Se a aparência não fosse importante, presente não viria embrulhado !



Baixar 62.04 Kb.
Encontro04.08.2016
Tamanho62.04 Kb.
A Aparência conta pontos!



SE A APARÊNCIA NÃO FOSSE IMPORTANTE,
PRESENTE NÃO VIRIA EMBRULHADO !

Uma boa embalagem precisa chamar atenção para si, além de atender às suas funções básicas de armazenar, proteger, transportar e valorizar um presente ou um produto.




Um pouco de história


O grande desenvolvimento da embalagem aconteceu com a revolução industrial e a grande disponibilidade de bens e produtos que passaram a ser oferecidos. O auge deste processo ocorreu nos anos 50.

Este foi o início da escalada vertiginosa da embalagem e o momento em que se fixou um novo modo de consumo e de acesso a mercadorias e produtos. A cor é o principal elemento da comunicação e a busca de cores diferenciadas é uma das tendências mais promissoras e duradouras.

É importante combinar texturas, cores e temas. Cores luminosas, extra-brilhantes, ultravioletas, iridescentes e extravagantes têm dado um novo realce aos papéis e acessórios, tirando-os do lugar comum e constituindo uma nova tendência: "cores não usuais".

Os complementos usados atualmente nas embalagens são tão variados que materiais inusitados como cordas, tecidos, papéis reciclados, sementes, flores secas, telas de arame, borrachas etc. compõem uma estética moderna ou conservadora, conforme as tendências do momento.



 




                                 

 



Lista de material


Régua, esquadros, lápis.
Tesoura e estilete.
Cola branca (PVA).
Pistola de cola quente.
Pincel para espalhar cola.
Papelão microondulado, cartões de 240 a 440 g (tipo duplex, papel cartão, kraft etc).
Dobradeira de osso.
Papel fantasia para sacolas, envelopes.
Fitas variadas e de diversos materiais como juta, papel torcido, cetim, palha da Costa, para laços.

 








                                 

 




O DISCO CROMÁTICO - COMPOSIÇÃO E HARMONIA

Nas combinações entre os papéis, fitas, flores e outros tipos de acabamento, é preciso harmonizar as cores de forma correta.

Conhecendo as diversas variações dos tons, é possível combiná-las em esquemas predeterminados como: monocromáticos, degradées, cores contrastantes, de natal, country etc.

Toda cor possui três características: matiz (vermelho, verde ou azul, por exemplo), tom (escuro ou claro) e intensidade (cores vivas ou tons pastéis).



O disco cromático se divide em :

Cores primárias são as cores puras: vermelho, amarelo e azul.
Cores secundárias são aquelas obtidas pela mistura de duas cores primárias (Ex.: amarelo + vermelho = laranja)

Cores complementares são as que se encontram em oposição no disco de cores.

Cores terciárias são as obtidas pela mistura de uma primária com uma ou mais cores secundárias.
Designa a capacidade que têm as cores de parecer quentes ou frias. A metade esquerda do disco cromático mostra as cores quentes e vibrantes: os vermelhos e amarelos. A metade direita mostra as cores frias que transmitem tranqüilidade: os azuis e os verdes.

Cores análogas: são as que aparecem lado a lado no disco. Há nelas uma mesma cor básica.
Exemplo: o amarelo-ouro e o laranja-avermelhado têm em comum a cor laranja.

Cores neutras: ao misturar duas ou mais cores do disco cromático, obtém-se uma nova série de cores chamadas neutras: os amarelos acinzentados, os vermelhos amarronzados...







                                 

 



TÉCNICAS


As caixas, sacolas, etc. podem ser montadas com o uso de duas técnicas:

CORTE e VINCO
MONTAGEM e COLAGEM


CORTE e VINCO




O CORTE é o contorno que será destacado da folha em que foi desenhada a embalagem. Uma tesoura amolada ou estilete deverão ser usados para esta etapa. Se o estilete for usado, o corte deverá ser feito de maneira suave e repetida, de modo a não pressionar demais o estilete contra o papel para não rasgá-lo.

O VINCO é uma marca no papel com o uso de um objeto não cortante para que o mesmo se dobre com maior facilidade e de forma regular. Poderá ser feito com a dobradeira de osso ou uma ponta de caneta sem tinta.









                                 

 



A MONTAGEM E COLAGEM

As peças que compõem uma caixa são denominadas: "bolachas", responsáveis pela superfície e fundo da caixa; "tiras laterais" que serão unidas às bolachas para formar a tampa e o fundo da peça. A superfície e o fundo poderão ser formados por qualquer uma das figuras geométricas ou outras formas variadas como flores, bichinhos, sol etc.



 

                                 

 




PROJETOS
CAIXA RETANGULAR DE CORTE E VINCO





Material utilizado:

Papelão microondulado ou Kraft 300g ou qualquer outro cartão com gramatura a partir de 240 g.

Fitas ou outro acabamento a escolher.

1. Risque e recorte os moldes em papel cartão conforme o esquema acima.

2. Coloque os moldes sobre o avesso do papelão escolhido para a confecção da caixa e risque as linhas de corte e vinco com um lápis bem apontado.

3. Recorte o papelão somente pelas linhas contínuas (linhas de corte).

4. Com o auxílio da régua e da dobradeira, vinque o papelão nas linhas tracejadas (linhas de vinco).

5. Aplique cola branca ou quente nas quatro lingüetas da base e fixe-as para formar a caixa. Repita o procedimento para formar a tampa.

6. Enfeite a caixa com um laço ou outro acabamento de sua preferência.


                                 

 



CAIXA REDONDA MONTADA




Material necessário:

papelão microondulado e cola
fita, etc para acabamento

1. Recortar a bolacha para a tampa e marcar levemente com lápis a letra "T" de tampa.

2. Recortar a bolacha para o fundo com 3 mm a menos que a tampa, pois uma irá se encaixar dentro da outra. Esta medida é para o caso de se usar papelão microondulado. Em outros tipos de papelão ou revestimento esta medida é variável. Marcar levemente com lápis a letra 'F"de fundo.

3. Recortar uma tira para a lateral da tampa com a largura desejada (Sugestão: 3 cm). As tiras laterais do papelão microondulado deverão ser cortadas com as ondas em sentido vertical para dar flexibilidade à circunferência, com a medida do perímetro da bolacha mais 1 cm de sobra.

4. Recortar uma tira para a lateral do fundo, usando o mesmo procedimento do item anterior.

5. Colar as bolachas às tiras, passando cola na beiradinha da tira lateral. Pode-se usar a cola quente ou a cola branca pura.

6. Colar a ponta que sobrou na própria tira para arrematar.

7. Decorar com laços, etc.

8. OBS.: Se usar a cola quente, é necessário passar um fio de cola branca pura em todos os cantos internos e na união bolacha-tira para reforçar.





                                 

 



SACOLAS PRÁTICAS




Material utilizado:

Papel de presente bem resistente (papel kraft 150 g ou outro qualquer de gramatura a partir de 150 g)
Cordão tipo rabo de rato, corda, papel torcido ou qualquer outro que sirva para compor a alça.

1. Para servir de base para o molde da sacola, use uma pilha de livros ou outro objeto qualquer no tamanho desejado.

2. Pegue a folha de papel e corte um pedaço de tamanho suficiente para envolver todo o objeto que serviu de molde.

3. Faça uma dobra na beirada superior.

4. Enrole o papel em torno do objeto e passe cola verticalmente para unir as pontas na parte de trás.

5. Dobre e cole a extremidade inferior como se faz com um pacote comum, para poder formar a base da sacola.

6. Tire o que serviu de molde de dentro da sacola.

7. Cole por dentro um retângulo de cartolina para reforçar o fundo.

8. Faça uma dobra em cada lado da sacola, como se fosse uma prega até em cima.

9. Faça dois furos espaçados e coincidentes com um vazador em cada face da sacola para prender a alça.

10. Passe o cordão escolhido pelos furos e dê um nó em cada extremidade ou então feche a borda da embalagem com um laço de fitas, formando assim um saco de presente.


                                 

 




LAÇOS
SIMPLES


1. Segurando a fita com as duas mãos, forme um aro.

2. Encoste o aro no meio, formando um oito.

3. Franza o centro do laço.

4. Corte a sobra da fita.

5. Com a tira que sobrou, arremate o laço, dando um nó no meio, deixando duas pontas iguais.

6. Dê o acabamento cortando as pontas em "V" e seu laço está pronto!


 

                                 

 




LAÇOS
DUPLOS (ondas)


1. Segurando a fita com as duas mãos, forme um aro.

2. Encoste o aro no meio, formando um oito.

3. Franza o centro do laço e faça mais duas laçadas um pouco maiores, com movimento de vai e vem. (feito ondas, superpondo uma na outra)

4. Corte a sobra da fita.

5. Com a tira que sobrou, arremate o laço, dando um nó no meio, deixando duas pontas iguais.

6. Dê o acabamento cortando as pontas em "V" e seu laço está pronto!


 

                                 

 




LAÇOS
CHEIOS OU REDONDOS
(de floricultura)


1. O comprimento da fita vai depender do número de voltas que se pretende para o laço.

2. Um modelo cheio, de cinco voltas, necessita de uma fita com 1,50 cm de comprimento.

3. Dê cinco voltas ou mais em torno dos quatro dedos abertos, deixando uma ponta para dentro e outra para fora.

4. Dobre o laço ao meio, faça um pequeno corte enviezado de cada lado e amarre com uma fita dando um nó bem apertado.

5. Abra as laçadas, puxando uma a uma, começando com a volta interna, fazendo um movimento de uma laçada para cima e outra para baixo até que todas tenham sido abertas.

6. Repetir este procedimento com o outro lado do laço. O resultado será uma forma circular com cada volta bem visível.



 

 



BIBLIOGRAFIA


 

· Várias Revistas mensais como Faça Fácil , Mãos de Ouro e outras. Várias Editoras: Globo, Abril, Nova Cultural, são encontradas dicas muito úteis.




LINKS ÚTEIS


http://jota.com.br
http://www.tecnopapel.com.br
http://www.25demarco.com.br/


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal