Segunda-feira: Dt 6,4-9 pais ensinando aos filhos



Baixar 14.04 Kb.
Encontro02.08.2016
Tamanho14.04 Kb.
Lição 3

________________________________________


Segunda-feira: Dt 6,4-9 – pais ensinando aos filhos

Terça-feira: Pr 6,22 – o ensino paterno é eficaz

Quarta-feira: 1 Sm 1 – dedicando os filhos ao Senhor

Quinta-feira: Pr 6 – modelo de ensino paterno

Sexta-feira: Lc 2,41-52 – Maria e o infante Jesus

Sábado: Ex 2,1-10 – a mãe protege o filho

Domingo: Gn 27 – relacionamentos entre mãe e filho
Texto base: 1 Jo 2,12-17 – pais e filhos vencendo o mundo


Relacionamento com os filhos

Se os cristãos são filhos Deus (1 Jo 3,1), e se igualmente são filhos de seus pais (Ef 6,1-2), segue-se que, assim como os filhos têm obrigações para com os pais, os pais têm, igualmente, obrigações para com os filhos. Há filhos cristãos que devem honrar e obedecer aos pais. O que se espera, contudo, desses pais, para quem a Palavra exige honra e obediência da parte dos filhos?



Os pais devem ensinar aos filhos

Quem não conhece as palavras famosas de Dt 6,4-9?


4 Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor.

5 Amarás, pois, o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu poder.

6 E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração;

7 E as intimarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te.

8 Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por testeiras entre os teus olhos.

9 E as escreverás nos umbrais da tua casa, e nas tuas portas.


Espera-se dos pais que ensinem os filhos. Crê-se que essa vida didática seja eficiente: “instrui ao menino no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele” (Pr 22,6). Não está em jogo aqui a questão de se a educação paterna e materna é sempre eficaz ou não, como se discute, mas o fato de que cabe aos pais dedicarem-se à educação dos filhos. Na vida de Timóteo, foi eficiente (1 Tm 1,5; 3,14-15); os ensinamentos que João Marcos recebeu foram eficientes (At 12,12); a decisão de Ana (1 Sm 1) determinou o rumo da vida de Samuel...
É interessante observar como o livro dos Provérbios recorre à figura dos pais ensinando os filhos para a exposição de suas palavras: Pr 1,8.10.15; 2,1; 3,11.21; 4,10.20; 5,1.20; 6,1.3.20; 7,1; 19,27; 23,15.19. A relação entre o mestre e os discípulos retirou da casa paterna e do lar materno a linguagem da didática dos pais – o mestre é (como) o pai e a mãe, os discípulos são (como) os filhos. Essa importação da metáfora é possível, porque, com efeito, nas casas, ensinavam-se os filhos. Principalmente à mãe cabia a educação, até que o menino fosse entregue à comunidade dos homens (Lc 2,41).
Não é cândida a descrição de Maria guardando em seu coração “todas essas coisas” (Lc 2,51)? Um pequeno Jesus de doze anos no Templo! Dela mesma, teria ela ensinado tanto ao menino, que se tornara, aos doze anos, mestre e doutor? Infundira Maria tanto temor a Deus no menino, que ele tomara a Casa de Yahweh como a casa de seu Pai? Hoje se cuida saber melhor do que Maria todas essas coisas – mas Maria ainda não: devia estar muito surpresa com seu pequeno menino, e porque ele aprendia tanto, e tão rápido...
Os pais estão desde o princípio (1 Jo 2,13): cabe a eles ensinarem o caminho àqueles que vêm depois. É sua graça e seu desafio: “E vós pais, não provoqueis à ira os vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor” (Ef 6,4).

Os pais devem proteger os filhos

Já vimos que os pais dão coisas boas aos filhos (Mt 7,7-11). Mas fazem mais do que isso. Pais cuidam dos filhos com todo cuidado e carinho. Protegem seus filhos do perigo (Ex 2,1-10). E não é assim apenas para os pais de Moisés, pois se conta a mesma história sobre os pais do grande rei, Sargão, de Agade. Um texto arqueológico encontrado na Mesopotâmia dá conta de que esse rei teria nascido, posto por sua mãe numa cesta de junco, que depositará nas águas do rio (Eufrates). Diz-se que o tirador de água Akki o achou e o criou como filho (100 Textos de História, Contexto, 1988, p. 49). Sejam mesopotâmicos, sejam israelitas, mães protegem seus filhos como leoas. Deve-se, contudo, observar a insistência do tema da didática da mãe em Ex 2,1-10, porque, depois de todo o estratagema para a salvação do filho, é a própria mãe quem o acaba educando!


Não é também outra história muito forte sobre o cuidado da mãe com o filho aquela história de Rebeca e Jacó? Trata-se de uma história tipicamente oriental, na qual a mãe é responsável pela estratégia de sucesso de Jacó (Gn 27,11; ler todo o capítulo). Os sucessos não são de todo muito bons, é verdade (cf. Gn 27,41), porque trouxeram o ódio de um irmão contra o outro. Rebeca, mãe extremosa, rapidamente elabora nova estratégia de proteção do filho querido (Gn 27,42-45). Mãe é território sagrado. Quem entenderá as mães que protegem até o limite da irresponsabilidade filhos envolvidos com drogas e, mesmo, crimes? Só o coração da mãe entenderá o coração da mãe.
Não é à toa que Isaías recorre à figura do cuidado da mãe para com os filhos: “Pode uma mulher esquecer-se tanto de seu filho que cria, que se não compadeça dele, do filho do seu ventre? Mas ainda que esta se esqueça, eu, todavia, me não esquecerei de ti” (Is 49,15). Maior do que o amor de mãe, só o amor do Pai, amor que “tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta” (1 Cr 13,7).
A figura da ave protegendo seus filhotes pode ser usada para ilustrar o cuidado dos pais para com os filhos. E isso tanto no Primeiro Testamento (Dt 32,11), quanto no Segundo Testamento (Mt 23,37). Lá, a água recolhe os filhotes sobre as suas próprias asas e os leva para longe do perigo que ronda o ninho; aqui, a galinha ajunta os pintainhos sob as asas, para cuidar deles. Mais do que a casa dos pais em si (Dt 32,11), os pais dessa casa é que devem ser o símbolo de segurança e proteção para os filhos (Mt 23,37).
O cuidado dos pais com os filhos passa por uma série de questões concretas: a saúde, a educação, o encaminhamento profissional, a orientação espiritual, emocional e intelectual. A tarefa paterna é, verdadeiramente grande. Li certa vez no pára-choque de um Fusquinha: “as duas principais profissões da vida são dadas a inexperientes: cidadania e paternidade”. É verdade. Ninguém nasce sabendo ser pai e ser mãe. Mas se nos deixarmos tomar pelo amor, se nos dedicarmos ao cuidado dos filhos, vamos aprender. E as recompensas serão enormes (Pr 10,1; 15,20; 23,15.24; 29,15.17).

Conclusão

É das responsabilidades mais importantes de homem e mulher, quando pai e mãe, educar e cuidar dos filhos. A rigor, a educação há de se tornar tão eficiente quanto proporcional for ao cuidado. Pais que cuidam dos filhos tendem a educá-los com maior eficiência, porque os filhos é que se deixam ensinar, e se deixarão educar por pais que, sentem, os amam, os respeitam, e querem o seu bem.


Pais, não nos esqueçamos: a infância é rápida demais, a adolescência parece uma eternidade, mas, acima de tudo, a cada gesto paterno e materno, estamos cuidando e educando nossos filhos – ou não. Aproveitemos cada instante para cuidar e educar os pequenos filhotes que colocamos no mundo, com a graça do Pai.

Perguntas didáticas


  • Em que situações da vida, devem os pais ensinar aos filhos?

  • Quais as responsabilidades dos pais para com os filhos?

  • De que forma o amor dos pais para com os filhos é um reflexo do amor de Deus para com suas criaturas?


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal