Teorias da construçÃo do saber científico positivismo



Baixar 17.59 Kb.
Encontro02.08.2016
Tamanho17.59 Kb.


TEORIAS DA CONSTRUÇÃO DO SABER CIENTÍFICO
POSITIVISMO
O desenvolvimento da ciência e a sofisticação de seus métodos experimentais por algum tempo trouxe a ilusão de que estariam resolvidos os problemas relativos à construção do saber científico. Caberia ao cientista apenas a aplicação rigorosa do método, sem se preocupar com questionamentos gerais sobre a natureza de seu trabalho, estas especulações deveriam ficar restritas à filosofia da ciência. Esta concepção positivista, embora modificada, ainda hoje predomina no trabalho prático dos cientistas.

O positivismo (concepção filosófica criada por Comte) serviu de base para o que denominamos ciência moderna. Considera que só é possível conhecer os fenômenos e as suas relações, não a sua essência, as suas causas íntimas. Sob influência de um suposto progresso contínuo das ciências, o positivismo afirma que os fatos só podem ser conhecidos pela experiência e que a única válida é a dos sentidos (visão, olfato, tato, etc.). Não cabe a ciência buscar a inacessível determinação das causas, mas procurar leis, isto é, as relações constantes que existem entre os fenômenos.

As leis naturais, assim descobertas, constituem a formulação geral de um fato particular, rigorosamente observado. Cabe à ciência observar por toda parte o mecanismo do mundo, como este funciona e não inventá-lo. Somos meros espectadores dos fenômenos exteriores, não podemos modificar a ação destes sobre nós, senão submetendo-nos às leis que os regem. Os homens, nesta concepção, não são capazes influenciarem os seus destinos, de se tornarem sujeitos da história.

Na visão positivista, a ciência evolui de forma linear, baseando-se em observações. Uma nova teoria válida, constitui-se no aperfeiçoamento da anterior. Considera possível, através do rigor metodológico, manter a objetividade (separar totalmente o objeto da influência do sujeito) e a neutralidade (política, no sentido amplo) do conhecimento científico. Busca a verdade científica: “o mundo é assim”.



O RACIONALISMO CRÍTICO DE POPPER

Para o filósofo da ciência Karl Popper, a caracterização de um conhecimento como científico depende de duas condições:



  • a teoria científica deve estar aberta à refutação (negação) ou falseamento

  • e para estabelecer a validade de uma teoria deve-se buscar a refutação da mesma, as confirmações não são aspectos que a caracterizam como ciência, pois sempre é possível encontrar fatos que confirmam uma teoria.

Este enfoque questiona a validade do método positivista que exige a confirmação empírica (dada pela experiência) dos seus enunciados universais, pois esta confirmação não serviria como critério para estabelecer as fronteiras entre ciência e pseudociência.

Popper considera que a atividade científica é composta por dois momentos:




  • Formulação de hipóteses: permite criatividade, ousadia.

O cientista não deve se limitar aos fatos estritamente observáveis: sem criar hipóteses ricas e conjecturas audaciosas, nenhuma das grandes descobertas e invenções teria sido possível.

  • Teste das hipóteses: deve ser rigoroso e buscar a refutação das mesmas.

As hipóteses escolhidas, portanto, devem ser passíveis de teste; pois para Popper uma das características da pseudociência é a impossibilidade de testar suas afirmações.

O método proposto por Popper:


Fato-problema  hipótese explicativa  confrontação com fatos (teste) :

  1. caso se mostre falsa  hipótese é refutada (abandonada)

  2. caso se mostre verdadeira  hipótese é corroborada (significa apenas que até o momento não foi negada, mas nunca se alcança a certeza de que uma hipótese é verdadeira)

Para Popper o conhecimento científico sempre conserva este caráter provisório, deve-se continuar tentando provar que a teoria é falsa. Por maior que seja a confirmação de uma hipótese, nada indica que no futuro ela não possa ser refutada.

Uma teoria científica é boa, quanto mais estiver aberta a fatos novos que possam tornar falsos os princípios e os conceitos em que se baseia. E a maior contribuição que esta pode dar ao progresso do conhecimento reside na sua capacidade de levantar problemas. Uma teoria científica importante não apenas soluciona alguns problemas, mas faz aparecer novas questões.

A meta da ciência não deve ser a busca de fundamentos inabaláveis ou de certezas, mas a construção de hipóteses férteis que ofereçam solução de algum problema humano.

Em relação a verdade Popper afirmaria: “Nesta situação, parece-nos mais interessante representar o mundo desta maneira”.

Deve-se observar, no entanto, que Popper não rompe com a noção de progresso da ciência presente no positivismo. A falseabilidade como critério de avaliação das teorias científicas mantém a idéia de progresso científico, pois é a mesma teoria que vai sendo corrigida por fatos novos que a falsificam.


KUHN E AS REVOLUÇÕES CIENTÍFICAS
Kuhn considera que tanto o positivismo, como a visão de Popper não oferecem uma visão adequada da ciência. A ciência por ser um fenômeno histórico, só pode ser apreendida por uma teoria que leve em conta sua dimensão histórica.

Para Kuhn a “ciência normal” não está, em geral, orientada para a descoberta do novo, mas para submeter a natureza a esquemas conceituais fornecidos pela educação profissional. Mas o que Kuhn define como ciência normal? É aquela que a maioria dos cientistas se ocupa durante toda sua vida profissional. Através da instrução e treinamento recebidos, o cientista desenvolve um determinado modo de enxergar a realidade e o objeto de investigação de sua área. Tal visão está impregnada também de preconceitos que moldam-lhe a compreensão da realidade.

Além de absorver uma concepção teórica e de aprender técnicas, o cientista adquire certos hábitos que envolvem formas sociais de comportamento, postura mental e tomada de consciência sobre quais temas devem ter abordagem privilegiada, e quais outros devem ser ignorados.

A aceitação de uma construção teórica pela maioria dos cientistas costuma por fim a controvérsias e polêmicas acerca dos alicerces de um determinado ramo da ciência, isto é, de uma disciplina. Esta construção passa a oferecer a base teórica e metodológica para o trabalho subseqüente na disciplina em questão, constituindo-se em um paradigma. O paradigma engloba o conjunto de tudo aquilo que une os membros de uma comunidade científica, portanto possui uma dimensão social e não pode ser substituído pelo conceito de teoria.

“É pelo paradigma que uma determinada região da realidade é recortada, delimitada e transformada em objeto de pesquisa científica. O que transcende os limites dessa região não interessa normalmente ao cientista ou não precisa interessá-lo. Com isso, o espaço em que se desenvolvem os problemas se restringe ao âmbito daquilo que é coberto pelo paradigma. Aí estão os problemas considerados legítimos; o que ultrapassa essas fronteiras é desqualificado como não-científico” (Carvalho, 1989, p.84).

Esta é fase paradigmática da ciência ou de “ciência normal”. A ciência normal possui, portanto, um caráter conservador.

Ao mesmo tempo, Kuhn acredita que o rompimento com um paradigma só pode ocorrer através daqueles pesquisadores fortemente enraizados na tradição científica dominante. O trabalho minucioso, dirigido ao pormenor, é que propicia a identificação de anomalias (fenômenos desafiantes, proibidos pelo paradigma) que sinalizam ao cientista que é chegada a hora de buscar um novo paradigma.

Se a discrepância entre paradigma e realidade pode ser vista como um simples quebra-cabeça (passível de ser resolvido) ou anomalia (não é resolvida com o instrumental disponível), vai depender da percepção da própria comunidade científica, pois o paradigma não é propriedade individual de um cientista, mas propriedade coletiva desta mesma comunidade.

Quando considerada uma anomalia, esta conclusão conduz a elaboração de novas teorias desvinculadas do paradigma.. A nova concepção que vai surgindo, pode incorporar nela os conhecimentos anteriores (reelaborando-os) ou afastá-los inteiramente. Kuhn denomina revolução científica estes momentos de ruptura com antigo paradigma e de criação de novas teorias.

Para Kuhn a ciência não caminha numa via linear contínua e progressiva, mas por saltos e revoluções. Não se trata do aperfeiçoamento da mesma teoria, mas do rompimento com seus pressupostos, métodos e técnicas e a criação de uma nova teoria qualitativamente diferente da anterior. Ex.: a idéia de vírus na biologia; enzima na química; fotossíntese na fisiologia vegetal; etc.


ciência normal  crise paradigmática  ciência normal cede ao caos  surge a pesquisa extraordinária, desligada do paradigma  organiza-se as bases de um novo paradigma (novas teorias, métodos, etc.)



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal