Sumário cinema e tv 3



Baixar 246.76 Kb.
Página2/7
Encontro29.07.2016
Tamanho246.76 Kb.
1   2   3   4   5   6   7

TEATRO E DANÇA




O Globo – Teatro multidisciplinar

Festival de Curitiba, em março, reúne diferentes tecnologias e artes como circo e dança em 32 espetáculos, dos quais 11 serão estreias nacionais


MÁRCIA ABOS
(31/1/2013) Novas tecnologias a serviço da encenação, a música como protagonista do espetáculo e a fusão do teatro com outras artes, como dança, cinema e circo foram as características da cena atual privilegiadas pela curadoria da 22 edição do Festival de Teatro de Curitiba, que acontece entre 26 de março e 7 de abril. A mostra oficial apresenta 32 espetáculos, dos quais 11 são estreias nacionais.
Pela primeira vez, a organização do evento é coprodutora de duas dessas peças inéditas, em parceria com o Itaú Cultural: “Parlapatões revistam Angeli”, encenação do grupo paulista Parlapatões, Patifes e Paspalhões com linguagem de quadrinhos, com música do titã Branco Mello, e “Cine monstro versão 1.0”, monólogo dirigido e interpretado por Enrique Diaz, última parte da trilogia do dramaturgo canadense

Daniel MasIvor, que incluiu “In on it” e “À primeira vista”. — São espetáculos que não seriam realizados. Aconteceram porque o festival instigou — diz Leandro Knopfholz, diretor geral do evento. As duas coproduções serão também apresentadas em São Paulo depois do festival. “Parlapatões revistam Angeli” fica em cartaz nos dias 11 e 12 de abril, no Auditório Ibirapuera, e “Cine monstro versão 1.0”, no Itaú Cultural, dias 18 e 21.
INGLESES DANÇAM
Quatro espetáculos internacionais serão encenados na capital paranaense. A abertura do festival apresenta “Homem vertente”, do grupo argentino Ojalá, com direção de Pichón Baldinu. Representando a dança em Curitiba, está “In the dust”, da companhia inglesa 2Faced Dance, sucesso de 2011 no Festival de Edimburgo, na Escócia. “Pansori Brecht”, encenação de “Mãe coragem” da Coreia do Sul, do grupo Ukchuk, e “Kiss and cry” completam a programação internacional do evento.

A 16ª edição da mostra paralela Fringe terá 370 espetáculos. Com o conceito de não ter curadoria e estar aberto à demanda de qualquer grupo profissional de teatro, o Fringe acontece em 64 espaços da cidade.

— É a única mostra nesses moldes na América Latina, considerada hoje a quinta maior do mundo — afirma Knopfholz, explicando que apesar do crescimento exponencial da Fringe, que em sua primeira edição teve sete espetáculos, não pretende mudar a regra.
O orçamento do festival neste ano é de R$ 8 milhões, dos quais 80% são custeados por patrocinadores por meio da lei de incentivo fiscal, e 20% são pagos com receitas geradas pelo próprio evento, segundo Leandro Knopfholz. O público estimado é de 300 mil pessoas. Em 21 edições, foram apresentados 3.600 espetáculos para um público de 1,9 milhão.


Folha de S. Paulo - SP Companhia de Dança vai ter assinaturas

Grupo faz 80 espetáculos no ano, incluindo seis novas criações e turnê europeia em abril


KATIA CALSAVARA
(31/01/2013) Com cinco anos de existência, a São Paulo Companhia de Dança (SPCD), dirigida por Inês Bogéa, abre sua programação deste ano com a previsão de aproximadamente 80 espetáculos.

Entre as novidades estão o início de um programa de assinaturas, que prevê a fidelização de público no Teatro Sérgio Cardoso e a estreia de seis criações -quatro delas inéditas e duas remontagens-, além de uma terceira turnê europeia em abril.

Destaca-se a criação do primeiro balé de repertório completo do grupo, o clássico "Romeu e Julieta", revisitado pelo italiano Giovanni Di Palma e previsto para novembro. Para o espetáculo, os bailarinos terão aulas de esgrima.

Outros espetáculos aguardados são a nova montagem do alemão Marco Goecke e a primeira remontagem nacional do balé "Petite Mort" (1991), de Jirí Kylián.

Presente no evento de lançamento das novidades do ano, o secretário de Estado da Cultura, Marcelo Mattos Araujo, conta que acompanhou de perto as negociações para obter os direitos para a remontar a obra de Kylián. "É um reconhecimento que obtemos por parte desses grandes criadores", afirma.

Folha de S. Paulo - Festival de Teatro de Curitiba exibirá mais de 300 peças

Principal evento da dramaturgia do país acontece entre 26 de março e 7 de abril; ingressos saem à venda em 5/2

Edição abre com "O Homem Vertente", que grupo argentino apresenta utilizando atores curitibanos
GUSTAVO FIORATTI

(31/01/2013) Foi anunciada ontem a programação do Festival de Teatro de Curitiba, que este ano acontece entre os dias 26 de março e 7 de abril.

Maior mostra de teatro do país em números, a seleção oficial da edição de 2013 vai apresentar 33 espetáculos.
Além desses, também reunirá cerca de 300 montagens no Fringe, mostra paralela que tem modelo copiado do festival de Edimburgo, na Escócia, em que os espetáculos são selecionados por ordem de inscrição.
Em sua 22ª edição, o festival paranaense abre com "O Homem Vertente", espetáculo concebido pelo grupo argentino Ojalá com atores curitibanos. Montado sob encomenda para o festival, trata-se de uma espécie de show com água brotando de todos os lugares, inclusive de dentro dos trajes utilizados pelos intérpretes. Uma espécie de teatro físico, com imagens de forte impacto.

Segundo o diretor do festival, Leandro Knopfholz, outros dois espetáculos foram montados com recursos levantados pelo festival junto a patrocinadores.


O primeiro deles é "Parlapatões Visitam Angeli", em que o trabalho do quadrinista paulistano inspira a trupe de palhaços dos Parlapatões. O segundo é "Cine Monstro Versão 1.0", com direção de Enrique Díaz.
Para a edição deste ano, o orçamento do festival ficará em torno de R$ 8 milhões, dos quais 20% devem ser levantados por meio das bilheterias dos espetáculos, que têm ingressos a R$ 60 para a mostra oficial. Do montante restante, cerca de 6 milhões são captados por meio de Lei Rouanet.

Este ano, o festival volta a investir em pequenas curadorias organizadas dentro do Fringe, algo que deu certo nos últimos anos e permitiu mais profissionalismo dentro da grade paralela.


Haverá, por exemplo, uma mostra de teatro baiano organizada pelo ator Wagner Moura, com apresentação dos espetáculos "Áfricas", de Chica Carelli, e "Pólvora e Poesia", dirigido por Fernando Guerreiro.
A programação também deu espaço significativo para companhias estáveis do Rio de Janeiro, como os Atores de Laura, que apresentam "Absurdo", e de São Paulo, como a Cia. Balagan, que levará "Recusa" ao Paraná.
A curadoria do festival, que permanece a mesma há seis anos, é assinada por Tânia Brandão, Celso Curi e Lúcia Camargo.Os ingressos para as mostras oficial e paralela começam a ser vendidos no dia 5 de fevereiro pelo site oficial www.festivaldecuritiba.com.br, que também contém mais informações sobre o evento.




Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal