Semana Santa será entre escombros em um Chile com história apagada por terremoto



Baixar 17.69 Kb.
Encontro28.07.2016
Tamanho17.69 Kb.

Semana Santa será entre escombros em um Chile com história apagada por terremoto


Rodrigo Bertolotto
Enviado especial do UOL Notícias

Em Santiago (Chile)


Imagens da destruição no Chile:




Fachada de casa desmoronada no centro histórico de Talca, região atingida pelo terremoto



Metade de palacete no bairro Brasil, em Santiago, veio abaixo com o terremoto de 27 de fevereiro

  • Veja outras imagens do terremoto

  • Assista os vídeos sobre o terremoto

Imagine a cidade de Paraty bombardeada, o Pelourinho de Salvador acabado para o turismo, Olinda com igrejas e casarões despencados no meio da rua? Pois, o terremoto de dez dias atrás apagou grande parte da história do Chile.

Igrejas, palácios, casas de fazenda, centros históricos, balneários antigos viraram escombros. E muitos deles serão demolidos porque suas estruturas não resistem.

Os que ainda podem ser restaurados devem esperar, já que a prioridade agora são as pessoas desalojadas – mais de 20 mil casas provisórias de madeira serão entregues antes da chegada do inverno rigoroso. O cálculo é que o gasto com a reconstrução de moradias atinja os US$ 20 bilhões.

Só depois da recuperação das indústrias e da infraestrutura viária e portuária é que as autoridades devem dar atenção à questão patrimonial. “O problema é que no Chile o provisório vira o definitivo e as coisas podem ficar assim. Poucas construções que foram destruídas no terremoto de 1985 foram recuperadas. A mesma coisa deve acontecer agora, mesmo com o aumento da consciência histórica”, opina o padre Gabriel Guarda, presidente da comissão de bens culturais da Igreja.

A Semana Santa no Chile será entre escombros. Em Santiago, 70% das igrejas foram danificadas, enquanto na região mais atingida, em Concepción e Talca, essa porcentagem sobe para 90%. São imagens de santos em cacos, torres inclinadas, abóbodas desabadas sobre as naves centrais.

Leia mais sobre o Chile:


  • Terremoto do Chile prejudica legado de Bachelet

  • Terremoto secundário moderado atinge o Chile, mas não causa danos

  • A 2 dias da posse, Piñera tem apoio de 59% dos chilenos

  • Terremoto redesenha mapa do Chile e desloca cidades até 4 metros

  • Governo chileno alerta para risco de doenças em zona devastada

Mas o que mais dá pena ao padre do patrimônio são as pequenas capelas rurais das regiões de O´Higgins, Maule e Biobio. Muitas viraram pó, afinal, eram feitas de adobe, argamassa de argila, areia e palha -- que era base da construção até o século 19 no Chile. “Eram joias da típica arquitetura que os jesuítas trouxeram para o Chile. Perdeu-se”, contou Guarda. O cenário com parreiras e a cordilheira dos Andes perdeu os campanários e os casarões que complementavam o quadro.

Em La Torina, está em frangalhos uma igreja de 1767, obra do arquiteto Joaquin Toesca, o mesmo que projetou o palácio do governo chileno, a Casa De La Moneda. Em Guacarhue, cidade declarada zona típica, uma igreja de 1779, que é monumento nacional, também está para cair.

Toda a arquitetura de adobe não resistiu ao sismo de 8,8 graus na escala Richter do dia 27 de fevereiro. A cidade de Peralillo, no meio da região dos vinhos, virou pó, com a igreja, a prefeitura e até o cemitério vindo abaixo. Da mesma forma, o bucólico centro histórico de Talca também desapareceu, e a prefeitura deve terminar a derrubada com escavadeiras entrando pelas casas comprometidas.

Do mesmo material, sedes de fazenda da época colonial também tombaram no mau sentido. Muito visitada, a de Pintué está com o telhado todo no chão, e sua ampla varanda caiu como um dominó. Outro exemplo é a casa grande de Cunaco, desenhada pelo arquiteto italiano Edoardo Prosolien e atualmente rachada ao meio. Também os bairros Brasil e Yunguay, em Santiago, viram as suas fachadas antigas caírem, com suas ornamentações neoclássicas, góticas e belle époque.

“Montei um museu e agora está tudo destruído. As peças caíram no chão e estão danificadas. As perdas são incalculáveis”, afirmou o empresário Carlos Cardoen, sobre a exposição permanente em Colchagua de peças incas que colecionou a partir da fortuna que confessou com fabricação de armas e agora com a exportação de vinhos.

Veja o relato dos surfistas brasileiros:




  • Outros vídeos sobre o terremoto

  • Veja as fotos da tragédia

Já o tsunami que veio após o terremoto estragou balneários tradicionais, com edifícios do século 19. Foi o caso de Constitución, praia frequentada pela alta sociedade do país no começo do século 20. Também Pichilemu, onde caiu um belvedere, e o hotel Ross, todo em metal estilo art nouveau, teve a estrutura danifica.

Os chilenos já estão acostumados a perder sua historia periodicamente. Desde 1575, o país registra terremotos e destruição na cidade de Valdivia, arrasada pela última vez em 1960. Atingidas também agora, Chillán e Concepción já foram reconstruídas em dois lugares: quando desabava um, ia para o outro. Em 1939, a catedral de Concepción teve as torres dinamitadas porque ameaçavam cair.

Personagens da história mundial presenciaram in loco a fúria da terra chilena. O biólogo Charles Darwin testemunhou o terremoto de 1835 em Valdívia. O pintor Paul Gauguin experimentou em 1877 um sismo em Iquique, norte do país.

A literatura chilena também é recheada de referencias a terremotos. Pablo Neruda fez poemas sobre os desastres de Valparaíso. A compositora Violeta Parra, autora do clássico “Gracias a la Vida”, compôs a canção “Puerto Montt está tremendo”, após experimentar nessa cidade os reflexos do sismo com epicentro em Valdivia em 1960.



Com o terremoto, caíram também casas de figuras da história chilena como o herói naval Arturo Prat e o mártir da independência Manuel Rodríguez. Basta saber se vai se repetir com o passado do Chile do futuro presidente Sebastián Piñera o que está acontecendo com a cidade italiana de L'Áquila, que sofreu tremor no início de 2009: seu centro está ainda em ruínas e a população, em locais provisórios.
 



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal