Roteiro de Ação



Baixar 25.2 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho25.2 Kb.

Professora:

________________________







Aluno (a): ___________________________________________________ N°. ____

8° ano: ____ Data: _____ / _____ / ________




Roteiro de Ação:

1. A prova só poderá ser entregue 40 minutos após iniciada.

2. Sua avaliação consta de 08 questões. Verifique se ela está completa ou se existe alguma falha de impressão. Caso haja, peça a substituição por outra.

3. Leia cada questão com muita atenção. Pense bem antes de responder. Lembre-se: consultas, rasuras ou uso de corretivo (em questões objetivas) provocam a anulação da questão.

4. Nas questões objetivas, consideramos marcadas as que apresentarem o (X), o traço ( - ), o ponto ( . ), a seta () ou similar.

5. Responda à prova com caneta AZUL ou PRETA. A prova respondida com grafite não dá direito à posterior correção.



BOA PROVA!!!




Até o final do século XVI a população luso-brasileira viva no litoral. Na época, a locomoção pelo interior era difícil e os indígenas ofereciam dura resistência à ocupação de suas terras.

A partir de então, essa situação começou a mudar: a ocupação avançou tanto para o interior quanto pelo litoral. Esse avanço se deveu à ação dos soldados; dos bandeirantes; dos jesuítas e dos criadores de gado.




01.(1,0) – A Companhia de Jesus, criada na França, em 1534, pelo espanhol Inácio de Loyola, nasceu com o objetivo de difundir o catolicismo e frear os avanços do protestantismo pela Europa. Reconhecida como ordem religiosa passou a ser instrumento do processo de colonização dos continentes conquistados pelos europeus. Sobre o trabalho dos jesuítas no Brasil, podemos afirmar com certeza:

(a) Como missionários evangelizadores, os jesuítas dedicaram-se ao trabalho de catequização dos índios, convertendo-os à fé católica.

(b) Os primeiros núcleos jesuítas foram estabelecidos na região do Amazonas, de Mato Grosso e de São Paulo.

(c) No Brasil, os jesuítas fundaram colégios e organizaram aldeamentos chamados missões ou reduções.

(d) Eles não se preocuparam em conhecer a cultura dos nativos. O importante era fazer com que eles (os índios) assimilassem os hábitos europeus, de caráter católico, como o monoteísmo e a monogamia.

(e) Nos aldeamentos os índios recebiam apenas ensinamentos de retórica, humanidades e gramática.
02.(0,8) – No início da colonização, o governo preocupou-se em organizar as ______________, expedições que partiam geralmente do litoral nordestino em direção ao interior. Tinham por objetivos explorar o interior da colônia, defender a região açucareira do ataque de índios e piratas e procurar metais e pedras preciosas.

Já as bandeiras eram expedições com organização e disciplina militar que partiam de _______________ com o objetivo de ______________________________ e ______________________________________.


03.(1,0) – Considerados verdadeiros heróis, os bandeirantes foram os grandes responsáveis pela grandeza do nosso país. Em suas expedições em busca de metais e pedras preciosas chegaram muito além dos limites estabelecidos pelo Tratado de Tordesilhas (1594). Mas, apesar desse papel marcante, os bandeirantes também estão associados a uma página triste da nossa história. Explique por que.

_____________________________________________________________________________________


_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
04.(0,9) – Assim como os jesuítas assimilaram parte da cultura indígena, os bandeirantes acabaram adotando alguns conhecimentos indígenas como meio de sobrevivência nas matas desbravadas. Cite pelo menos três práticas indígenas adotadas pelos exploradores paulistas.

_____________________________________________________________________________________


_____________________________________________________________________________________
05.(0,6) – Mesmo sendo o Brasil uma colônia próspera, os produtos daqui oriundos não foram suficientes para transformar Portugal num exemplo de economia forte e estruturada. Já na segunda metade do século XVII o país foi fortemente abalado por uma crise econômica: o açúcar passou a ser desvalorizado e muitas de suas colônias produziam de modo insatisfatório ou foram perdidas após ataques holandeses.

a) Sobre o tema NÃO É CORRETO afirmar:

( ) O Brasil fez parte dos territórios perdidos por Portugal após sucessivos ataques de piratas espanhóis e holandeses. A Inglaterra passou a explorar nossas terras depois da assinatura de um tratado comercial.

( ) A principal razão para a queda no preço do açúcar português foi a concorrência com a produção holandesa no Caribe.

( ) Entre os fatores que acentuaram a instabilidade econômica portuguesa estão: os gastos com a importação de gêneros alimentícios, a onerosidade da burocracia estatal, as despesas com uma nobreza esbanjadora e parasitária e a escassez de trabalhadores qualificados.

( ) Para conter e até reverter a crise econômica, Portugal adotou algumas medidas controladoras sobre as atividades coloniais: criou o Conselho Ultramarino, além de companhias de comércio para assegurar o monopólio sobre essa atividade; incentivou a criação de manufaturas em Portugal e financiou expedições em busca de metais e pedras preciosas.
06.(0,8) – As medidas controladoras adotadas pelo governo português para conter a crise econômica causaram revolta no território brasileiro. São movimentos marcantes dessa fase da nossa história:

(a) Guerra dos Emboabas – confronto entre paulistas e emboabas pelo direito de exploração das ricas terras recém descobertas em Minas Gerais.

(b) A Revolta de Vila Rica - liderada por Filipe dos Santos, que tentou impedir a criação das casas de fundição e a cobrança de novos impostos.

(c) Guerra dos Mascates – entre os fazendeiros de Olinda e os comerciantes de Recife, que exigiam participação no governo local.

(d) Revolta de Beckman – ocorrida no Maranhão e causada pela insatisfação dos colonos com os preços das mercadorias vindas da metrópole, a escassez de mão-de-obra escrava e influência dos jesuítas que dificultavam a escravização dos indígenas.
Ao longo dos séculos XVI e XVII, a região situada ao norte da vila de São Paulo havia sido percorrida pelos paulistas em busca de riquezas. No entanto, até o final do século XVII, as atividades mineradoras não haviam prosperado [...].

A situação alterou-se ao final do século XVII. A noticia de descoberta de ouro e pedras preciosas no interior da colônia provocaram agitação [...]. a febre do ouro contaminou a população colonial. Retirado das rochas ou espalhados em grãos no solo e no leito dos rios, o ouro era abundantemente encontrado.

O governo português procurou regulamentar a distribuição das áreas de ouro a serem exploradas. Cada jazida era dividida em lotes. Dois lotes eram sempre destinados ao descobridor da jazida, um terceiro pertencia à Coroa portuguesa, os demais eram distribuídos entre os interessados.

Não tardou para os conflitos aparecerem. A disputa pelas terras e o direito de explorá-las e exploração radical por parte do governo luso, que dificultavam o acúmulo de riqueza pelos mineradores, foram as principais causas dos conflitos mais marcantes do período.


07.(0,5) – Os termos destacados no texto acima referem-se, respectivamente:

(a) às faiscações e ao ouro de aluvião. (c) às bateias e às datas.

(b) às datas e ao ouro de aluvião. (d) ao ouro de aluvião e às datas.
08.(1,0) – Leia com atenção o fragmento e complete corretamente.

Um dos conflitos do período foi a Guerra _________________ entre paulistas e forasteiros, denominados, pejorativamente, de emboabas. Acreditando terem direitos sobre a exploração das terras de ________ __________, os paulistas que as haviam descoberto, tentaram impedir a entrada dos forasteiros. O governo português apoiou os _______________ e os paulistas acabaram expulsos, encontrando novas áreas de trabalho nas regiões de _________ e __________________. Após o término da guerra, foi criada a capitania de Minas Gerais, numa tentativa do governo português de controlar a população e os trabalhos locais.


Iniciada a mineração, o rei de Portugal criou a Intendência das Minas, órgão encarregado de controlar a exploração do ouro, cobrar impostos e julgar os crimes praticados na região. Os impostos (pesados) eram cobrados sobre absolutamente tudo: homens livres e escravizados, tecidos, ferramentas, gêneros agrícolas e, claro, o ouro. Não era rara a sonegação desses impostos – com o passar do tempo o ouro foi ficando escasso e já não havia condições de manter em dia o pagamento das dívidas – e o contrabando de metais na região. Nos fins do século XVIII (em 1789, precisamente), a notícia da cobrança dos impostos atrasados e de uma investigação das ações de contrabando colocou a elite mineira em alerta. As escondidas, planejou-se um movimento de retaliação às intenções do governo e até formação de uma república independe na região das Minas Gerais – foi a Inconfidência Mineira que teve como principal personagem Tiradentes (Joaquim José da Silva Xavier). O movimento acabou sufocado antes mesmo de se concretizar e Tiradentes foi severamente (aliás, cruelmente) punido: enforcado e esquartejado, tendo partes do seu corpo expostas em praças pelas capitanias de Minas Gerais e Rio de Janeiro.
09.(0,5) - Qual o principal imposto cobrado sobre a exploração do ouro? Explique-o.

________________________________________________________________________________________


________________________________________________________________________________________
10.(0,4) - Relacione corretamente:

(1) capitação ( ) previa a cobrança de 17 gramas em ouro por escravo usado na mineração.

(2) derrama ( ) consistia na cobrança dos impostos atrasados. Caso a meta não fosse atingida, a população deveria completar a cota de ouro com seus próprios recursos.
11.(0,5) – A execução de Tiradentes foi similar à pena aplicada a um outro líder que desafiou a autoridade lusitana. Quem foi?

( ) Tomas Beckman que liderou o movimento no Maranhão, em 1684.

( ) Antônio Raposo Tavares, bandeirante que liderou os paulistas na Guerra dos Emboabas.

( ) Filipe dos Santos, tropeiro que liderou a Revolta de Vila Rica contra a criação das casas de fundição e os altos impostos.



"A Páscoa não se resume a lembrar a morte e o sacrifício de Cristo,

mas é também uma celebração de alegria e vitória pela sua ressurreição."


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal