Sefaz-ba secretaria da Fazenda do Estado da Bahia sgf superintendência da Gestão Fazendária dti


CÁLCULO DOS PONTOS DE FUNÇÃO AJUSTADOS



Baixar 351.96 Kb.
Página10/10
Encontro18.07.2016
Tamanho351.96 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10

9.CÁLCULO DOS PONTOS DE FUNÇÃO AJUSTADOS


O Cálculo dos pontos ajustados depende do tipo de contagem adotada:



    1. PROJETO DE DESENVOLVIMENTO



PFA = (PFB + PFC) * FA


s
PFA = PFB * FA
e PFC = 0 

Onde:

PFB => Pontos de Função Brutos do sistema.

PFC => Pontos de Função de Conversão.

FA => Fator de Ajuste do sistema.



    1. PROJETO DE MANUTENÇÃO




PFA = [(INC + ALT+ PFC) * FAD] + (EXC * FAA)

Onde:


ALT => Pontos de função brutos das funções que foram alteradas na aplicação.

EXC => Pontos de função brutos das funções que foram excluídas da aplicação.

INC => Pontos de função brutos das funções que foram incluídos na aplicação.

FAA => Fator de ajuste do sistema antes da manutenção.

FAD => Fator de ajuste depois da manutenção.

PFC => Pontos de Função de Conversão.

Se o Fator de Ajuste não sofre alteração (FAA=PAD) temos:


PFA = (INC + ALT + EXC + PFC) * FAD



    1. CÁLCULO DA APLICAÇÃO

Primeira contagem da aplicação:



PFA = PFB * FA

Cálculo da aplicação após a conclusão de um projeto de manutenção:


PFA = [(PFB + INC + ALTD) - (ALTA + EXC)] * FA

Onde:


ALTA => Pontos de função brutos das funções que foram alteradas. PF antes do projeto de manutenção.

ALTD =>Pontos de função brutos das funções que foram alteradas. PF depois do projeto de manutenção.

EXC => Pontos de função brutos das funções que foram excluídas no projeto de manutenção

FA => Fator de ajuste do sistema.

INC => Pontos de função brutos das funções que foram adicionadas no projeto de manutenção.

PFB => Pontos de função brutos antes da manutenção.



10.CONSIDERAÇÕES PARA OS SISTEMAS SEFAZ


Este tópico descreve como deve ser efetuada a pontuação em algumas situações particulares aos sistemas da SEFAZ.



    1. ELEMENTOS DE INTERFACE




      1. BOTÕES DE RÁDIO

Caso representem dados lógicos, devem ser considerados DER. Deve ser considerado um DER por conjunto, considerando o processo elementar.


      1. CHECK LIST

Deve ser contado UM DER para cada caixa, considerando o processo elementar, desde que as caixas representem informações distintas. Caso o conjunto represente ocorrências da mesma informação, apenas um DER deve ser contado.


Exemplo: Se numa tela existe um campo que indica o mês e 31 check boxes que podem ser selecionados (um para cada dia do mês), apenas um DER é contado.
      1. COMBO BOX

Devem ser considerados como CE os combos que recuperam dados de arquivos lógicos do sistema.



      1. TREE VIEW

Devem ser consideradas como CE as tree views que recuperam dados de arquivos lógicos do sistema. Para casos em que existam diversas folhas, deve ser considerada uma CE para cada nível da árvore.




    1. SISTEMAS OU APLICATIVOS DE APOIO




      1. PROD

O PROD é a composição de funcionalidades de diversos sistemas. Assim, cada sistema que possuir funcionalidades existentes no PROD deverá considerá-las como parte integrante da contagem.




11.GLOSSÁRIO



Visão do Usuário

Representa uma descrição formal do negócio que o usuário reconhece, em sua própria linguagem.


A Visão do Usuário:

  • É uma descrição das funções do negócio;

  • Pode variar na forma física.

Exemplo: Proposta de desenvolvimento, Lista de requerimentos funcionais, especificações detalhadas ou não, cadernos de anotações, lista de eventos, etc.

Usuário

Qualquer pessoa capaz de especificar funcionalmente os requisitos do sistema e ou qualquer pessoa ou coisa que se comunique ou tenha interação com o sistema em qualquer tempo.



Informação de controle

São dados que influenciam um processo elementar da aplicação pontuada. Eles especificam o que, quando ou como os dados deverão ser processados.


Exemplo: Arquivo INI com dados referentes à aplicação, dados armazenados no Register.

Logicamente relacionados

Um ALR deve possuir todas as informações a ele relacionadas semanticamente, dentro da visão do usuário. Isto é, um ALR não pode ser dependente de um dado existente em outro ALR para manter sua existência e coerência.



Mantidos (Manter)

É a habilidade de modificar os dados através de processos elementares.


Exemplos: Incluir, alterar, excluir,...

Processo elementar (PE)

É a menor unidade funcional com significado para o usuário. O processo elementar deve ser auto-suficiente e deixar o negócio da aplicação em um estado consistente.


Exemplo: Os requisitos do usuário para adicionar um empregado incluem o levantamento de informações sobre salário e de seus dependentes. Se todas as informações dos empregados não estão incluídas, um empregado ainda não pode ser criado. Caso sejam adicionadas algumas informações soltas, a função do negócio adicionar um empregado ficará em um estado inconsistente. Somente quando as informações de dependente e de salário são adicionadas o negócio estará em um estado consistente. Nesse caso, o processo elementar é “Cadastrar empregado” e não somente “cadastrar dependentes” ou “cadastrar salário”, pois estes não são auto-contidos e, executados separadamente, não deixam a aplicação num estado consistente.

Complexidade funcional
É uma avaliação de complexidade de uma função, seja do tipo dados ou transação, que pode ter um valor de Baixa, Média ou Alta. Nas funções de dados, é dada pela quantidade de DERs e RLRs e nas funções de transação é dada pelos ALRs e DERs.
Processamento Lógico
É definido como requerimentos especificamente requisitados pelo usuário para completar um processo elementar. Esses requerimentos podem incluir as seguintes ações:


    • Validações de dados;




    • Execução de Fórmulas matemáticas e/ou cálculos;




    • Conversão de valores equivalentes;

Exemplo: Um processo elementar faz referência a taxas de conversão de Real para outras moedas. A conversão é executada na recuperação de dados, assim cálculos não precisam ser executados.


    • Filtragem e seleção de dados através do uso de critérios específicos para comparar conjuntos múltiplos de dados;

Exemplo: Para gerar a lista de empregados por atividade, um processo elementar verifica o código dos empregados dos registros da atividade e lista o nome daqueles cujo código está associado à atividade.


    • Análise de condições para determinar quais são aplicáveis;

Exemplo: O cálculo e atualização de um débito dependem do tipo do contrato e da condição do devedor.


    • Atualização de um ou mais ALIs;




    • Referência a um ou mais ALIs ou AIEs;




    • Recuperação de dados ou informações de controle;




    • Criação de dados derivados através da transformação de dados existentes;

Exemplo: Para determinar (ou “derivar”) o número de registro de um paciente, concatenar os seguintes dados: as 3 primeiras letras do último nome do paciente (SMI de Smith); as duas primeiras letras do primeiro nome do paciente (JO de John) e um número seqüencial único de 2 dígitos (começando de 01).


Exemplo: O tempo de disparo de um procedimento automático pode ser configurado em uma tela de parâmetros do sistema.


    • Preparação e apresentação de informações para fora da fronteira da aplicação (obrigatório para ser uma SE ou CE);




    • Existência de capacidade de receber dados ou informações de controle que vêm de fora da fronteira da aplicação (obrigatório para ser uma EE);




    • Classificação ou re-organização de dados.


Resumo das Formas de Processamento Lógico por Função Transacional



Forma de Processamento Lógico

EE

SE

CE

Validações de dados

P

P

P

Execução de Formulas matemáticas e/ou cálculo

P

O*

N

Conversão de valores equivalentes

P

P

P

Filtros e seleção de dados com base em critérios definidos

P

P

P

Analise de condições para determinar quais são aplicáveis

P

P

P

Um ou mais ALIs são atualizados

O*

O*

N

Um ou mais ALIs ou AIEs são referenciados

P

P

O

Dados ou informações de controle são recuperados

P

P

O

Dados derivados são criados através da transformação de dados existentes

P

O*

N

O comportamento do sistema é alterado

O*

O*

N

Prepara e apresenta informações para fora da fronteira da aplicação

P

O

O

Capacidade de receber dados ou informação de controle que vêm de fora da fronteira da aplicação

O

P

P

Classificação ou re-organização de dados

P

P

P


LEGENDA:
O – O processamento é Obrigatório para a Função Transacional

O*– Pelo menos um processamento O* deve ser realizado pela Função Transacional

P – O processamento Pode ser realizado pela Função Transacional

N – O processamento Não pode ser executado pela Função Transacional



Dados Derivados
São criados através da transformação de dados existentes, o que requer processamento, conversão ou edição de informação de um ou mais ALIs/AIEs.




Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal