Roleplaying games e a pesquisa em história da matemática no ensino de matemática



Baixar 16.91 Kb.
Encontro28.07.2016
Tamanho16.91 Kb.
ROLEPLAYING GAMES E A PESQUISA EM HISTÓRIA DA MATEMÁTICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA
Profº Esp. Danilo Lemos Batista

Universidade Tiradentes/SE



danil0001@yahoo.com.br

O Roleplaying Game – RPG, é um jogo que surgiu nos Estados Unidos, na década de 70, como resultado da combinação entre wargames (jogos de estratégia envolvendo conflitos), ou jogos de guerra, e a narrativa de fantasia inspirada, principalmente, nas obras de Tolkien, a exemplo do conhecido “O Senhor dos Anéis”. Logo a sua essência transcendeu a dos wargames, tornando-o autônomo e permitindo a criação de uma nova categoria de jogo, caracterizada pela independência de suporte físico, cooperação entre os participantes, relativização do conceito de vitória (e derrota) e do tempo de duração das partidas. No Brasil, os primeiros estudos sobre a sua aplicação na educação datam do final da década de 90. A primeira tese de doutorado, intitulada Roleplaying Game: a ficção como jogo, defendida por Sônia Rodrigues em 1997, na PUC-Rio, se constituiu no primeiro estudo acadêmico sobre o RPG e, certamente, deu início a um movimento que cresce a cada dia: o de educadores e pesquisadores que procuram inseri-lo num contexto pedagógico. No livro que foi resultado desse trabalho acadêmico, de título Roleplaying Game e a Pedagogia da Imaginação no Brasil, a autora defende a idéia de que “o RPG existe e se espalha como coqueluche porque existe uma necessidade, cada vez maior, de retorno à ficção” (RODRIGUES, 2004, p. 154). Podemos apontar essa como uma das principais justificativas para a escolha do RPG como objeto de estudo.


Definido como um jogo de interpretação de papéis, o RPG tem como especificidade o fato de ser uma atividade que possibilita a produção coletiva de ficção. É imaginada, a priori, como uma evolução da “contação de histórias”, pois seu mecanismo básico consiste em reunir um grupo de jogadores (ou um jogador só, nas chamadas aventuras-solo) que interpretarão personagens de uma história construída e vivenciada coletivamente, de maneira que cada jogador pode interferir ativamente no desenrolar de uma aventura, sendo que suas escolhas e ações têm conseqüências determinadas pelo mestre, que toma como referencial as regras do sistema utilizado e o bom senso. Em suma, o jogador que é indicado como o mestre inicia o jogo descrevendo o ambiente onde a história acontece e leva os demais jogadores (ou melhor, suas personagens) ao ponto de partida do desenrolar da aventura, representando as personagens “coadjuvantes” e apresentando situações-problema para os jogadores contornarem até que atinjam a missão estabelecida. Cada jogador deve relatar as ações de sua personagem, procurando, de forma cooperativa, cumprir a missão junto com o grupo.
À primeira vista, as aplicações pedagógicas do jogo podem, naturalmente, relacioná-lo às disciplinas de Português, Literatura, História e Artes por suas evidentes potencialidades para produção de textos, estudo de referencial histórico para a criação das aventuras e a produção artística associada às artes cênicas ou confecção do material do jogo (desenhos das personagens, tabuleiros, mapas, etc). As Ciências da Natureza também são alvo de estudo dos profissionais da área, que elaboram aventuras que permitem apresentar aplicabilidades dos assuntos das disciplinas relacionadas.
A discussão acerca do uso do RPG nas aulas de Matemática ainda se restringe, entre boa parte dos professores que se utilizam desse recurso, aos cálculos realizados para distribuir pontuação entre os jogadores, a implementação de enigmas matemáticos às aventuras, ou aos cálculos referentes às ações de combate. Provavelmente essa restrição é imposta por uma postura que, apesar de estar em sintonia com tendências inovadoras da área da Educação Matemática, ainda mantém resquícios da postura tradicional. Uma das poucas referências de pesquisa acadêmica acerca do RPG no processo de ensino-aprendizagem de Matemática é a dissertação de mestrado de Maurício Rosa cujo título é Roleplaying Game eletrônico:uma tecnologia lúdica para aprender e ensinar Matemática (UNESP- Rio Claro, 2004), que evidencia a produção do conhecimento matemático através da criação de RPGs eletrônicos, aliando jogo e tecnologia. Em ROSA (2004, p. 31), MARCATTO afirma que “com uma simulação como o RPG, podemos demonstrar mais facilmente o que será útil na aplicação do conteúdo”. E além da simulação de situações que permitam a contextualização do conhecimento matemático, a produção de uma aventura referenciada em temas matemáticos pode proporcionar ao aluno (e ao professor) reflexões acerca do que caracteriza esse saber ou de como ele se desenvolve, tomando como base o estudo da evolução histórica ou das questões filosóficas que permeiam esse conhecimento.
A proposta deste mini-curso é evidenciar as possibilidades do uso de uma atividade lúdica na promoção da pesquisa em História da Matemática, já que esta faz com que a Matemática “seja vista pelo aprendiz como um saber que tem significado, que foi, e é, construído pelo homem para responder uma necessidade sua de leitura do mundo” (FERREIRA, 2001, p. 15). Dessa forma o RPG será apresentado com o intuito de promover a inserção da História da Matemática nas aulas de matemática, utilizando os eventos e personagens que tiveram importância para a evolução do conhecimento matemático, com cenários e aventuras referenciadas nesses eventos e com personagens inspirados nos matemáticos estudados. Além disso, aspectos relacionados à filosofia da matemática também podem ser apresentados no decorrer do jogo de maneira a evidenciar outras características inerentes ao saber matemático, e que permitem que o indivíduo compreenda-o melhor.
Ao afirmar que, em rodas de RPG “é comum a pesquisa de itens, como indumentárias, armas, costumes, magias” e que “é comum também a reutilização de imagens, temas, tramas a partir da realidade cotidiana, de obras da cultura de massa e “novidades”científicas”, RODRIGUES (2004, p. 161) evidencia a importância da pesquisa para a criação dos mundos fictícios e para o enriquecimento das histórias construídas de forma coletiva. Esse caráter investigativo que é inerente ao jogo, e que induz os jogadores a iniciarem e manterem um hábito de constante leitura e pesquisa acerca dos temas que norteiam as aventuras é apontado, aqui, como mais uma justificativa para a escolha desse tipo de atividade, que integra o lúdico ao processo investigativo, pois a pesquisa, de certa forma, faz parte do jogo.
Portanto, vale um olhar mais acurado para todas as possibilidades apresentadas pelo RPG, tanto por ele se constituir numa atividade lúdica com fins pedagógicos, se assim for planejada, assumindo, dessa forma, sentido social e motivador, quanto por promover a compreensão do saber matemático, à medida que permite desenvolver, durante o processo, aspectos relacionados à contextualização e aplicabilidade das suas idéias. E sem desconsiderar que o trabalho em grupo proporcionado pelo jogo é um dos pontos que o torna uma atividade que atende à necessidade de formação de um indivíduo capaz de pensar e agir de forma integrada com seus pares, pois como afirma D’AMBRÓSIO (1996, p. 90) “a redução de tensões competitivas e sua substituição pela cooperação são um fator positivo no estímulo à criatividade”.
O mini-curso tem como público-alvo alunos de licenciatura em Matemática e professores de Matemática do Ensino Fundamental, Médio e Superior. Na primeira parte do curso serão apresentados os elementos que compõem o universo do jogo RPG e serão respondidas algumas questões como: O que é o RPG? Quais são as suas características? Como o RPG pode ser aplicado durante o processo ensino-aprendizagem? Quais habilidades podem ser estimuladas pelo seu uso? O que é uma aventura paradidática? Além de outras que, porventura, sejam colocadas pelos participantes de forma a promover um debate mais aprofundado acerca do tema. Em seguida, na segunda parte do curso, será exposto o mecanismo que permite que sejam planejadas aventuras permeadas de momentos que proporcionem a pesquisa e debate da História da Matemática, desde a elaboração das personagens da aventura até a elaboração da ambientação e das situações-problema que farão parte do universo fictício criado para o jogo.
Mais que apresentar os conceitos relacionados ao jogo RPG ou definir formas de se trabalhar o jogo como uma atividade com fins pedagógicos, utilizando como eixo principal a pesquisa em História da Matemática para promover a aprendizagem do conhecimento matemático, este trabalho deve ser considerado como uma forma de evidenciar uma prática que ainda é pouco conhecida, mas merece ser fonte de discussão entre os profissionais da área da Educação, inclusive os da Educação Matemática.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


D’AMBRÓSIO, Ubiratan. Educação Matemática: da teoria à prática. 10ª ed. Campinas: Papirus, 1996.
FERREIRA, Eduardo Sebastiani. Laboratório de História da Matemática. Ed. Geral: John A. Fossa. Natal: SBHMat, 2001.
RODRIGUES, Sônia. Roleplaying Game e a Pedagogia da Imaginação no Brasil: primeira tese de doutorado no Brasil sobre o roleplaying game. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.
ROSA, Maurício. Roleplaying Game eletrônico:uma tecnologia lúdica para aprender e ensinar Matemática. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática). UNESP, Rio Claro, 2004.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal