Tematização da cultura no jornalismo Brasileiro



Baixar 67.64 Kb.
Encontro30.07.2016
Tamanho67.64 Kb.

II Encontro Nacional da Rede Alfredo de Carvalho

Florianópolis, de 15 a 17 de abril de 2004




GT História do Jornalismo
Coordenação: Prof. Dra. Marialva Barbosa (UFF)

Tematização da cultura no jornalismo Brasileiro


Notas sobre a emergência das bases sociais do jornalismo cultural entre 1808 e os anos 19501

Sérgio Luiz Gadini (Doutor em Comunicação. Professor do Curso de Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG/PR)
Como e quando, efetivamente, surgem demandas sociais, público e a gradativa formatação de produtos culturais no jornalismo brasileiro? O texto que segue apresenta alguns aspectos em torno do gradual surgimento, presença e fortalecimento do campo cultural e, ao mesmo tempo, dos como os periódicos do País passam a tematizar o campo cultural, recortando referências históricas em busca de uma contextualização que está associada ao que, hoje, se compreende como jornalismo cultural na mídia impressa.

Embora esse agendamento e, cada vez mais, presença instituinte do jornalismo nas diversos setores culturais dos principais países europeus pode ser associada à emergência da modernidade e das transformações que marcam os estados europeus (numa perspectiva que, dependendo dos autores considerados, pode variar entre os séculos XV a XVII), esse mesmo processo, só vai acontecer no Brasil – ainda que de forma mais lenta, devido ao alto índice de analfabetismo, baixa concentração urbana e demais aspectos sócio-econômicos e culturais – a partir do século XIX, tendo como marco a vinda da família real em 1808. Na prática, em termos urbanos e públicos, só vai ser possível falar em consumo e crítica cultural boas décadas mais tarde. Ou, para ser mais exato, a partir das últimas décadas daquele século. E, de modo mais significativo, a partir dos anos 19302.

Em outros termos, pode-se pensar então que os modos como a cultura passa a ser ‘representada’ (tematizada, produzida e veiculada) nos diários impressos é simultâneo, e diretamente ligado, ao papel de ‘agente’ integrado e instituinte que a imprensa vai participando dos processos de construção cotidiana das relações que vão formando o campo cultural. Daí a pertinência de situar historicamente a formação e ‘evolução’ da indústria cultural no Brasil, associando-a aos momentos e situações mais importantes em que a cultura adquire o status de interesse e, na mesma proporção em que vai se tornando tema de informação pública, projeta e fortalece o próprio setor cultural no País. Embora esse fortalecimento não seja linear, imediato e tampouco previsível, o que se dizer é que o desenvolvimento é também co-responsável pela instituição do campo cultural e, dessa forma, também se legitima em torno dos demais setores da emergente da vida social.

Discutir a maneira como esse produto (jornalismo voltado ao universo cultural) chegou ao modo como hoje é ‘editado’ no País (em forma de cadernos diários) implica em compreender o fortalecimento do campo cultural e mesmo a formação de um público consumidor de cultura. Não se trata, portanto, de construir uma história da cultura brasileira, mas destacar momentos importantes em que produções, fatos e situações culturais passam a ocupar as páginas dos diários impressos, em forma de notícia, pelo interesse, tematização e agendamento público, forjando uma legitimidade pública que também se institui pela ação da imprensa.

O interesse pela história se justifica, assim, pela tentativa de situar os modos como o jornalismo cultural brasileiro contemporâneo vai, gradativamente, participando da formação do próprio campo cultural, não necessariamente de forma dependente, mas instituindo práticas discursivas que imprimem reconhecimento, adesão ou mesmo fortalecimento das mais diversas ações, iniciativas e relações que integram o setor cultural.

Oportuno lembrar que essa mesma perspectiva está diretamente associada à perspectiva de compreensão do jornalismo como campo polêmico (MOUILLAUD, 1997) e, pois, instituinte da realidade social. Pode-se entender, assim, que a produção jornalística cotidiana traduz-se em uma (ou mais) representação social da realidade, que constrói e trans-porta um ‘mundo possí­vel’ (ALSINA, 1989: 185). Pondere-se que a indústria cultural, embora o conceito perpasse os processos produtivos de informação na contemporaneidade, não configura o objeto deste estudo. Por isso mesmo, a problematização da indústria cultural é feita de uma maneira tangencial, mas necessária ao longo desta pesquisa. Dessa forma, é oportuno ter presente a noção de indústria cultural que, inevitavelmente, passa pelas contribuições já desenvolvidas por pensadores da Escola de Frankfurt, em especial de Theodor Adorno e M. Horkheimer (1985).



Da formação industrial ao agendamento jornalístico do campo cultural brasileiro

Hábitos, valores e comportamentos passam a ser situações (mais) aceitáveis na mídia brasileira, e aparecem de modo mais sistemático, na mesma proporção em que a indústria cultural registra seu fortalecimento, proliferação e aceitabilidade junto ao crescente – embora nem sempre tão ‘massivo’ – público consumidor no País.

A emergência da modernidade (na perspectiva do que se entende como ‘esclarecimento’ iluminista) também propicia o surgimento gradual do que se passou a denominar de sociedade administrada – por um “mundo sistêmico” que, cada vez mais, interfere e contagia o mundo da vida cotidiana (HABERMAS, 1989 e 1990).

É nessa perspectiva que, aos poucos, se consolida a idéia e a própria existência da indústria cultural. Aquilo que, em momentos anteriores, configurava-se apenas como expressão artística ou manifestação cultural (identitária, em muitos casos, na medida em que integrava os modos de pensar e agir dos indivíduos que se deslocavam em um mesmo espaço geográfico e temporal), passa a ser regido por lógicas externas, determinadas pelas relações de mercado e por formas de organização da vida social (administrativa e racionalizada).

Muitas atividades que, até então, estavam também associadas à reflexividade cotidiana, ao lazer e à sociabilidade, começam a funcionar com base e orientação controlada como ‘intervalos’ necessários à manutenção do trabalho integrado no processo produtivo dos novos (e cada vez mais abrangentes) mercados. Como se sabe, essas avaliações – obviamente em outros termos e com a originalidade que as caracterizaram – foram desenvolvidas por vários pensadores e críticos da Escola de Frankfurt3.

Mas, efetivamente, quando e como esse fortalecimento jornalístico (instituinte) do campo cultural acontece no Brasil? Algumas referências ajudam a contextualizar a história da indústrial cultural no País, com ênfase nos setores da produção da notícia e, pois, como essa mesma segmentação do mercado vai, algumas décadas mais tarde, forjar condições para que esse setor cultural passe a ser discutido e abordado como notícia, serviço ou agenda, tendo por referência produtos, eventos e demais atividades que formam o campo cultural no Brasil contemporâneo.

Alguns autores discutem a formação da indústria cultural no Brasil, a partir da comercialização de produtos dirigidos ao consumo. É o que faz José Ramos Tinhorão com sua História da Música Popular Brasileira, Márcia Tosta Dias com Os donos da voz (que aborda a indústria fonográfica brasileira), Gisela Goldenstein com seu estudo sobre a passagem Do jornalismo político à indústria cultural no País, Nicolau Sevcenko problematizando as tensões sociais e as criações artístico-culturais na Primeira República (Literatura como missão), Heloisa de Faria Cruz quando discute o embricamento da vida urbana, cultura e periodismo na capital paulista da virada do século XIX/XX (São Paulo em papel e tinta), além de vários outros ensaios e pesquisas sobre a introdução e comercialização do cinema, rádio, televisão, dentre outros espaços e formas de produção da cultura para consumo generalizado.

Mesmo com a existência de fatos isolados ou eventuais, registrados bem antes ou já nos primeiros séculos do Brasil-Colônia, pode-se dizer que de maneira mais sistemática e periódica é apenas a partir de meados do século XIX que o setor cultural do País é objeto de interesse público, debate e agenda, por parte dos meios de comunicação.

Luiz Roberto Lopez (1995) diz que, do ponto de vista cultural, a formação histórica brasileira vai acontecer a partir da vinda de D. João, fato esse que significou a modernização do Rio de Janeiro – então capital da Colônia desde 1763, substituindo Salvador, por decisão do Marquês de Pombal. “Desenvolveu-se então uma cultura laica, mundana, cortesã e aristocrática” (LOPES, 1995: 14).

Assim, segundo o historiador, o Rio de Janeiro se torna o centro irradiador das tendências neoclássicas da pintura brasileira do século XIX, além da referência cultural urbana, tal como ocorreu na arquitetura e na escultura onde o estilo dominante no período imperial foi o neoclassicismo formalista e convencional, calcado em modelos greco-romanos (1995: 30). Aliado ao surgimento das escolas, academias, faculdades, imprensa régia e biblioteca pública, o Rio de Janeiro vai se constituindo como o principal centro urbano, artístico e cultural ao longo do século XIX.

Claro que, na época (de meados até as últimas décadas do século XIX), a realidade brasileira era muito desigual e, ainda, digamos, pouco estruturada em termos de organização coletiva para se falar em ‘público urbano’4 potencialmente consumidor ou capaz de sugerir demandas de produções culturais mais freqüentes e sistemáticas.

Naquele contexto, meados do século XIX, estima-se que a taxa de alfabetização no Brasil era de 3%. Como pensar em cultura – produtos, consumo, acesso aos bens e similares – nesse contexto? Guardadas as proporções, dá para se ter uma idéia da realidade e também do que poderia representar a cultura, não é mesmo?

Nesse cenário, que se prolonga até as duas últimas décadas do século XIX, onde também surgem três a quatro diários em São Paulo, o espaço que os poucos jornais vão dedicar aos assuntos culturais – nomeadamente literários, com poesias, resenhas de alguns livros publicados em Lisboa e Paris, além de novelas e contos – era veiculado nas edições de fim de semana, buscando ampliar a influência junto aos alfabetizados, capazes de envolver com isso alguns dos membros da família desses funcionários públicos, professores e bacharéis que formavam a esfera ‘esclarecida’ das quatro principais cidades do País. A presença de escritores nessas páginas vai ser visível, até porque a ausência de casas editoriais forçava-os a ocupar as seções literárias das edições de final de semana dos diários ou mesmo dos semanários e mensários que já circulavam em vários estados brasileiros.

É fundamental considerar, nessa tentativa de aproximação conceitual, o que historicamente se entende por cultura no Brasil. Não se trata, obviamente, de esboçar tratados históricos ou similiares, mas apenas de recolocar algumas referências para melhor problematizar os modos como se pensa e faz jornalismo cultural no Brasil contemporâneo.

Como se sabe, o País só ‘ganha’ uma esfera efetivamente pública – onde se pode debater e disputar a formação do imaginário coletivo, os hábitos, a ficção literária e o cotidiano colonial – a partir ds primeiras décadas do século XIX. Mesmo que, até esse momento, já existissem isoladas disputas que, em alguma proporção, deflagravam movimentos de idéias e expressões sócio-artísticas, o surgimento mais efetivo e consistente – ainda que insignificante, se considerado a média de habitantes – de uma esfera propriamente cultural vai estar associada aos primeiros jornais (Correio Braziliense, em 1808 e, posteriormente, à independência brasileira da condição de colônia para o Império em 1822).

Aliás, o controle político (ou, melhor, artístico e religioso que estavam subordinados ao Império) estava ainda muito fechado ao alcance público da maioria da população.

“No século XVIII, o Brasil já tinha algumas cidades de maior porte e uma elite urbana capaz de consumir cultura. Já vimos que as tipografias não eram permitidas e que os estudos superiores só eram possíveis na Europa. As danças populares estavam sob suspeita e proibição, notadamente da Inquisição que para cá enviava os seus juízes-visitadores e comissários. Reisado, bumba-meu-boi, lundu e batuque eram vistos como indecências pagãs. Em 1792, o Rio de Janeiro tinha 216 botequins, 52 barbearias e uma livraria. Desde 1748, possuia um teatro. E, desde 1752, uma Casa de Ópera. De resto, também o teatro se achava sob suspeita permanente de imoralidade. Por édito real, mulheres não podiam subir ao palco... A repressão cultural era direto resultado da sobrevivência de estruturas feudo-clericais medievalizantes num país que não chegara a formar uma sociedade burguesa, o que seria progressista para a época” (LOPEZ, 1994: 70).

Mas, nos primeiros anos da existência da Imprensa Régia, em 1812, também se pode dizer que surge no País uma variação do jornalismo: a era das revistas. É nesse ano que é lançada a primeira revista brasileira: As Variedades ou Ensaio de Literatura, editada pelo português Diogo Soares da Silva Bívar, em Salvador. Um ano depois, em 1813, surge a Segunda revista do País, com uma abordagem mais cultural: O Patriota, de Manuel Ferreira de Araújo Guimarães.

É oportuno destacar que essa característica de ‘revista de variedades’ vai influenciar, algumas décadas mais tarde, os diários a lançaram suplementos literários e de variedades, onde curiosidades, notas sociais e afins vão dar o tom de ‘coluna’ e rechear as páginas de final de semana (e, depois, diárias) de importantes publicações brasileiras.

Guardadas as proporções, pode-se dizer que as revistas brasileiras – em certa medida ‘adaptadas’ dos modelos similares das publicações existentes na Europa em meados do século XVII – já surgem com as características e tendências a explorar mais as ilustrações, artesanais obviamente, buscando tornar mais leve a estrutura do texto pesado que domina os periódicos até as primeiras décadas do século XX.

Enquanto os jornais circulavam basicamente com textos, as revistas apostavam mais em desenhos das cenas descritas nos ainda pequenos textos jornalísticos veiculados nas mesmas. Valem como exemplo os desenhos dos conflitos policiais, registrados nas crônicas e nos relatos da revolta da vacina, de 1904, que a Revista da Semana (RJ), publicava com freqüência e criatividade. Há que se considerar, obviamente, que as imagens fotográficas editadas nessa época eram muitas vezes de simulações produzidas em laboratórios fotográficos, com base nos depoimentos e textos elaborados.

Entretanto, nas páginas das revistas, o gênero reportagem – voltado aos mais diversos setores sociais, que nos jornais já ocupava as páginas desde o final do século anterior – vai conquistar espaço e adquirir notoriedade a partir da criação da revista O Cruzeiro, em 1928, por Assis Chateaubriand. E, mais tarde, também através da Realidade, que circulou entre 1966 e 1976 (FARO, 1999: 13). Ao mesmo tempo, o uso da imagem ganha espaço com mais rapidez nas revistas: a partir do início dos anos 1920, primeiro de modo mais acentuado nas revistas e, em meados da mesma década, também nos jornais impressos, as imagens passam a fazer parte da produção jornalística brasileira e adquirem grande influência e efeito editorial no País.

A revista vai, dessa forma e gradualmente, adquirindo um espaço próprio e igualmente dirigido aos mais diversos segmentos do público brasileiro. Na área cultural a produção editorial, seja voltada ao cinema, música, literatura, teatro, artes plásticas ou dança, dentre outros aspectos e setores da indústria cultural contemporânea, tem sido uma constante ao longo do século XX, muitas vezes com alcance regional, algumas nacionais, com periodicidade não definida, mas igualmente importantes no fortalecimento e busca de conquista de um público e mercado nem sempre delineado e estatisticamente ampliado no cenário nacional.

É oportuno lembrar que o humor, a publicidade, a cultura do rádio, a poesia e mesmo o conto também tiveram – e, em alguns casos, têm – publicações específicas e dirigidas, com reconhecida contribuição e impacto no setor cultural brasileiro. Isso, sem dúvida, tem validade e importância ao longo dessa história do País e, claro, hoje, com a tendência e crescimento da segmentação do mercado, com importância cada vez mais forte, dirigida e reconhecida pelo respectivo público-alvo.



Pistas para compreender a formação cultural pela influência do jornalismo


Mesmo não tendo uma data específica ou pontual, pode-se dizer que é a partir de meados do século XIX que o jornalismo brasileiro, notadamente político até então, começa a ceder espaço para uma ação mais ou também cultural, por meio do debate e agendamento – aqui compreendido, ainda, na maior parte dos casos em sua expressão literária. É, digamos, o momento em que o jornalismo passa a adquirir uma perspectiva já comum nos similares europeus, configurando uma certa confluência centrada no tripé política/economia/variedades.

Até o início do século XX, imprensa e literatura ainda se confundem, numa abordagem miscigenada ou ‘literatice’, como diz Sodré (1999: 288) – com apoio de intelectuais que continuam mais voltados para a Europa do que ao lugar de onde escrevem. Apesar de a realidade cultural na capital, em plena virada de século, não ser das mais animadoras, o jornal apresenta-se como uma opção de manifestação e acesso cultural. A conhecida dificuldade dos escritores para publicar seus trabalhos entre o final do século XIX e início do XX pode ser bem ilustrada pelo caso de Lima Barreto que, em 1909, precisou abrir mão de seus direitos autorais para publicar Recordações do Escrivão Isaías Caminha, em Lisboa. Issso porque, no Brasil, o autor não encontrou nenhuma editora interessada (SODRÉ, 1999).

Em função dessas e outras dificuldades, ao que se associa à pequena faixa de público consumidor no Brasil da época, “os homens de letras buscavam encontrar no jornal o que não encontravam no livro: notoriedade, em primeiro lugar; um pouco de dinheiro, se possível” (SODRÉ, 1999: 292).

A história de como a cultura passou a adquirir mais importância e, assim, também conquista um status de sistemática noticiabilidade, debate e agendamento nos jornais diários no Brasil não poderia ignorar um importante periódico que marcou época na imprensa brasileira: o Correio da Manhã (que circulou de 1901 até 1974), como um dos mais prestigiados espaços de mídia impressa do País. Desde seu surgimento, o Correio circulou com seções voltadas ao campo cultural, como a ‘Letras de artes’, ‘Teatro’ e outros eventuais setores destacados.(ANDRADE, 1991: 369).

Essa mesma trajetória de como o campo cultural vai conquistando espaço e interesse público, também por meio dos jornais brasileiros, está associada, por um lado, a uma certa fragilidade da sociedade civil e, por um lado, à incipiente urbanização com crescente exclusão cultural. No início dos anos 1920, a cidade do Rio de Janeiro tinha 13 cinemas, vários teatros, além das festas populares e das diversas praias que, a partir das primeiras décadas do século XX, começavam a ser exploradas como espaço de lazer na cidade (BRANDÃO, 2003: 25). Esse circuito cultural e de lazer, entretanto, já não estava ao pleno alcance de boa parte dos moradores da capital federal. Até porque, como indica história do Brasil, a criação da indústria e mercado de consumo está associada ao processo de urbanização emergente do público potencialmente consumidor só a partir do início do século XX.

Alguns décadas depois, com o término da Segunda Guerra, o Brasil enfrenta outro momento político que interfere, como seria de supor, também na esfera cultural. Nas palavras de José Ramos Tinhorão (1998: 307), com o advento das importações, “a massa urbana atirou-se às compras que lhe conferiam a desejada modernidade pelo uso de óculos ray-ban, de calças blue jeans, pelo consumo de whisky, pela busca de diversão em locais sombrios e fechados (boites) e, naturalmente, pela adesão à música das orquestras internacionais que divulgavam os ritmos da moda feitos para dançar, como o fox-blue, o bolero, o be-bop, calipso e, afinal, a partir da década de 1950, do ainda mais movimentado rock’n roll”.

Pode-se dizer também que essa realidade não vai registrar significativas alterações sociais até a última década do século (XIX). Situação essa que, inevitavelmente, refletia e, pois, (com) formava a própria realidade do setor cultural5.

O gradual fortalecimento dos centros urbanos do País, aliado ao surgimento de emergentes camadas sociais, contribui para essa realidade, possibilitando que, poucas décadas mais tarde, alguns intelectuais reproduzissem os movimentos literários europeus: da poesia parnasiana, passando pela fase romântica, bem como a tendência realista que, aqui, adquire entonações específicas e próprias do cenário nacional.

É desse modo que, no final do século XIX, os jornais brasileiros passam a exercer maior influência, junto aos seus leitores, através do folhetim-novelesco que acompanha as edições periodísticas (é, aliás, uma das marcas do jornalismo que vai existir, em meio aos embates políticos que vão orientar os diários do País, ao longo de algumas décadas, e seguramente até os anos 1930/40). Assim como havia acontecido em vários países europeus, algumas décadas antes, o Brasil passa, nos últimos anos do século XIX, a gerar novas ocupações aos poetas e escritores nos emergentes periódicos nacionais. De um modo freqüente, ou mais sistemático, é possível falar então de jornalismo cultural: ainda que de maneira incipiente, talvez frágil e, mesmo, pouco especializada.

Mas, se nessa época os jornais impressos do País se ocupam basicamente das disputas políticas, o restrito cenário cultural também vai forjar espaço nas revistas de variedades, anúncios e colunas sociais, inicialmente mais preocupadas em ‘oficiar’ e veicular intrigas, visitas ou aparições públicas de algumas poucas famílias oligarcas das principais cidades brasileiras que dispunham de uma estrutura e público minimamente alfabetizado para garantir a manutenção de um hebdomadário.

De toda forma, até o início do século XX, pode-se dizer que vários dos veículos (revistas e variedades), que tematizam basicamente questões literárias, com rápidas notícias e notas de entretenimento, circulam aos domingos tornando-se ‘leitura domingueira’. Aliás, os jornais semanais – que ainda hoje percorrem os bairros ou pequenas cidades e povoados desse País – parecem manter essa característica, circulando fundamentalmente aos finais de semana, com várias dessas mesmas questões em pauta. Além disso, observe-se que as edições dominicais – seja como proposta de lazer, programa televisivo, agenda social, dentre outros encartes de inúmeros impressos editados no Brasil – também preservam características similares.

O Jornalismo como integração e fortalecimento da vida cultural


Em estudo sobre a imprensa nas primeiras décadas do século XX, Karina Janz Woitowicz (2003) apresenta algumas pistas que podem indicar o modo como a cultura agendada e construída com e pela ação dos diários, a partir do estudo de caso do jornal mais importante que circulava na capital paranaense (por volta de 1912-16).

É a partir do final do século XIX que a introdução de rotativas, linotipos e bobinas de papel, aliado ao formato standard que ganha adesão, os jornais também passam a assumir características mais empresariais, aumentam as tiragens e modificam assim o próprio processo de trabalho e estilos de redação, adotando mais habitualmente a forma de ‘notícia literária’ (que tem seu auge entre as décadas de 1890 e 1920), prioriza-se o debate em torno de assuntos atuais e, simultaneamente, desamarra-se dos compromissos político-doutrinários que marcam a imprensa brasileira até a entrada do período republicano.

No menu dos jornais, a literatura também não podia faltar, lembra Karina Woitowicz (2003:18): “vinha sob a forma de textos avulsos, em verso e prosa, ou de folhetins que se revelaram uma verdadeira febre na imprensa nacional”. Ao discutir o modo como a mídia impressa se articula, Karina Janz aborda o que se denomina de um fazer discursivo, onde “o jornal vai dizendo (e, de certo modo, também fazendo) a cidade”.

O início do século XX também pode ser compreendido a partir dos textos de João do Rio6. É, aliás, nesse momento (entre os últimos anos do século XIX e o início da primeira década do século XX), que o clima da boemia marcou o circuito intelectual da vida urbana na então capital federal. “Viver a literatura talvez seja a frase que melhor defina estes intelectuais boêmios” (BRANDÃO, 2003: 75) que fizeram a história da época.

A imprensa passa, aos poucos, a fazer o que efetivamente vai ser entendido como uma “cobertura da vida cotidiana” de forma mais sistemática, impulsionado por simultâneas mudanças e profissionalização nas redações (o jornalismo começa então a deixar de ser um bico), em que a chamada imprensa de artigos e ensaios político-partidários começa a ceder espaço às crônicas e matérias mais jornalísticas que falam da cidade, dos problemas sociais, das reclamações populares etc. A crônica de João do Rio – que também abre caminho para um jornalismo de reportagem e mais investigativo e não apenas oficial – ilustra, desse modo, uma importante passagem e mudança do olhar da imprensa brasileira sobre a sociedade.

Esse cenário, entretanto, vai registrar uma importante mudança a partir da emergência de um novo meio de comunicação: o rádio. A partir da Era do Rádio começam, ainda que de modo incipiente, a surgir novas demandas por serviços/variedades e uma informação mais voltada ao interesse do campo cultural (seja pela curiosidade e mistério em torno da vida do artista do rádio-teatro, da voz do locutor que chegava ao lar dos ouvintes, dos mecanismos de produção de som ou das promessas que o áudio lançava aos possíveis consumidores, chamando-os para adquirir determinado produto ou afim).

Numa perspectiva crítica, já discutida por pensadores da Escola de Frankfurt (em especial Adorno e Horkheimer), Gisela Taschner (1992: 18) diz que a noção de indústria cultural refere-se a um

“conjunto de complexos empresariais, altamente concentrados do ponto de vista técnico e contralizados do ponto de vista do capital, que produzem e distribuem em grande escala, empregando métodos muitas vezes (mas nem sempre) marcados por um alto grau de divisão do trabalho, baseado em fórmulas, e tendo em vista a rentabilidade econômica, objetos culturais”.


Na esteira do que diz a bibliografia corrente da história do Brasil, a partir do final do século XIX, no auge da economia cafeeira, os excedentes da produção agro-exportadora possibilitam a gradativa industrialização por meio da diversificação dos investimentos. Aliado ao rápido crescimento urbano e industrial da capital paulista, o setor cafeeiro começa registrar a crise (pós-Primeira Guerra) que vai culminar no final dos anos 1920. A mesma crise, aliás, que possibilita o rompimento da política café-com-leite e cria as bases para a era industrialista a partir da década de 1930.

No cenário cultural, os anos 1920 registram significativas transformações, como a Semana de Arte Moderna (1922), além de outros movimentos e atividades artístico-culturais e intelectuais, como é o caso da Escola Nova, que influenciam nos rumos da reforma do ensino, dentre outras iniciativas.

Assim, aliado a esses aspectos, poder-se-ia pensar que, de fato, a imprensa ainda iria demorar mais alguns anos para registrar sua efetiva industrialização, na forma capitalita de organização (explorando o caráter mercantil da notícia), na própria compreensão do trabalho jornalístico em seu valor de troca e também na perspectiva da indústria cultural, na perspectiva de veiculação de massa e, simultaneamente, segmentada.

Como se sabe, alguns fatores históricos dificultaram o fortalecimento do campo cultural, como revelam os dados referentes à formação de um público leitor. É o caso do baixo índice de escolarização e do alto percentual de alfabetização no Brasil: em torno de 84% da população em 1890, 75% em 1920 e de 57% da população em 1940 (ORTIZ, 1995: 28).

É, aliás, na virada da década de 1920/30 que “a diversão, as artes e o lazer começam a romper os domínios da produção ‘caseira’ para adquirir o status de bens de consumo” (GAMA, 1998: 39). Impulsionado pelo crescimento urbano, especialmente em São Paulo, “as camadas médias se diferenciam e adquirem um poder maior de compra. A política nacionalista do período getulista, a valorização do regionalismo e o recente aparecimento do rádio – de válvulas elétricas – como principal veículo de comunicação trazem uma divulgação maior das músicas carioca e nordestina e da viola caipira”. Paralelamente, “a partir dos anos 30, a música caipira passa a ser gravada em discos”. Contudo, “ao lado da divulgação mais ampla da música brasileira, a americana e a latina vão ocupando espaço nos ouvidos locais” (GAMA, 1998: 42).

Nesse contexto, pode-se entender porque, até 1930, a produção e o comércio de livros configurava um mercado bastante frágil em nível nacional, com baixas tiragens, poucos títulos e a própria ausência do hábito de leitura, capaz de impulsionar uma maior produção e circulação literária.

Assim, o País só começa a forjar um fortalecimento dos setores mais esclarecidos que buscam informação, lazer e cultura a partir dos anos 1930, quando a urbanização se fortalece e passa a criar demandas por novos espaços públicos. É, simultaneamente, a partir dos anos trinta que também surgem as primeiras universidades no País. E, como se pode verificar, a Era do Rádio contribui nesse momento para com a formação de novos leitores, que desejavam saber mais do rádio-teatro, programas de auditório, curiosidades sobre a vida dos artistas e, fundamentalmente, gerando emergentes setores dispostos ao consumo musical.

É importante situar o contexto cultural no período do governo Getúlio Vargas (que começa em 1930 e se prolonga até 1945). Durante o Estado Novo (que ganhou forma e estrutura com o golpe de 1937), o rádio vai desempenhar um papel importante, seja pelas dimensões geográficas do país ou em função dos altos índices de analfabetismo (56,4% da população adulta em 1940), em especial na execução da propaganda oficial.

Sob uma estrutura política ditatorial ausente de representação partidária e parlamentar eletiva, o governo Vargas cria, em 1939, um dos mais centralizadores órgãos de comunicação de se tem notícia na história brasileira: o DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda) que vai “centralizar, coordenar e superintender a propaganda nacional”.

No processo de difusão da ‘cultura do samba’, que se desenvolve basicamente na capital federal, a Rádio Nacional – incorporada ao patrimônio da União em 1940 – vai exercer importante papel e, ao mesmo tempo, fortalecer a cultura radiofônica sustentada num projeto de integração da vida nacional. “A programação da Rádio Nacional torna-se uma espécie de ‘padrão musical da metrópole’, ao qual os compositores das diversas regiões do país podiam se reportar em suas produções” (JANK, 1994).

Ao seu modo, e de uma forma até retraída politicamente, a imprensa – através da aproximação de escritores com o espaço jornal, em vários diários, revistas e mesmo periódicos especializados existentes no País – possibilita a existência de um circuito de críticos literários, de teatro, artes ou mesmo de cinema.

Pela avaliação de Renato Ortiz (1995: 38), “é somente na década de 40 que se pode considerar seriamente a presença de uma série de atividades vinculadas a uma cultura popular de massa no Brasil”. Isso porque uma das condições para atingir esse estágio é a existência de uma sociedade urbano-industrial7, o que só se pode considerar como realidade no Brasil a partir da década de 1940, em especial após a Segunda Guerra Mundial.

As demandas de um consumo cultural, contudo, vão encontrar projeções nas próprias condições técnicas e de fortalecimento do mercado brasileiro associado ao processo de urbanização e de desenvolvimento industrial. Assim, se “os anos 40 e 50 podem ser considerados como momentos de incipiência de uma sociedade de consumo”, o período de 1960/70 se define pela consolidação de um mercado de bens culturais (ORTIZ, 1995: 113).

Enfim, pode-se dizer que a história do desenvolvimento e construção do espaço hoje ocupado pela mídia em muito se deve à presença simultânea que os meios impressos foram marcando ao longo do surgimento das principais cidades brasileiras. Por um lado, devido à ausência de um projeto público de educação/cultura etc e, por outro, pela própria formação excludente que o País forjou em suas relações econômicas escravistas e desiguais no que diz respeito aos bens (e produtos) culturais existentes. Afinal, o fortalecimento do mercado cultural não ocorre de forma isolada ou pontual, mas integrada a outros modos de proliferação da lógica do consumo da indústria.

É, assim, a partir do pós-guerra, e em especial nos anos 1950, que acontecem as reformas gráfica e editorial em alguns importantes diários do País que irão, posteriormente, nortear algumas das transformações na cobertura e ação jornalística no campo cultural, num processo muito próximo e, em certo sentido, impulsionado pela industrialização econômica brasileira, surgimento da televisão, profissionalização das agências publicitárias e das escolas de comunicação.

É, pois, na perspectiva de industrialização da cultura que se pode encontrar elementos para traçar uma história do jornalismo cultural que, ao longo desse processo de fortalecimento e autonomização dos espaços midiáticos, também foi criando as condições e, de algum modo, impulsionando demandas sociais (e de mercado) por produtos igualmente setorizados e não necessariamente especializados. Em outros termos, um fazer jornalístico que participa – por vezes em menor e em outros momentos de forma mais atuante e efetiva – da instituição cotidiana das relações e fatos que integram o campo cultural. Mas, essas transformações do campo cultural brasileiro – e, pois, também da imprensa – podem ser discutidas em outro momento e texto.


Referências Bibliográficas:

ABREU, Alzira Alves de et alli. “Os suplementos literários: os intelectuais e a imprensa nos anos 50”. In: A imprensa em transição: o jornalismo brasileiro nos anos 50. Rio de Janeiro, Editora FGV, 1996.

ADORNO, Theodor W. e HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro, Zahar, 1985.

ALSINA, Miquel R. La construcción de la noticia. Barcelona, Piados, 1989.

BRANDÃO, Ana Paula. “Um olhar bem-humorado sobre o Rio nos anos 20”. In: Cadernos da Comunicação 5. Rio de Janeiro, Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, 2003.

CALDEIRA, Jorge et alii. Viagem pela história do Brasil. São Paulo, Cia Letras, 1999. 2 ed.

CAPELATO, Maria Helena. Imprensa e História do Brasil. São Paulo, Contexto, 1988.

CARVALHO, José Murilo. A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CRUZ, Heloisa de Faria. São Paulo em papel e tinta: periodismo e vida urbana – 1890/1915. São Paulo, Educ/Imprensa Oficial, 2000.

DIAS, Marcia Tosta. Os donos da voz: indústria fonográfica brasileira e mundialização da cultura. São Paulo, Fapesp/Boitempo, 2000.

EDITORA ABRIL. A Revista do Brasil. São Paulo, Editora Abril, 2000.

GADINI, Sérgio Luiz. A cultura como notícia no jornalismo brasileiro. Cadernos da Comunicação 8. Rio de Janeiro, Secretaria de Comunicação Social/Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, 2003.

GAMA, Lúcia Helena. Nos Bares da Vida: Produção cultural e sociabilidade em São Paulo-1940-50. São Paulo, Ed. Senac, 1998.

GOLDENSTEIN, Gisela Taschner. Do jornalismo político à indústria cultural. São Paulo, Summus, 1987.

HABERMAS, Jürgen. Mudança Estrutural da Esfera Pública. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1884.

JANK, Helena et alii. História Em Foco: A Música Popular sob o Estado Novo (1937-1945). Relatório Final da pesquisa de Iniciação Científica PIBIC/CNPq. Campinas, Unicamp, 1994.

MOUILLAUD, Maurice e PORTO, Sérgio Dayrell (org.). O Jornal: da forma ao sentido. Brasília, Paralelo 15, 1997.

ORTIZ, Renato. A Moderna Tradição Brasileira: Cultura Brasileira e Indústria Cultural. São Paulo, Brasiliense, 1995. 5. ed.

QUINTERO, Alejandro Pizarroso. História da Imprensa. Lisboa, Planeta Editoria, 1996.

SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. São Paulo, Brasiliense, 1985. 2.ed.

SODRÉ, Nelson Werneck. História da Imprensa no Brasil. Rio de Janeiro, Mauad, 1999. 4. ed.

TASCHNER, Gisela. Folhas ao vento: análise de um conglomerado jornalístico no Brasil. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1992.

TINHORÃO, José Ramos. Música Popular: um tema em debate. 3a. ed. São Paulo, Editora 34, 1998.

TINHORÃO, José Ramos. História Social da Música Popular Brasileira. São Paulo, Editora 34, 1999.

TRAVANCAS, Isabel Travancas. “Suplementos e leitores”, artigo disponiblizado no site da Biblioteca On line de Ciências da Comunicação - www.bocc.ubi.pt. Acesso em 20/08/2000.

WOITOWICZ, Karina Janz. “Recortes do tempo na escrita do jornal Diário da Tarde” In: História e sociedade no cotidiano jornalístico da capital paranaense no início do século XX. Paper apresentado no I Encontro Nacional de Pesquisadores de Jornalismo. Brasília, UnB, 28 e 29 de novembro de 2003.



1 Este texto é parte de um capítulo da tese de doutorado “Interesses cruzados: a produção da cultura no jornalismo brasileiro” (defendida no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Unisinos/RS), que discute as principais transformações históricas no jornalismo cultural. A discussão deste paper, contudo, concentra-se apenas no período que vai de 1808 ao término da Segunda Guerra e início dos anos 1950.

2 Mesmo diante de análises diferenciadas entre historiadores sobre as etapas da profissionalização da imprensa brasileira, o jornalista Mário Pontes, ex-editor do suplemento Livros/Jornal do Brasil (em entrevista exclusiva para esta pesquisa, em 30/08/2001), é categórico em afirmar que até os anos 1930 praticamente não existia cobertura sistemática da área cultural no Brasil. “Não havia nenhum suplemento literário no Brasil. Você tinha espaço nas páginas dos jornais dedicados à literatura, que tanto podia entrar numa página, aqui ou lá”, explica.

3 A referência a estes velhos e eficientes discursos sobre o assunto se justifica, assim, pela busca de reflexões capazes de pensar as formas e relações com as quais a cultura passa a ser e, ainda hoje, é jornalisticamente produzida pelos principais diários do País.

4 É importante situar que em 1890 o Brasil tinha cerca de 14,3 milhões de habitantes que, já desde os anos 1870, crescia de forma acelerada principalmente com a rápida entrada de imigrantes europeus. Nos primeiros 50 anos do Império (1822/72), o número de brasileiros passa de 3 milhões, em 1822, para 10 milhões em 1872. Esse crescimento acelerado ocorreu, sobretudo, no campo e nas vila dependentes da agricultura. Apenas seis em cada 100 brasileiros (6%) viviam em cidades com mais de 50 mil habitantes (CALDEIRA, 1999: 228).

5 “Os próprios jornais não têm circulação, os que se publicam nessa capital de um milhão de almas, reunidos, não dão uma tiragem de 50.000 exemplares” (Samuel de Oliveira, apud Sevcenko, 1999: 89).

6 Pseudônimo de Paulo Barreto (que foi jornalista, teatrólogo e cronista), João do Rio fala do Rio de Janeiro a partir da vida e de situações do cotidiano da já população que não tinha acesso aos serviços e bens culturais.

7 Oportuno lembrar que até 1946 o Brasil não tinha nenhum periódico com tiragem superior a 200 mil exemplares. Nesse mesmo período, o mercado livreiro, que até então parecia muito tímido, também registra uma significativa expansão, com um crescimento de 46,6% entre 1936-44 e de 31% entre 1944-48 (ORTIZ, 1995: 43).



Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal