Soteriologia



Baixar 83.07 Kb.
Encontro03.08.2016
Tamanho83.07 Kb.




INTRODUÇÃO
De forma simples e sucinta compartilharemos nesta matéria de soteriologia a doutrina da salvação que envolve ou aborda a aquisição da salvação, o plano redentor de Deus, a pessoa e obra do redentor bem como a operação do Espírito Santo no coração dos homens.

SOTERIOLOGIA


  1. Definição

SOTERIA: Salvação

LOGOS: Tratado, doutrina, assunto, ciência, razão, doutrina.



SOTER - Salvador – aplicado por excelência unicamente a Deus (ITm.1:1) e a Cristo (Fp.3:20).

2.0. O QUE COMPREENDE ESTA DOUTRINA?

- O propósito de Deus para salvar.

- A pessoa e a obra do redentor.

- A aplicação da redenção mediante a operação do Espírito Santo nos corações e na vida dos homens.

Não há hierarquia na trindade, entretanto no plano da salvação há uma divergência funcional.

O Pai enviou

O Filho executou

O Espírito Santo consolida.



3.0. IMPORTÂNCIA DA MATÉRIA

Está centrada na maior de todas as pessoas: Jesus.

É o tema do A.T. quanto do N.T.

Está relacionada com todos os seres humanos, sem exceção.

Exemplos

Os calvinistas

Calvinistas de quatro pontos: A redenção universal (Moisés Amyraldus) – 1596-1664.

Calvinistas de cinco pontos ou ultra calvinistas - A redenção particular.

- Os calvinistas moderados – o propósito da morte de Cristo era prover uma substituição para todos.



Os arminianos

Os arminianos – aceitam a redenção universal ou expiação ilimitada.

Ela aborda a totalidade do tempo e também a eternidade passada e futura.

A falta de compreensão desta doutrina pode levar a proclamação de um evangelho falso ou pervertido.

(Obras, indulgências, sacrifícios, ritos... e as ignorâncias dentro da igreja).

Porque o cristão é testemunha do evangelho e funciona como um “elo de ligação” entre Deus e o não regenerado.



4.0. DEFINIÇÃO DA PALAVRA SALVAÇÃO

Hebraico – YASHA (YESHUA)

350 vezes no A.T. ajuda, libertação, socorro, segurança,

353 vezes no N.T. bem estar.

Originalmente algo amplo ou aberto.


Grego: SOTERIA (SOTER, SOZO)

45 vezes no N.T. – cura, remédio, recuperação, resgate, redenção, bem estar.



Latim: SALVARE saúde, ajuda.

SALUTARE Originalmente é um termo militar,

SALUS libertar, do poder do inimigo.

O termo salvação tem uma vasta gama de significados.

Estas palavras podem ser usadas em conexões totalmente físicas e temporárias ou ao bem estar da alma presente e eterna.

Pode referir-se a ser salvo de inimigos, doença, pecado, destruição ou morte.

Portanto salvação é um termo inclusivo que abrange dentro do seu escopo muitos aspectos.

5.0. IDÉIA DE SALVAÇÃO NO N.T.

Quando usada para indicar salvação espiritual, fala acerca do livramento do pecado, da degradação moral e das penas que seguem como julgamento divino.



Livramento da condenação ou pena do pecado

Rm.8:1; ICo.15:55-56; ITs.1:10; 5:9; Rm.5:9; ICo.5:5; Mc.16: 16; Jo.3:17,18.

Vida eternal

Jo.5:24

Justificação ou perdão dos pecados

Rm.5:1; 5:9; IJo1:9

Regeneração

Tt.3:5; Jo.3:3-6.

Exemplos ilustrativos:

1 – Um criminoso condenado, o governador livra-o;

2 – Uma pessoa não sabe nadar e estar preste a afogar-se, alguém o salva da morte.

3 – Um escravo é condenado à morte, mas vindo um homem bondoso resgata-o...



6.0. TERMOS RELACIONADOS COM SALVAÇÃO NA BÍBLIA.

A epístola aos Romanos é a da justificação. Os termos abaixo estão concentrados em Romanos e Gálatas.



6.1. Justificação

Hebraico – TSADAQ

Grego – DIKAIOO

Declarar justo, livre da culpa e da condenação, perdão dos pecados (Rm.8:33).



6.2. Expiação

Purificar, lavar, cobrir, fazer reparação, remoção.



6.3. Propiciação

Aplacar, ou tornar favorável alguém a quem se ofendeu (IJo.2:1,2).



6.4. Imputar

Lançar a conta de alguém (ICo.5:19).



6.5. Reconciliação

Produzir harmonia ou concórdia entre adversários, entre pessoas desavindas (ICo.5:19).

Há diversas palavras no grego que indicam reconciliação entre elas:

DIALASSO – significa que duas partes estão em inimizades entre si. Este termo nunca é usado na relação entre Deus e o homem. E empregada nos relacionamentos humanos (Mt.5:24). Indica hostilidade mútua. A hostilidade é do homem.

APOKATALLASSO – significa que só uma parte tem inimizade em seu coração. Esta é em relação a Deus e ao homem (Ef.2:16; Cl.1:21).

KATALLASSO – mudar de inimizades para amizade, reconciliar. A reconciliação é primariamente o que Deus realiza, exercendo sua graça para com o homem pecador com base na morte de Cristo. Com isso os homens são convidados a se reconciliar com Deus, aceitando sua provisão, por meio do qual os seus pecados podem ser perdoados (2Co.5:18,19,20; Rm.5:10,11; Cl.1:21).

6.6. Redenção

Libertação da culpa e do poder do pecado.



6.7. Vicário

Em lugar de outrem, vicário ou vigário é um substitutivo.



6.8. Regeneração

Indica uma nova vida (Tt.3:5).

A expressão no grego para regeneração é: PALINGENESÍA

PALIN – de novo novo nascimento

GENESIS- nascimento

A regeneração e o novo nascimento dizem respeito ao mesmo evento, mas com aspectos diferentes.



6.8.1. ASPECTOS DIFERENTES

Novo nascimento – ressalta a comunicação da vida espiritual em contraste com a morte espiritual.

Regeneração – acentua o começo de um novo estado de coisas em contraste com o antigo.

É a ação de Deus que dá nova vida ao que crer.

É um ato poderoso e criador de Deus (Tt.3:5; Jo.3:5; IPe.1: 23).

6.9. Remissão

6.10. Graça – (Charis)

Favor imerecido (Ef.2:3,5,8).



6.11. Conversão

Arrependimento é voltar do pecado para Deus.



METANOIA – mudança de atitude, mente.

6.12. Adoção

É o ato divino que integra os que crêem em Cristo a família de Deus como membros adultos.

O pecado quebrou a:

Filiação (Jo.1:12; Rm.8:14-16).

Irmandade (Mt.12:46-50; Mc.3:31-35; Lc.8:19-21).

Paternidade (Jo.8:41-44; IJo.5:1; Ef.2:2-3).

6.12.1. ASPECTOS DA FILIAÇÃO NO RELACIONAMENTO COM A FAMÍLIA DE DEUS

Adoção – ensina as idéias de maternidade e de recebimento de todos os privilégios por pertencer a família de Deus (Rm.8: 14-16).

HYIOTHESÍA – a ênfase recai no pleno gozo dos privilégios dos herdeiros legais.

HUIOS – filho + THESIS – posição.

Novo nascimento – ensina a idéia de entrar para a família de Deus como uma criança que precisa ser nutrida para crescer (Jo.1:12; IPe.2:2).

Ao mesmo tempo em que ocorre a nossa integração a família de Deus, a pessoa passa a desfrutar de todos os direitos e responsabilidades desse relacionamento familiar.

Somos ou seremos filhos de Deus?(Rm.8:15; 8:23)

Rm.8:15 – adoção acontece quando cremos.

Rm.8:23 – a realização plena ocorrerá quando recebermos corpos ressurretos.

7.0. OS MOTIVOS DA SALVAÇÃO

Demonstrar o amor de Deus (Rm.5:8; Jo.3:16)

A salvação brota do amor de Deus.

É o amor de Deus em ação.

Deus deu seu filho para morrer por pessoas que se rebelaram contra a sua vontade.

...de tal maneira...

Demonstrar a sua graça (Ef.2:7,8)

Cada pessoa salva é um troféu especial da graça divina.



Se tornar conhecido por meio dos homens através de suas obras, como um Deus que é bom (Ef.2:10; Tt.2:14)

Deus queria um povo que fizesse boas obras nesta vida para demonstrar um Deus que é bom.



8.0. POR QUE TODAS AS PESSOAS PRECISAM DE SALVAÇÃO?

Porque todas as pessoas estão condenadas. E porque todas as pessoas que nasce neste mundo estão condenadas?



- Sua relação com o pecado de Adão (Rm.5:12)

- Sua natureza pecaminosa com quais todos nasce (Ef.2:3; Sl. 51: 5)

- Todos cometem pecado, fruto inevitável da natureza pecaminosa (Rm.3:9-23; IJo.1:8,10).

Então isso estabelece uma necessidade universal de que os seres humanos sejam salvos da penalidade do pecado.



9.0. QUAL O ALCANCE DA SALVAÇÃO?

- Humanidade afeta a pessoa como um todo.

A remoção completa da natureza caída;

Recebimento de um novo corpo ressurreto.

- Cósmica – removerá a maldição lançada sobre o mundo (Rm.8:18-23). O universo sentirá os efeitos da obra de reconciliação feita por Cristo (Cl.1:20).

10.0. A QUEM DEUS QUER SALVAR?

- Primeiro foi destinada para Israel (Lc.1:69,77; 2:11; 19:6; Jo.4:22; At.13:23) depois da recusa de Israel, foi oferecida aos gentios (Rm.11:11).

- Deus quer salvar a todos (IJo.2:1; Jo.3:16; ITm.1:15; Tt.2: 13; ITm.2:4; Jo.3:17; 12:47; Lc.3:6; Jo.12:47; At.28: 28; I Jo.4:14; ITm.4:10).

10.1. OS GNOSTICOS E A SALVAÇÃO

Os gnósticos dividiam os homens em três categorias:



Hílicos – isto é, terrenos, totalmente incapazes, pelo que deveriam perecer com a matéria;

Psíquicos – os dirigidos pela alma, os quais podiam receber certa forma de redenção secundária (como os profetas do A.T.).

Pneumáticos – isto é, espirituais, receberiam a redenção superior, eram pouquíssimos.

10.2. COMO CONSEGUIR A SALVAÇÃO?

10.2.1. PELO BATISMO?

Textos usados: Jo.3:5; Mc.16:16; Rm.6:3-4;



Refutação: 1- I Co.1:14; Rm.10:9,10,13; At.16:31; Ef.2:8

2- o ladrão da cruz

3- E os que estão à beira da morte?

A água? Jo.3:5; Ef.5:26; IPe.1:23; Tg.1:18; Jo.15:3.

O batismo não é a causa eficiente, nem instrumental do batismo. O batismo simboliza a regeneração, mas não a produz.

E Mc.16:16? Se esta parte do texto pertence ao original ou não (Mc.16:9-20).

A verdade que ela contém está de acordo com o original.

Não contradiz o resto das Escrituras.

Tudo que é ensinado nesta parte é encontrado em outras partes das Escrituras: Batismo (At.2:38); Língua (At.2:1); Picado por serpente (At.28:3-5).



10.2.2. PELAS BOAS OBRAS?

Exemplos:

De devotos: 1 – Cornélio (At.10:2 = At.10:38-43)

2 – Nicodemos (Jo.3:3-6)

3 – Fariseu (Lc.18:9-14)



Refutação: Ef.2:8,9; Tt.3:5; Is.64:6; Rm.4:9-23; 3:20; 4:6; 5: 1; At.13:39; Gl.2:16.

- Deus não nos salva por sermos bons, mas nos torna bons por ter nos salvo;

- Somos salvos para praticar boas obras, mas não somos salvos porque praticamos boas obras;

- As obras são frutos da fé. Não somos salvos pela combinação de fé e obras, mas sim por uma fé que produz obras;

- A fé é a alegação, as obras são as evidencias;

- A fé é o meio e a condição, ao passo que as obras são seu fruto e evidencia;

- A fé inicia, promove, controla e culmina. As obras evidenciam, embelezam a mesma.

Explicação de Mateus 25:34-46:

1 – O julgamento sobre as nações dos gentios;

2 – O julgamento dos inimigos de Israel após o segundo advento;

3 – Esse é o julgamento para verificar quem dentre os gentios terá permissão para entrar no Reino;

4 – Aqui é o julgamento dos gentios vivos e não o julgamento dos mortos;

5 – O critério do juízo é único que se aplica apenas aquela geração vivente de todas as nações. Como você tratou os mensageiros do Rei.

6 - Os que honraram os mensageiros do Reino demonstraram fé por meio de suas obras. E os que desprezaram manifestaram a sua descrença.

7 – A base do julgamento é o trato oferecido aos judeus.



10.2.3. PELOS SACRAMENTOS?

10.2.4. PELO CARÁTER?

ICo.4:4; Lc.16:15 – O homem teria que ser teria que ser perfeito (Rm.3:8-23; IJo.1:8,10). Não há salvação por meio do caráter.

10.2.5. REFORMA, REVERSÃO DE ATITUDE MORAL E MENTAL?

Jo.3:3-6; 1:13; Tg.1:18; Tt.3:5.

É uma regeneração espiritual, não é cerimonial, da carne nem moral. Não é um passo externo, natural, para frente.



11.0. A TRIPLICE NATUREZA E OS TRÊS TEMPOS DA SALVAÇÃO

11.1. INSTANTÂNEA

É a idéia da redenção do pecado (Rm.10:10; At.2:21; 16:31; Ef.2:8,9).

É o livramento da pena do pecado.

É a salvação do espírito – regeneração (Tt.3:5);

É a justificação, quando a pessoa a creu foi salva da condenação do pecado (Ef.2:8; Tt.3:5).

Tempo: Passado – ela resolve o que éramos. Livra da penalidade do pecado.

11.2. CONTÍNUA

Trata-se da figura do crescimento na graça, no conhecimento e no serviço de Cristo e para Cristo (2Pe.3:18; Fp.2:12; 2Co. 1:6; IPe.2:2).

É a santificação no que crescemos na semelhança de Cristo;

É a salvação da alma – santificação;

É a salvação do domínio e influência do pecado;

Este cristão é salvo continuamente do domínio do pecado, santificado e preservado (Hb.7:25)



Tempo: Presente – é o que somos – livramento do poder do pecado.

11.3. ULTERIOR (além, após, futura)

Trata-se do total de benefícios e bênçãos no céu. É a glorificação (ITs.5:9; Rm.8:24; IPe.1:5; Rm.13:11; Hb.9:28).

Ele irá completar sua obra salvadora, transformando o nosso corpo (Fp.3:20). Então seremos salvos da doença, do sofrimento, da morte e todos os males.

Salvação do corpo – glorificação.

Seremos salvos da presença do pecado no céu para todo sempre (Rm.5:9,10). A salvação contempla o que passou e o que há de vir.

A salvação na Bíblia nos salva tanto de uma coisa como para alguma coisa.

Consumação futura, o que seremos em Cristo.

12.0. ASPECTOS TEOLÓGICOS DA SALVAÇÃO

12.1. PONTO DE VISTA CATÓLICO

Tornar-se justo – qualidade ética – ativo: a pessoa é o agente. É o processo mediante a prática das obras de justiça.

Maior católico romano: Tomás de Aquino – tinha influências gregas. Recebeu influências de Aristóteles.

Entre os gregos, justiça era qualidade inata do homem (Platão, estóicos)...



QUALIDADES INATAS DO SER HUMANO

Justiça

Sabedoria 4 virtudes cardeais do ser

Coragem ou fortaleza humano, Deus apenas

Temperança desperta isso no homem.

Todavia Justificação na Bíblia é declarar justo e não transformar-se em justo.

12.2. PONTO DE VISTA JUDAICO

Não está restrito a normas, mas há um conceito de fidelidade no relacionamento com o advento da lei. Passou a ser obras de justiça.



YESER HATOB – impulso para o bem.

YESER HARÁ – impulso para o mal.

No final da vida faz-se um balanço (saldo) se teve mais impulso para o bem (era justo), se teve mais impulso para o mal (era injusto).

Como fazer impulso para o bem? Observar a lei, atos de misericórdia e atos de caridade.

12.3. PONTO DE VISTA PROTESTANTE

O homem é considerado justo- passivo – a pessoa recebe do agente. Não somos co-participantes e sim considerados, porque não somos justos.

A justificação é um ato judicial de Deus mediante o qual aquele que deposita sua confiança em Cristo é declarado justo aos seus olhos e livra de toda culpa e punição.

Justificação não significa tornar justo, mas declarar justo, declarar reto ou livre de culpa e merecimento de castigo.

Não há virtude cardeal nenhuma em nós que pode nos tornar justo (Rm.5:1,9; ICo.6:11; Ef.2:8,9; Tt.3:5; Gl.2:16; At.13: 38,39; Is.64:6; Fp.3:9; Gl.2:21).

O homem pecador crê em Cristo, é visto como sendo justo, Deus declara justo, porque em Cristo o homem chegou a um relacionamento justo com Deus. Vale ressaltar que se a justificação fosse pelas obras ou pela lei a morte de Cristo não teria proveito.


12.3.1. ASPECTOS DA JUSTIFICAÇÃO PELA FÉ

12.3.1.1. FORENSE

Significa que Deus é conhecido como juiz e a justificação é a declaração do juiz de que um homem é justo. Esta justificação é uma questão de relacionamento e não de caráter ético.

12.3.1.2. ESCATOLÓGICA (Gl.5:5)

Esta justificação escatológica já aconteceu (Rm.5:9; 5:1; I Co.6:11). Em Cristo já fomos absorvidos da culpa do pecado, portanto libertos da condenação.

Em Cristo o futuro tornou-se presente.

13.0. SANTIFICAÇÃO

É o desenvolvimento da vida cristã.



13.1. ASPECTOS DA SANTIFICAÇÃO

Como processo: Desenvolvimento do ponto de vista

Crescimento comportamental,

Amadurecimento moral, conduta e ética

(ITs.5:23; 4:1,3,4,5,7).

Como ato, estado: relacionamento, culto. No ato da justificação ocorre o ato da separação (ICo.1:2,30; 7:10-14).

É por isso que conduta sem relacionamento é legalismo.

Santificação

Santo separado, consagrado.

A santificação é classificada como:

Instantânea – o Espírito Santo passa a viver em nós (At.10:44; ICo.6:11; Hb.10:10;13:12).

Progressiva (Rm.8:13; Gl.5:2,23; Ef.4:11-15).

Completa, final(Fp.3:12,14,20,21).

14.0. SALVAÇÃO NO ANTIGO TESTAMENTO

Jesus cumpre as esperanças de salvação do A.T.. Isso já se vê claramente nas palavras de Simeão (Lc.2:29-32; At.4:32; Mt.1:21).

Israel em todo antigo testamento estava voltado para salvação que Cristo traria ao mundo (Sl.14:7; 80:3; 96:2; 98:1).

A revelação da salvação ocorre no novo testamento com Jesus (Lc.7:48; 19:9,10; 8:12; 9:56; Jo.3:17; 12:47; Jo.10:9).

O termo salvação no antigo testamento é mais usado para designar o livramento de males físico do que o pecado.

Abrange todas as qualidades de socorro.

Isaias prevê que a salvação viria através do servo sofredor (Is.53:1-12; 52:13-15).

Os sacrifícios não tinham conotação de salvação, tinham o sentido de preservação.

Os sacrifícios nunca se apresentam em qualquer lugar como meio de salvação (Hb.10:1-12).

Não foram oferecidos para alcançar a graça e sim para retê-la, ou para evitar interrupção da comunhão entre Deus e o seu povo.

Os sacrifícios foram instituídos para tratar de pecados cometidos dentro do conceito. Pecados de rebelião contra Deus não havia porque eliminava o pecador do concerto.

15.0. SALVAÇÃO SE PERDE OU NÃO?

15.1. PARA OS QUE SE PERDEM

Hb.3:12-19

Hb.5:9

Fp.3:13,14

ICo.9:27

Hb.6:1-12

ICo.10:1-12

Cl.1:19-23

ICo.4:3-5
15.2. PARA OS QUE NÃO SE PERDEM
Jo.3:16-18

Jo.5:24

Ef.2:8

Hb.12:5-11

Jo.1:12

16.0. PREDESTINAÇÃO X LIVRE ARBÍTRIO
CALVINISMO X ARMINIANISMO
QUEM FOI JOÃO CALVINO?
João Calvino 1509-1564

Nasceu em Noyon França. Era católico, humanista. Estudou direito. Em 1533-1534 tornou-se protestante.

Em 1534 fugiu da França por causa dos pasquins (jornal ou folheto difamado); luteranos e foi para a Basiléia.

Escreveu comentário sobre quase todos os livros da Bíblia, vários tratados sobre teologia e sobre o governo da igreja. E a obra mais expressiva são as institutas com oito capítulos e no terceiro trata sobre a predestinação.



AGOSTINHO – foi quem primeiro desenvolveu uma doutrina madura da predestinação. Para Agostinho o numero dos eleitos está rigorosamente limitado, não sendo nem maior ou menor do que é necessário para substituir os anjos caídos.
CALVINO E A PREDESTINAÇÃO

Vale ressaltar que Calvino não é o criador desta doutrina. É tido como o criador porque ele enfatizou e porque tornou a doutrina da predestinação uma questão situada no contexto da História da Salvação. E essa doutrina surgiu por causa de um problema resultante da pregação do evangelho: porque alguns aceitam e outros rejeitam? E da interpretação da soberania de Deus. (manifestação da sua vontade).

Martinho Lutero Zwinglo, Sto. Agostinho. Já ensinavam a predestinação. E João Calvino se converteu lendo Martinho Lutero.
O QUE É PREDESTINAÇÃO?

É destinar antecipadamente. Destinado de antemão.



O predestinado é o destinado de antemão – É o eleito de Deus.

O QUE É PREDESTINAÇÃO PARA CALVINO?

A predestinação para Calvino é o eterno decreto de Deus pelo qual não criou a todos os homens em igual condição. Mas a um preordenou a vida eterna e a outros a perdição eterna.

Segundo ele, Deus tem determinado o destino final de cada ser humano. Esse decreto de Deus determina quem será salvo e também quem será condenado.

Para Calvino a predestinação era decreto divino que determinava o destino da humanidade. Quando Deus efetua este decreto? Duas opiniões: complexidades e a eleição divina.



SUPRALAPSARIA – Dizia que o decreto sobre a predestinação é anterior ao decreto sobre a perdição (Sublapsario) Deus decretou a eleição e a condenação antes da queda.

INFRALAPSARIA – Dizia ao contrário. Ocorreu depois da queda.

Na condenação se manifesta a justiça de Deus porque todos merecem o inferno. Na eleição de alguns se manifesta o amor.



TULIP

T Total depravação (Incapacidade Total)

U Eleição incondicional (Unconditional Election)

L Limitada expiação (Redenção particular) limitado aos eleitos

I Irrestível graça

P Perseverança dos Santos.
E a predeterminação dos destinos dos individuo, baseia - se no decreto de Deus.

A morte de Jesus assegura a Salvação apenas para um número limitado de pessoas. Visto que tudo não são salvos, não poderia ter tido a intenção que Cristo morresse por todos.


O QUE ENSINA O CALVINISMO?

Para os calvinistas a chamada para o arrependimento é só para os eleitos.

Cristo morreu só no lugar dos eleitos

Cristo pagou só o preço do pecado dos eleitos.

O homem perdeu o livre arbítrio no tocante a Salvação.

Depois da queda, tornando-se corrompido pelo pecado e cativo de Satanás.


TEXTOS BÍBLICOS USADOS PELO CALVINISMO

Dt.7:7; Rm.9:11-13; Lc.4:25-27; Jo.15:16; Rm.9:21; Rm.9:15; At.13:48; Jo.17:9; Mt.26:28; Ef.5:25; Jo.6:37; Rm.4:25; Ef.1:4; 2Pe.1:10.
QUEM FOI JACOBUS (JAMES) ARMINIUS (1560-1609).

Teólogo e Pastor Holandês. Nasceu em Oudewater, Holanda e estudou nas universidades de Genebra.

Pastor numa Igreja em Amsterdã. Durante seu ministério em Amsterdã começou a desenvolver sua teologia da predestinação. Sob influência de DIRK KOORNHERT, um teólogo Holandês que tinha negado alguns aspectos do calvinismo. Originalmente Arminius se dedicou a combater idéias de KOORNHERT. Porém ao estudar os argumentos de KOORNHERT chegou à conclusão de que ele tinha razão em suas objeções e que seus argumentos estavam de acordo com os ensinamentos Bíblicos e a teologia Cristã.

Em 1603 Arminius assumiu um posto de professor na universidade de LEIDEN. Nesta universidade suas diferenças com os ensinamentos do calvinismo provocaram conflitos com um dos professores: Francisco Gomaro. Após a morte de Arminuis, dois de seus colegas Johannes Uyten Bogaert, que era pregador na corte Holandesa e Simon Episcopus sucessor de Arminius na universidade de Leiden apresentaram 5 pontos.

6 anos depois Arminius morreu, mas seus ensinos continuaram. Então Gomaro expulsou os seguidores de Arminius que ocuparam posições acadêmicas. No ano de 16101, 46 pastores em oposição a Gomaro, assinaram um documento intitulado de “o protesto” (ou Remonstranza), que rechaçava as posições do calvinismo. Esse movimento ficou conhecido como remonstrantes ou anticalvinismo radical.
POR QUE ANTICALVINISMO RADICAL?

Porque Arminius era Calvinista e nunca deixou de ser, mas foi contra o calvinismo radical.

Arminius negava as duas posições calvinistas (Supralapsaria e a Infralapsaria).
ARMINIUS E A PREDESTINAÇÃO?

Para Arminius a doutrina da predestinação está baseada na presciência (conhecimento prévio), de Deus o qual sabe desde o principio quem será salvo e quem será condenado.

Para ele o decreto divino não estabelece quem será salvo, e sim através de quem a humanidade será salva (Jesus).

Para Arminius dizer que o Cristo morreu somente por uma parte de humanidade é incorreto.

Arminius entendeu a predestinação como a presciência divina acerca da livre escolha dos indivíduos.

A soberania para Arminius é a iniciativa de Deus tomada em virtude de sua natureza com o fim de salvar a humanidade. A soberania não se forma apenas na sua vontade, mas é uma manifestação de todo o seu ser.

A iniciativa de Deus salvar o homem procede tanto de sua vontade quanto do seu coração. Assim Deus não predestina, mas deseja salvar a todos.
OS CINCO PONTOS DO ARMINIANISMO.


  1. Livre Arbítrio ou capacidade humana

O homem não era totalmente incapaz de escolher o bem espiritual.

  1. Eleição Condicional

Deus elegeu aqueles que previa quererem ser salvos.

  1. Redenção universal ou expiação geral

Cristo morreu para salvar a todos que cressem.

  1. A obra do Espírito Santo na regeneração limitada pela vontade humana.

O homem pode resistir ao Espírito Santo.

  1. Cair da graça # da perseverança dos Santos (Arminius)

(seguidores)

Ensinavam que o homem podia perder a salvação



CONCILIO OU SÍNODO DE DORT NA HOLANDA (1618)

Os cinco pontos do Arminianismo foram apresentados ao estado, e um Sínodo nacional da Igreja foi convocado para se reunir em DORT em 1618, a fim de examinar o ensinamento de Arminius a luz das escrituras. O Sínodo de Dort reuniu-se durante 154 sessões em um período de 7 meses, mas ao seu termino não encontrou campo para reconciliar o ponto de vista Armimiano.

Estiveram presentes 56 ministros e presbíteros das Igrejas Holandesas, cinco professores de teologia e 26 teólogos estrangeiros.

Então o teólogo Francês João Calvino formulou cinco pontos do calvinismo pra fazer frente ao sistema Arminiano ou cinco pontos do Arminianismo que foram colocados em forma de um acróstico TULIP.

Portanto a posição de Arminius foi condenada pelo Sínodo de Dort e foi excluída do calvinismo.

O QUE ENSINA O ARMINIANISMO?

- Existe predestinação para o que crê

- Existe predestinação para o que crê não crê

- Deus predestinou o meio de salvação (Jesus Cristo)

- Mas Deus não predestinou os que haviam ou não haviam de crê

- A iniciativa de Deus na Salvação não priva ninguém de salvar-se, porque ela visa à salvação de todos.

- Cristo morreu por todos no mesmo sentido, isto é, a expiação de Cristo. Foi feita com intenção de dar oportunidade de salvar a todos.

Hoje o Calvinismo é dominante entre os Presbiterianos, mas há em seu meio Arminianos e liberais.

Desde a época da reforma a doutrina da eleição tem sido objeto de acirrada debate entre os calvinistas e Arminianos

ARGUMENTOS DO LIVRE ARBÍTRIO

- Deus quando criou o homem deu-lhe o livre arbítrio. Então o homem por natureza é um ser livre

O homem usufrui de liberdade, ou seja, o homem tem poder pelo qual decide as sua questões, seus atos, e dirige o próprio destino.

- GN.3:1-24 – A queda evidencia isso:

O homem tinha plena liberdade de escolher entre o bem e o mal.

- O castigo que lhe foi dado responsabiliza-o pelos seus atos.

- O próprio homem reconheceu a sua responsabilidade quando disse: a mulher...

- Deus sempre tratou o homem como um ser responsável (Is.55:1-3; Mt.11:28; Lc.9:23; Ap.22:7; Rm.5:12-18).

- Se o pecado entrou no mundo pela livre escolha do homem, é pela mesma porta que terá de sair.

- Deus fez o homem a sua imagem e semelhança e isso inclui liberdade.


MAS COMO HARMONIZAR SOBERANIA E LIVRE ARBITRIO?

Soberania – Deus oferece livremente a salvação

Liberdade – O homem aceita ou rejeita como queira.
REFUTAÇÃO DA TULIP

Total depravação (Incapacidade total)

O homem está morto espiritualmente (Rm.6:23; Rm.7:24; Rm.5:12; Rm.7:12,13) mas isto não quer dizer que por estar o homem morto deixa de existir, ou de agir de qualquer maneira, o homem morto age, mas age no erro. O morto vive no erro.



O que é morte espiritual? At.17:28 O espírito se move e existe e Deus, mas quando há separação entre Espírito e Deus, o Espírito morre. Já que o homem está morto e impossibilitado de tomar a iniciativa de salvação é de Deus porque o homem está morto e impossibilitado ele tomar a iniciativa.

Arminius ensinou a “Graça Previdente” de Deus. Através dessa graça dada a toda criatura, capacita ao livre arbítrio para que ela possa decidir em favor de Deus. Sem esta graça, o estado pecaminoso do ser humano não permitiria que ninguém alcançasse a salvação.

Arminius conclui que o livre arbítrio, restaurado pela graça também permite que uma pessoa salva negue a sua fé e caia fora da graça, negando a certeza outorgado aos crédulos pela predestinação.

A queda afetou totalmente o ser humano por isso ele precisa de regeneração para ser salvo. Mas não deixou o homem nem estado de total incapacidade.


ELEIÇÃO INCONDICIONAL

A soberania de Deus em relação à salvação mostra o desejo de Deus de salvar a todos (Is.53:4-12; Fp.2:6-8; Rm.5:6-11)


EXPIAÇÃO LIMITADA (REDENÇÃO PARTICULAR)

Duas coisas determinam a salvação:

- A CHAMADA DIVINA (Ez.33:11; 1s 55:7; Mt.11:28; Mc.16:15; Rm.8:30; Rm.10:13-17; Ap.22:17)

- A CONVICÇÃO DO PECADO – Essa convicção é resultado do trabalho do Espírito Santo no coração humano. Ele desperta no homem o conhecimento de sua culpa e a da própria condenação (Jo.16:8-11)

A salvação é para todos de acordo com o propósito de Deus.

- Gn.12:2,3 – Deus escolheu um individuo uma família, uma nação como meio para alcançar a todos.

- O plano de salvação mostrado no NT e para todos ( Ef.3:4-13)

- A obra propiciatória de Jesus é a maior revelação do grande propósito de Deus em salvar a humanidade (Jo.3:16; IJo.2:2; ITm.2:6; Jo.3:15-18; Rm. 3:22; ITm.2:4)
IRRESISTIVEL GRAÇA

A graça não é irresistível (Hb.3:7-11) a ação do Espírito Santo é perseverar, constranger, conduzir o homem,mas nem a lhe desrespeitar a liberdade. (Jo.16:8-11)

A vontade de Deus é salvar a todos, mas a salvação do homem depende de mais outra coisa, além da vontade de Deus.

CONCLUSÃO

Como vimos esta disciplina é extremamente importante, porque explica uma das doutrinas mais relevante da fé cristã. Não compreender a salvação é não compreender a cruz de Cristo, o seu valor e o seu alcance.



BIBLIOGRAFIA

1- CLARK, S. David – Compêndio de teologia sistemática, Ed. Casa editora presbiteriana.
2- BANCROFT, Emery H. – Teologia elementar doutrinária e conservadora – 1° edição-1966, Ed. Imprensa batista regular-SP.
3- EDON, Ladd George – Teologia básica ao alcance de todos –1°edição-2004, Ed. Mundo cristão.
4- ELWELL, A. Walter – Enciclopédia histórico teológica da igreja cristã vol.II, 1°edição-1990, Ed. Vida nova.
5- ERICKSON, I. Millard – Introdução a teologia sistemática, 1° edição-1997, Ed. Vida nova.
6- LANGSTON, A.B. – Esboço de teologia sistemática, 3°edição-1999, juerp – RJ.
8- RYRIE, C. Charles – Teologia do novo testamento, 1°edição-2001, Ed. Hagnos.
Catálogo: 2016
2016 -> Atividade 03 – inss regras contribuição e cálculos Cálculo da Guia da Previdência Social – gps
2016 -> Atividade 02 – Benefícios da Previdência Social no Brasil. Benefícios Aposentadorias Por Idade
2016 -> Requerimento nº 60, de 2016
2016 -> Parecer no 384, de 2016 da comissão de constituiçÃO, justiça e redaçÃO, sobre o projeto de lei complementar n° 58, de 2015
2016 -> Parecer no 672, de 2016 da comissão de constituiçÃO, justiça e redaçÃO, sobre o projeto de lei nº 123, de 2016
2016 -> Projeto de lei nº 421, de 2016
2016 -> Remessa geral n.º 02/2016 Ref.: Contribuição Sindical 2016
2016 -> A assembleia legislativa do estado de são paulo decreta: Artigo 1º
2016 -> História eclesiástica I contribuiçÃo da política romana
2016 -> Nome da empresa ltda


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal