Série: 7ª série Ensino Fundamental II professor (a): Tatiana Yano



Baixar 31.39 Kb.
Encontro31.07.2016
Tamanho31.39 Kb.

GABARITO
Série:7ª série – Ensino Fundamental II

Professor (a): Tatiana Yano

Componente Curricular: História
AVALIAÇÃO ABRANGENTE – SEGUNDO BIMESTRE
INSTRUÇÕES GERAIS:


  • Leia atentamente textos e questões.

  • Responda as questões com caneta azul ou preta.

  • Não use corretivo.

  • Esta avaliação vale de 0 A 10.

  • Quando for solicitada a cópia de fragmentos do texto não serão aceitas partes grifadas ou abreviadas.

  • Respostas a lápis não poderão ter a correção do professor questionada.

  • Testes rasurados serão anulados. Os testes devem ser respondidos com caneta azul ou preta.

BOA ATIVIDADE!


1) "No fim do século XVIII, a estrutura social da França perma­necia essencialmente aristocrática: era o resultado de uma época em que a terra constituía a única forma de riqueza social e conferia, portanto, aos seus possuidores o poder sobre os camponeses que a cultivavam. Apesar de já não mais possuir direitos políticos, a nobreza conservava seus direitos senhoriais, sujeitando e explorando os camponeses.

No entanto, desde os séculos X-XI, uma nova forma de rique­za, baseada no dinheiro, havia dado nascimento a uma nova classe, a burguesia, cuja importância econômica, a partir de então, não parou de crescer. (...) No século XVIII, a burguesia controlava as finanças, o comércio e a indústria; fornecia à monarquia pessoas para os quadros administrativos, além de recursos (impostos) para o bom funcionamento do Estado. A aristocracia, cujo papel não tinha parado de diminuir, permanecia ainda na primeira escala da hierarquia social, vivendo de privilégios, cargos, pensões concedidas pelo Estado e da exploração dos camponeses. Ao mesmo tempo, a burguesia aumentava em número, em poder econômico, em cultura, e cada vez mais, tinha consciência de sua importância. (...)

Assim, a burguesia, tinha a convicção de representar o interes­se geral da nação. Contudo, a ambição burguesa, apoiada pela reali­dade social e econômica, se chocava com o espírito aristocrático das leis e das instituições do país. (...)

Na França, na segunda metade do século XVI11, o avanço da economia capitalista, que fundamentava o poderio da burguesia, permanecia freado por relações sociais de produção ainda predominantemente feudais. (. ..) É assim que se coloca o problema da passagem do feudalismo ao capitalismo. (...)

Do mesmo modo que a igualdade com a aristocracia, era a liberdade que a burguesia reclamava: a liberdade política certa­mente, contudo mais ainda a liberdade econômica, tão necessária aos empreendimentos burgueses e ao lucro. O capitalismo exigia a liberdade porque necessitava dela para assegurar o seu impulso (.. .). Liberdade para os homens, condição essencial para este tor­nar-se assalariado; liberdade dos bens, condição essencial para serem vendidos e comprados livremente; liberdade do espírito, condição essencial à pesquisa e às descobertas científicas e técnicas."

Adaptado de SOBOUL, Albert. A Revolução Francesa. São Paulo, DIFEL.J 1974, p. 9-12. (Coleção Saber Atual).


a.Como se apresentava a estrutura social da França em fins do século XVIII?(0,5)

A sociedade francesa era aristocrática, estamental e dividida em três estados : clero, nobreza e povo.

b. Qual era a situação dos camponeses às vésperas da Revolução Francesa?(0,5)



Mão de obra básica do campo, principais produtores de alimentos, era violentamente explorada pela nobreza grande proprietária rural.

c. Como se apresentava a situação da burguesia francesa em fins do século XVIII?(0,5)

(...) No século XVIII, a burguesia controlava as finanças, o comércio e a indústria; fornecia à monarquia pessoas para os quadros administrativos, além de recursos (impostos) para o bom funcionamento do Estado.”

d. Qual era a situação da aristocracia francesa?(0,5)

A aristocracia, cujo papel não tinha parado de diminuir, permanecia ainda na primeira escala da hierarquia social, vivendo de privilégios, cargos, pensões concedidas pelo Estado e da exploração dos camponeses.”

e. O que a burguesia entendia por Igualdade e Liberdade?(0,5)



Igualdade na aplicação de leis e acesso aos privilégios desfrutados pelo Clero e pela Nobreza e liberdade econômica.

2) "O Terror, período da Revolução Francesa, que se estende de 1793 a 1794, e no qual houve um domínio político dos Jacobi­nos (1), liderados por Robespierre, não foi simplesmente uma ex­plosão de violência em massa, que escolhia suas vítimas sem ne­nhum critério. O impulso radical e popular do Terror era resulta­do das pressões dos 'sans-culottes', expressão pela qual ficaram conhecidas as massas populares das cidades (sobretudo Paris), for­madas por pequenos artesãos, trabalhadores assalariados e diaris­tas, desempregados, além da população flutuante existente nos grandes centros urbanos. Responsável pela execução de aproxi­madamente 40.000 pessoas, o Terror era o protesto contra os ricos especuladores no sentido de obrigá-los a restituir as mercadorias escondidas, evitando-se, dessa maneira, a miséria popular. Era, ainda, o resultado do ódio do povo contra os ricos, a especulação com preços, os problemas de abastecimento, a suspeita de traição.

As investigações detalhadas demonstram que o Terror foi principalmente utilizado contra as forças contra-revolucionárias, e foi mais violento quando a contra-revolução estava mais forte. (. . .)

(...) Durante algum tempo, enquanto foi preciso derrubar o sistema feudal — a realização mais importante da Revolução —, as posições radicais das massas rurais e urbanas coincidiram. Mas a necessidade de obter alimentos para os mais pobres habitantes das cidades e para os exércitos revolucionários que lutavam contra as coligações que se formaram contra a Franca revolucionária, foi contra os interesses dos camponeses mais ricos. A crescente resis­tência dos camponeses deixou os 'sans-culottes' sem comida e, portanto, retirou o apoio popular a Robespierre, fazendo parar a revolução radical. Os 'sans-culottes' possibilitaram, com suas jor­nadas populares (2), a Revolução burguesa; os camponeses determi­naram até que ponto ela podia chegar."


(1)Jacobino - Os Jacobinos representavam os interesses da pequena bur­guesia, pretendiam uma legislação social mais avançada (tributação pro­gressiva, limitação à propriedade burguesa, combate à especulação, etc.), e buscavam o apoio dos 'sans-culottes'. Foram afastados do poder, em julho de 1794, por setores da alta burguesia, num movimento que ficou conhecido pela expressão "Reação Termidoriana" (Julho = Termidor, de acordo com o novo calendário elaborado pêlos revolucionários).

(2)Jornadas populares — Expressão que designa uma série de movimentos populares e que, contribuíram decisivamente para derrubar o Antigo Regime e a ordem feudal, fazendo avançar o próprio processo revolu­cionário. As jornadas populares serviram para pressionar a burguesia e garantiram as conquistas revolucionárias ao impedir a contra-revo­lução. Destacam-se a Tomada da Bastilha (14 de julho de 1789), as Jor­nadas de Outubro (1789), quando o povo de Paris avançou até o Palácio de Versalhes exigindo a transferência da família real para a capital, a toma­da das Tulherias (10 de agosto de 1792), onde se instalara a família real em Paris, etc.

(Adaptado de MOORE JR., Obra citada, p. 105-13.)

a. O que foi o “Terror” na Revolução Francesa? Por que ele foi possível? (0,5)



Fase mais radical da Revolução Francesa liderada pelos jacobinos. O “Terror” foi possível devido o maciço apoio dos mais pobres ao governo republicano jacobino.

b. Por que os “sans-culottes” apoiavam o Terror?(0,5)



Acreditavam que o Terror iria eliminar de forma definitiva a exploração por eles sofrida.

c. Sem o “Terror” a revolução burguesa teria sido capaz de liquidar a ordem feudal e absolutista? Comprove sua resposta com argumentos apresentados pelo próprio autor. (0,5)



Não. “As investigações detalhadas demonstram que o Terror foi principalmente utilizado contra as forças contra-revolucionárias, e foi mais violento quando a contra-revolução estava mais forte.(...) Durante algum tempo, enquanto foi preciso derrubar o sistema feudal — a realização mais importante da Revolução —, as posições radicais das massas rurais e urbanas coincidiram.”

3)Sobre o Processo de Independência dos EUA responda: (1,0 ponto cada questão)

a. Sob que condições econômicas e políticas se desenvolveram as colônias do norte?

Politicamente as colônias possuíam certa autonomia representada pela existência das Assembléias. Em relação a organização econômica estas colônias aproveitaram a possibilidade de efetuar comércio externo e enriqueceram fazendo o comércio triangular.

b. Que mudança na política colonial inglesa deu origem às primeiras manifestações emancipacionistas?



Os ingleses começaram a aumentar de forma exorbitante e sem consulta aos colonos os impostos coloniais, criando várias taxas que acabaram inibindo o comércio e o desenvolvimento dos colonos.

4) Identifique os trechos da Declaração de Independência que estão de acordo com os princípios iluministas. (1,0)



Defesa da Igualdade entre os homens, igualdade e direito a vida, liberdade e busca pela felicidade. Governos que são expressão da vontade popular. O povo tem o direito de modificar o Governo se este não cumprir seus deveres.


5) Sobre a Revolução Francesa responda: (1,0 cada questão)

a. Por que o governo francês decidiu convocar os Estados Gerais em 1789? Quais eram as reivindicações dos membros do Terceiro Estado nessa reunião?



A França passava por uma grave crise financeira e o rei Luís XVI convocou a Assembléia dos Estados Gerais a fim de comunicar o Terceiro Estado de que este passa ria a pagar mais impostos. Nesta reunião o Terceiro Estado pretendia anular a intenção do rei e por isso passou a reivindicar o voto individual no lugar do voto por Estado.

b. Preencha o quadro:



FASES

ACONTECIMENTOS

INICIAIS


GRUPO SOCIAL QUE LIDEROU

REALIZAÇÕES

ASSEMBLÉIA NACIONAL CONSTITUINTE

Convocação dos Estados Gerais, rejeição do voto individual, retirada dos representantes do Terceiro Estado e formação da Assembléia Nacional.


Terceiro Estado

Constituição de 1791, abolição dos privilégios feudais, voto censitário.

MONARQUIA CONSTITUCIONAL

Aprovação da Constituição de 1791.


Alta burguesia francesa.

Exclusão dos mais pobres, divisão do Terceiro Estado.

CONVENÇÃO

Execução de Luís XVI e golpe dos jacobinos.


Jacobinos.

Leis populares, abolição da escravidão nas colônias, Terror.

DIRETÓRIO

Execução de Robespierre.



Girondinos.

Anulação das leis jacobinas. Ameaça de novos golpes, corrupção e golpe de Napoleão Bonaparte.

5) O mapa abaixo mostra a formação do Império Napoleônico. Sobre esta fase da História Francesa, responda:


a. Quais as conseqüências da construção deste Império para o Absolutismo europeu? (0,25)

Chega ao fim o absolutismo na Europa.

b. Napoleão tinha na Inglaterra sua maior rival. Como Napoleão pretendia derrotar a Inglaterra? (0,25)



Através do Bloqueio Continental.

c. Os planos de Napoleão deram certo? Quais as conseqüências? (0,5)



Não. Rússia e Portugal furaram o Bloqueio, a França declarou guerra à Rússia e foi derrotada. Após esta perda Napoleão passou a ser atacado por uma coligação de países e foi vencido, preso e exilado.





©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal