Ricardo Nicotra/2002 Índice Introdução 5 Capítulo I o dízimo na Bíblia 6



Baixar 412 Kb.
Página7/21
Encontro18.07.2016
Tamanho412 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   21

As Vias Regulares


A irmã White por diversas vezes se manifestou contra a centralização do poder decisório e financeiro nas mãos de poucos administradores. Todas as vezes que alguns homens da Associação Geral tentavam dominar a igreja, Ellen White os reprovava por tentarem controlar rigidamente vários aspectos da obra sem dar liberdade e independência para os membros. Em 28 de junho de 1901 Ellen G. White disse:

“Devem as "vias regulares" (no inglês, "regular lines"), que dizem que toda mente deve ser controlada por duas ou três mentes em Battle Creek, continuar dominando? O clamor da Macedônia vem de todas as partes. Devem os homens ir às "vias regulares" para ver se eles permitirão o trabalho, ou devem eles sair e trabalhar da melhor forma que puderem dependendo de suas próprias habilidades e do auxílio do Senhor, iniciando de forma humilde e criando um interesse pela verdade em lugares onde nada tem sido feito para dar a mensagem de advertência?” - Ellen G. White - Spaulding e Magan, pág. 176.

Toda vez que Ellen White menciona as vias regulares (no inglês, “regular lines”) ela está se referindo à administração das Associações. No texto acima, quando ela menciona as “vias regulares”, está se referindo à Associação Geral que ficava em Battle Creek. Lá em Battle Creek, poucos homens tentavam continuar dominando a igreja e Ellen White reprovou esta postura centralizadora.

Muitos membros, ao transferirem o dízimo para a Igreja através das vias regulares (Associação/Missão) imaginam que juntamente com o dinheiro estão também repassando sua responsabilidade de mordomo para os administradores da Corporação. De fato, cada um de nós tem o livre arbítrio para transferir o dinheiro para onde desejarmos, mas a responsabilidade pelo bom emprego destes recursos não pode ser transferida para as “vias regulares”. Sua responsabilidade como mordomo é individual e intransferível. O mordomo pode transferir o dinheiro, mas não a responsabilidade.

“Deus chama para um reavivamento e reforma. As "vias regulares" (no inglês "regular lines") não têm feito a obra que Deus deseja ver realizada. Que o reavivamento e a reforma façam mudanças constantes. Algo tem sido feito nesta linha, mas que o trabalho não pare aqui. Não! Que toda escravidão seja quebrada. Que os homens despertem e percebam que eles têm uma responsabilidade individual.” - Ellen G. White - Spaulding e Magan. pág. 175 - Grifo Acrescido.

Este trecho diz que devemos despertar, acordar e perceber que a responsabilidade da obra é individual. As vias regulares (Associação/Missão) não estavam funcionando, não estavam fazendo a verdadeira obra que Deus gostaria, então Ellen White chama a atenção de cada adventista para que se conscientize de sua responsabilidade individual e intransferível.

A centralização dos recursos financeiros na mão de uns poucos privilegiados é a causa de vários problemas na sociedade. O Senhor, o Deus de Israel, sempre estabeleceu formas de diminuir esta desigualdade entre o Seu povo e inibir a centralização de recursos (Ver Levítico 19:9 e 10; 25:13 e 14). Este princípio de evitar a centralização é reforçado hoje por Deus através da orientação de Sua serva:

A Sabedoria divina deve obter espaço para atuar. Está para avançar sem pedir permissão ou apoio daqueles que têm tomado para si um poder régio. No passado um grupo de homens tentou tomar em suas próprias mãos o controle de todos os recursos vindo das igrejas e usaram estes recursos de forma desproporcional, construindo prédios caros onde grandes edifícios eram desnecessários e deixaram lugares necessitados sem auxílio e encorajamento. Eles tomaram sobre si a grave responsabilidade de retardar a obra onde ela deveria estar avançada. ...Em poucos lugares, cinco vezes mais dinheiro do que o necessário foi investido em edifícios. A mesma quantidade de dinheiro usada no estabelecimento de instalações em lugares onde a verdade nunca foi introduzida teria trazido muitas almas ao conhecimento da salvação em Cristo.” - Ellen G. White - Spaulding e Magan, pág. 174. - Grifo Acrescido.

Que citação impressionante! Não é exatamente a mesma situação que vemos hoje? É o passado se repetindo! As Associações e Missões centralizam todo o dízimo de todas as igrejas e estas igrejas pouco benefício recebem. No capítulo I falamos sobre o princípio da reciprocidade relacionado ao dízimo, mas parece que este princípio não está sendo observado hoje. Dinheiro do sagrado dízimo é hoje gasto prodigamente na construção e reforma de luxuosas sedes administrativas para as Associações e Uniões. Este dinheiro deveria ser investido em obreiros missionários com dedicação integral para pregar aos que não conhecem o amor de Deus. O dinheiro sagrado deveria ser utilizado para a aquisição e distribuição de material evangelístico em grande escala. No entanto a história se repete: os recursos financeiros se concentram na mão de poucos e isso gera as desigualdades. É por esta razão que Ellen White aprovava e patrocinava com o seu dízimo o trabalho independente que seu filho realizava no Sul dos Estados Unidos:

“O Senhor tem abençoado o trabalho que J. E. White tem tentado fazer no Sul. Deus permite que vozes que têm se levantado tão rapidamente para dizer que todo o dinheiro investido na obra deve passar pelo canal designado em Battle Creek não sejam ouvidas. As pessoas para as quais Deus tem dado Seus recursos são receptivas a Ele somente. É privilégio delas dar assistência e auxílio direto às missões. É por causa do mau uso dos recursos que os campos do Sul não se demonstram melhores do que estão hoje”. - Ellen G. White - Spaulding e Magan, pág. 176.

Este texto revela que na época de Ellen White algumas vozes se levantaram dizendo que todo o dinheiro da obra deveria passar pela administração da Associação Geral em Battle Creek. Ellen White diz que através da providência de Deus, estas vozes que sugeriam centralização do dinheiro através destes canais não foram ouvidas. Ela também escreveu que é um privilégio poder dar “auxílio direto” às missões. Por “auxílio direto” podemos entender o investimento em evangelização sem a presença de intermediários. No final do texto acima, Ellen White novamente menciona a má utilização dos recursos como causa das dificuldades dos campos do Sul. Se os recursos fossem bem utilizados, diz ela, a situação no Sul estaria bem melhor. Como estaria a situação da Igreja Adventista do Sétimo Dia se todo o dízimo recebido pelas Associações se transformasse em "assistência e auxílio direto às missões"?

1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   21


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal