Salud y Desarrollo de Adolescentes y Jóvenes 2013



Baixar 25.44 Kb.
Encontro19.07.2016
Tamanho25.44 Kb.
II Congreso Virtual “Salud y Desarrollo de Adolescentes y Jóvenes 2013” de la Confederación de Adolescencia y Juventud de Iberoamérica y el Caribe (CODAJIC) Octubre 2013

Trabajos libres: Presentación de Grupos de Atención y Promoción de la Salud de Adolescentes

Formação Especializada em Medicina do Adolescente - MA

Formación Especializada en Medicina del Adolescente - MA
Dalva Alves Silva1, Maria Aznar Farias2, Maria Sylvia de Souza Vitalle3

1 Pedagoga/Psicopedagoga, Mestre em Ciências aplicadas à Pediatria pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP); Doutoranda do Programa Educação e Saúde na Infância e Adolescência da UNIFESP, Membro do Grupo de Pesquisa Atenção Integral e Interdisciplinar ao Adolescente da UNIFESP, Campus Vila Clementino, São Paulo, SP, Brazil. dalva.alves@unifesp.br
2 Psicóloga, Doutora em Psicologia Clínica pela Universidade de São Paulo, Membro do Laboratório de Psicologia Ambiental e Desenvolvimento Humano do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências da Saúde da UNIFESP, Campus Santos, SP, Brazil. aznar.farias@gmail.com
3 Pediatra, Nutróloga, Médica de Adolescentes, Doutora em Medicina pela UNIFESP, Chefe do Setor de Medicina do Adolescente da Disciplina de Especialidades Pediátricas do Departamento de Pediatra da UNIFESP, Líder do Grupo de Pesquisa Atenção Integral e Interdisciplinar ao Adolescente da UNIFESP, Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação Educação e Saúde na Infância e Adolescência da UNIFESP, Campus Vila Clementino, São Paulo, SP, Brazil. vitalle.dped@epm.br

Autor Correspondente

Dalva Alves Silva

Endereço: Av. Sena Madureira 1500 1º andar CEP 04021-001

Telefones: 5511 3385.4101



e-mail: dalva.alves@unifesp.br

Sem conflitos de interesse

Sem financiamentos

ROTEIRO DE APRESENTAÇÃO

  • Como está formada a equipe

Somos um grupo de pesquisadoras formado por uma pedagoga (Dalva), uma psicóloga (Maria Aznar) e uma pediatra (Maria Sylvia) trabalhamos em atenção integral e interdisciplinar ao adolescente e trazemos para esse evento a proposta de apresentação de alguns dados e a discussão da importância da formação em Medicina do Adolescente. Desenvolvemos nossos estudos no Centro de Atendimento e Apoio ao Adolescente (CAAA) que conta com uma equipe de atendimento aos adolescentes composta por médicos, nutricionistas, psicóloga, psicopedagoga, professor de educação física, dentista e fonoaudióloga.


  • Atividades que desenvolvem

O nosso trabalho é desempenhado com base no tripé pesquisa – assistência – ensino.

Investigamos como campo de pesquisa interdisciplinar, as vulnerabilidades e riscos a que estão expostos os adolescentes no tocante à sua saúde física, moral, espiritual e social, nos diversos cenários de inserção (instituições escolares, hospitalares, comunidades, por exemplo). Temas como o processo de adoecimento e a vivência de doenças crônicas e/ou deficiências, violências, sexualidade, direitos sexuais e reprodutivos, legislação como assunto voltado para esta faixa etária, papéis de gênero, atividade física e esportiva, crescimento e desenvolvimento físico, social e moral, gravidez, comportamento, formação de vínculos, alimentação, nutrição e seus distúrbios, trabalho e delinquência são de extrema importância. Investigamos ainda a construção da formação do professor com o qual se relaciona e do grupo multiprofissional/interdisciplinar que os atende, em grupo ou individualmente, e o ensino tanto na vivência da escolarização quanto do ensino da área de Medicina do Adolescente como agentes potencializadores na prevenção e redução de riscos. Pretendemos, portanto, colaborar com a reflexão e acúmulo de conhecimento destas questões.

Com relação à pesquisa, atuamos no Grupo de Pesquisa "Atenção Integral e Interdisciplinar ao Adolescente" e no “Laboratório de Desenvolvimento Humano”.

A assistência é feita à população adolescente, no Centro de Atendimento e Apoio ao Adolescente (CAAA) do Setor de Medicina do Adolescente da Disciplina de Especialidades Pediátricas do Departamento de Pediatria da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo. Este setor se localiza em São Paulo, Capital, no Bairro de Vila Clementino, à Rua Botucatu nº 715, e se constitui de um sobrado, com várias salas de atendimento médico, odontológico, psicológico, nutricional e de educação física. Possui um pequeno anfiteatro, com capacidade para 30 pessoas, onde se desenvolvem as atividades de grupos, aulas e reuniões. Possui ainda uma sala de estudos, informatizada, com pequena biblioteca e uma sala de espera para os adolescentes, com televisão, revistas e também uma biblioteca juvenil. O atendimento é feito individualmente e em grupos, sendo que se atendem adolescentes dos 10 aos 20 anos, e eventualmente jovens (aqueles que têm dificuldade de se desvincular do serviço, e levamos mais tempo para fazer a transição para a clínica de adultos).

No tocante ao ensino, as pesquisadoras têm atuação na graduação e na pós-graduação. Na graduação há o acompanhamento, orientação e desenvolvimento de projetos PIBIC (Programa de Iniciação Científica), atividade docente nos terceiros e quinto-anos da faculdade de medicina, especialização (Especialização em Adolescência para Equipe Multiprofissional) e pós-graduação (no Programa Educação e Saúde na Infância e Adolescência da Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade Federal de São Paulo).



Na pós-graduação, como produção mais recente, temos algumas Teses de Mestrado (Nome da tese/ nome do Mestrando que desenvolveu o trabalho):

  1. Adolescência, gravidez e doenças sexualmente transmissíveis (DST): como os adolescentes enfrentam estas vulnerabilidades? (Camila Macedo Guastaferro) – 2013.

  2. Reações de enfrentamento possíveis, dos professores de ensino fundamental II, ao bullying escolar: um olhar sobre tabus (Andréa Ricciardi) – 2013.

  3. O funk na escola: que bonde é esse? Um estudo sobre comportamento, sexualidade e relações de gênero entre adolescentes: expressões da cultura funkeira no cotidiano de uma escola da periferia paulista (Denis Ricardo Bezerra) - 2013.

  4. Conhecimentos, opiniões e atitudes de professores e pediatras da rede pública do município de Guarulhos, sobre bullying em adolescentes – uma contribuição sobre o estudo do bullying. (Marcelo Reis Clemente) – 2012.

  5. Estado do ferro e desempenho escolar de adolescentes bailarinas clássicas de escolas particulares de ballet de São Caetano do Sul (Társia Fernanda Tórmena)– 2012.

  6. Opinião, conhecimentos e atitudes de adolescentes sobre a sexualidade. Uma contribuição paraprofessores, médicos e enfermeiros (Mirtes Salantier Romão) 2011.

  7. Promoção do consumo de alimentos reguladores e ingestão hídrica em adolescentes (GreicyPerettiPoffo) – 2011.

Atualmente há vários projetos de Mestrado e Doutorado em andamento, discutindo desde cyberbylling, representação social dos alimentos e comportamento alimentar de adolescentes, comportamento alimentar de adolescentes atletas, a valores envolvidos na formação e atuação de Médicos de Adolescentes.
No Centro de Atendimento e Apoio ao Adolescente (CAAA), Maria Sylvia, atua na formação de recursos humanos. O CAAA tem duas vagas de Residência Médica para formação em Medicina do Adolescente; na pós-graduação lato e stricto sensuoferece Especialização em Adolescência para Equipe Multiprofissional e alunos matriculados em programas de pós-graduação (mestrado, doutorado e pós-doutorado) da universidade. Oferece formação e incorporação de conhecimentos de ordem prática para o médico pediatra que atua na rede pública e que não tem a disponibilidade de retornar à universidade formalmente para aprofundar os seus conhecimentos, já tendo desenvolvido Cursos de Capacitação para vários municípios. O CAAA é um dos espaços das atividades da graduação da Universidade, para o terceiro ano (semiologia do adolescente) e o quinto ano (onde vivenciam um pouco da prática ambulatorial, no estágio curricular) da Faculdade de Medicina.


  • Temáticas principais que abordam




  • Particularidades da consulta do adolescente

  • Questões éticas envolvidas no atendimento ao adolescente

  • A particularidade da escuta e a relação médico-paciente-família

  • Semiologia do adolescente

  • Crescimento e desenvolvimento

  • Direitos sexuais e reprodutivos na adolescência

  • Contracepção na adolescência

  • Alimentação e nutrição do adolescente

  • O manejo das principais afecções clínicas do adolescente

  • Imunização do adolescente

  • Infecções agudas e crônicas – noções dediagnóstico, tratamento e acompanhamento

  • Abordagem do adolescente com doença crônica

  • Dores recorrentes e crônicas na adolescência

  • Violências na adolescência: negligência, abusos (sexual, psicológico, físico), bullying

  • O Sistema Único de Saúde – SUS – a organização de um sistema local, referência e contra-referência

  • O papel do pediatra / médico de adolescentes no ambulatório de adolescência




  • Características da população que atendem

Atende-se no CAAA em torno de 5000 adolescentes/ano e, destes, em torno de 800 consultas novas/ano. A assistência é embasada em atendimentos individuais nas diversas clínicas (Atendimento Médico: Ambulatório de Adolescência clínica; Nutrição: Ambulatório de Nutrição no Esporte; Obesidade; Orientação de Atividade Física, Ambulatório de Medicina Esportiva) e atendimento em programas (PAPO – Programa de Atividade para a Paciente Obesa; Programa Saúde Modelo – voltado para o acompanhamento de adolescentes modelos que tem atividades em agências de publicidade), e neste caso o atendimento pode ser em grupo ou individual, sendo que, sempre que se detectam necessidades individuais os participantes são encaminhados para atendimento clínico individual.

A caracterização mais detalhada da população atendida se encontra na Discussão do texto, quando discutimos os principais problemas desta fase da vida.



  • Área de influência

Consideramos que nosso trabalho tenha destaque na formação médica e de atuação em equipe multiprofissional voltada para o atendimento de adolescentes, sendo representativo do nosso país o trabalho desenvolvido no Setor de Adolescência da Universidade Federal de São Paulo.



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal