valor de $ 15.000, sendo $ 5.000 em móveis e $ 10.000 em dinheiro.


Diversos

a Capital Social

Caixa ........................... $ 10.000

Móveis e Utensílios.... $ 5.000 $ 15.000




4ª - Fórmula Complexa - mais de uma conta é debitada e mais de uma conta é creditada.

Ex.: pagamento do aluguel do mês no valor de $ 40.000 e de uma duplicata no valor de $ 90.000, com a utilização de $ 30.000 em dinheiro e $ 100.000 em cheque.


Débito Crédito

Diversos


a Diversos

Despesa de Aluguel .......... $ 40.000

Duplicatas a Pagar............. $ 90.000

a Caixa ....................................................... $ 30.000

a Bancos c/ Movimento .............................. $ 100.000




Partícula “a” é apenas indicadora da contra creditada, sendo seu uso facultativo.

4.4. principais livros contábeis



 Dos vários livros usados pelas empresas, vamos mencionar apenas os utilizados pela contabilização dos atos e fatos administrativos.
Os principais livros utilizados pela Contabilidade são:


  • Livro Diário

  • Livro Razão

  • Livro Caixa

  • Livro Contas-Correntes


4.4.1. Livro Diário
 O Diário é um livro obrigatório pela legislação comercial. Por ser obrigatório, o Diário está sujeito às formalidades legais extrínsecas e intrínsecas.

Objetivo: cumprimento da função histórica da Contabilidade (ordem cronológica dos fatos ocorridos). O livro Diário é o mais importante livro contábil. Caso haja extravio dos demais livros fiscais, com o livro Diário é possível a recuperação dos mesmos.

Formalidades do Livro Diário



Formalidades extrínsecas ( ou externas): o livro Diário deve ser encadernado com folhas numeradas em seqüência, tipograficamente. Deve conter, ainda, os termos de abertura e de encerramento e ser submetido à autenticação do órgão competente do Registro do Comércio.
Formalidades intrínsecas ( ou internas ): a escrituração do Diário deve ser completa, em idioma e moedas nacionais, em forma mercantil, com individuação e clareza, por ordem cronológica de dia, mês e ano, sem intervalos em branco nem entrelinhas, borraduras, rasuras, emendas e transportes para as margens.


  • O livro Diário tradicional pode ser substituído por fichas ( contínuas, em forma de sanfona, soltas ou avulsas ).Porém, a adoração desse sistema não exclui a empresa de obediência aos requisitos intrínsecos, previstos na lei fiscal e comercial para o livro Diário. As empresas que utilizam fichas são obrigadas a adotar o livro próprio para a inscrição das demonstrações financeiras.

 Os Termos de Abertura e de Encerramento devem ser transcritos na primeira e na última página do livro Diário, respectivamente. Esses termos são colocados na época da abertura dos livros, conforme o seguinte modelo:



Elementos Essenciais do Lançamento no Livro Diário





  • 1º - local e data;

  • 2º - conta ou contas debitadas;

  • 3º - conta ou contas creditadas, precedida(s) da partícula “a”;

  • 4º - Histórico da operação;

  • 5º - valor da operação.

4.4.2. Livro Razão
 O Razão é um livro de grande utilidade para contabilidade porque registra o movimento de todas as contas. A escrituração do livro Razão passou a ser obrigatória a partir de 1991. Na Contabilidade moderna, o Razão é escriturado em fichas.

4.4.3. Livro Contas-Correntes
 O Contas-Correntes é o livro auxiliar do Razão. Serve para controlar as contas que representam Direitos e Obrigações para a empresa.

4.4.4. Livro Caixa
 O livro Caixa também é auxiliar. Nele são registrados todos os fatos administrativos que envolvam entradas e saídas de dinheiro.

4.5. ATOS E FATOS ADMINISTRATIVOS


4.5.1. conceitos



Atos Administrativos: são os atos que não provocam alterações nos elementos do Patrimônio ou do Resultado, portanto não interessam a Contabilidade.
Fatos Administrativos : são os acontecimentos que de alguma forma alteram o patrimônio das entidades, quer sob o aspecto qualitativo, quer sob o aspecto quantitativo. São chamados, também, de Fatos Contábeis. Ex.: emissão de cheques, depósitos bancários, compra de veículos, compra de materiais, pagamento de obrigações, recebimentos de direitos, venda de mercadorias, etc.

4.5.2. Classificação dos Fatos Administrativos




Fatos Permutativos: são fatos que alteram o patrimônio da entidade sem alterar o seu patrimônio líquido. Refletem trocas entre os elementos patrimoniais. Ex.: - compra de mercadorias à vista (bens por bens); compra de mercadorias a prazo (bens por obrigações); recebimento de valor pela quitação de uma duplicata; aumento do capital social com lucros acumulados;

Fatos Modificativos: são aqueles que alteram o patrimônio da entidade e o patrimônio líquido, aumentando (fato modificativo aumentativo) ou diminuindo (fato modificativo diminutivo) a riqueza própria do patrimônio.


  • fato modificativo aumentativo = qualquer tipo de receita quando lançada ao Resultado, aumento do Capital Social;




  • fato modificativo diminutivo = qualquer tipo de despesa quando lançada ao Resultado, Distribuição de lucros ou dividendos;

Fatos Mistos ou Compostos: aqueles que combinam fatos contábeis permutativos e modificativos. Podem ser aumentativos ou diminutivos, conforme alterem para maior ou menor o patrimônio líquido.


  • Misto aumentativo = venda de mercadorias com lucro; recebimento de uma duplicata com juros;




  • Misto diminutivo = venda de mercadorias com prejuízo; pagamento de uma duplicata com juros;


Registro dos Fatos Contábeis – Passos
1º passo identificar as contas envolvidas (pelo menos duas contas);
2º passo identificar a que grupo cada conta pertence. Uma conta só pode pertencer a um determinado grupo, tais como:

ATIVO – PASSIVO – PATRIMÔNIO LÍQUIDO – RECEITA – DESPESA
3º passo identificar qual é o efeito do fato sobre cada conta envolvida, ou seja, qual elemento contábil aumenta ou diminui devido a este fato;
4º passo efetuar o lançamento, segundo o mecanismo de débito e crédito.


Balancete de Verificação
 Após efetuarmos todos os lançamentos nos razonetes, devemos apurar os saldos de todas as contas.



Balancete de Verificação

Contas

Saldos

Devedores

( D )

Credores

( C )










Total










BALANÇO PATRIMONIAL - conceitos



ATIVO: No Ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente do grau de liquidez, em 3 grandes grupos:
Ativo

Ativo Circulante

Ativo Realizável a Longo Prazo

Ativo Permanente


  • Ativo Circulante representa os valores passíveis de serem transformados em dinheiro a curto prazo, ou seja, tudo o que for se realizar dentro do exercício social seguinte. Exs.: dinheiro em Caixa, contas corrente em Banco, Aplicações Financeiras de curto prazo, Estoques de mercadorias, Duplicatas a Receber, Clientes, etc.

  • Exercício Social - é o espaço de 12 meses, findo o qual as pessoas jurídicas apuram os seus resultados.




  • Ativo Realizável a Longo Prazo são os valores passíveis de transformações em moeda a Longo Prazo, ou seja, após o decurso do exercício social subseqüente ao da elaboração do Balanço Patrimonial. Exs.: direitos a Longo Prazo, empréstimos compulsórios à União, adiantamentos ou empréstimos a sócios, acionistas e despesas antecipadas.




  • Ativo Permanente representa aplicação permanente ou fixa dos recursos da empresa e, a princípio, não estão destinados à venda ou realização.




  • Investimentos - Exs.: participações permanentes em outras sociedades e os imóveis de renda;




  • Imobilizado – bens e direitos necessários à manutenção das atividades produtivas da empresa. Exs.: máquinas, equipamentos, veículos, imóveis de uso, marcas e patentes, fundo de comércio, etc.




  • Diferido compreende as aplicações de recursos em despesas que contribuirão para a formação do resultado em mais de um exercício social. Exs.: despesas incorridas na fase pré-operacional da empresa, despesas com pesquisas científicas ou tecnológicas, etc.


PASSIVO: as contas serão dispostas em ordem decrescente do grau de exigibilidade, e se dividem em 4 grandes grupos:
Passivo

Passivo Circulante

Passivo Exigível a Longo Prazo

Resultado de Exercícios Futuros

Patrimônio Líquido


  • Passivo Circulante compreende as obrigações ou dívidas a curto prazo. Exs.: Duplicatas a Pagar, Fornecedores, Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Sociais, Aluguéis, Impostos a Recolher, etc.




  • Passivo Exigível a Longo Prazo compreende as: Obrigações a Longo Prazo, inclusive empréstimos recebidos de sócios e acionistas, etc.




  • Resultado de Exercícios Futuros compreende as: receitas de exercícios futuros, diminuídas dos custos e despesas a elas correspondentes;




  • Patrimônio Líquido corresponde à diferença entre os valores que compõem o Ativo, o Passivo Exigível e o Resultado de Exercícios Futuros. Divide-se em:




  • Capital Social - divide-se em:




  • Capital Subscrito - compromisso assumido pelos sócios ou acionistas;




  • Capital Realizado - pagamento efetivo do compromisso pelos sócios ou acionistas;




  • Capital a Realizar - parcela do compromisso assumido pelos proprietários e ainda não quitada.



  • Reservas são parcelas do patrimônio líquido que excedem o valor do Capital Social integralizado:




  • Reservas de Lucros – são obtidas pela apropriação dos Lucros, de acordo com exigência legal;




  • Reservas de Capital – são contribuições recebidas dos proprietários ou de 3ºs, que nada têm a ver com as receitas ou ganhos.




  • Reservas de Reavaliação – indicam acréscimos de valor ao custo de aquisição de Ativos baseados em preços de mercado;



  • Lucros ou Prejuízos Acumulados – ficam em destaque, legalmente; enquanto não são distribuídos ou capitalizados são considerados como reserva de lucros, tecnicamente.




  • Contas Retificadoras são contas redutoras do Patrimônio Líquido. Exs.: Capital Social a Realizar (integralizar), Ações em Tesouraria ou quotas, Dividendos distribuídos antecipadamente;


5. RECEITAS E DESPESAS



5.1. conceitos
Receitas: são ingressos patrimoniais decorrentes da utilização dos recursos da empresa e que geram gastos para a mesma. As receitas aumentam a riqueza própria do patrimônio.

Despesas: são gastos executados com a finalidade de gerar receitas. As despesas podem diminuir o ativo ou aumentar o passivo, mas sempre provocam diminuições no patrimônio líquido. As despesas reduzem a riqueza própria do patrimônio.



RESULTADO = RECEITAS - DESPESAS



  1. LUCRO  Despesas < Receitas




  1. PREJUÍZO  Despesas > Receitas




  1. NULO  Despesas = Receitas


Receitas e Despesas Financeiras



  • Operações Financeiras são aquelas realizadas com a finalidade de captar ou aplicar recursos financeiros



  • Dividem-se, portanto, em operações ativas (destinadas à aplicação de recursos) e operações passivas (praticadas com a finalidade de captação de recursos financeiros)


Receitas Financeiras: correspondem aos ingressos patrimoniais originados das aplicações de recursos financeiros, tais como:


  • receitas de juros;

  • descontos condicionais obtidos;

  • variações monetárias pré-fixadas ativas (excedentes às pós-fixadas)


Atenção: obedecendo ao regime de competência do exercício, quando derivadas de operações ou títulos com vencimento posterior ao encerramento do exercício social, as receitas financeiras podem ser distribuídas proporcionalmente aos períodos-base a que competirem, podendo também, a critério da empresa, ser apropriadas integralmente no período-base correspondente à realização da operação.

despesas Financeiras: correspondem aos gastos incorridos nas operações de captação de recursos financeiros, tais como:




Atenção: as despesas financeiras pagas antecipadamente deverão ser apropriadas, pró rata tempore, por exercícios sociais a que competirem. Já as despesas financeiras incorridas na fase pré-operacional serão registradas como ativo diferido, para posterior amortização.


Contabilização:
Ex.: Aquisição de um CDB em 01/11/X1, com vencimento em 01/02/X2, no valor de $ 7.000, com ganho pré-fixado de $ 2.100.
1. antecipando o reconhecimento da receita
Aplicações Financeiras – CDB

a Diversos

a Caixa / Bancos .................................. $ 7.000

a Receitas Financeiras ........................ $ 2.100 $ 9.100


      • neste caso, a receita financeira foi apropriada integralmente ao resultado do exercício social X1



2. apropriando a receita segundo o regime de competência
- quando da operação (01/11/X1):
Aplicações Financeiras – CDB

a Diversos

a Caixa / Bancos ................................... $ 7.000

a Receitas Financeiras a Apropriar ....... $ 2.100 $ 9.100

- em 31 de dezembro de X1:
Receitas Financeiras a Apropriar

a Receitas Financeiras ............................ $ 700

5.2. RESULTADO COM MERCADORIAS, PRODUTOS E SERVIÇOS
Mercadorias são os bens que as empresas comerciais adquirem com a finalidade de revenda, sem industrializá-las. São revendidas da mesma forma como foram adquiridas.

Compreendem:



  • o registro dos fatos envolvendo as mercadorias: estoque inicial, compras, vendas e estoque final;

  • apuração do custo das mercadorias vendidas (CMV);

  • apuração do resultado com mercadorias (RCM);


CMV Custo das Mercadorias Vendidas

CMV = Ei + C - Ef
Onde:

Ei  Estoque Inicial

C  Compras Líquidas

EF  Estoque Final
RCM Resultado com Mercadorias = LUCRO BRUTO
RCM = V - CMV

Onde:
V  Vendas Líquidas



CMV  Custo das Mercadorias Vendidas

Inventário é a verificação de existências patrimoniais por meio de levantamento individualizado e completo dos bens e valores ativos e passivos de uma empresa. Pode ser Periódico ou Permanente.
Inventário Periódico ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através de contagem física, obtendo-se o valor do estoque final (Ef). O preço utilizado para sua avaliação é o de custo ou de mercado, dos dois o menor.


  • o Estoque Final (Ef) de um exercício é o Estoque Inicial (Ei) do exercício seguinte, e assim por diante.3




  • Utiliza-se a conta Mercadorias Mista


Conta Mercadorias Mista no início do exercício esta conta é patrimonial (reflete o valor do estoque inicial). No decorrer do exercício social, com entradas e saídas, esta conta passa a ser conta de resultado. Após o registro do inventário final, o saldo desta conta representa o RCM.
Estoque Inicial corresponde ao saldo da conta Mercadorias em estoque no encerramento anterior.
Mercadorias Mista

a Mercadorias em Estoque



Compras de Mercadorias lançadas a débito da conta Mercadorias Mista, tendo como contrapartida lançamentos a crédito das contas Caixa, Bancos, Contas a Pagar, etc.

Mercadorias Mista

.a Caixa / Bancos / Contas a Pagar

Venda de Mercadorias lançadas a crédito da conta Mercadorias Mista, tendo como contrapartida lançamentos a débito das contas Caixa, Bancos, Contas a Receber, etc.

Caixa / Bancos / Contas a Receber

.a Mercadorias Mista
Estoque Final no encerramento do exercício, faz-se o inventário das mercadorias que se encontram em estoque e o valor será lançado a débito da conta patrimonial Mercadorias em Estoque, e em contrapartida a crédito da conta Mercadorias Mista
Mercadorias em Estoque

.a Mercadorias Mista






Resultado Final o saldo da conta Mercadorias Mista será o RCM

Obs.: a apuração contábil do CMV é obrigatória; a apuração do RCM é facultativa

5.3. APURAÇÃO DO RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO

Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) o objetivo dessa demonstração é fornecer o resultado líquido do exercício, ou seja, as Receitas e Despesas do Exercício apuradas segundo o regime de Competência (as receitas e despesas são consideradas independentemente de seus recebimentos ou pagamentos).

VENDAS BRUTAS

(-) DEDUÇÕES DE VENDAS

(=) VENDAS LÍQUIDAS
(-) CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS (CMV)

(=) LUCRO BRUTO / LUCRO OPERACIONAL BRUTO (LOB)
(-) DESPESAS OPERACIONAIS

(+-) RESULTADO FINANCEIRO (Receitas + Despesas Financeiras)

(=) RESULTADO OPERACIONAL
(+) RECEITAS NÃO OPERACIONAIS

(-) DESPESAS NÃO OPERACIONAIS

(=) LUCRO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA
(-) CONTRIBUIÇÃO SOCIAL S/LUCRO

(-) PROVISÃO PARA IMPOSTO DE RENDA

(=) LUCRO ANTES DAS PARTICIPAÇÕES
(-) PARTICIPAÇÕES

(=) LUCRO LÍQUIDO (LL)


5.4. RESULTADO OPERACIONAL BRUTO




Operações com mercadorias


 Como vimos, as mercadorias compreendem todos os Bens que as empresas comerciais compram para revender. As operações que envolvem as compras e as vendas de mercadorias constituem a atividade principal das empresas comerciais.
 Como contabilizar as operações com mercadorias? Para contabilizar as operações com mercadorias existem dois métodos:
Método da conta mista: consiste em utilizar uma única conta, que poderá ser chamada de Mercadorias, ou Estoque de Mercadorias, ou outra similar, para registrar todas as operações com mercadorias (estoques inicial e final, compras, vendas, devoluções de compras e devoluções de vendas).
Método da conta desdobrada: consiste em utilizar as três contas básicas: Estoque de Mercadorias (para registrar os estoques inicial e final), Compras de Mercadorias e Vendas de Mercadorias. Podem, ainda, ser utilizadas as contas Compras Anuladas (para registrar as devoluções de compras) e Vendas Anuladas (para registrar as devoluções de vendas).



  • A empresa poderá optar por um dos dois métodos, mas não poderá utilizar ambos ao mesmo tempo, para não prejudicar a uniformidade de seus registros contábeis.




  • Seja qual for o método utilizado, a empresa poderá, ainda, adotar um dos seguintes sistemas:


Inventário permanente: consiste em controlar permanentemente o valor do estoque de mercadorias. Assim, a cada compra efetuada, seu custo é incluído no estoque; e a cada venda efetuada, seu custo é diminuído do estoque, permitindo que o estoque de mercadorias fique atualizado constantemente.
Inventário periódico: por este sistema, o valor do estoque só é conhecido no final do período, mediante levantamento (inventário) físico realizado.


  • Fizemos estas considerações porque, a partir de agora, adotaremos o método da conta desdobrada com inventário periódico



  • Registro das compras e das vendas de mercadorias durante o ano

a) Compras de mercadorias


Exemplo:

Compra de mercadorias, conforme Nota Fiscal n.º 85, do fornecedor Luzeletrica Ltda., no valor de R$ 10.000, à vista.


Registro no livro Diário:
Compras de Mercadorias

a Caixa

Nota Fiscal n.º 85, de Luzeletrica Ltda ......................................... 10.000

 Desta forma, toda vez que a empresa comprar mercadorias, a conta a ser debitada será Compras de Mercadorias e a conta a ser creditada poderá ser Caixa, Bancos Conta Movimento, Fornecedores ou Duplicatas a Pagar, conforme o caso.

b) Fatos que alteram o valor das compras
Compras anuladas: consistem na devolução total ou parcial das mercadorias adquiridas, tendo em vista fatos desconhecidos no momento da compra.

Exemplo:

Nossa devolução de parte da compra de mercadorias do fornecedor All-Pack Ltda., conforme nossa Nota Fiscal n.º 323, no valor de R$ 2.000. O fornecedor nos devolveu a importância em dinheiro.


Registro no livro Diário:
Caixa

a Compras Anuladas

Nossa devolução de parte das mercadorias adquiridas do

Fornecedor All-Pack Ltda., conf. N/ NF n.º 323 ...................... 2.000

Descontos ou abatimentos incondicionais obtidos: consistem nos descontos obtidos do fornecedor no momento da compra das mercadorias, os quais vêm destacados na própria Nota Fiscal de compra, desde que não dependam, para sua concessão, de eventos posteriores à emissão da Nota Fiscal.
Exemplo:

Compra de mercadorias, à vista, do fornecedor Monitor S/A, conforme Nota Fiscal n.º 9730, no valor de R$ 4.000. Houve desconto destacado na Nota Fiscal no valor de R$ 400.


Registro no livro Diário:
A contabilização desse tipo de desconto, do ponto de vista técnico, é desnecessária, sendo a compra registrada pelo seu valor líquido. Entretanto, havendo interesse, a contabilização poderá ser feita da seguinte maneira:
Compras de Mercadorias

a Diversos

Nossa compra, conf. NF n.º 9730 do fornecedor

Monitor S/A, como segue:
a Caixa

Valor líquido pago .............................................................. 3.600

a Descontos Incondicionais Obtidos

10% destacados na NF supra ........................................ 400 4.000

Fretes e seguros sobre Compras: correspondem à importância paga diretamente ao fornecedor ou a uma empresa transportadora, referente a despesas com seguros e transporte.
Exemplo:

Paga à empresa Transportadora Conde S/A a importância de R$ 3.000, referente a fretes e seguros, conforme Nota Fiscal de Serviço de Transporte n.º 475.


Pelo sistema que estamos adotando para registro das operações com mercadorias, esse fato poderá ser contabilizado da seguinte maneira:
Registro no livro Diário:
Fretes e Seguros sobre Compras

a Caixa

Fretes e seguros pagos à Transportadora Conde

S/A, conf. NF de Serviço de Transporte n.º 475 ........................ 3.000

c) Vendas de mercadorias


Exemplo:

Nossas vendas de mercadorias, à vista, conforme nossas Notas Fiscais n.os 725 a 786, no valor de R$ 15.000.


Registro no livro Diário:
Caixa

a Vendas de Mercadorias

Vendas de mercadorias, conforme nossas

Notas Fiscais n.os 725 a 786 ...................................................... 15.000
 Assim, toda vez que ocorrer vendas de mercadorias durante o ano, a conta a ser creditada será sempre Vendas de Mercadorias e a conta a ser debitada poderá ser Caixa, Clientes ou Duplicatas a Receber, conforme o caso.

d) Fatos que alteram o valor das vendas
Vendas anuladas: é comum as empresas receberem de seus clientes mercadorias em devolução total ou parcial, por motivos também desconhecidos no momento da venda.
Exemplo:

Recebemos do cliente Forte S/A, em devolução, mercadorias no valor de R$ 6.000, referentes à parte de nossa venda através da nossa NF n.º 4475. Foi restituído ao cliente o valor em dinheiro.


Registro no livro Diário:
Vendas Anuladas

a Caixa

Devolução de vendas recebida do cliente Forte S/A

ref. parte de nossa NF n.º 4475 .......................................... 6.000


Descontos ou abatimentos incondicionais concedidos: independentemente de qualquer condição posterior à emissão da Nota Fiscal, nossa empresa também poderá oferecer descontos, destacando-os nas Notas Fiscais de venda.
Exemplo:

Venda de mercadorias a Matheus & Lucas Ltda, conforme nossa Nota Fiscal n.º 230, no valor de R$ 8.000, tendo sido concedido desconto incondicional, destacado na própria NF, igual a R$ 800.


Registro no livro Diário:
Diversos

a Vendas de Mercadorias

Nossa NF n.º 230, ref. venda a Matheus & Lucas Ltda,

Como segue:

Caixa

Valor líquido da Nota ............................................. 7.200

Descontos Incondicionais Concedidos

10% destacados na NF supra ............................... 800 8.000

e) Imposto e contribuições incidentes sobre as vendas
ICMS: o Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação é um imposto de competência estadual, incidente sobre a circulação de mercadorias e sobre a prestação de alguns serviços, como o fornecimento de energia elétrica, transporte e comunicações.


  • Até agora, quando no referimos a compras e vendas de mercadorias, não nos preocupamos com o ICMS, mas esse imposto incide sobre a maioria dessas operações.




  • O valor do ICMS já vem incluído no valor das mercadorias constantes da Nota Fiscal.



ICMS incidente nas compras

Vamos citar o exemplo de uma Nota Fiscal no valor de R$ 1.000 de mercadorias incluindo R$ 180 de ICMS (calculado com base em uma alíquota de 18 %)


Registro no livro Diário:
Diversos

a Caixa

Nota Fiscal n 345, de Gabriel S/A

em geral:

Compras de Mercadorias

Valor líquido da compra ................................... 820

ICMS a recuperar

18% sobre a NF supra ...................................... 180 1.000






O
bservações:


  • A conta Compras de Mercadorias, que é de apuração do Resultado Bruto, foi debitada pelo valor líquido da compra, ou seja, pelo valor pago, menos o valor do ICMS. O saldo desta conta será transferido para a conta Custo das Mercadorias Vendidas no momento da apuração do Resultado Bruto.




  • Conta ICMS a Recuperar, do Ativo Circulante, foi debitada pelo valor do ICMS incidente nessa compra. Esse valor representa Direito para a empresa, que poderá compensá-lo no valor do ICMS devido nas vendas efetuadas no mesmo mês.


ICMS incidente nas vendas


Exemplo: Nota Fiscal, referente à venda de mercadorias à vista com n. 4521 da empresa Luzeletrica S/A, no valor de R$ 500 (alíquota do ICMS = 18 %)
Registro no livro Diário:
Caixa

a Venda de Mercadorias

Nossa Nota Fiscal n. 4521, ref. à venda de

Mercadorias .............................................................................. 500

ICMS sobre Vendas



a ICMS a Recuperar

Valor do ICMS incidente sobre a venda supra ...................... 90

 Veja a posição das contas envolvidas nos respectivos Razonetes, após os três lançamentos efetuados:









O

bservações:



  • A conta vendas de Mercadorias foi creditada no lançamento n. 2 por R$ 500, correspondentes ao valor da venda bruta. Essa conta representa Receita Bruta de Vendas e seu saldo será transferido para a conta Resultado da Conta Mercadorias no momento da apuração do Resultado Bruto.




  • A conta ICMS sobre Vendas foi debitada no lançamento n.º 3 por R$ 90, correspondente ao valor do ICMS incidente sobre a venda. Essa conta é redutora da Receita Bruta de Vendas e seu saldo será transferido para a conta Resultado da Conta Mercadorias no momento da apuração do Resultado Bruto.




  • No lançamento n.º 1, a conta ICMS a Recuperar foi debitada pelo valor do ICMS incidente sobre a compra (Direito da empresa), e no lançamento n.º 3 foi creditada pelo valor do ICMS incidente sobre a venda (Obrigação da empresa).




  • Como você pode observar, nas compras de mercadorias com incidência do ICMS basta um lançamento para registrar o valor líquido das compras de mercadorias e o valor do ICMS a débito da conta ICMS a Recuperar. Por outro lado, nas vendas de mercadorias com incidência do ICMS são necessários dois lançamentos: um para registrar o valor da venda bruta e outro para registrar o valor do ICMS incidente na venda.




  • V
    ocê pode notar, ainda, que a conta ICMS a Recuperar foi debitada no lançamento n.º 1 pelo valor do ICMS incidente sobre a compra e creditada no lançamento n.º 3 pelo ICMS incidente sobre a venda. Veja novamente o respectivo Razonete:

 Essa conta funciona como conta corrente do ICMS, já que o valor desse imposto pertence ao Governo do Estado. Assim, nas compras a empresa tem o direito de recuperar o valor do ICMS pago ao fornecedor, e nas vendas, tem a obrigação de recolher ao Governo do Estado o respectivo valor do ICMS incidente.




  • No final de cada mês, as empresas deverão apurar o saldo da conta corrente do ICMS (que estamos chamando de ICMS a Recuperar) para verificar se a movimentação das mercadorias durante o mês acarretou direito ou obrigação da empresa para com o Governo do Estado.




  • Se, no último dia do mês, a conta ICMS a Recuperar apresenta saldo devedor, significa que a empresa teve direito no referido mês; caso contrário, o valor deve ser recolhido ao Governo do Estado, já que representa obrigação.




  • Dessa forma, sendo o saldo credor, no último dia do mês deverá ser feito o seguinte lançamento no livro Diário:


ICMS a Recuperar

a ICMS a Recolher

Transferência ref. saldo credor do período .................................... R$ 90



  • Com esse lançamento, a conta ICMS a Recuperar fica com saldo igual a zero, e a conta ICMS a Recolher, sendo creditada, representa a obrigação que a empresa terá que recolher ao Governo do Estado nos primeiros dias do mês seguinte.




  • Quando, no final do mês, o saldo da conta ICMS a Recuperar for devedor, não haverá ajuste contábil a ser feito, pois esse saldo representa direito da empresa, e a referida conta, sendo do Ativo Circulante, reflete tal situação.


PIS sobre faturamento: o Plano de Integração Social é uma contribuição que as empresas comerciais devem efetuar mensalmente ao Governo Federal, com base em seu faturamento, e destina-se ao pagamento do seguro-desemprego e do abono anual que a Caixa Econômica Federal paga aos trabalhadores cadastrados.


  • Atualmente, a alíquota é de 0,65%, calculada sobre o faturamento.


Contribuição Social: a Contribuição Social sobre o Faturamento — COFINS — é também uma contribuição que as empresas comerciais devem efetuar mensalmente ao Governo Federal, com base no faturamento, e destina-se ao financiamento da seguridade social.


  • Atualmente, a alíquota é de 2%, calculada sobre o valor da receita bruta das vendas de mercadorias, de mercadorias e serviços e de serviços de qualquer natureza, menos as vendas anuladas, menos os descontos incondicionais concedidos e menos as vendas anuladas, menos os descontos incondicionais concedidos e menos o valor do Imposto sobre Produtos Industrializados, quando integrar o valor da receita bruta das vendas (empresas industriais).


5.4.1. Resultado da Conta Mercadorias – Lucro Bruto



Lucro Bruto: é a diferença entre a receita líquida de vendas de bens ou serviços e o custo das mercadorias vendidas ou dos serviços prestados.



  • Para apurarmos no final do ano o resultado da conta Mercadorias, precisamos, inicialmente, verificar no livro Razão os saldos das contas utilizadas durante o ano para o registro das operações com mercadorias.

S
uponhamos que os saldos dessas contas em uma determinada empresa, em 31 de dezembro, tenham sido os seguintes:






 Pelo método por nós adotado, ou seja, conta desdobrada com inventário periódico, para apurarmos o resultado da conta Mercadorias em 31 de dezembro, além das contas acima (que representam o estoque inicial e as compras e as vendas de mercadorias efetuadas no período), precisamos conhecer o valor das mercadorias em estoque no último dia do ano. Com esse objetivo, é feita uma contagem física (inventário) das mercadorias.


 Supondo que o inventário físico realizado em 31 de dezembro tenha sido de R$ 12.000, vamos estudar dois processos de apuração: extracontábil e contábil.


Apuração extracontábil


1ª fórmula:




CMV = Ei + C - Ef
onde:
CMV = Custo das Mercadorias Vendidas

Ei = Estoque Inicial de mercadorias

C = Compras de mercadorias
Ef = Estoque Final de mercadorias

Assim, temos:


CMV = 5.000 + 20.000 – 12.000 = 13.000

2ª fórmula:




RCM = V - CMV

onde:
RCM = Resultado da Conta Mercadorias



V = Vendas de mercadorias

CMV = Custo das Mercadorias Vendidas, apurado pela primeira fórmula
Logo:
RCM = 23.000 – 13.000 = 10.000
Sendo o RCM positivo (o valor das vendas supera o valor do custo), ele corresponde a lucro. Esse é o Lucro Bruto do Exercício, ou seja, o lucro apurado nas vendas.

Apuração contábil

 Para contabilizar o Resultado da Conta Mercadorias, tanto no Diário como no Razão ou Razonete, vamos tomar como roteiro as duas fórmulas apresentadas e proceder aos lançamentos, seguindo a ordem em que as contas aparecem nas respectivas fórmulas.


 Comecemos pelo Custo das Mercadorias Vendidas (CMV). Como essa conta não foi movimentada durante o ano, vamos abrir um Razonete para ela:



Custo das Mercadorias Vendidas






Seguindo a primeira fórmula, temos:



CMV = Ei + ...
 A primeira conta que aparece na fórmula é o Ei (Estoque Inicial) e seu valor está registrado, na Contabilidade, na conta Estoque de Mercadorias, que apresenta saldo devedor de R$ 5.000. A transferência do saldo dessa conta para a conta CMV é feita através do seguinte lançamento:
Custo das Mercadorias Vendidas (CMV)

a Estoque de Mercadorias

Valor que se transfere para apuração do CMV, ref.

ao Estoque Inicial .............................................................................. 5.000

Veja como ficaram as contas envolvidas neste lançamento em seus respectivos Razonetes:






 Note que, após o lançamento, a conta Estoque de Mercadorias ficou com saldo igual a zero, já que seu valor foi transferido para a conta CMV.


Continuando a fórmula, temos:




CMV = Ei + C

 A transferência do saldo da conta Compras de Mercadorias para a conta CMV é feita através do seguinte lançamento:


Custo das Mercadorias Vendidas (CMV)

a Compras de Mercadorias

Transferência do valor das compras para

Apuração do CMV ...................................................................... 20.000

V

eja a posição das contas envolvidas em seus respectivos Razonetes:


 Note que a conta Compras de Mercadorias ficou com saldo igual a zero, pois seu saldo, de R$ 20.000, devedor, do transferido para a conta CMV.
Continuemos com a fórmula:




CMV = Ei + C - Ef

 O valor do Estoque Final, conforme dissemos, é apurado mediante levantamento físico efetuado em 31 de dezembro; logo, até o presente, esse valor não foi registrado pela Contabilidade. Porém, o seu registro é simples:


Estoque de Mercadorias

a Custo das Mercadorias Vendidas (CMV)

Registro do Estoque Final, conforme inventário

Físico realizado ............................................................................. 12.000

V

eja a posição das contas envolvidas em seus respectivos Razonetes:


 Note que a conta Estoque de Mercadorias, que teve seu saldo inicial de R$ 5.000 transferido para a conta CMV através do lançamento n.º 1, foi reaberta neste lançamento pelo valor do Estoque Final.



Chegamos, assim, ao final da fórmula do CMV; não há mais nenhuma conta a ser lançada. Vamos, então, apurar o saldo da conta CMV, que deverá coincidir com o valor apurado extracontabilmente:
 O próximo passo é proceder da mesma maneira com a segunda fórmula (do RCM). Essa conta também não foi movimentada durante o ano; por isso, vamos abrir um Razonete para ela neste momento:


Seguindo a fórmula do RCM, temos:



RCM = V - ...

 A primeira conta que aparece na fórmula é Vendas de Mercadorias. A transferência do saldo desta conta para a conta RCM é feita através do seguinte lançamento:


Vendas de Mercadorias

a Resultado da Conta de Mercadorias (RCM)

Transferência do valor das vendas para apuração

do RCM ................................................................................. 23.000

Veja a posição das contas envolvidas em seus respectivos Razonetes:





 Note que, após este lançamento, a conta Vendas de Mercadorias ficou com saldo igual a zero, pois teve seu valor transferido para a conta RCM.


Continuando a fórmula, temos:



RCM = V- CMV

 A transferência do CMV para o RCM é feita através do seguinte lançamento:


Resultado da Conta Mercadorias (RCM)

a Custo das Mercadorias Vendidas (CMV)

Transferência do CMV para apuração do RCM ................. 13.000

Veja a posição das contas envolvidas em seus respectivos Razonetes:









 Note que, após este lançamento, a conta Custo das Mercadorias Vendidas, tendo seu saldo transferido para a conta Resultado da Conta Mercadorias, ficou com saldo igual a zero.


 Como na fórmula não há mais nenhuma conta para ser lançada, vamos, agora, apurar o saldo da conta RCM, o qual deverá coincidir com o valor apurado através dos cálculos extracontábeis.
 Se o saldo da conta RCM dor devedor, corresponderá a Prejuízo Bruto, ou seja, Prejuízo sobre Vendas; se for credor, corresponderá a Lucro Bruto, ou seja, Lucro sobre Vendas. Vejamos:



 Com este lançamento n.º 5, encerramos os procedimentos necessários à apuração do Resultado da Conta Mercadorias.
 Note que, após esse procedimento, permaneceram abertos, com saldos, apenas os Razonetes das seguintes contas:
Estoque de Mercadorias: com débito de R$ 12.000, cujo valor corresponde ao Estoque Final de mercadorias existente em 31 de dezembro;
Resultado da Conta Mercadorias (RCM): com saldo credor de R$ 10.000, cujo valor corresponde ao Lucro Bruto.


  • A conta Estoque de Mercadorias representa Bens; portanto, é conta Patrimonial e deve constar do Balanço Patrimonial no grupo do Ativo Circulante.




  • A conta Resultado da Conta Resultado (RCM), que representa o Lucro Bruto do Exercício, terá o seu saldo transferido para a conta Resultado do Exercício no momento da Apuração do Resultado Líquido do Exercício. Entretanto, para fixar melhor o resultado apurado nas operações com mercadorias, didaticamente podemos transferi-lo para uma conta que reflita o respectivo resultado. Assim, como no nosso caso o resultado foi lucro, podemos efetuar o seguinte lançamento:



Resultado da Conta Mercadorias (RCM)

a Lucro sobre Vendas

Lucro bruto apurado ................................................................. 10.000

5.4.2. RESULTADO OPERACIONAL LÍQUIDO



Resultado Operacional Líquido: é o resultado do Lucro Bruto menos as Despesas Operacionais, menos o Resultado Financeiro (Receitas – Despesas Financeiras)
Despesas e Receitas Operacionais

Despesas Operacionais: são aquelas decorrentes do desenvolvimento das atividades normais da empresa.

Elas podem ser agrupadas do seguinte modo:



DESPESAS COM VENDAS


Pessoal

. Comissões sobre Vendas

. Encargos Sociais

. Salários
Outras

. Despesas com Créditos de Liquidação Duvidosa

. Fretes e Carretos

. Material de Embalagem

. Propaganda e Publicidade

DESPESAS FINANCEIRAS


. Descontos Concedidos

. Despesas Bancárias

. Juros Passivos

DESPESAS ADMINISTRATIVAS


Pessoal

. Café e Lanches

. Condução e Transporte

. Encargos Sociais

. Honorários da Diretoria

. Pró-labore

. Salários
Gerais

. Água e Esgoto

. Aluguéis Passivos

. Amortização

. Combustíveis

. Depreciação

. Luz e Telefone

. Material de Expediente

. Prêmios de Seguro

. Despesas Eventuais
Tributárias

. Impostos e Taxas
Outras

. Serviços de Terceiros

. Despesas Eventuais

OUTRAS DESPESAS OPERACIONAIS


. Multas Fiscais

. Variações Monetárias Passivas

. Perdas Não-cobertas por Seguros


Receitas Operacionais: são também aquelas decorrentes do desenvolvimento das atividades normais da empresa.

As mais comuns são:



RECEITA BRUTA


. Vendas de Mercadorias

. Receitas de Serviços

RECEITAS FINANCEIRAS


. Descontos Obtidos

. Juros Ativos

. Rendimentos sobre Aplicações Financeiras

OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS


. Aluguéis Ativos

. Perdas recuperadas

. Variações Monetárias Ativas

. Receitas Eventuais

Despesas e Receitas Não-operacionais
Despesas Não-operacionais: são aquelas decorrentes de transações não-incluídas nas atividades principais ou acessórias da empresa, como, por exemplo, o custo (valor contábil) de Bem do Ativo Permanente que deve ser apurado quando este for alienado, baixado ou liquidado.


  • Quando o resultado apurado nessas transações for negativo, ele poderá ser representado pela conta Perdas em Transações do Ativo Permanente.


Receitas Não-operacionais: são aquelas provenientes de transações não-incluídas nas atividades principais ou acessórias que constituem objeto da empresa, como, por exemplo, o montante obtido na alienação de Bens ou Direitos integrantes do Ativo Permanente.


  • Quando o resultado dessas transações for positivo, ele poderá ser registrado na conta Ganhos em Transações do Ativo Permanente



5.3.4. Apuração do Resultado do Exercício — Resultado Líquido


  • Você deve ter percebido que, após os lançamentos exemplificativos apresentados neste capítulo, quase sempre inserimos esta frase:




  • O saldo desta conta será transferido para a conta Resultado do Exercício no momento da apuração do Resultado Líquido”.

 Quando chegamos a este ponto, após termos efetuados todos os ajustes e apropriações necessários, para apurar o Resultado do Exercício, basta transferir todas as despesas e encargos do período, bem como todas as receitas, para a conta Resultado do Exercício. Se o saldo desta conta for devedor, corresponderá a Prejuízo Líquido; se for credor, corresponderá a Lucro Líquido. Isso ocorre porque esta conta recebe a débito todas as despesas e encargos e a crédito o Resultado da Conta Mercadorias (saldo credor), bem como todas as demais receitas do período.


Esse procedimento compõem, basicamente, de dois lançamentos:

a. Debita-se a conta Resultado do Exercício e creditam-se todas as Contas de Despesas e encargos do período.
b. Debitam-se a conta Resultado da Conta Mercadorias (se credor) e todas as demais receitas do período e credita-se a conta Resultado do Exercício.
 Suponhamos que a conta Resultado do Exercício, após efetuado os dois lançamentos acima, tenha apresentado a seguinte situação:


 Observe que o saldo da conta Resultado do Exercício é credor de R$ 414.300. Esse saldo representa lucro, pois as receitas superaram as despesas. Sobre esse lucro, as empresas devem calcular e contabilizar a Provisão para Pagamento da Contribuição Social e a Provisão para Pagamento do Imposto de Renda.




Provisão para Contribuição Social


  • Trata-se de uma contribuição destinada ao financiamento da seguridade social devida pelas empresas ao Governo Federal, com base no Resultado do Exercício apurado no final de cada período, que poderá ser um mês, de um ano ou outro, conforme estabeleça a legislação.

 Normalmente, a base para o cálculo desta provisão é o Resultado do Exercício antes de calculada a Provisão para o Imposto de Renda, ajustado conforme determina a legislação.


 Portanto, para se calcular adequadamente o valor a ser provisionado, é preciso efetuar cálculos extracontábeis para se ajustar o Resultado do Exercício e, em seguida, aplicar, nesse Resultado ajustado, a alíquota que estiver em vigor no respectivo ano.

Provisão para Imposto de Renda
 Com base no Resultado do Exercício apurado no final de cada período, que poderá ser de um mês, de um ano ou outro, conforme estabeleça a legislação, as empresas estão obrigadas a pagar ao Governo Federal uma importância a título de Imposto de Renda.
 Para fazer face a esse compromisso fiscal, como ocorre com a Contribuição Social, no momento da apuração do Resultado do Exercício, é criada uma provisão, contabilizada na conta Provisão para Imposto de Renda.
Exclusivamente para fins didáticos, o seguinte:


  • alíquota igual a 25%;

  • base de cálculo igual ao Resultado do Exercício antes das provisões (a mesma base de cálculo da Provisão para Contribuição Social).




  • Entretanto, é importante saber que esta provisão deve ser calculada, legalmente, com base no Lucro Real.



Lucro Real: é o Lucro Líquido do Exercício, ajustado pelas adições, exclusões ou compensações prescritas ou autorizadas pela legislação tributária. O Lucro Real é determinado com base na escrita que o contribuinte deve manter, observando as leis comerciais e fiscais, e é demonstrado no Livro de Apuração do Lucro Real — LALUR.


  • Assim, no LALUR o Lucro Líquido do Exercício ( LL ) é ajustado observando as adições, exclusões e compensações.

Devem ser adicionados:



  • custos, despesas, encargos, perdas, provisões, participações e quaisquer outros valores deduzidos na apuração do Lucro Líquido que, de acordo com a legislação tributária, não sejam dedutíveis na determinação do Lucro Real;




  • resultados, rendimentos, receitas e quaisquer outros valores não-incluídos na apuração do Lucro Líquido que, de acordo com a legislação tributária, devem ser computados na determinação do Lucro Real.

Devem ser excluídos:



  • valores cuja dedução seja autorizada pela legislação tributária e que não tenham sido computados na apuração do Lucro Líquido do período-base;




  • resultados, rendimentos, receitas e quaisquer outros valores incluídos na apuração do Lucro Líquido que, de acordo com a legislação tributária, não sejam computados no Lucro Real.



  • Poderão ser compensados, total ou parcialmente, à vontade do contribuinte, os prejuízos fiscais de exercícios anteriores, limitados ao lucro real do exercício da compensação, observados os prazos previstos no Regulamento do Imposto de Renda.




  • O prejuízo fiscal é o apurado na demonstração do Lucro Real e registrado no LALUR.

Prejuízos Acumulados

 Os Prejuízos Acumulados correspondem a prejuízos apurados pela contabilidade em exercícios anteriores, que estejam devidamente contabilizados a débito da conta Lucros ou Prejuízos Acumulados.




  • Esses prejuízos deverão ser compensados pelo lucro apurado no exercício atual, após as deduções da Provisão para Contribuição Social e da Provisão para o Imposto de Renda.


1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal