Ser de (se) Vinf.: uma construção gramatical do português



Baixar 75.89 Kb.
Encontro20.07.2016
Tamanho75.89 Kb.
Ser de (se) Vinf.: uma construção gramatical do português

Angelina Aparecida de Pina (UFRJ)

Introdução

Este trabalho tem por objetivo descrever, de modo sistemático, as principais informações sintáticas, semânticas e pragmáticas que o padrão construcional ser de (se) Vinf. encerra, caracterizando-o como um angulador pragmático do português, que serve a propósitos interacionais de preservação da face do escritor e do leitor em textos argumentativos.

A ausência de descrições adequadas desse padrão construcional em compêndios e manuais de gramática da língua portuguesa impôs dificuldades analíticas contornáveis somente por recurso a diferentes modelos de análise que enfatizam a interface entre sintaxe, semântica e pragmática, a saber: a teoria construcional; a teoria da dinâmica de forças; a teoria da polidez; o emprego dos anguladores (hedges); e as discussões sobre o pronome se como índice de indeterminação do sujeito.

Nas Seções 2 a 6, serão apresentados esses modelos de análise. Na Seção 7, será desenvolvida a análise da construção gramatical ser de (se) Vinf.. E, por fim, na Seção 8, serão sintetizadas as principais conclusões deste trabalho.

Gramática das Construções

A Gramática das Construções é uma teoria lingüística que preocupa-se com a natureza da competência lingüística do falante, analisando a integração entre estruturas lingüísticas e processos cognitivos, sendo, portanto, centrada no ser humano.

Na teoria construcional, a unidade básica é a construção gramatical, definida como uma correspondência entre parâmetros de forma (incluindo informações lexicais, sintáticas e morfofonológicas) e parâmetros de significado (incluindo informações semânticas e pragmáticas).

Portanto, morfemas, palavras, sintagmas e sentenças são construções, uma vez que são caracterizados por uma forma pareada a um significado e diferem apenas quanto à complexidade interna.

Tipicamente, as construções sentenciais instanciam diversas construções simultaneamente. Por exemplo, a sentença “Aline enviou uma carta para Pedro” instancia a construção sujeito-predicado, a construção bitransitiva, a construção morfológica de pretérito (envi-ou) e seis construções morfológicas simples, correspondendo a cada palavra da sentença.

Em sua versão da Gramática das Construções, Adele Goldberg (1995) descreve sentenças simples e básicas do inglês. Sua tese central é a de que sentenças básicas são construções, na medida em que correspondem a pareamentos forma-significado que existem independentemente dos verbos instanciados. Em outras palavras, Goldberg afirma que as construções sentenciais têm significado, independentemente das palavras que compõem a sentença.

Cada construção sentencial codifica como seu sentido central uma cena básica da experiência humana, por exemplo, alguém transferindo algo a alguém, alguém fazendo algo mover-se, alguém modificando o estado de algo, algo movendo-se, alguém experienciando algo etc.

Tendo em vista a codificação de cenas experienciais, Goldberg distingue cinco construções sentenciais básicas:


  1. Construção bitransitiva – Significado básico: X CAUSA Y RECEBER Z. Configuração sintática: Sujeito + Verbo + Objeto1 + Objeto2. Exemplo: “Aline enviou uma carta para Pedro.

  2. Construção de movimento causado – Significado básico: X CAUSA Y MOVER-SE PARA Z. Configuração sintática: Sujeito + Verbo + Objeto + Oblíquo. Exemplo: “Fábio pôs o livro na estante.

  3. Construção resultativa – Significado básico: X CAUSA Y TORNAR-SE Z. Configuração sintática: Sujeito + Verbo + Objeto + XComp. Exemplo: “Fátima cortou a carne em pedaços.

  4. Construção de movimento intransitivo – Significado básico: X MOVE-SE EM Y. Configuração sintática: Sujeito + Verbo + Oblíquo. Exemplo: “A abelha voava no jardim.

  5. Construção conativa – Significado básico: X DIRECIONA UMA AÇÃO PARA Y. Configuração sintática: Sujeito + Verbo + Objeto. Exemplo: “Miguel fechou a porta.

Augusto Soares da Silva (2001), Professor da Universidade Católica Portuguesa, em Braga (Portugal), descreve sete padrões sentenciais básicos do português, que codificam “esquemas de evento” (ou “cenas experienciais”, na terminologia de Goldberg). Esses esquemas de evento são padrões conceituais que combinam um tipo de ação, processo ou estado com os participantes nele envolvidos. Entre os padrões sentenciais propostos por Silva, destaca-se aquele que codifica o esquema de “ser” e configura-se sintaticamente como Sujeito + Verbo + Predicativo, sendo exemplificado pela sentença “Esta sala é arejada”. Note-se que Goldberg não descreve uma construção predicativa.

Analisando os padrões sentenciais básicos do inglês, Goldberg ressalta a importância de uma abordagem bottom-up (do item lexical para a construção) e top-down (da construção para o item lexical), uma vez que os significados da construção e do verbo interagem. A construção contribui para a semântica do verbo, do mesmo modo que o verbo contribui para a semântica da construção. Isto é, a compatibilização de um verbo em uma construção específica determina a atualização de um sentido do verbo, ao mesmo tempo em que o sentido do verbo instanciado completa a significação da construção.

A semântica do verbo especifica papéis participantes (referentes aos participantes da cena evocada pelo verbo), enquanto a construção especifica papéis argumentais (referentes aos papéis temáticos, como agente, paciente, alvo, etc.). O verbo lexicalmente perfila as entidades obrigatoriamente presentes na cena que ele evoca. Vender, por exemplo, evoca uma cena em que prototipicamente participam um vendedor, um objeto vendido e um comprador. A construção bitransitiva X CAUSA Y RECEBER Z, por exemplo, perfila um agente, um paciente e um recipiente. Os papéis participantes perfilados pelo verbo vender e os papéis argumentais perfilados pela construção bitransitiva (transferencial) apresentam correspondência semântica e fundem-se (vendedor/agente, objeto vendido/paciente, e comprador/recipiente). Os papéis perfilados pela construção são expressos como relações gramaticais diretas (sujeito, objeto direto, objeto indireto).

Segundo Goldberg, as construções (i) especificam de que modo os verbos combinam-se com elas, (ii) restringem a classe de verbos que pode ser integrada com elas, e (iii) especificam o modo como o tipo de evento designado pelo verbo integra-se no tipo de evento designado por elas. Tendo isso em vista, é lícito dizer que vender compatibiliza com a construção bitransitiva porque o evento designado por vender encerra uma transferência. Em outras palavras, o tipo de evento designado pelo verbo é uma instanciação do tipo de evento mais geral designado pela construção.



A integração entre verbos e construções é governada por dois princípios:

  1. Princípio da Coerência Semântica: Apenas papéis que são semanticamente compatíveis podem fundir-se.

  2. Princípio da Correspondência: Cada papel participante que é lexicalmente perfilado e expresso deve ser fundido com um papel argumental da construção.

Entretanto, Goldberg salienta que há condições específicas em que os papéis participantes perfilados podem não ser expressos:

Sombreamento: Baseia-se na metáfora de que o perfilamento é análogo a uma câmera cinematográfica focando em certos participantes. O sombreamento denota um processo pelo qual um dado participante é “colocado nas sombras”. No exemplo “A salada foi temperada”, a construção passiva sombreia o papel participante mais alto associado ao verbo (aquele que funde-se com o papel argumental de agente). Mas, seria possível dizer “A salada foi temperada por Marta”, isto é, com o agente da passiva.

Corte: Evoca a noção de um diretor cortando um dos participantes do filme. A diferença entre o papel participante sombreado e o papel participante cortado é que este não pode ser expresso. Por exemplo, na sentença “Esse tecido amarrota facilmente”, o papel participante agentivo não pode ser expresso.

Complementos nulos: Há dois modos de o verbo especificar lexicalmente que um certo papel participante pode não ser expresso:

  1. Complemento nulo indefinido: O papel não-expresso recebe uma interpretação indefinida, pois a identidade do referente é desconhecida ou irrelevante. No exemplo “Helena come muito”, o objeto do verbo comer não está expresso e a identidade de seu referente  o que Helena come  é irrelevante.

  2. Complemento nulo definido: A identidade do referente deve ser recuperada no contexto. Por exemplo, na resposta “Ø Mordeu Ø” para a pergunta “O cachorro mordeu Antônio?”, os participantes do verbo recebem uma interpretação definida no contexto.

Considerando que o inventário de construções constitui um conjunto altamente estruturado, Goldberg assinala que a organização lingüística é governada por quatro princípios cognitivos:

  1. Princípio da Motivação Maximizada: Se uma construção A é sintaticamente relacionada a uma construção B, então o sistema da construção A é motivado de tal modo que relaciona-se semanticamente com a construção B. Essa motivação é maximizada.

  2. Princípio da Não-Sinonímia: Se duas construções são sintaticamente distintas, elas devem ser semântica ou pragmaticamente distintas. Subdivide-se em:

Corolário A: Se duas construções são sintaticamente distintas e semanticamente sinônimas, então elas não devem ser pragmaticamente sinônimas.

Corolário B: Se duas construções são sintaticamente distintas e pragmaticamente sinônimas, então elas não devem ser semanticamente sinônimas.

  1. Princípio da Força Expressiva Maximizada: O inventário de construções é maximizado para propósitos comunicativos.

  2. Princípio da Economia Maximizada: O número de construções distintas é minimizado o máximo possível, dado o Princípio III.

É propício salientar que a teoria construcional preocupa-se, também, em descrever as condições sob as quais uma construção específica pode ser utilizada com sucesso, posto que esse conhecimento faz parte da competência lingüística do usuário da língua.

Modalidade

Adotando a abordagem da Semântica Cognitiva, para investigar os modais ingleses em seu sentido mais básico, Leonard Talmy (1981, 1988, 2000) aplicou sistematicamente conceitos de forças e barreiras na organização do significado da modalidade-raiz, que inclui as interpretações deôntica e dinâmica (habilidades e disposições).

A dinâmica de forças é uma categoria semântica que diz respeito ao modo como as entidades interagem com relação à força. Seus conceitos fundadores são do domínio das interações de forças físicas: a aplicação de uma força, a resistência a uma força, a transposição de uma força, o bloqueio de uma força, a remoção de um bloqueio, etc.

Segundo Talmy (2000), como codificada no domínio lingüístico, a dinâmica de forças envolve as distinções básicas: (a) Entidades de força: Agonista vs. Antagonista; (b) Tendência intrínseca de força: para o movimento vs. para o repouso; (c) Resultante da interação de forças: movimento vs. Repouso; (d) Equilíbrio de forças: entidade mais forte vs. entidade mais fraca

Agonista é a entidade que exerce uma força em virtude de ter uma tendência intrínseca a manifestá-la. A tendência de força de uma entidade pode ser para o movimento ou para o repouso. Antagonista é a entidade que exerce uma força contrária sobre o Agonista. A entidade que é capaz de manifestar sua tendência em prejuízo de sua opositora é mais forte. De acordo com suas forças relativas, as entidades de força produzem um estado de atividade resultante do Agonista, que pode ser o movimento ou o repouso.

Partindo dessas distinções, o autor (2000) caracteriza os 4 padrões de dinâmica de forças mais básicos, nos quais o Antagonista é sempre mais forte que o Agonista.


  1. Padrão causativo de movimento: Envolve um Agonista com tendência intrínseca para o repouso (cata-vento) que sofre oposição de um Antagonista mais forte (vento) que, portanto, vence sua resistência e o força a se mover. Exemplo: “O vento fez o cata-vento girar.

  2. Padrão causativo de repouso: Envolve um Agonista com tendência intrínseca para o movimento (rio) que sofre oposição de um Antagonista mais forte (represa) que, portanto, efetivamente o bloqueia. Exemplo: “A represa fez o rio parar de correr.

  3. Padrão de permissão de movimento: Envolve um Agonista com tendência intrínseca para o movimento (rio) que vem sendo bloqueado por um Antagonista mais forte (represa) que, agora, permite que o Agonista manifeste sua tendência. Exemplo: “O rompimento da represa deixou o rio voltar a correr.

  4. Padrão de permissão de repouso: Envolve um Agonista com tendência intrínseca para o repouso (cata-vento) que vem sendo forçado a se mover por um Antagonista mais forte (vento) que, agora, permite que o Agonista manifeste sua tendência. Exemplo: “A cessação do vento deixou o cata-vento parar de girar.

Nos padrões que constituem a categoria causativa, o estado de atividade resultante do Agonista é contrário à sua tendência acional intrínseca. Nos padrões que constituem a categoria permissiva, esses dois valores de atividade são os mesmos.

De acordo com Talmy (2000), todos os fatores inter-relacionados no padrão de dinâmica de forças (Agonista, Antagonista, tendência intrínseca, etc.) estão necessariamente presentes sempre que o padrão está envolvido. Os fatores não mencionados explicitamente na sentença estão presentes implicitamente no significado.

Tendo em vista que Talmy (1981, 1988, 2000) compreende a semântica da modalidade-raiz como uma dinâmica de imposição de forças e remoção de barreiras, ‘obrigar uma ação’ é uma instanciação de imposição de força direcionada para x realizar a ação, enquanto ‘permitir uma ação’ é uma instanciação de remoção de uma barreira potencialmente presente. Confrontem-se os exemplos:


  1. O bolo deve ser retirado do forno às 10 horas.

  2. O bolo pode ser confeitado com glacê.

Em (1), o falante/escritor (Antagonista) obriga o ouvinte/leitor (Agonista) a realizar a ação expressa na sentença, ao passo que, em (2), o falante/escritor (Antagonista) permite que o ouvinte/leitor (Agonista) realize a ação expressa na sentença.

Partindo da teoria de Talmy, Eve Sweetser (1990) propõe que a modalidade epistêmica é uma extensão metafórica da modalidade-raiz, pois tanto as ações no domínio sociofísico como os processos da razão no domínio epistêmico estão sujeitos a obrigações, permissões e habilidades.

Essa proposta baseia-se na idéia de que utilizamos domínios mais concretos / mais básicos experiencialmente (experiências sociofísicas com forças e barreiras) para conceptualizar domínios mais abstratos (estados intelectuais e psicológicos).

No domínio da razão, as forças e barreiras são premissas que obrigam, permitem ou impedem uma dada conclusão, uma vez que nossos processos mentais são afetados apenas pelas premissas disponíveis. As premissas têm força lógica, que atua nos processos da razão.

Para Sweetser (1990), a modalidade epistêmica indica uma força epistêmica aplicada por um corpo de premissas (a única entidade que pode aplicar força epistêmica) que compele o falante/escritor (e/ou pessoas em geral) a alcançar a conclusão expressa na sentença. Considerem-se os exemplos:


  1. O bolo deve ficar pronto às 10 horas.

  2. Pode ser que a Fátima confeite o bolo.

Em (3), as premissas de que o bolo foi colocado no forno para assar às 9:15 e de que o tempo de cozimento é de cerca de 45 minutos (Antagonistas) levam o falante/escritor (Agonista) à conclusão expressa na sentença. Em (4), por sua vez, a premissa de que Fátima gosta de confeitar bolos (Antagonista) leva o falante/escritor (Agonista) à conclusão expressa na sentença.

Ao tratar dos modais epistêmicos may, will, must, Frank Palmer (1988: 62) reconhece diferentes graus de modalidade epistêmica. May indica um julgamento possível, will um julgamento razoável, e must o único julgamento possível. Segundo o autor, os sistema epistêmico envolve a relação entre o grau de comprometimento do falante/escritor e as inferências a partir de outras informações disponíveis (fatos conhecidos e/ou evidências).

No nível pragmático, Elise Kärkkäinen (1988, 1989, 1992) vem desenvolvendo muitos estudos sobre a utilização da modalidade epistêmica como estratégia de polidez na interação verbal. A autora acredita que recursos epistêmicos podem expressar (a) polidez negativa, evitando impor uma ação sobre o ouvinte/leitor; (b) polidez positiva, evitando comprometer o falante/escritor, na medida em que tornam as enunciações ambígüas, quanto à força ilocucionária (asserções ou diretivos).

Polidez


De acordo com Penelope Brown & Stephen Levinson (1987), a interação humana é governada por princípios de polidez que se refletem nos universais lingüísticos. O método utilizado para desenvolver a Teoria da Polidez é caracterizado pela construção de uma Pessoa-Modelo (PM) que consiste em um usuário fluente de uma língua natural dotado de vontade e de duas propriedades especiais  face e racionalidade.

A face consiste de dois tipos de desejos básicos (desejos da face), que todas as PMs sabem que as outras desejam e têm, por conseguinte, interesse de satisfazê-los parcialmente: o desejo de ser aprovado em certos aspectos (face positiva) e o desejo de não ser impedido ou coagido em suas ações (face negativa).

A racionalidade é a habilidade de medir diferentes meios para um mesmo fim, e escolher o meio mais adequado para satisfazer os fins (comunicativos) desejados.

Segundo Brown & Levinson, certos tipos de atos intrinsecamente ameaçam a face. Os atos de ameaça à face (AAFs) são aqueles que por sua natureza ignoram ou contrariam os desejos da face do ouvinte/leitor e/ou do falante/escritor.

Dada a mútua vulnerabilidade da face, todo agente racional procurará evitar os atos de ameaça à face (AAFs), ou empregará certas estratégias para minimizar a ameaça. As estratégias de polidez que minimizam a ameaça à face subdividem-se em:


  1. Polidez positiva: enfatizar interesse e aprovação; evitar discordância; afirmar que há direitos e obrigações recíprocos entre falante/escritor e ouvinte/leitor; etc.

  2. Polidez negativa: modificar o comprometimento com a verdade da enunciação através de anguladores (hedges); evitar referência ao falante/escritor e ao ouvinte/leitor; expor o AAF como uma regra de conduta social ou uma norma institucional; etc.

Em síntese, as estratégias de polidez são meios para satisfazer fins comunicativos e orientados para a face, em um sistema de “raciocínio prático” estritamente formal, de modo que um agente racional provido de face tende a utilizar as estratégias de minimização do AAF de acordo com uma determinação racional do risco à face para os participantes.

Anguladores (hedges)

O assunto “anguladores” foi introduzido nas investigações lingüísticas por George Lakoff (1972). O autor não estava interessado no valor comunicativo do emprego de anguladores, mas preocupado com as propriedades lógicas de palavras e sintagmas como rather, largely, a kind of, e loosely speaking, em sua habilidade para tornar os significados “mais imprecisos ou menos imprecisos”. Como define o autor (1972: 195), o significado dos anguladores “implicitamente envolve imprecisão (fuzziness)”.

Do ponto de vista da cognição, em uma pesquisa centrada em protótipos semânticos, Eleonor Rosch (1978) afirma que os anguladores são mecanismos lingüísticos para “codificar” gradações de pertencimento categorial. Sob essa perspectiva, a formulação de conceitos na comunicação diária requer o emprego de anguladores porque conceitos (ex. ‘peixe’) evocam imagens prototípicas em nossas mentes, de sorte que é necessário marcar seus representantes menos prototípicos. Isto é, se marcamos um conceito com um angulador, não nos referimos a um representante prototípico da classe, mas a um representante não-prototípico. Portanto, uma sentença como “A baleia é um tipo de peixe” é aceitável, uma vez que o angulador um tipo de flexibiliza as fronteiras da categoria ‘peixe’ (focalizando apenas características periféricas como vive no mar, tem nadadeiras, etc.), permitindo que a baleia seja incluída nessa categoria.

Ao longo dos anos, o conceito de angulador foi sendo ampliado, especialmente desde de que foi adotado por pragmatistas. Nos dias de hoje, o termo não se restringe apenas a expressões que modificam o pertencimento de um predicado ou sintagma nominal a uma categoria. Em Pragmática, os anguladores foram tomados como modificadores do comprometimento do falante/escritor com a verdade de uma proposição inteira, não apenas do pertencimento de parte dela a uma categoria.

Assim sendo, os anguladores e a modalidade guardam entre si uma estreita relação. Para Palmer (1988: 63), os anguladores, como I think, certainly, possibly, perhaps, it seems to me etc., são exclusivamente elementos instanciadores da modalidade epistêmica.

De acordo com Brown & Levinson (1987), os anguladores servem a propósitos de polidez. Portanto, a motivação para seu emprego é o desejo de preservar a face, tanto do ouvinte/leitor como do falante/escritor.

Segundo Maria Lúcia Leitão de Almeida (1999, 2004), os anguladores formam uma categoria funcional híbrida, realizada por elementos provenientes de diferentes classes lexicais (adjetivos, advérbios, locuções prepositivas e adverbiais, verbos, orações reduzidas e desenvolvidas). São exemplos de anguladores do português: uma forma de, um tipo de, praticamente, de um modo geral, estritamente falando, de certa maneira, em certos aspectos etc.

Sintaxe do pronome se

Em seu livro Dificuldades da Língua Portuguêsa (1957), cuja primeira edição é de 1908, Manuel Said Ali reconhece a sintaxe do pronome se como um problema de difícil solução. Analisando frases como “compra-se o palácio” e “morre-se de fome”, o autor assinala que o pronome se exerce uma função “psicológica” de agente indeterminado, na medida em que a ação é psicologicamente atribuída a um ente humano desconhecido ou que não convém nomear (pronome se), pois trazem à consciência a idéia de alguém que compra, de alguém que morre. Para o autor, não existe se passivo no português.

Oito décadas depois, tomando como pressuposto básico a inexistência do se passivo, Almeida (1988) realiza um estudo sobre a ocorrência do se em orações infinitivas encaixadas sob a perspectiva gerativista.

A autora propõe que o pronome se equivale a um SN lexical e que sua presença, além de possibilitar a inclusão do enunciador, evita a correferência do “vazio” com o sujeito da frase mais alta, se houver. Confrontem-se os exemplos da autora:



  1. Luís i pediu para Ø (i), (j) falar no assunto.

(1)’ Luís i pediu para se i + j falar no assunto.

Almeida demonstra, ainda, que, em sentenças que autorizam se + inf. com núcleo V, é possível atribuir caso nominativo ao se, de modo que é possível comutar o se com SN lexical plural e flexionar o infinitivo.



  1. ministro implorou para falar no assunto.

(2)’ O ministro implorou para se falar no assunto.

(2)’’ O ministro implorou para eles falarem no assunto.

Os trabalhos de Said Ali e Almeida contribuem para as discussões sobre a sintaxe do pronome se e, mais especificamente, sobre seu papel como indeterminador do sujeito.

Análise e descrição

Em primeiro lugar, é importante notar que o padrão construcional do português ser de (se) Vinf. contém informações sintáticas, semânticas e pragmáticas como parte de sua definição.

Esse padrão construcional é produtivo, sendo comum tanto em textos acadêmicos como em textos jornalísticos. Sua produtividade decorre de sua seleção lexical, na medida em que é caracterizado por uma lacuna que deve ser preenchida lexicalmente, selecionando verbos em que pelo menos uma de suas acepções é cognitiva. Os verbos mais freqüentes são esperar, supor, prever, imaginar, crer, acreditar, observar, notar, etc.

Para a Gramática das Construções, esses verbos contribuem com o significado da construção, mas também recebem contribuição semântica da mesma, de modo que, uma vez que esses verbos são polissêmicos e já apresentam um sentido cognitivo, o que a construção faz é atualizar esse sentido cognitivo e não outro. Observe-se o exemplo:


  1. A rima é antes de tudo - ou melhor, sobre tudo - um fenômeno fonético. Assenta nas realidades fônicas vigentes no meio coletivo. Não é de esperar que sobre ela influam, exclusiva e substancialmente, os ideais literários. (Camara Jr., 1977: 87)

O verbo esperar que, em seu sentido físico-experiencial, significa “estar à espera de”, na construção, significa “presumir”. Em outras palavras, o verbo esperar está relacionado a mais de um sentido, entre eles um sentido cognitivo, que se integra no significado da construção.

Assim como a semântica da construção determina a atualização de um sentido cognitivo do verbo que preenche a lacuna de infinitivo, o significado do verbo instanciado completa a significação da construção.

Por esse motivo é que se faz necessária uma análise bottom-up (do item lexical para a construção) e top-down (da construção para o item lexical), para dar conta da compatibilização entre a semântica da construção e a semântica do verbo.

A razão pela qual compatibilizam com a construção ser de (se) Vinf. apenas verbos que contêm um sentido cognitivo explica-se pelo fato de que esse padrão construcional lexicaliza uma atividade cognitiva, de sorte que a atividade designada pelo verbo é uma instanciação do tipo de atividade mais geral designada pela construção.

Tendo em vista que essa construção lexicaliza uma atividade cognitiva, ela exige uma interpretação epistêmica.

Para tratar da modalidade, este trabalho adota o modelo cognitivista de interação de forças, desenvolvido por Talmy (1981, 1988, 2000) e estendido por Sweetser (1990). Esse modelo baseia-se na aplicação sistemática de conceitos de forças e barreiras na organização do significado modal. A semântica da modalidade-raiz e da modalidade epistêmica é tida como uma dinâmica de imposição de forças e remoção de barreiras, envolvendo diretamente as noções de causação e permissão no domínio sociofísico e no domínio da razão, respectivamente.

A definição de modalidade epistêmica, como proposta por Sweetser, que leva em consideração uma conclusão a partir das premissas disponíveis, é a mais adequada para analisar textos argumentativos, como os acadêmicos e os jornalísticos. Considere-se o exemplo:


  1. Considerando que até hoje a morte do ex-presidente John Kennedy, a Guerra Civil e o Vietnã ainda são assuntos que abastecem escritores, é de se esperar que o ataque às torres gêmeas seja tema para muitas décadas. (Correio Braziliense, Brasília, 09/09/2002)

Nessa sentença, há uma premissa X (até hoje a morte do ex-presidente John Kennedy, a Guerra Civil e o Vietnã ainda são assuntos que abastecem escritores) e uma conclusão Z (é de se esperar que o ataque às torres gêmeas seja tema para muitas décadas). Nos termos de Sweetser (1990), a premissa X é uma força que leva à conclusão Z.

Baseado no fato de Palmer (1988) reconhecer diferentes graus de modalidade epistêmica, este trabalho postula a existência de um continuum de epistemicidade, no que se refere à qualidade das premissas (“evidências”, para Palmer, 1988).

Nesse ponto, evidencia-se a contribuição semântica do item lexical para a construção, visto que a semântica dos verbos cognitivos contribui para determinar o grau de epistemicidade de cada instanciação. Confrontem-se os exemplos:



  1. Por outro lado, é de se indagar se há gêneros textuais ideais para o ensino de língua. Tudo indica que a resposta seja não. Mas é provável que se possam identificar gêneros com dificuldades progressivas, do nível menos formal ao mais formal, do mais privado ao mais público e assim por diante. (Marcuschi, 2002: 36)

  2. Às vezes no ensino escolar se insiste, no Brasil, na oposição dos dois sufixos flexionais -amos, o que determina um uso esporádico e um tanto incoerente da oposição fonológica. Em todo caso, é de notar que a realização desnasalada da vogal nessa posição é possível para o falante brasileiro. (Camara Jr., 1979: 43, nota 11)

Em (3), Luiz Antônio Marcuschi sinaliza um questionamento cuja resposta não se baseia em dados concretos, mas sim em um processo racional razoável, ao passo que, em (4), Joaquim Mattoso Camara Jr. dispõe de evidências empíricas da pronúncia brasileira. Assim sendo, a qualidade da premissa ou evidência determina o grau de certeza ou incerteza sobre a proposição expressa.

Dessa forma, a contribuição semântica dos verbos cognitivos para a semântica da construção é a modificação do grau de comprometimento do escritor com a verdade da proposição, podendo instanciar maior ou menor grau de certeza. Em (3), indagar denota menor grau de certeza e, em (4), notar denota maior grau de certeza.

Para Kärkkäinen (1988, 1989, 1992), os recursos epistêmicos tornam as enunciações ambígüas, quanto à força ilocucionária, de modo que servem, ao mesmo tempo, para modificar o grau de comprometimento do falante/escritor e para persuadir o ouvinte/leitor. Nesse sentido, a modalidade epistêmica é freqüentemente utilizada como estratégia de polidez em textos argumentativos: (a) seja para preservar a face negativa do leitor, evitando impor-lhe uma conclusão e permitindo, inclusive, que ele chegue a uma conclusão diferente; (b) seja para preservar a face positiva do escritor, reduzindo o comprometimento com a verdade da proposição expressa (inclusive caso seja constatado que a proposição estava incorreta).

Observe-se o exemplo:



  1. Resta-nos perguntar se teria alcançado seus objetivos a ‘Grammatica Philosophica’ de J. Soares Barbosa: 1. ser uma “gramática geral”; 2. ser uma “gramática particular”; 3. como tal “ensinar a pronunciar, escrever e falar corretamente”. É de supor que não. (Silva, 1996: 47)

Em (5), Rosa Virgínia Mattos e Silva permite ao leitor discordar de sua opinião ou conclusão, ainda que utilize esse recurso argumentativo para convencer o leitor de que seu raciocínio é lícito. Ao mesmo tempo, a construção minimiza o risco de perda da face da escritora, caso outro pesquisador venha a apresentar argumentos mais fortes contrários a sua tese.

Portanto, a construção tem uma força ilocucionária de asserção no que diz respeito ao grau de comprometimento da escritora, bem como uma força ilocucionária diretiva no que se refere à persuasão do leitor via argumentação.

A construção gramatical que modifica a força ilocucionária de uma enunciação, servindo a propósitos interacionais de polidez, denomina-se angulador pragmático.

A partir dos exemplos (1) a (5), é possível perceber que a construção analisada pode ser instanciada com ou sem o pronome se.

Ainda que essa distinção pareça, à primeira vista, meramente sintática, lembramos que, segundo o Princípio da Não-Sinonímia, uma diferença na forma sintática sempre indica uma diferença de significado, seja no nível semântico, seja no nível pragmático.

Nessa construção, o pronome se exerce a função de agente indeterminado, ocupando a posição de sujeito do verbo cognitivo, pois o sujeito do verbo ser e o sujeito do infinitivo são não-correferenciais. Observe-se o exemplo:



  1. A composição com ‘super’ tem como acepção primária a expressão de grau de intensidade. Dessa noção passa-se à noção de intensificação positiva. É de [ se ]i observar [ que composições com super via de regra não funcionam com bases de valor negativo: super-riqueza/*superpobreza, superinteligente/ *superburro. ]j (Basílio, 1989: 89)

Em (6), o sujeito do verbo ser é a oração subordinada iniciada por que composições..., ao passo que o sujeito do verbo infinitivo é o pronome se.

Corrobora para essa tese o fato de o verbo cognitivo observar requerer um sujeito [+ humano] capaz de realizar tal atividade. Em outras palavras, a semântica do verbo observar perfila seus papéis participantes (observador, coisa observada), evocando uma cena experiencial que requer a presença de um agente [+humano] e de um paciente. Portanto, a atividade designada pelo verbo cognitivo é cognitivamente atribuída a um agente humano desconhecido ou que não convém nomear.

Um teste para verificar a função de indeterminador do pronome se é a troca do pronome por um SN lexical plural e a flexão do infinitivo. Sendo assim, modificando o exemplo (6), obtemos:


  1. *A composição com super tem como acepção primária a expressão de grau de intensidade. Dessa noção passa-se à noção de intensificação positiva. É de vocês observarem que composições com super via de regra não funcionam com bases de valor negativo: super-riqueza/*superpobreza, superinteligente/ *superburro.

  2. *A composição com super tem como acepção primária a expressão de grau de intensidade. Dessa noção passa-se à noção de intensificação positiva. É de nós observarmos que composições com super via de regra não funcionam com bases de valor negativo: super-riqueza/*superpobreza, superinteligente/ *superburro.

Mas, em (7) e (8), a inserção de um sujeito determinado é bloqueada, na medida em que a construção adquiriu função de angulador para preservar a face do leitor e do escritor. Dessa forma, não convém nomear o agente humano porque “evitar referência ao escritor e ao leitor” é uma das principais estratégias de polidez.

Acrescente-se, ainda, que a impossibilidade de nomear o agente humano decorre da significação epistêmica da construção, pois o Agonista (entidade afetada pela força lógica exercida pelas premissas) é o escritor e o leitor, a um só tempo. Isto é, ao empregar essa construção, o escritor pretende que as mesmas premissas que atuaram sobre seus processos da razão atuem também sobre os processos da razão do leitor. Sendo assim, o pronome se substitui as referências tanto ao escritor como ao leitor.

Todos os fatores do padrão de interação de forças estão necessariamente presentes, explícita ou implicitamente. Portanto, o Agonista pode estar presente instanciado como o pronome se, ou como a posição de sujeito vazia (isto é, “sombreado”). Enquanto o Antagonista é o corpo de premissas que exerce força lógica sobre os processos da razão do Agonista.

É importante notar também que todos os textos jornalísticos analisados (100% de um total de 27 ocorrências) empregam a construção com o pronome se, enquanto a maioria dos textos acadêmicos (86,3 % de um total de 73 ocorrências) emprega a construção sem o pronome se. Isso ocorre porque a presença do pronome se na construção indica maior resistência por parte do Agonista, decorrente da menor autoridade e menor impessoalidade do gênero de texto.

Como se sabe, os textos jornalísticos são caracterizados por menor autoridade e menor impessoalidade, ao passo que os textos acadêmicos são caracterizados por maior autoridade e maior impessoalidade.

Conclusão

O padrão construcional ser de (se) Vinf. é freqüentemente empregado tanto em textos acadêmicos como em textos jornalísticos. Em linhas gerais, as principais características desse padrão construcional são:


  1. Ele apresenta grande produtividade (tem uma lacuna a ser preenchida por um verbo, sendo uma de suas acepções cognitiva);

  2. Ele atualiza o sentido cognitivo do verbo que preenche a lacuna de infinitivo (contribuição da construção para o item lexical);

  3. Ele requer uma interpretação epistêmica (conclusão a partir de premissas);

  4. O grau de epistemicidade (certeza/incerteza) de cada instanciação é determinado pelos verbos cognitivos (contribuição do item lexical para a construção);

  5. Ele tem uma pragmática muito específica (tem função de angulador pragmático, servindo para propósitos interacionais de preservação da face);

  6. Ele pode ser instanciado com ou sem a presença do pronome se (agente indeterminado, que ocupa a posição de sujeito do verbo cognitivo);

  7. O pronome se denota o grau de autoridade e impessoalidade em cada gênero de texto.

Esperamos que este trabalho venha a contribuir para a descrição gramatical do português, para o avanço teórico cognitivista no Brasil e para futuras descrições de construções gramaticais do português, apontando, cada vez mais, para a interface entre sintaxe, semântica e pragmática nas pesquisas lingüísticas.

Bibliografia

ALMEIDA, Maria Lúcia Leitão de. “Anguladores: a categoria e sua relação com a modalidade.” Projeto de Pós-doutorado, 2004. [mimeo]

––––––. “A necessidade de (se) pensar a indeterminação em português: uma proposta de análise.” Comunicação realizada na PUC-RJ, 1º semestre de 1988.

––––––. “Processo de mesclagem em anguladores no português do Brasil.” Veredas revista de estudos lingüísticos. Juiz de Fora: EDUFJF, v. 3, n.1, jan./jun. 1999. p. 129-142.

BASILIO, Margarida. Teoria lexical. 2ª ed. São Paulo: Ática, 1989.

BROWN, Penelope e LEVINSON, Stephen C. Politeness: some universals in language usage. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

CAMARA JR., Joaquim Mattoso. História e estrutura da língua portuguesa. 2ª ed. Rio de Janeiro: Padrão, 1979.

––––––. Para o estudo da fonêmica portuguesa. 2ª ed. Rio de Janeiro: Padrão, 1977. [1ª ed. 1953]

GOLDBERG, Adele E. Constructions: a construction grammar approach to argument structure. Chicago: The University of Chicago Press, 1995.

KÄRKKÄINEN, Elise. “Face-saving and epistemic modality.” Proceedings from the 2nd. Finnish Seminar on Discourse Analysis. Oulu, September 27-28, 1988.

––––––. Modality as a strategy in interaction: epistemic modality in the language of native and non-native speakers of English. In: BOUTON, Lawrence F. & KACHRU, Yamuna (ed.). Pragmatics and language learning. v. 3. University of Illinois at Urbana-Champaign, 1992.

––––––. On the functions of epistemic modality in English discourse. In: JÄNTTI, Ahti (org.). Probleme der Modalität in der Sprachforschung. Jyväskylä: University of Jyväskylä, 1989.

LAKOFF, George. Hedges: a study in meaning criteria and the logic of fuzzy concepts, In: Papers from the Eighth Regional Meeting of the Chicago Linguistic Society, 1972. p. 183-228.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: Gêneros textuais & ensino. DIONÍSIO, Angela Paiva, MACHADO, Anna Rachel & BEZERRA, Maria Auxiliadora (org.). Rio de Janeiro: Lucerna, 2002, p. 19-36.

PALMER, Frank R. Mood and Modality. Cambridge: Cambridge University Press, 1988.

ROSCH, Eleonor. “Principles of Categorization”. In: ––– & LLOYD, B. (ed.). Cognition and Categorization. Hillsday / New Jersey: Erlbaum Ass, 1978. p. 27-48.

SAID ALI, Manuel. Dificuldades da língua portuguesa. 5ª ed. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1957. [1ªed. 1908].

SILVA, Augusto Soares da. Da semântica da construção à semântica do verbo e vice-versa. In: Razões e emoção: miscelânea de estudos oferecida a Maria Helena Mateus. Departamento de Lingüística Geral e Românica, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, junho de 2001.

SILVA, Rosa Virgínia Mattos e. Tradição gramatical e gramática tradicional. 3ª ed. São Paulo: Contexto, 1996.

SWEETSER, Eve. From Etymology to Pragmatics. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

TALMY, Leonard. Force dynamics. Comunicação apresentada na Conference on Language and Mental Imagery, May 1981, University of California at Berkeley, 1981.

––––––. Force dynamics in language and cognition. Cognitive Science 2, 1988. p. 49-100.

––––––. Toward a Cognitive Semantics. Cambridge: The MIT Press, 2000.



Correio Braziliense (edição online). Disponível em www.correioweb.com.br . Disponibilidade permanente.





©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal