Tema 12 o fracasso do plano schlieffen pode ser atribuído a uma estratégia operacional equivocada ?



Baixar 23.57 Kb.
Encontro20.07.2016
Tamanho23.57 Kb.
TEMA 12 - O FRACASSO DO PLANO SCHLIEFFEN PODE SER ATRIBUÍDO A UMA ESTRATÉGIA OPERACIONAL EQUIVOCADA ?

Contribuição Garcia/Ribeiro

INTRODUÇÃO


Em dezembro de 1905, depois de anos de planejamento, o Chefe do Estado-Maior (CEM) alemão, Conde Alfred Von Schlieffen, expôs seu plano para a guerra da Alemanha em duas frentes, contra a França e a Rússia. Para encarar este desafio e, ponderando as diferenças na velocidade de mobilização e na extensão dos territórios de seus dois potenciais adversários, ele buscava uma vitória rápida e decisiva contra a França para, em seguida, redirecionar suas forças contra a Rússia. Isto porque acreditava que a França se mobilizaria mais rapidamente que a Rússia, além da segunda poder frustrar uma vitória rápida simplesmente retirando-se para o interior de seu vasto território.

Durante muito tempo o Plano Schlieffen foi considerado uma obra prima da estratégia, e só teria fracassado devido as alterações implementadas por Helmut Von Moltke, CEM alemão quando do início da I Guerra Mundial.
DESENVOLVIMENTO
O Plano previa a violação da neutralidade belga e holandesa, pois parecia impossível uma vitória rápida contra a França ao longo da pequena fronteira franco-alemã, com cerca de 240 Km de extensão, constituída por diversas fortificações, além das montanhas dos Vosges e das Côtes de Meuse.

A manobra concebida era de martelo e bigorna, e consistia num ataque diversionário de fixação ao longo da fornteira franco-alemã, enquanto o grosso das forças realizava um envolvimento, através da Bélgica e da Holanda. Com isto, Schlieffen pretendia contornar os exércitos franceses, conduzindo suas forças num grande arco que envolveria Paris e, avançando gradualmente para leste, esmagaria os franceses pela retaguarda, de encontro à bigorna formada pelas fortalezas da Lorena.

O tempo previsto por Schlieffen para execução do Plano era de 48 dias, o que implicava marchas extremamente forçadas, além do problema logístico do transporte e abastecimento das tropas e seus suprimentos. As vias de transporte eram dependentes da manutenção de uma série de pontes sobre os diversos cursos d'a'gua que cortam a região e havia a necessidade de conversão das bitolas das estradas de ferro belgas e francesas para a bitola alemã, que era mais estreita. Segundo Martin van Creveld, o abastecimento, cujo aspecto principal era o alimento para os soldados e a forragem para os cavalos, tudo indica que era tratado de maneira superficial por Schlieffen, que consideraria, contra a tendência da época, que as tropas poderiam abastecer-se a partir do que encontrassem no seu avanço. O abastecimento de munição, outro ítem crítico, também era considerado desprezível. Além disso, a Alemanha também não dispunha do número de Divisões que o plano previa.

Em 1906, apenas 1 mês depois da posse de Moltke como CEM alemão, foi realizado o primeiro estudo sério dos requisitos logísticos do Plano Schlieffen, que concluiu pela sua inviabilidade, tal como formulado. Não haveria tempo para a organização de uma cadeia logística para suprir as tropas a partir da Bélgica e da França, o que implicaria total dependência das ferrovias. Os cavalos, por sua vez, não conseguiriam acompanhar o deslocamento da tropa e a motorização estava fora de cogitação, à época. Assim, a forma final do plano dependia de uma obediência perfeita ao cronograma de mobilização e ataque, para o qual se alocavam 42 dias, como já referido.

Em virtude destas estimativas e preocupado com o poder de combate das forças que realizariam a fixação e com a frente oriental, Moltke introduziu as seguintes modificações: a) decidiu não violar a neutralidade holandesa, o que diminuía consideravelmente as tropas inimigas, mas reduzia o espaço de manobra, tornando suas forças mais vulneráveis a um ataque pelo flanco; b) reduziu o número de Corpos de Exército a serem empregados na operação dos 16 originais para 12; e c) diminuiu o poder de combate da força que faria o envolvimento. Moltke foi muito criticado, principalmente pelas duas últimas modificações, que teriam anulado o caráter genial do plano. Entretanto, segundo Creveld, a modificação era mais aparente que real. Primeiro porque a decisão de respeitar a neutralidade holandesa tornou desnecessário alocar quaisquer tropas para contê-los, o que exigia pelo menos 2 Corpos de Exército. Em segundo lugar, Schlieffen pretendia investir contra Antuérpia com não menos do que 5 Corpos, o que Moltke conseguiu com apenas 2.

Ao analisarmos a execução do plano podemos observar que no início da ofensiva francesa na Lorena Moltke foi tentado a aceitar o confronto direto, reforçando sua ala esquerda, em detrimento da direita, e adiando, momentaneamente, o envolvimento. Esta decisão, além de enfraquecer a ala direita alemã, obrigou os franceses a recuar e, mais tarde propiciou a transferência de divisões francesas para enfrentar a ala direita alemã. Todavia, é duvidoso afirmar que o poderio da ala direita alemã pudesse ter sido mantido, mesmo sem essas reduções em seu efetivo. A destruição das pontes sobre o Meuse fez parar os trens alemães na área de Liège e, posteriormente, mesmo com um desvio improvisado, houve uma redução sensível no tráfego, reduzindo drasticamente o fluxo logístico. Quando chegaram ao Marne os alemães tinham a aparência de tropas vencidas, em conseqüência da árdua marcha realizada de estômago vazio. Se Moltke não tivesse feito as tão condenadas reduções de efetivos a situação de sua ala direita teria sido ainda pior.


CONSIDERAÇÕES FINAIS
Em linhas gerais, o plano não incluía uma avaliação realista do que os alemães poderiam encontrar pela frente. Assim, concluímos que, embora as modificações introduzidas por Moltke tenham enfraquecido a ala direita, estas foram compensadas pela economia advinda de suas modificações. E o fracasso do plano, portanto, não deveu-se a uma estratégia operacional equivocada, mas a sua fragilidade sobre o ponto de vista logístico, que inviabilizava sua execução.

Finalmente, o surpreendente não é que Moltke tenha alterado tanto o plano, mas que ele tenha resolvido manter suas linhas gerais, mesmo depois de verificar sua total dependência das ferrovias, apesar do risco de seu colapso.


Bibliografia: 1) Guia de Estudos Estratégicos;

2) As Grandes Guerras da História - Lidell Hart
TEMA 12 - O FRACASSO DO PLANO SCHLIEFFEN PODE SER ATRIBUÍDO A UMA ESTRATÉGIA OPERACIONAL EQUIVOCADA ?

Contribuição Cupello

INTRODUÇÃO

Bibliografia: 1) Guia de Estudos Estratégicos;

2) As Grandes Guerras da História - Lidell Hart

Em dezembro de 1905, depois de anos de planejamento, o Chefe do Estado-Maior (CEM) alemão, Conde Alfred Von Schlieffen, expôs seu plano para a guerra da Alemanha em duas frentes, contra a França e a Rússia. Para encarar este desafio e, ponderando as diferenças na velocidade de mobilização e na extensão dos territórios de seus dois potenciais adversários, ele buscava uma vitória rápida e decisiva contra a França para, em seguida, redirecionar suas forças contra a Rússia. Isto porque acreditava que a França se mobilizaria mais rapidamente que a Rússia, além da segunda poder frustrar uma vitória rápida simplesmente retirando-se para o interior de seu vasto território.

Durante muito tempo o Plano Schlieffen foi considerado uma obra prima da estratégia, e só teria fracassado devido as alterações implementadas por Helmut Von Moltke, CEM alemão quando do início da I Guerra Mundial.


DESENVOLVIMENTO
O Plano previa a violação da neutralidade belga e holandesa, pois parecia impossível uma vitória rápida contra a França ao longo da pequena fronteira franco-alemã, com cerca de 240 Km de extensão, constituída por diversas fortificações, além das montanhas dos Vosges e das Côtes de Meuse.

A manobra concebida era de martelo e bigorna, e consistia num ataque diversionário de fixação ao longo da fronteira franco-alemã, enquanto o grosso das forças realizava um envolvimento, através da Bélgica e da Holanda. Com isto, Schlieffen pretendia contornar os exércitos franceses, conduzindo suas forças num grande arco que envolveria Paris e, avançando gradualmente para leste, esmagaria os franceses pela retaguarda, de encontro à bigorna formada pelas fortalezas da Lorena.

O tempo previsto por Schlieffen para execução do Plano era de 48 dias, o que implicava marchas extremamente forçadas, além do problema logístico do transporte e abastecimento das tropas e seus suprimentos. As vias de transporte eram dependentes da manutenção de uma série de pontes sobre os diversos cursos d'a'gua que cortam a região e havia a necessidade de conversão das bitolas das estradas de ferro belgas e francesas para a bitola alemã, que era mais estreita.

Segundo Martin van Creveld, o abastecimento, cujo aspecto principal era o alimento para os soldados e a forragem para os cavalos, tudo indica que era tratado de maneira superficial por Schlieffen, que consideraria, contra a tendência da época, que as tropas poderiam abastecer-se a partir do que encontrassem no seu avanço. O abastecimento de munição, outro ítem crítico, também era considerado desprezível. Além disso, a Alemanha também não dispunha do número de Divisões que o plano previa.

Em 1906, apenas 1 mês depois da posse de Moltke como CEM alemão, foi realizado o primeiro estudo sério dos requisitos logísticos do Plano Schlieffen, que concluiu pela sua inviabilidade, tal como formulado. Não haveria tempo para a organização de uma cadeia logística para suprir as tropas a partir da Bélgica e da França, o que implicaria total dependência das ferrovias. Os cavalos, por sua vez, não conseguiriam acompanhar o deslocamento da tropa e a motorização estava fora de cogitação, à época. Assim, a forma final do plano dependia de uma obediência perfeita ao cronograma de mobilização e ataque, para o qual se alocavam 42 dias, como já referido.

Em virtude destas estimativas e preocupado com o poder de combate das forças que realizariam a fixação e com os russos na frente oriental, Moltke introduziu as seguintes modificações:

a) decidiu não violar a neutralidade holandesa, o que diminuía consideravelemente as tropas inimigas, mas reduzia o espaço de manobra, tornando suas forças mais vulneráveis a um ataque pelo flanco;

b) reduziu o número de Corpos de Exército a serem empregados na operação de 16 originais para 12; e

c) diminuiu o poder de combate da força que faria o envolvimento.
Moltke foi muito criticado, principalmente pelas duas últimas modificações, que teriam anulado o caráter genial do plano. Entretanto, segundo Creveld, a modificação era mais aparente que real. Primeiro porque a decisão de respeitar a neutralidade holandesa tornou desnecessário alocar quaisquer tropas para contê-los, o que exigia pelo menos 2 Corpos de Exército. Em segundo lugar, Schlieffen pretendia investir contra Antuérpia com não menos do que 5 Corpos, o que Moltke conseguiu com apenas 2.

Ao analisarmos a execução do plano podemos observar que no início da ofensiva francesa na Lorena Moltke foi tentado, pela superioridade numérica momentânea da ala esquerda, a aceitar o confronto direto na fronteira franco-alemã, reforçando a ala esquerda, em detrimento da dirieta, e adiando, momentaneamente, o envolvimento. Esta decisão, além de enfraquecer a ala direita alemã, obrigou os franceses a recuar e, mais tarde propiciou a transferência de divisões francesas para enfrentar a ala direita alemã. Todavia, é duvidoso afirmar que o poderio da ala direita alemã pudesse ter sido mantido, mesmo sem essas reduções em seu efetivo.

A destruição das pontes sobre o Meuse fez parar os trens alemães na área de Liège e, posteriormente, mesmo com um desvio improvisado, houve uma redução sensível no tráfego, reduzindo drasticamente o fluxo logístico. Quando chegaram ao Marne os alemães tinham a aparência de tropas vencidas, em consequência da árdua marcha realizada de estômago vazio. Se Moltke não tivesse feito as tão condenadas reduções de efetivos a situação de sua ala direita teria sido ainda pior.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Moltke e, principalmente seus comandantes, ao visualizarem uma vantagem numérica, atacaram os franceses, quando deveriam tê-los atraído com a ala esquerda para envolvê-los com a ala direita. Isto indica que não entenderam a manobra e tentaram vencer seus inimigos do modo tradicional, isto é, por meio de um ataque frontal. Desta forma, embora sua concepação estratégica se mostrasse brilhante, seus executores não entenderam sua essência e cometeram erros ao implementarem sua estratégia operacional, reforçando o flanco errado.

Todavia, em linhas gerais, o plano não incluía uma avaliação realista do que os alemães poderiam encontrar pela frente e era enexequível, sob o ponto de vista logístico, mesmo com as modificações implementadas por Moltke, que reduziram o efetivo da ala que realizaria o envolvimento, diminuindo, consequentemente, os encargos logísticos para apoiá-la.



Finalmente, o surpreendente não é que Moltke tenha alterado tanto o plano, mas que ele tenha resolvido manter suas linhas gerais, mesmo depois de verificar sua total dependência das ferrovias, apesar do risco de seu colapso. A causa maior, portanto, em que pese a estratégia operacional equivocada, foi sua inviabilidade sob o ponto de vista logístico.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal