Resumo de história (ficha “as 13 colônias inglesas)



Baixar 7.74 Kb.
Encontro27.07.2016
Tamanho7.74 Kb.
Resumo de história (ficha “as 13 colônias inglesas)
As 13 colônias inglesas:

  • As colônias inglesas no novo mundo foram povoadas de maneira distinta

  • Primeiro grupo: terras férteis e temperadas do sul, regime de plantation, mão de obra de negros escravos.

  • Segundo grupo: região fria do norte, economia baseada na pequena agricultura, pecuária, pesca e comércio, grande extração de madeira para a construção de navios e povoadas por protestantes.

  • Terceiro grupo: colônias intermediárias, população com aspecto heterogêneo, havia uma pequena agricultura, um forte comércio e numerosos artesãos.

  • Colônias gozavam de certa autonomia, metrópole ausente e distante.

  • Sistema inglês definira-se como uma monarquia parlamentar, passando a interferir nas colônias, agora vistas como importantes fontes para alimentar o processo industrial inglês.

  • Guerra do sete anos: franceses e indígenas X ingleses. Tinha como objetivo o domínio de certas terras por parte da França. Inglaterra acaba a guerra vitoriosa.

  • Inglaterra virou nova potência mundial, criando leis e impostos sobre suas colônias.

  • Reação dos colonos contra essas leis impostas (protestos e boicotes às importações inglesas)

  • Imposição da Lei do chá (que concedeu o monopólio da venda deste produto para a Companhia das Índias Orientais) levou os colonos a invadirem um navio exportador e despejarem todo o depósito no mar.

  • Colonos realizaram o Congresso continental da Filadélfia. Reação hostil por parte da Inglaterra.

  • Colonos realizaram o Segundo Congresso Continental da Filadélfia, que decidiu a separação e o encarregamento de uma comissão de redigir a declaração de independência.


A confederação:

  • Problemas após a independência: como manter as 13 colônias, com características tão diferentes, unidas?

  • Período da confederação: um governo fraco, que analisava as vontades dos 13 estados.

  • Norte americanos se recusavam a um poder central muito forte, com medo de que pudesse virar uma monarquia. Com um poder central fraco, fez com que se defendesse a autonomia dos estados.


A convenção:

  • Criação da Convenção, com o objetivo de pensar em saídas para as fragilidades políticas da fragmentação.

  • A Convenção teve como resultado, fazer com que o país deixasse de ser uma confederação, com a política econômica, a política externa e o controle das forças armadas fossem transferidas para um centro superior de decisão política: o Estado Nacional.


A federação:

  • O resultado da convenção criou debates, que dividiu a população em dois: o dos federalistas, que defendiam o governo central ser mais forte que a Confederação e o dos antifederalistas, que defendiam a confederação e temiam que o governo ganhasse características de uma monarquia., um governo tirânico.

  • Antifederalistas: queriam mais poder local, e propunham voto para todo homem branco (direitos individuais).

  • Federalistas: rejeitavam os direitos individuais, temendo que virasse uma anarquia, um caos.

  • Os federalistas, com mais força e organização, conseguiram implantar os três famosos poderes, criados por Montesquieu (executivo, judiciários e legislativo)

  • Ficou estabelecido algo novo para a época, que não se baseava na hereditariedade de um rei, mas sim na figura de um presidente escolhido pela população, que, junto com os três poderes, comandaria o país, excluindo a maioria da população das decisões políticas.

  • No entanto, com a forte pressão dos antifederalistas, foi criado a Declaração de Direitos, que garantia alguns direitos civis: liberdade de expressão, liberdade de reunião, liberdade de imprensa, liberdade de fé religiosa e propunha a separação incondicional da Igreja e do Estado.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal