Revista comunista internacional



Baixar 14.72 Kb.
Encontro05.08.2016
Tamanho14.72 Kb.
EDITORIAL DA “REVISTA COMUNISTA INTERNACIONAL”

Os comunistas se recusam a dissimular suas opiniões e seus objetivos. Declaram abertamente que seus fins só poderão ser alcançados pela derrubada violenta de toda ordem social existente.”



(K. Marx – F. Engels, Manifesto do Partido Comunista)

A publicação do primeiro número da “Revista Comunista Internacional” expressa a necessidade de cooperação entre revistas teóricas e políticas de Partidos Comunistas que têm posições comuns em uma série de assuntos teóricos e ideológicos fundamentais. Essa necessidade amadureceu por meio da avaliação do período de retrocesso do movimento comunista internacional depois do triunfo da contrarrevolução na URSS e nos países orientais e centrais da Europa, assim como através das questões que o movimento comunista teve de enfrentar pelo desenvolvimento da luta de classes moderna.

Os passos dados para a cooperação e coordenação dos Partidos Comunistas e Operários no período passado foram muito importantes e necessários. Consideramos estas conquistas essenciais, as apoiamos e continuaremos apoiando. Conquistou-se certo nível de discussão, intercâmbio de informação e coordenação, posições e ações comuns em vários assuntos.

No entanto, é fundamental conquistar a unidade político-ideológica do movimento comunista sobre a base do marxismo-leninismo, a defesa das conquistas que trouxe para a classe operária em nível internacional o primeiro esforço histórico de construir o socialismo, assim como a concepção única sobre o caráter da derrocada e de suas causas. Tudo isso constitui condição prévia para a superação da profunda crise do movimento comunista e a revitalização do objetivo estratégico socialista.

Por isso, afirmamos que, paralelamente à continuação desta cooperação e coordenação dos Partidos Comunistas e Operários, como o encontro internacional anual, é necessário reforçar a cooperação em nível teórico entre as revistas teóricas marxistas-leninistas. Não nos esqueçamos de que a principal condição para a formação de um partido revolucionário é o domínio da teoria revolucionária, que foi o foco de atenção da III Internacional Comunista Leninista que este ano celebra seu nonagésimo aniversário. Desde a primeira publicação de sua revista teórica intitulada “Comunista Internacional” o Komintern expressou seus princípios organizativos e suas posições teóricas.

A “Revista Comunista Internacional”, seguindo a tradição leninista, é uma publicação com um claro caráter político-ideológico. É uma publicação com um ponto de vista e não uma simples recordação de teses de Partidos Comunistas, o que já acontece com outras publicações, tais como o Boletim Informativo dos encontros internacionais de Partidos Comunistas e Operários, assim como outras publicações partidárias. Nosso objetivo é contribuir para a popularização e desenvolvimento da teoria marxista-leninista com uma análise ideológica e posicionamento político diante da evolução moderna do capitalismo e dos problemas da luta de classes. Consideramos que o reforço da orientação marxista-leninista no seio do movimento comunista internacional é uma condição sine qua non para sua reorganização.

As revistas teóricas e políticas dos PCs que cooperam na publicação da “Revista Comunista Internacional” foram unidas com base na nossa concepção comum sobre assuntos importantes relativos ao movimento comunista internacional, a defesa dos princípios do marxismo-leninismo, do internacionalismo proletário, da necessidade da revolução socialista, da ditadura do proletariado e da construção da sociedade socialista.

Unimos nossas forças para contribuir para a reorganização teórica e ideológica do movimento comunista internacional sobre uma base marxista-leninista sólida apesar das diferentes aproximações em temas de tática e estratégia.

Para destacar de forma expressiva o papel de vanguarda da classe operária no processo revolucionário, nas condições nas quais uma série de forças disputam os critérios marxistas-leninistas, segundo os quais, alguém pertence à classe operária e seu papel dirigente na luta pelo progresso social, pela transição revolucionária do capitalismo ao socialismo.

Para defender os princípios leninistas sobre o Partido, em condições de crescimento da pressão sobre os partidos comunistas para sua incorporação ao sistema capitalista.

Para mostrar a necessidade da luta contra as uniões imperialistas, como o FMI, a OTAN, a UE, etc.

Para defender a experiência histórica do movimento comunista internacional, com segurança, sem rejeitar a crítica necessária e as conclusões científicas que ajudarão o moderno movimento comunista internacional a dar passos adiante. Consideramos que é necessário seguir a via das tradições revolucionárias da Comuna de Paris, a revolução socialista de Outubro, a Internacional Comunista e a experiência socialista da URSS e de outros países.



A reorganização teórica e ideológica do movimento comunista internacional não pode ser levada adiante sem um confronto firme das correntes que atuam no seio do movimento operário tais como a socialdemocracia e todo tipo de oportunismo dentro do movimento comunista como o revisionismo, o reformismo, o nacionalismo, o cosmopolitismo do capital e o liberalismo.

Para isso, expomos abertamente nossas posições, nossa concepção e nossa crítica ao existente retrocesso e distorção do marxismo ao conjunto do movimento comunista internacional e contribuímos para o início de uma discussão importante em suas filas para sua orientação teórica e ideológica. Dirigimo-nos a todas as revistas teóricas dos PCs que apóiam os princípios acima expressados e queiram contribuir para este esforço.

Achamos necessário dedicar o primeiro número da “Revista Comunista Internacional” à atual crise econômica capitalista internacional, que destaca os limites históricos do sistema capitalista e acumula material explosivo que pode contribuir para os processos revolucionários nos anos vindouros.

A crise atual confirma o significado da obra teórica de K. Marx, “O Capital”. Destaca como assunto fundamental do trabalho teórico sua assimilação criativa, ou seja, o entendimento profundo das leis da economia capitalista para que possamos analisar os fenômenos que não haviam se desenvolvido plenamente na época de Marx, tais como as novas formas de circulação do capital financeiro, os novos meios tecnológicos que aceleram a difusão da informação e dos intercâmbios.

A concepção marxista-leninista na análise destes fenômenos é determinante para as conclusões da luta política da classe operária em cada país e em nível internacional, para o fortalecimento da frente político-ideológica diante das propostas reformistas e oportunistas de racionalização do capitalismo.

Esperamos que os artigos que são publicados na revista contribuam nesta direção.



Nota do Secretariado Nacional do PCB:

As traduções dos textos dos Partidos Comunistas que aqui apresentamos são de responsabilidade de militantes do PCB: Leonardo Victor Dias (tradução do espanhol), Mariângela de Souza Marques (tradução do inglês) e Valéria Maria Lima Campos (tradução do espanhol).

Os revisores destas traduções foram dois camaradas da Comissão Política Nacional do Comitê Central do PCB: Edmilson Costa e Eduardo Serra.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal