Tectônica das Placas e Fossa Oceânica



Baixar 9.17 Kb.
Encontro03.08.2016
Tamanho9.17 Kb.

Vestibular1 – A melhor ajuda ao vestibulando na Internet

Acesse Agora! www.vestibular1.com.br




Tectônica das Placas e Fossa Oceânica




As Fossas Oceânicas são formadas pela depressão profunda que aparece nos continentes e no fundo dos mares. As fossas derivam, principalmente, de movimentos tectônicos. As fossas derivadas de falhas são também denominadas graben. O graben é um tipo de depressão em forma de vala provocada pelo deslizamento do terreno entre duas falhas paralelas.

 

Depressão (geografia), terreno que está situado num nível altimétrico inferior às áreas que lhe são circunvizinhas (depressão relativa). Dá-se o nome de depressão absoluta à área que se encontra abaixo do nível do mar. A existência de diversos tipos de depressão acabou por agrupar essas formas de relevo em diversas categorias, sendo importante destacar as classificações baseadas nas causas que originaram cada tipo. São considerados fatores causadores da depressão os deslocamentos locais de terrenos, a remoção do material da superfície, a formação de barragens e situações excepcionais como crateras vulcânicas ou crateras provocadas por meteoritos, entre outros.

 

Falha geológica, linha de fratura ao longo da qual uma secção da crosta terrestre se deslocou e afastou da outra. Quando a atividade numa falha é repentina e abrupta, pode-se produzir um forte terremoto e também ruptura da superfície, dando origem a uma forma topográfica chamada escarpa de falha. As falhas maiores, como a de San Andreas, que formam as fronteiras entre as diferentes placas da crosta terrestre (Tectônica de placas), são ativadas pelas mesmas forças que causam a deriva continental.

 

Tectônica de placas, teoria de tectônica global (deformações estruturais geológicas) que se tornou paradigma na geologia moderna, para a compreensão da estrutura, história e dinâmica da crosta terrestre. A teoria baseia-se na observação de que esta camada sólida está dividida em cerca de 20 placas semi-rígidas. As fronteiras entre estas placas são zonas com atividade tectônica, onde ocorrem mais sismos e erupções vulcânicas. Entre 1908 e 1912, foi proposta pelo geólogo alemão Alfred Lothar Wegener a teoria da deriva continental. Ela afirma que as placas continentais se rompem, separam-se e chocam-se, criando posteriormente cadeias de montanhas.

Um dos argumentos mais fortes de Wegener para justificar a deriva continental era que as bordas dos continentes têm formas que se encaixam. Para defender sua teoria, mostrou que as formações rochosas de dois lados do oceano Atlântico — no Brasil e na África Ocidental — coincidem em idade, tipo e estrutura. Além disso, costumam conter fósseis de criaturas terrestres que não poderiam ter nadado de um continente ao outro.

EXPANSÃO DO FUNDO DO MAR Na década de 1920, o estudo dos leitos dos mares trouxe evidências de que as dorsais oceânicas são zonas onde se cria a nova crosta oceânica. O material chega por correntes de convecção de lava quente, mas esfria e solidifica com rapidez, ao contato com a água. Para dar lugar a esta contínua renovação de crosta, as placas devem separar-se, lenta, porém continuamente. Estes movimentos, impulsionados por correntes de convecção térmicas originadas nas profundidades do manto terrestre, provavelmente teriam gerado, ao longo de milhões de anos, o fenômeno da deriva continental.

 

SUBDUÇÃO Já na década de 1930, começaram os estudos deste processo, através do qual a crosta oceânica penetra no manto e se funde. No local onde uma placa tectônica oceânica se subpõe à crosta continental, o magma produzido causa erupção nos vulcões situados ao longo de cadeias montanhosas lineares, as cordilheiras. A zona afetada geralmente situa-se ao longo de uma fossa submarina, a certa distância do continente. Além de criar e alimentar vulcões continentais, a fusão da crosta oceânica subposta é responsável pela formação de alguns tipos de depósitos de minerais metálicos valiosos.




Fonte: enciclopédia Encarta


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal