Sonhos e sua interpretaçÃo na bíblia 1- sonho



Baixar 15.54 Kb.
Encontro31.07.2016
Tamanho15.54 Kb.
SONHOS E SUA INTERPRETAÇÃO NA BÍBLIA


1- SONHO

Na concepção dos antigos, os sonhos punham o homem em contato com o mundo dos deuses e espíritos; sendo muitas vezes considerados como revelação do futuro ou de coisas ocultas.

Entre os israelitas, os sonhos eram, às vezes, considerados presságios. No entanto, em menor proporção, em relação ao oriente antigo. Deus se revelou no Antigo Testamento de diversas maneiras, os sonhos foram uma delas.


  1. Exemplos de presságios: Gn 37.5-10; 40;41; Jz 7.31s (Gedeão). Dn 2.1; 4.2. Est 10.5; 11.5-12.

  2. Como revelação de verdades escondidas: I Sm 28.6,15. Jô 4.12-21.

  3. Algumas vezes como exortações ou avisos da parte de Deus: Jó 7.17; Mt. 27.19

  4. Poucas vezes são aplicados de modo psicológico: Is. 29.8 Ecl.5.2.

  5. A lei mosaica adverte contra os falsos profetas e sonhadores para enganar o povo e apostatar de Iahweh (Jeová-Deus): Jer.23.15-18; 27; 29.8 s.

  6. Às vezes, revela-se aos profetas por meio dos sonhos: Num. 1.2-6; Dn 7.1.

  7. Outros sonhos são considerados como enviados por Deus: Gn. 20.3; 28.12; 31.24. I Rs 3.5; Mt 1.20- 21.s 19.22.

  8. Como os sonhos são obscuros só podem ser interpretados por sábios: Gn 41.8.

  9. Na concepção antiga por adivinhos e feiticeiros: Ex.7.11ss; 22; Dn 2.2; 4.3;5.15.

  10. A astrologia e a feitiçaria eram proibidas em Israel: Lev. 19.26; Dt18.10.

  11. Explicar sonhos era uma prerrogativa divina: Gn 40.8; 41.16. Dn 2.28.

  12. Como um dom de Deus: Gn 41.38; Dn 4.5, 15; 5.11-14.

  13. Exemplo de duplo sonho, concebido por duas pessoas com a mesma visão: At. 9.10-16; 10.1-11.8


2- INTERPRETAÇÃO DE SONHO

O termo técnico para interpretação de sonhos é “oniromancia”, da transliteração do hebraico pitrôn= interpretação. Alguém que se dedica a tal atividade é chamado de onirócrita. Essa palavra aparece apenas em Gn 40-41, equivalente ao aramaico pâtar e peshar que é encontrado como substantivo e como verbo em Dn 2-5.

No antigo oriente havia toda uma disciplina de interpretação de sonhos, existindo até mesmo manuais sobre o assunto. Nessas culturas os sonhos estavam relacionados a causa e efeito. Mediante magias podia-se induzir sonhos bons e ao contrário, neutralizar um sonho ruim. Não é sem importância que “uma ciência de interpretar sonhos não tenha surgido em Israel”. Apenas dois hebreus envolveram-se com oniromancia - José e Daniel. E isso aconteceu enquanto faziam parte da corte de reis pagãos.

Os hebreus do Antigo Testamento jamais precisaram de interpretes para explicar os seus sonhos, ao passo que indivíduos hebreus podiam interpretar sonhos dos estrangeiros. E, mesmo quando fizeram, o Antigo Testamento enfatiza que nenhum foi capaz de solucionar o sonho mediante sua própria sabedoria. Foi Deus quem lhes revelou a interpretação: Gn 40.8; Dn 2.7 e ss.



3- A HISTÓRIA DE JOSÉ
A história de José se dá no livro de Gênesis (Gn) 37. José era o filho de Jacó, filho de Raquel, a mulher que ele mais amava. A história se dá quando José começa a sonhar que dominava sobre os irmãos, que com inveja, jogaram-no num buraco, pegaram sua túnica mancharam de sangue e disseram a Jacó que ele havia sido devorado. Viajantes passavam pelo local, pegaram José e venderam como escravo no Egito. A partir de Gn 40 José interpreta dois sonhos na prisão e em Gn 41, mais outro sonho.

4- A HISTÓRIA DE DANIEL E OS SONHOS
A história do livro de Daniel (Dn) se deu entre 607-605 a.C, durante o terceiro ano do reinado de Jeoiaquim, e posteriormente, podendo ser comparado em II Reis 24 em diante e II Cr.36. Quando Nabucodonosor veio a Jerusalém e sitiou-a, levando consigo, toda a elite de Israel, jovens, príncipes, etc., ficando apenas uma população pobre e envelhecida. Dentre esses jovens estavam Daniel, Hananias, Misael e Azarias, que ao chegarem à Babilônia tiveram seus nomes mudados para Beltessazar, Sadraque, Mesaque, Abede-Nego.

A história pode ser lida no livro do profeta Daniel a partir do primeiro capítulo 1.1-21.

Em Dn 2 Daniel interpreta o sonho de Nabucodonosor, em 603 a.C., no segundo ano do seu reinado. Todos os magos não souberam interpretar o sonho e o rei mandou mata-los e Daniel se torna interprete oficial do reino.

No capítulo 3 vem a história do livramento dos amigos de Daniel na fornalha.


Ver versos 18-19. Daniel havia ficado na corte e seus amigos andavam pelo reino tratando dos negócios do rei.

BIBLIOGRAFIA

BORN, A Van Den-(Redator). Dicionário enciclopédico da Bíblia. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 1977.

HARRIS, r Laird. ARCHER JR, Gleanson L. WALTKE, Bruce K. Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 1998. p.1253

SHEDD, Russell P. Bíblia SHEDD. Trad. João Ferreira de Almeida-2. ed. São Paulo: Vida Nova, Sociedade Bíblica do Brasil, 1997.



LISTAS DE ABREVIAÇÕES
ANTIGO TESTAMENTO

Gn 37.5-10; 40;41; ...................................Gênesis

Ex.7.11ss................................................... Êxodo

Lev. 19.26;................................................. Levítico

Num. 1.2-6;................................................Números

Dt. 18.10................................................... .Deuteronômio

Jz 7.31s (Gedeão)....................................... Juizes

I Rs 3.5; …………………………………. I Reis

II Reis 24………………………………….II Reis

Est 10.5; 11.5-12…………………………. Ester

I Sm 28.6,15…............................................ I Samuel

Jó 4.12-21....................................................Jó

Ecl.5.2......................................................... Eclesiástes

Is. 29.8......................................................... Isaias

Jer.23.15-18; 27; 29.8 s................................Jeremias

Dn 2.1; 4.2....................................................Daniel


NOVO TESTAMENTO
Mt 1.20- 21.s 19.22......................................Mateus

At. 9.10-16; 10.1-11.8..................................Atos dos Apóstolos



Obs: as abreviações seguem a ordem de como você pode encontrar na Bíblia.
Catálogo: arquivos
arquivos -> Edital de notificaçÃo de contribuiçÃo de melhoria edcm n.º 001/2010
arquivos -> A contribuição de Henri Lefebvre para reflexão do espaço urbano da Amazônia
arquivos -> Serviço público federal ministério da educaçÃo universidade federal do rio grande – furg
arquivos -> Ementa: contribuiçÃo previdenciária de agentes políticos – restituiçÃo procedimentos
arquivos -> Estado de santa catarina requerimento de certidão de tempo de contribuiçÃo ctc e declaraçÃo de tempo de contribuiçÃo dtc
arquivos -> Agricultura orgânica como contribuiçÃo para um meio ambiente sustentavel
arquivos -> Questões Possíveis
arquivos -> Estado de santa catarina requerimento de certidão de tempo de contribuiçÃo ctc e declaraçÃo de tempo de contribuiçÃo dtc
arquivos -> Encargos sociais: regime para empresas normais


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal