Semestre: 1/2014 Período: vespertino



Baixar 47.61 Kb.
Encontro26.07.2016
Tamanho47.61 Kb.
Disciplina: História e Fontes Visuais (FLH0653)

Semestre: 1/2014

Período: vespertino

Professor responsável: Marcos Napolitano (napoli@usp.br)

Professores ministrantes: Marcos Napolitano; Ignácio Del Valle Dávila (pós-doutorando DH/USP; bolsista FAPESP)

Título: História e Cinema



Objetivos:

  • Mapear as principais matrizes e tradições do filme histórico na cinematografia, com ênfase nas cinematografias europeias e americanas.

  • Refletir sobre o papel do cinema de ficção na construção, monumentalização e na revisão das representações sobre o passado histórico em vários contextos históricos e sociais.

  • Analisar o estatuto do filme histórico dentro da indústria cinematográfica e seu diálogo com a tradição do cinema autoral e com os filmes de gênero.

  • Analisar a relação entre o filme histórico, os debates historiográficos e a heurística

  • Refletir sobre as relações entre estética e ideologia no filme histórico.



Avaliação:

  • Resenha de um filme com temática histórica (até 3 páginas)

  • Plano de aula para o ensino básico (fundamental ou médio) utilizando um filme com temática histórica, contendo: 1) Ficha técnica do filme; 2) Sinopse (10 linhas); 3) Justificativa tendo em vista os Parâmetros Curriculares (10 linhas); 4) Estratégias de uso do filme em sala de aula ou em projetos escolares; 5) Roteiro de análise do filme voltado para o aluno; 6) Bibliografia e materiais de apoio.

Conteúdo: Programa/Calendário

  1. 28/fev – Cinema e História: Problemas e matrizes do filme histórico

    1. Filmes: Cabiria (idem, Itália, Giovani Pastrone, 1914) ; Napoleon (idem, Abel Gance, França, 1927); O nascimento de uma nação (The birth of a nation, D.W. Griffith, EUA, 1915); Intolerância (Intolerance, D.W.Griffith, 1916)

    2. Textos: XAVIER, Ismail. De monumentos e alegorias políticas: a Babilônia de Griffith e a dos Taviani, In: Estudos de Cinema, (2): 125 – 152,1999; BAECQUE, Antoine de. Histoire et Cinéma. Paris: Cahiers du Cinéma, Les Petits Cahiers, 2008, 96p; MORETTIN, Eduardo. O cinema como fonte histórica na obra de Marc Ferro. História. Questões e Debates, Curitiba, v. 20, n.38, p. 11-42, 2003




  1. 14/mar – História na tradição do “melodrama hollywoodiano”

    1. Filmes: Amistad (idem, Steven Spielberg, EUA, 1997); Resgate do Soldado Ryan (Saving Private Ryan, Steven Spielberg, EUA, 1998); ...e o vento levou (Gone with the Wind)

    2. Textos: NAPOLITANO, M. “Monumentalização e escrita filmica da história: uma comparação entre Danton e Amistad”. In: Eduardo MORETTIN; Maria Helena CAPELATO; Elias Tomé SALIBA; Marcos NAPOLITANO. (Org.). História e Cinema: dimensões históricas do audiovisual. 1 ed. São Paulo: Alameda Editorial / História Social-USP, 2007, v. , p. 65-83 “; MORETTIN, Eduardo. V. “Ver o que aconteceu : Cinema e História em Griffith e Spielberg”. Galáxia (São Paulo. Online), v. 11, p. 196-207, 2011




  1. 21/mar – O cinema brasileiro e os limites da monumentalização histórica (participação: Eduardo Morettin)

    1. Filmes: O descobrimento do Brasil (Humberto Mauro, Brasil, 1937); Os bandeirantes (Humberto Mauro, Brasil, 1940)

    2. Textos: MORETTIN, E. Humberto Mauro, cinema, história. São Paulo, Editora Alameda, 2013; ALMEIDA, Claudio. O cinema como agitador de almas. São Paulo, Annablume/FAPESP, 1999




  1. 28/mar – Neo-realismo e história do tempo presente

    1. Filmes: Alemanha, Ano Zero (Germania anno zero, Roberto Rossellini, Itália, 1948); Paisá (Idem, Roberto Rossellini, Itália, 1946); Roma, Cidade Aberta (Roma, cittá aperta, Roberto Rossellini, Itália, 1945)

    2. Textos: FABRIS, Mariarosaria. "Nápoles, 1943: rememorações". Comunicação apresentada no VII Seminário Nacional do Centro de Memória, UNICAMP, 13-15 de fevereiro de 2012; FABRIS, M. “Guerra, matriz do neorrealismo”. In: O neorrealismo cinematográfico italiano. São Paulo, Edusp/FAPESP, 1996, 33-52




  1. 4/abril – Gênero épico e Guerra Fria

    1. Filmes: Spartacus (idem, Stanley Kubrick, EUA, 1961); Os 300 de Esparta (The 300 Spartans, Rudolph Maté, EUA, 1962);

    2. Textos: COOPER, Duncan. L. “Dalton Trumbo vs. Stanley Kubrick” in: Winkler, Martin (ed). Spartacus: Film and History, Blackwell Publishing Ltd, Oxford, UK. doi: 10.1002/9780470776605.ch2




  1. 11/abril – História no cinema épico soviético (Ignácio Del Valle)

    1. Filmes: O Encouraçado Potemkim (Bronenosets Potyomkin, Sergei Einsenstein, URSS, 1925); Outubro (Oktyabr, Sergei Einsenstein, URSS, 1927); Alexandr Nevsky (Idem, Sergei Einsenstein, URSS, 1938)

    2. Textos: CONTO, Gérard. “Du Cuirassé Potemkine à la ligne générale” In: Eisenstein. Le cinema comme art total. Infolio, 2007. 95-114; DELAGE, Christian, “L’URSS”. In Marc Ferro (org.) Révoltes, Révolutions, Cinéma. Paris: Centre Georges Pompidou, 1989, p. 107-111




  1. 25/abril – Cinema militante e história (participação: Mariana Martins Villaça)

    1. Filmes: A Batalha de Argel (La Battaglia di Algeri, Gillo Pontecorvo, Italia/Argélia, 1965); Memórias do Subdesenvolvimento (Memorias del subdesarollo, Tomas Gutierrez Alea, Cuba, 1968);

    2. Textos: JANOTTI, Maria de Lourdes Mônaco. “Violência política: Brasil e Argélia” In: ARIAS NETO, Jose Miguel et al. Ensaios de história política e cultural. Editora Unicentro, 2013, p. 47-82; AVELLAR, José Carlos. “O paraíso do espectador” In: PRUDENZI, Angela e RESEGOTTI, Elisa. Cinema político italiano. Anos 60 e 70. São Paulo, Cosac Naify, 169-199; VILLAÇA, Mariana. Cinema Cubano. Revolução e Política cultural. São Paulo, Alameda, 2010; AGUIAR, Carolina Amaral. “L’Ambassade e a esquerda francesa (do documentário à ficção) In: O Chile na obra de Chris Marker: um olhar para a Unidade Popular desde a França. Tese de Doutorado, História Social, USP, 2013, 243-296.




  1. 9/maio – Filme histórico e crítica política (participação: Alexsandro de Souza e Silva)

    1. Filmes: Os Inconfidentes (Joaquim Pedro de Andrade, Brasil/Italia, 1972); Danton (Andrei Wajda, França, 1983); A Última Ceia (La ultima cena, Tomás G.Alea, Cuba, 1976); A confissão (L’Aveu, Costa Gavras, França-Itália, 1970)

    2. Textos: RAMOS, Alcides Freire. Canibalismo dos fracos: cinema e História do Brasil. São Paulo/ Bauru: Edusc, 2002; NAPOLITANO, M. “Monumentalização e escrita filmica da história: uma comparação entre Danton e Amistad”. In: Eduardo MORETTIN; Maria Helena CAPELATO; Elias Tomé SALIBA; Marcos NAPOLITANO. (Org.). História e Cinema: dimensões históricas do audiovisual. 1 ed. São Paulo: Alameda Editorial / História Social-USP, 2007, p. 65-83; VILLAÇA, Mariana M.  “A cena político-cultural cubana dos anos setenta: uma análise histórica do filme A Última Ceia”. In: MORETTIN, Eduardo; NAPOLITANO, Marcos; CAPELATO, Maria H.; SALIBA, Elias. (orgs.). Historia e Cinema: dimensões históricas do audiovisual. São Paulo: Editora Alameda / História Social USP, 2010, 2ª edição, p. 193-218. (1ª edição: 2007).

.


  1. 16/maio – Filme histórico e história oficial no regime militar brasileiro (Ignácio Del Valle)

    1. Filmes: Independência ou Morte (Carlos Coimbra, Brasil, 1972); Batalha de Guararapes (Paulo Thiago, Brasil, 1978)

    2. Textos: BERNARDET, Jean Claude. “Cinema e História” in: Piranha no mar de rosas - São Paulo: Nobel, 1982;




  1. 23/maio – Gênero fílmico e revisão do passado no “cinema da retomada” (Fernando Seliprandy)

    1. Filmes: O que é isso, Companheiro? (Bruno Barreto, Brasil, 1996); Carlota Joaquina (Carla Camuratti, Brasil, 1995); Olga (Jayme Monjardim, Brasil, 2002).

    2. Textos: YOSIMOTO, Cynthia Liz. Olga Olga Benário e a Revolução de 1935: a construção fílmica de uma história.Relatório de Iniciação Científica, FAPESP, 2011; SELIPRANDY, Fernando. Imagens divergentes, conciliação histórica: memória, melodrama e documentário nos filmes 'O que é isso, companheiro?' e 'Hércules 56'. Dissertação (Mestrado em História Social), Universidade de São Paulo, 2012




  1. 30/maio – Cinema e escrita da história: o caso Ettore Scola

    1. Filmes: Um dia muito especial (Uma giornata particolare, Ettore Scola, Italia, 1977); Casanova e a Revolução (La nuit de Varennes, Ettore Scola, Itália/França/Alemanha, 1982)

    2. Textos: BRUNET, Catherine. “Ettore Scola et l’histoire”. In: Le monde d’Ettore Scola. La famille, la politique et l’histoire. Paris, L’Harmattan, 2012, 251-306



  1. 6/jun – História, melancolia e subjetividade: o cinema de Marco Bellochio

    1. Filmes: Bom dia, noite (Buongiornno, notte, Marco Bellcchio, Italia, 2003); Vincere (idem, Marco Bellocchio, Itália, 2009)

    2. Textos: BERTILLOTTI, Paola. “Le fascisme au cinema. Vincere de Marco Bellocchio”. Histoire@Politique. Politique, culture et societé, 12, sept 2010, www.histoire-politique.fr




  1. 13/jun – Reserva de calendário ou atividade acadêmica




  1. 27/jun - Reserva de Calendário



Métodos utilizados:

  • Análise fílmica a partir da exibição de filmes na íntegra e de trechos de filmes em cada aula, buscando o “específico fílmico” na relação entre história e cinema

  • Debates abertos sobre o filme, tema ou texto centrais em cada aula.

Critérios de recuperação:

  • Resenha bibliográfica a partir de um tema/recorte conexo ao curso.

Bibliografia de apoio

ALMEIDA, Claudio A. O cinema como "agitador de almas": 'Argila', uma cena do Estado Novo. São Paulo, Annablume, 1999.

AUERBACH, Eric. Mimese. São Paulo, Editora Perspectiva, 1971.

AVIER, I. N. . O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência - 3ª Edição revista e ampliada. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005. v. 1. 212p



BAECQUE, Antoine; DELAGE, Christian (dir.). De l’histoire au cinema. Bruxellas: Editións Complexe, 1998.

BAUGH, Scott L.; SCHOENECKE, Michael K. Special Issue Introduction: Historical Reflections/Cinematic Projections of Latin American Film. In: Film and History, vol. 34.1, 2004, pp. 19-20.

BAUGH, Scott L.; SCHOENECKE, Michael K. Turning Pages on Latin American Film and History Studies. In: Film and History, vol. 34.2, 2004, pp. 13-14.

BAZIN, André. O cinema: ensaios. SP, Brasiliense, 1991. 



BERNARDET, Jean-Claude; RAMOS, Alcides Freire. Cinema e História do Brasil. São Paulo: Contexto, 1988.

BIGNARDI, Irene. Memorie estorte a uno smemorato. La vita di Gillo Pontecorvo. Milano, Feltrinelli, 1999


Bonifazio, Paola. Marco Bellocchio: The Cinematic I in the Political Sphere. Journal of Modern Italian Studies . Volume 18, Issue 4, 2013


BORDWELL, D.; STAIGER, J.; THOMPSON, K. The classical Hollywood style: film, style and mode of production to 1960. London, Routledge and Kegan Paul, 1985.

BORDWELL, David. The cinema of Eisenstein. Harvard University Press, 1993


BROOK, Clodagh. M arco Bellocchio: the cinematic in the political sphere. University of Toronto Press, 2010 (cap. 4).

BROOKS, Peter. The Melodramatic Imagination. New Haven, Yale University Press, 1995.

BRUNET, Catherine. Le monde d’Ettore Scola. La famille, la politique et l’histoire. Paris, L’Harmattan, 2012 (4eme partie “Ettore Scola et l’histoire”), 251-306

CAPDENAT, Constance. Histoire et histoires: le film historique de fiction et la Nouvelle Histoire dans les années soixante-dix. DEA d’Histoire, IEP, 94 p.



CAPELATO, Maria Helena. et. alii. (orgs.). História e Cinema. Dimensões históricas do audiovisual. São Paulo: Alameda, 2007

CARDOSO, Maurício. História e Cinema: um estudo de São Bernardo (Leon Hirszman, 1972). São Paulo, Janeiro de 2002. Dissertação de Mestrado, FFLCH- USP.

CARNES, Mark. Passado Imperfeito. A História no Cinema. Rio de Janeiro, Ed. Record, 1997. 

COMMOLLI, Jean Louis. Le passé filmé. Cahiers du Cinema. 277, juin 1977, 5-14

COSTA, Antonio. Cinema e História. In: Compreender o cinema, trad. Nilson Moulin Louzada, Rio de Janeiro: Globo, 1987.

COURCOUX, Charles-Antoine. From Here to Antiquity: Mythical Settings and Modern Sufferings in Contemporary Hollywood's Historical Epics. In: Film and History, vol. 39.2, 2009, pp. 29-38.

CHARTIER, Roger. O mundo como representação. In: Estudos Avançados. 5 (11): 173 – 191, 1991.

Chloé Lamireau. Tra finzione filmica e ricostruzione storica. Il terrorismo e gli anni di piombo nel cinema italiano degli anni 2000. Tese de Lengua, Letteratura e Civiltà Italiane, Université de Nice, 2007


DAVIS, N. Z. Slaves on Screen. Film and Historical Vision. Cambridge: Harvard University Press, 2000. 

DELAGE, Christian e GUIGUENO, Vincent. L’historien et le film. Editions Gallimard, 2004 (segunda parte, 99-192)

DELAGE, Christian; GUIGUENO, Vincent. L’histoire et le film. Paris: Gallimard, 2004.

ELSAESSER, Thomas. Subject Positions, Speaking Positions; From Holocaust, Our Hitler, and Heimat to ‘Shoah’ and ‘Schindler's List’. In: SOBCHACK, Vivian (ed.). The Persistence of History: Cinema, Television, and the Modern Event. New York, Routledge, 1996, p. 145 – 183. 


FABRIS, Mariarosaria . O neo-realismo cinematográfico italiano: uma leitura. São Paulo: Edusp/Fapesp, 1996. 176 p.


FABRIS, Mariarosaria . Proibido ultrapassar à esquerda (versão ampliada). In: Eduardo V. Morettin; Marcos Napolitano; Maria Helena Capelato. (Org.). Cinema e História. São Paulo: , 2006

FABRIS, Mariarosaria . Realismo: duas visões confluentes. In: Annateresa Fabris & Maria Lúcia Bastos Kern. (Org.). Imagem e conhecimento. 1 ed. São Paulo: Edusp, 2006, v. 1, p. 255-270.

MASCARELLO, Fernando. (Org.). História do Cinema. Porto Alegre: , 2004

FERREIRA, Rodrigo S. Cinema, história pública e educação. Circularidade do conhecimento histórico em Xica da Silva (1976) e Chico Rei (1985). Tese de Doutorado em Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, 2014

FERRO, M. The fiction film and historical analysis. In: The historian and film. Ed. Paul Smith, Cambridge Univerty Press, 1976

FERRO, Marc. Cinema e História. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FONSECA Vitoria Azevedo da. Historia imaginada no cinema : analise de Carlota Joaquina, a princesa do Brasil e Independencia ou Morte. Dissertação de Mestrado, História, Unicamp, 2002

GINZBURG, Carlo. Representação: a palavra, a idéia, a coisa. In: Olhos de madeira: nove reflexões sobre a distância. São Paulo, Companhia das Letras, 2001, p. 85 – 103.

GRIFFITHS, Alison. Le panorama et les origines de la reconstitution cinématographique. In: Cinémas: revue d’etudes cinématographiques. Vol. 14, nº 1, outono de 2003, pp. 35-65. 

HJORT, Mett and MACKENZIE, Scott. Cinema and Nation. Routledge, 2000

JACKSON, Martin A. El historiador y el cine. In: ROMAGUERA, Joaquim; RIAMBAU, Esteve (org.) La historia y el cine. Espanha: Fontamara, 1983, pp. 13-39.

JAHER, Frederic C.; KLING, Blair B. Hollywood’s India: The Meaning of RKO’s Gunga Din. In: Film and History, vol. 38.2, 2008, pp. 33-44.

KORNIS, Mônica Almeida. História e Cinema: um debate metodológico. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, nº 10, 1992, pp. 237-250.

LANDY, Marcia. Cinematic uses of the past. Minneapolis, University of Minnesota Press, 1996. 

LANG, Robert. (ed.). The Birth of a Nation. New Brunswick, NJ, Rutgers University Press, 1994. 

LANG, Robert. American Film Melodrama. Princeton University Press, 1989.

LAUREANO, Rogério Correa. Cinema e História no Brasil e na Argentina na transição política: estudo comparativo entre os filmes “Pra frente Brasil” e “Nem culpa nem esquecimento”. São Paulo, 2002. Dissertação de mestrado, FFLCH-USP

LEME, Carolina Gomes. Ditadura em imagem e som. São Paulo, Editora UNESP, 2013

LERA, José Maria Caparrós. Análisis histórico de los films de ficcion. Cuadernos Cinematográficos., 10, 1996

LERA, José Maria Caparrós. El cine como documento histórico. Revista Anthropos, 175, 1997

LEUTRAT, Jean-Louis. Uma relação de diversos andares: Cinema & História. In: Imagens. Cinema 100 anos. Campinas, Editora da Unicamp, (5): 28 - 33, ago./dez. 1995

LINDEPERG, Sylvie. Itinéraires : le cinéma et la photographie à l’épreuve de l’histoire. In: Cinémas: revue d’etudes cinématographiques, vol. 14, nº 2-3, primavera de 2004, pp. 191-210. 

LOSHITZKY, Yosefa. (ed). Spielberg's Holocaust: Critical Perspectives on ‘Schindler's List’. Bloomington, Indiana University Press, c1997. 

MACKENZIE, Scott and HJORT, Mett. Cinema and nation. Routledge, 2000

Marie Fabre. Buongiorno, notte : « approfondir l’histoire par infidélité ». sociétés & Représentations. 2010/1 (n° 29), 127-136


MENEZES, Paulo Roberto Arruda de. Cinema: imagem e interpretação. Tempo Social; Rev. Sociol. USP, S. Paulo, 8(2):83-104, outubro de 1996.

MERRITT, Russell. Recharging "Alexander Nevsky": Tracking the Eisenstein-Prokofiev War Horse. Film Quarterly Vol. 48, No. 2 (Winter, 1994-1995), pp. 34-47Published by: University of California Press Article Stable URL: http://www.jstor.org/stable/1213094


MORETTIN, Eduardo. Humberto Mauro, cinema, história. São Paulo, Alameda, 2013

MORETTIN, Eduardo. O cinema e o mito da democracia americana: Abraham Lincoln e John Ford. Famecos. Porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 11 – 22, janeiro/abril 2011. 

MORRISSEY, Priska. Histoirens et cinéastes. Rencontre de deux écritures. Paris, L’Harmattan, 2004

NACACHE, Jacqueline. Le film hollywwoddien classique. Nathan, 2001

NELSON, Tollof. Sculpting the End of Time: The Anamorphosis of History and Memory in Andrei Tarkovsky’s Mirror (1975). In: Cinémas: revue d’etudes cinématographiques, vol. 13, nº 3, primavera de 2003, pp. 119-147.

NORA, Pierre. Entre Memória e História. A problemática dos lugaresProjeto História. São Paulo, Educ, (10): 7 – 28, dez. 1993.


NOVOA, Jorge L. B. Antinomias de Eisenstein: uma biografía contra o poder e as imagens de Stálin (ser artista na URSS). La biografía fílmica: actas del Segundo Congreso Internacional de Historia y Cine (2, 2010, Madrid)[cd-rom]. Gloria Camarero (ed.). Madrid: T&B editores, 2011, pp. 99-123


NÓVOA, Jorge Luiz Bezerra (Org.) ; FRESSATO, Soleni (Org.) ; FEIGELSON, K. (Org.) . Cinematógrafo. Um olhar sobre a história. 1. ed. Salvador, São Paulo: EDUFBA, Editora da UNESP, 2009. v. 2000. 492p .

NÓVOA, Jorge Luiz Bezerra . Costa Gavras: política, história e cinema. O Olho da História, v. 2, p. 71-86, 2005

NÓVOA, Jorge Luiz Bezerra . Antinomias de Eisenstein. Um olhar sobre a história e as imagens da URSS.. In: Alcides Freire Ramos e Marcos Silva. (Org.). Ver historia: o ensino vai aos filmes.. 1ed.São Paulo: HUCITEC, 2011, v. 1, p. 305-329.

ODIN, Roger. De la Fiction. De Boeck Université, 2000

PEREIRA, Wagner Pinheiro. O Poder das Imagens: Cinema e Política nos Governos de Adolf Hitler e Franklin D. Roosevelt (1933-1945). 01. ed. São Paulo: Alameda Casa Editorial, 2012.

RAMOS, Fernão. História do cinema brasileiro. São Paulo: Art Editora; Secretaria de Estado da Cultura, 1990.



REIS Fº, Daniel Aarão et. alii. Versões e ficções: o sequestro da história. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1997

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. São Paulo, Martins Fontes, 2011

ROSENSTONE, Robert A. História em imagens, História em palavras: reflexões sobre as possibilidades de plasmar a História em imagens. In: O Olho da História. Revista de História Contemporânea. Salvador - BA, 1 (5): 105 - 116, set. 1998

ROSENSTONE, Robert. A história nos filmes. Os filmes na história. São Paulo, Paz e Terra, 2010

RUBIO, Antonio; MARTIN, Jeronimo. Cine y Revolucion Francesa. Madrid, Ediciones Rialp, 1991

SANTI, Pier Marco & VITTORI, Rossano. I Film di Ettore Scola. Gremese Editore, 1987.


SELIPRANDY, Fernando.

SILVA, Marcos A. . Cinema-história e razão-poética: o que fazem os profissionais da história com os filmes. Goiânia: Editora da UCG, 2008, pp. 11-18.

SILVA, M. A. (Org.) ; RAMOS, A. F. (Org.) . Ver História O Ensino vai aos filmes. São Paulo: Hucitec, 2011. 344 p

SLOCUM, J. David (ed.) Hollywood and war. The film reader. New York, Routledge, 2006. 

SORLIN, Pierre. Clio a l’écran, ou l’historien dans le noir. In: Revue d’Histoire Moderne et Contemporaine, tome XXI, avril-juin 1974

SORLIN, Pierre. Historical Films as Tools for Historians.Film & History: An Interdisciplinary Journal of Film and Television Studies. Volume 18, Number 1, February 1988, p. 2-15

SORLIN, Pierre. L’énonciation de l’histoire. In: MOTTET, Jean (dir.). D. W. Griffith. Paris, Ed. L’Harmattan, 1984, p. 298 – 317. 
______. The Film History. Oxford, Basil Blackwell, 1980. 

TOPLIN, Robert Brent. Hollywood's D-Day From the Perspective of the 1960s and the 1990s: The Longest Day and Saving Private Ryan. In: Film and History. Vol. 36.2, 2006, pp. 25-29.

Vingtième Siècle: Revue d'Histoire. Cinéma: Le temps de l"histoire. Paris, Fondations Nationales des Sciences Politiques, (46), avril - juin 1995. 

WEINMANN, Heinz. Les Fantômes de l’Amérique. In: Cinémas: revue d’etudes cinématographiques. Vol. 1, nº 1-2, s/d.

XAVIER, I. N. . A Personagem Feminina Como Alegoria Nacional No Cinema Latino-Americano. BALALAICA, SAO PAULO, v. 1, p. 84-101, 1997.

XAVIER, I. N. . Cinéma politique et genres traditionels: force et limites de la matrice mélodramatique. Cinémas d'Amérique Latine, v. 1, p. 46-51, 1993

XAVIER, I. N. . D. W. Griffith: o nascimento de um cinema. São Paulo: Editora Brasiliense, 1984. v. 1.

XAVIER, I. N. . Guerras de cinema- a nação do monumental e espetacular. Sexta-Feira, SÃO PAULO, n.7, p. A124-A132, 2003.

XAVIER, I. N. . Historical Allegories. In: Toby Miller and Robert Stam. (Org.). A Companion to Film Theory. 1ed.Oxford: Blackwell Publishers, 1999, v. , p. 333-362

XAVIER, I. N. . Melodrama o la seducción de la moral negociada. Puerta: Publicación de Arte y Duseño, v. 3, p. 146-155, 2008



XAVIER, Ismail. . De monumentos e alegorias políticas: a Babilônia de Griffith e a dos Taviani, In: Estudos de Cinema, (2): 125 – 152, 1999.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal