TEÓricos da educaçÃo angélica Russo 2004 Índice



Baixar 150.52 Kb.
Página3/5
Encontro08.08.2016
Tamanho150.52 Kb.
1   2   3   4   5

Curiosidades/ Piaget

* Piaget com apenas 10 anos publicou, em Neuchâtel, um artigo sobre um pardal branco;

* Aos 22 anos, Piaget já era doutor em Biologia;

* Piaget escreveu cerca de 70 livros e 300 artigos sobre Psicologia, Pedagogia e Filosofia;

* Piaget casou-se com uma de suas assistentes, Valentine Châtenay;

* Observando seus filhos, desvendou muito dos enigmas da inteligência infantil;

* Vigotsky prefaciou a tradução russa de A Linguagem e o Pensamento da Criança, de Piaget, de 1923;

* Vigotsky e Piaget não se conheceram pessoalmente;

* O pai de Piaget era professor de literatura.

TEORIA DE JOHN DEWEY

Dewey era filósofo, psicólogo e pedagogo liberal norte americano, exerceu grande influência sobre toda a pedagogia contemporânea.

Criticou a pedagogia de Herbart, no que se refere a ênfase dada ao intelectualismo e a memorização.

Nasceu em Burlington em 1859 e morreu em New York em 1952.

Dewey foi defensor da Escola Ativa, que propunha a aprendizagem através da atividade pessoal do aluno. A filosofia da educação de Dewey foi determinante para que a Escola Nova se propagasse por quase todo o mundo.

Para Dewey, o conhecimento nasce das experiências oriundas de problemas. Para ele, a educação tem como finalidade proporcionar o aluno condições para que resolva por si próprio os seus problemas. A educação não pode ter modelos prévios, isto é bastante tradicional na teoria de Dewey.

A escola não pode ser uma preparação para a vida; a escola é a própria vida. Vida e experiência devem estar sempre unidas no processo de aprendizagem.

As idéias de Dewey tiveram grande influência no movimento de renovação da educação no Brasil na década de 1930, e são aproveitadas até hoje pelos os que acreditam na educação e na liberdade. Essa influência se fez sentir, sobretudo por intermédio de Anísio Teixeira que foi seu discípulo na Universidade de Colômbia em 1929.

Dewey dava prioridade ao aspecto psicológico da educação, em prejuízo da análise da organização capitalista da sociedade, como fator educacional. Fundou em Chicago, uma escola experimental, na qual foram aplicadas algumas das suas mais importantes idéias: a relação da vida com a sociedade, dos meios com os fins e da teoria com a prática.

O próprio Dewey qualifica o seu pensamento como “naturalismo empírico”, embora sem pretensão a elaborar sistema rígido, o que lhe parecia impossível nos tempos atuais. Foi seu propósito rever e superar os erros do naturalismo e do empirismo tradicionais, emprestando-lhes pronunciado sentido dialético e historicista. Saindo do pensamento intuicionista da escola escocesa pela via do hegelianismo, tornou-se seguidor de Darwin em biologia e Willian James em psicologia. Tais influências, a par de sua permanente preocupação com a pedagogia levaram-no a convicção de que não é possível manter-se um dualismo entre o homem e o mundo, o espírito e a natureza, a ciência e a moral.Buscou, então, uma lógica e um instrumento de pesquisa que pudessem ser aplicados igualmente a ambos os domínios. Desenvolveu, a seguir, a doutrina a que deu o nome de “instrumentalismo”.


Destaques na Teoria de Dewey:
* Dewey foi grande defensor da Escola Ativa;

* Dava prioridade ao aspecto psicológico da educação;

* Defendia que o professor era à base do processo educativo;

*Que o interesse do aluno devia ser o ponto de partida do professor;

*Acreditava que o currículo tinha de ser constantemente redefinido e avaliado;

* O slogan de Dewey: Aprendemos Fazendo;

* Afirmava que crescemos quando resolvemos juntos dificuldades e problemas comuns;

* Acreditava na educação pela ação;

* Disciplina é produto do interesse;

* Que a atividade e alvoroço na sala de aula representam alunos interessados no que estão fazendo;

* Que a sala de aula deveria ser um laboratório;

* O currículo para Dewey não era um curso de estudos determinados, tinha de ser constantemente redefinido e reavaliado. Seu objetivo era enriquecer a experiência dos alunos, já que a vida significava modificações, também a aprendizagem implicava reconstrução constante, onde não se permitiam quaisquer objetivos finais e onde se tinha de impedir, acima de tudo a estagnação;

* A educação tem uma função democratizadora de igualar as oportunidades;

* As tarefas em grupo estimulam a cooperação e o desenvolvimento de um espírito social;

* Atribui grande valor as atividades manuais;

* O espírito de iniciativa e independência virtudes de uma sociedade democrática levam a autonomia;

* Para Dewey, a escola não é um prelúdio da vida, mas representa uma sociedade em miniatura. A democracia não deve ser adiada; na sala de aula, a criança pode aprender cooperando e participando no trabalho em grupos;

* Dewey afirmava que crescemos somente quando participamos, quando resolvemos juntos dificuldades e problemas comuns;



TEORIA DE JEROME BRUNER
A idéia de desenvolvimento intelectual ocupa um lugar fundamental na teoria de Jerome Bruner, pois, para ele “ensinar é, em síntese, um esforço para moldar o desenvolvimento” e “uma teoria de ensino versa, com efeito, sobre as varias maneiras de auxiliar o desenvolvimento”.

“O desenvolvimento intelectual caracteriza-se por independência crescente da resposta em relação á natureza imediata do estimulo”. “O desenvolvimento intelectual baseia-se em absorver eventos, em um sistema de armazenamento que corresponde ao meio ambiente”. “O desenvolvimento é caracterizado é por crescente capacidade para lidar com alternativas simultaneamente, atender a várias seqüências ao mesmo tempo, e distribuir tempo e atenção, de maneira apropriada, a todas essas demandas múltiplas”.

BRUNER é talvez mais conhecido por ter dito que “é possível ensinar qualquer assunto, de uma maneira honesta, a qualquer aluno em qualquer estágio de desenvolvimento”, do que por qualquer outro aspecto de sua teoria. Ao dizer isso, no entanto, ele não quis dizer que o assunto poderia ser ensinado em sua forma final, e sim que seria sempre possível ensiná-lo desde que se levasse em consideração às diversas etapas do desenvolvimento intelectual. Cada uma dessas etapas é caracterizada por um modo particular de representação, que é a forma pela qual o individuo visualiza o mundo e explica-o a si mesmo. Assim, a tarefa de ensinar determinado conteúdo a um aluno, em qualquer idade, é a de representar a estrutura desse conteúdo em termos de visualização que o aluno tem das coisas.

Em relação ao como ensinar, Bruner destaca o processo da descoberta, através da exploração de alternativas, e o currículo em espiral. Segundo Bruner, “o ambiente ou conteúdos de ensino têm que ser percebidos pelo aprendiz em termos de problemas, relações e lacunas que ele deve preencher, a fim de que a aprendizagem seja considerada significante e relevante. Portanto, o ambiente para a aprendizagem por descoberta deve proporcionar alternativa-------------------resultando no aparecimento e percepção, entre as idéias apresentadas, que não foram previamente reconhecidas. A descoberta de um princípio ou de uma relação, por um aluno, é essencialmente idêntica ---- enquanto processo”.

“Currículo em espiral, por sua vez, significa que o aprendiz deve ter oportunidade de ver o mesmo tópico mais de uma vez, em diferentes níveis de profundidade, e em diferentes modos de representação”.

A aprendizagem por descoberta é muito enfatizada na teoria de Bruner, porém argumenta que deve ser de maneira dirigida, de modo que a exploração de alternativas não seja caótica ou cause confusão e angústia no aluno. “ Se, “por um lado, um guia de laboratório ou um roteiro de estudo, não devem ser do tipo” receita de cozinha”, por outro, não devem também ser totalmente desestruturados deixando o aluno” perdido”.


Destaques na Teoria de Bruner:


* O que é relevante em uma matéria de ensino é sua estrutura, suas idéias e relações fundamentais. A compreensão de princípios e conceitos fundamentais parece ser, segundo Bruner, o principal caminho para uma adequada transferência da aprendizagem;

* Encara o ensino como uma atividade que deve principalmente concentrar-se em como otimizar a aprendizagem facilitar a transferência ou a recuperação de informações;

* Destaca a importância de planejar o ensino levando em conta o que se sabe sobre o desenvolvimento intelectual do aprendiz;

* Supõe que ensinar é esforço para auxiliar ou moldar o desenvolvimento;

* O ensino é altamente facilitado por meio da linguagem que acaba sendo não apenas o meio de comunicação, mas o instrumento que o estudante pode usar para ordenar o meio ambiente;




TEORIA DE MAKARENKO
Anton Makarenko nasceu na Ucrânia soviética, em 1888, e morreu em 1939 de um ataque cardíaco, em 1939. Filho de pai operário foi criado num ambiente bem proletário, e sempre ouvindo da família que a escola não para ele, filho de operário. Toda a sua vida, seu compromisso, seu envolvimento foi atrelado às lutas trabalhistas. Conhecido como um educador rígido e duro, mas muito aberto com seus alunos. Mais do que educar com rigidez e disciplina, Makarenko defendia a formação de personalidades, que fossem pessoas cultas, saudáveis, pessoas conscientes de seu papel político, e que se preocupassem com o bem estar do grupo.

Estudou no Instituto de Pedagogia de Potalva, onde se especializou no magistério. Ensinou na Escola Primária das Oficinas Ferroviárias. Depois de oito anos de ensino, assumiu a direção da escola. Em 1917, na Colônia Máximo Gorki, começou a desenvolver um trabalho com crianças e jovens abandonados que viviam na marginalidade. Eram jovens delinqüentes, infratores, órfãos de guerra e prostitutas.

A proposta pedagógica de Makarenko era formar indivíduos participativos e responsáveis, capazes de tomar decisões sociais e dirigir a própria vida. Era uma proposta que apontava para uma vida em grupo, onde a característica fundamental era preparar o individuo para o advento do trabalho e da democracia. A proposta era então, organizar uma escola voltada para a coletividade, levando em consideração os sentimentos dos jovens e a busca pela felicidade. Para o aluno, sempre devia existir um espaço no universo escolar, onde ele pudesse discutir seus interesses e suas necessidades, como também sua própria vida.

Para Makarenko, a participação dos pais na vida escolar não só era importante, mas deviam ser estimulados a participar de atividades culturais e recreativas. Eram os pais e mestres, que ofereciam as diretrizes fundamentais às atividades de filhos e estudantes.



A pedagogia de Makarenko ficou conhecida e reconhecida por muitos, por atender as necessidades da época, e por apresentar uma proposta de transformar centenas de crianças e adolescentes marginalizados em cidadãos.

Destaques na Teoria de Makarenko:
* A vida e o seu trabalho como educador foi marcado com o compromisso em defesa da classe trabalhadora;

* Trabalhou com crianças e jovens abandonados e infratores;

* Sua proposta pedagógica era, sobretudo transformar e formar cidadãos;

* Achava que os pais que não soubessem educar seus filhos deveriam ser reeducados pela escola;

* A escola para atingir seus objetivos, tinha que ter contato direto com a sociedade e a natureza;

* O contato com a realidade concreta era uma das condições para o aluno aprender;

* A sua proposta pedagógica era formar indivíduos participativos e responsáveis;

* Acreditava no trabalho coletivo, como uma forma de se exercer a democracia;

* O modelo de escola devia ser baseado na vida em grupos, na auto-gestão, no trabalho e na disciplina;

* Defendia a autoridade e a disciplina, mas como uma forma de se conseguir a aprendizagem e a formação do aluno;

* Valorizava a participação da família na vida escolar;

* Os pais deveriam ser estimulados a participar de atividades culturais e recreativas;

* A educação deve ser correta desde o inicio para que mais tarde não seja necessário reeducar;

* A formação cultural deve começar o quanto antes, quando a criança ainda está longe de etapa da leitura;



TEORIA DE MA. MONTESSORI
Montessori era profundamente católica, seguidora dos princípios desta religião, nasceu em 1870, na cidade Chiaravall e morreu com a idade bastante avançada, em 1952 na Holanda. No movimento da Escola Nova, Montessori ocupa um papel importante pelas técnicas introduzidas nos jardins de Infância e nas primeiras séries.

Montessori fazia oposição aos métodos tradicionais que não respeitavam as necessidades e os mecanismos evolutivos do desenvolvimento da criança. Defendia uma concepção de educação que se estende além dos limites do acúmulo de informações. O objetivo da escola é a formação integral do homem, “uma educação para a vida”. Aos 25 anos começou a se dedicar às crianças anormais, na clínica da Universidade de Roma. Criou várias Casas de Crianças, instituições de educação e vida, e não apenas lugares de instrução. Seu principal objetivo são as atividades motoras e sensoriais visando, especialmente, a educação pré-escolar, trabalho também estendido à segunda infância. Dava importância ao ser biológico, muito mais do que o ser social. Ela acreditava que a vida é desenvolvimento, e por isto achava que a concepção educacional é de crescimento e desenvolvimento, mais do que ajustamento ou integração social. Defendia que o caminho do intelecto passa pelas mãos, porque é por meio do movimento e do toque que os pequenos exploram e decodificam o mundo ao seu redor.

Seu envolvimento com representantes do movimento socialista italiano era buscar o seu engajamento e cooperação nos bairros, na socialização da “casa” e na comunicação da “família”. Montessori nunca foi comunista, nem socialista, como muitos pensam. Estudou biologia, matemática, psicologia e filosofia, mas formou-se em medicina, tendo sido a primeira mulher na Itália a formar-se em medicina.

Montessori mudou os rumos da educação tradicional, que dava maior atenção à formação intelectual. Seus métodos consideravam as fases de desenvolvimento infantil e as diferenças individuais, preocupando-se com o corpo e o espírito do aluno e o seu processo de adaptação a vida.

Criadora do método pedagógico montessoriano, suas concepções pedagógicas se basearam também na defesa do potencial criativo da criança e no direito de receber uma educação adequada as peculiaridades da personalidade. Direito a vida, a liberdade e a autonomia, o despertar para a atividade infantil, é toda base teórica do seu método. Montessori disse: só a criança é a educadora da sua personalidade. Sua formação médica e larga experiência com crianças de retardo mental influenciaram a ter como preocupação maior na sua escola, com o desenvolvimento das percepções e funções intelectuais. Dedicou-se ao estudo de crianças anormais como assistente de uma clínica psiquiátrica da Universidade de Roma. No decorrer de suas pesquisas e na aplicação do seu método com crianças anormais, resolveu testar também em crianças normais as suas vivencias.

Montessori fez uma grande revolução na concepção de sala de aula para crianças. Achava que todos os materiais existentes em sala de aula deveriam ser adequados a altura e ao tamanho das crianças de seis anos de idade. Esta maneira de pensar de Montessori foi tão aceito, que até hoje é conservado por todos os jardins de infância do mundo.

Em 1907, embora não tendo formação pedagógica, Montessori criou para crianças menores de seis anos, a primeira case dei bambini, onde aplicou na educação de crianças normais, a metodologia bem sucedida com deficientes mentais.

Pensando no professor, ela achava que as atividades em sala de aula devem ser mediadas pelo professor, a disciplina deve nascer da liberdade de pensar, de agir, de sentir, e que o diálogo ainda é a melhor forma de o aluno aprender.

Com o advento do regime fascista e por discordar do governo em querer formar a juventude italiana segundo “moldes brutais”, as escolas montessorianas foram fechadas. Neste período Montessori deixou o país, retornando após a guerra para Roma e aí voltando as suas aulas na universidade. Trabalhou duro para divulgar suas idéias e experiências pedagógicas pelo mundo. Seu trabalho foi reconhecido principalmente na Espanha, Paquistão, Índia, Inglaterra e Holanda.

Temos como princípios fundamentais do método montessoriano, a atividade, a individualidade e a liberdade de movimentos de que a criança dispõe, e um vasto material didático que lhe é fornecido. Em relação à leitura e a escrita, na escola montessoriana, as crianças conhecem as letras e são induzidas na análise das palavras e letras, estando a mão treinada e reconhecendo as letras, as crianças podem ler e escrever palavras e orações inteiras. O ensino das letras recortadas em madeira colorida fazia parte da sua proposta pedagógica. Cada tarefa realizada na sala de aula tem um significado, quer sejam os brinquedos, os blocos, tábuas, e bastões. Todos estes recursos podem servir de base para a geometria em outro estagio de aprendizagem, e também para o estudo de todas as disciplinas. No trabalho com esses materiais a concentração é ponto importante.

Maria Montessori foi uma sonhadora, embora não tenha criado nada fora da realidade. Apesar da sua intensa dedicação, sabia que seu método não podia ser aplicado a qualquer tipo de criança.

Entre suas obras, podemos destacar a Educação para um Novo Mundo, escrita com a intenção de sacudir a humanidade adormecida e insensível, comparou o caminha da criança neste mundo, ao caminho dos sofrimentos de Cristo”, sem perder a esperança de uma volta para o bem”.... a criança surge sempre e volta sempre, fresca e sorridente, para viver entre os homens... a criança é o eterno Messias, que não cessa de voltar entre os homens decaídos para conduzi-los ao reino do céu.


Destaques na Teoria de

Maria Montessori:
* A criança para ser controlada tinha

que ser estimulada através dos estímulos sensoriais e intelectuais;

* O professor sendo um orientador da criança fazia com que ela mesma se corrigisse;

* Defendeu a realização dos direitos da criança, talvez uma das características mais importantes do seu método;

* O diálogo é a melhor forma da criança aprender;

* A disciplina em sala de aula deve nascer da liberdade e do prazer pelas atividades;

* Deve existir um material específico para cada objetivo educacional;

* Preocupação com o desenvolvimento pleno da criança, e sua integração social;

* Defendeu o direito a vida, a liberdade, e a autonomia;

* Um dos principais objetivos do seu método são as atividades motoras, intelectuais e sensoriais;

* Enfatizou o desenvolvimento dos aspectos biológicos, pois acreditava que a função da educação era também favorecer esse desenvolvimento;

* Pés e mãos têm grande importância nos exercícios sensoriais;

* Deu ênfase ao treinamento dos movimentos musculares necessários a realização de tarefas, como a escrita;

* Na sala de aula a criança deve ser livre para agir sobre os objetos, embora seja importante quando necessário, a mediação do professor;

* Promoveu a auto-educação da criança, colocando meios adequados de trabalho a sua disposição;

* Método de trabalho individual, embora tenha também um caráter social, uma vez que as crianças estão sempre em contato umas com as outras;


TEORIA DE OVIDE DECROLY

Decroly nasceu na Bélgica em 1871 e faleceu em 1932. Era médico, mas muito ligado à educação. Consagrou seus estudos ás crianças que necessitavam de atenções educativas especiais, ou seja crianças retardadas e anormais.

O teórico propôs uma educação voltada para os interesses destas crianças, que pudesse satisfazer suas curiosidades naturais, que fossem estimuladas a pensar, colocando-as em contato com a realidade física e social. Achava que estas necessidades geram interesse, e este interesse vai a busca do conhecimento. Este método era mais dedicado às crianças do ensino fundamental.

Baseado nesta teoria, Decroly propôs em 1907 um método globalizado de Centro de Interesse. Este método deve lidar com o conhecimento, a partir dos interesses das crianças em suas várias faixas etárias, de forma globalizante, possibilitando que as crianças tenham uma visão geral do objeto de conhecimento para depois chegar às particularidades e abstrações. Deve lidar também com a organização dos conhecimentos selecionados nas matérias escolares, como ainda propor atividades que vão do empirismo ao abstrato.

A escola deve se assemelhar a uma oficina ou laboratório onde a pratica estava presente. Os alunos ativamente observavam, analisavam, manipulavam, experimentavam, confeccionavam e colecionavam materiais mais do que recebiam informações sobre eles. O teórico acreditava que a sala de aula deveria estar em toda à parte, na cozinha, no jardim, no campo, no pátio, na praça, etc. Seria uma escola com portas abertas, tipo uma oficina, onde existisse liberdade, iniciativa, responsabilidade pessoal e social, onde os alunos aprendessem e gostassem de aprender. Ele quis transformar a maneira de aprender e ensinar, e que esta transformação tivesse como principio a psicologia infantil.

O método globalizado de Centro de Interesse de Decroly foi baseado em cinco princípios psicopedagógicos:



1)-Principio da Liberdade: a criança tem o Maximo de autonomia para realizar seus gostos e necessidades, assim como a busca da motivação para o conhecimento.

2)-Principio da Individualidade: a criança realiza atividades pessoais diferenciadas, mas, sem perder o seu referencial, o contato com a comunidade.

3)-Principio da Atividade: “trabalha a tendência dominante na criança da inquietude e do movimento”.

4)-Principio da Intuição: implica na observação e exploração das coisas, empregando os sentidos.

5)-Principio da Globalização: a criança pode apresentar dificuldades de perceber partes separadas e depois reconstruir. O principio da globalização permite o desenvolvimento da inteligência através desse modo.

É importante ressaltar que as bases teóricas do método de Decroly, ainda estão muito presentes na educação de hoje, embora se encontre na escola alguns professores que apresentam dificuldades em trabalhar na sala de aula com uma visão mais globalizadora, e multidisciplinar. O que acontece muitas vezes é o professor trabalhando o conhecimento de maneira fragmentada, e o que é pior, seguindo os livros didáticos.
Destaques na Teoria de Decroly:

* A criança deve se educar não para o futuro, para a vida adulta, e sim para o presente;

* O método de Centro de Interesse atendia as necessidades e interesses dos alunos;

* Defendia que a sala de aula está em toda parte;

* Sua vida foi dedicada ao trabalho com crianças retardadas e anormais;

* Acreditava na liberdade, iniciativa e responsabilidade;




TEORIA DE LEO VIGOTSKY

Vigotsky, psicólogo nasceu na Rússia em 1896 e morreu em 1934 com apenas 37 anos, vitima de tuberculose.Estudou na Universidade Popular de Shanyavoskii, formando-se em direito, mas também se dedicou aos estudos intelectuais de Filosofia, Literatura, Historia e Psicologia. Estudou Francês, Alemão, Inglês, Hebraico, Latim e Grego. Teve um tutor particular até entrar na escola, para fazer o curso secundário, graduando-se com medalha de ouro. Desde adolescente, seus colegas o chamavam de “o pequeno professor”, pois ele já gostava dos estudos intelectuais que marcariam sua vida. Foi professor e pesquisador no campo de Defectologia, das Artes, Literatura e Psicologia. Além do fato de ser professor, a preocupação de Vigotsky com a educação tinha também motivos políticos, pois era um de seus compromissos revolucionários. Formou-se também em Medicina e a partir de 1924, no Instituto Soviético de Medicina Experimental, aprofundou suas investigações na Psicologia.

Já tuberculoso, iniciou um período de intensa produção de conferencias, textos e pesquisas, principalmente com crianças portadoras de deficiências visuais e auditivas. Trabalhou no Instituto de Psicologia de Moscou, onde iniciou um período de intensa produção de textos e pesquisas a respeito do desenvolvimento intelectual, defendendo que todo conhecimento é constituído socialmente, a partir das relações humanas. Dono de uma inteligência brilhante, ele buscou na Psicologia respostas para suas dúvidas e acabou por elaborar uma teoria do desenvolvimento intelectual, sustentando que todo conhecimento é construído socialmente, no âmbito das relações humanas. Para ele, “na ausência do outro, o homem não se constrói homem”.

Na sua teoria, Vigotsky diz que para o homem se desenvolver e evoluir, é necessário o convívio com outras pessoas, e partir daí, ele vai adquirir e assimilar conhecimentos, desenvolvendo-se mentalmente. Acrescenta que a vivencia em sociedade é essencial para a transformação do homem de ser biológico em ser humano. É pela aprendizagem nas relações com os outros que construímos os conhecimentos que permitem nosso desenvolvimento mental. O conhecimento é sempre intermediado. Nenhum conhecimento é construído pela pessoa sozinha, mas sim em parceria com as outras, que são os mediadores. Na escola, o professor e os colegas mais experientes são os principais mediadores, daí ser o objetivo da escola transformar os conceitos espontâneos, que a criança desenvolve na convivência social, em conceitos científicos. A linguagem é para Vigotsky, o principal instrumento de intermediação do conhecimento entre os seres humanos, e tem relação direta com o próprio desenvolvimento psicológico.

Para ele, a aprendizagem está relacionada ao desenvolvimento desde o inicio da vida humana e inclui relações entre os indivíduos.

A relação ensino-aprendizagem é um processo global de relação interpessoal que envolve alguém que aprende, alguém que ensina, e a escola é o lugar por excelência na qual o processo intencional ensino-aprendizagem ocorre, podendo envolver intervenção que conduza á aprendizagem.

Vigotsky elaborou uma teoria do desenvolvimento intelectual, sustentando que nenhum conhecimento pode ser elaborado sozinho, criou o Socioconstrutivismo, ou como preferem alguns especialistas, Sociointeracionismo, justificando como fundamental a questão cultural e a questão afetiva. Para o ser humano, o meio é sempre revestido de significados culturais. O fator cultural é a diferença central entre os dois teóricos, Piaget e Vigotsky.

Considera a capacidade do homem de raciocinar, como também de sensibilizar-se e se emocionar. Dessa forma, um sistema dinâmico de significados em que o afetivo e o intelectual se unem, buscando compreender o sujeito como uma totalidade. Acreditava que o desenvolvimento mental do aluno se determina em dois níveis: O nível de Desenvolvimento afetivo e a Área de Desenvolvimento Potencial.

Vigotsky viveu apenas 37 anos, mas sua produção intelectual foi intensa e relevante, chegando a produzir 200 estudos científicos sobre diferentes temas, controvérsias e discussões da psicologia contemporânea, da pedagogia e das ciências humanas de um modo geral. Prefaciou a tradução russa de A Linguagem e o Pensamento da Criança de Jean Piaget em 1923. Para a Pedagogia, a contribuição de suas obras para nós educadores se reveste de grande importância, porque traz para o campo educacional uma visão integrada de conhecimentos. Acusado de idealista por Josef Stalin, suas obras foram proibidas por vinte anos, só voltando a ser publicada na antiga URSS em 1956, mesmo assim parcialmente. Atualmente prepara-se a edição integral de todos os seus trabalhos.

Para o cineasta Sergei Eisenstein (1898-1948), o considerava um dos psicólogos mais brilhantes de nossa era, capaz de ver o mundo com claridade celestial.



Destaques na Teoria de Vigotsky:
* O socioconstrutivismo é uma tendência cada vez mais presente no debate educacional;

* Considerado o teórico social da inteligência;

* O conhecimento é sempre intermediado;

* A vivencia em sociedade é essencial para a transformação do homem de ser biológico em ser humano;

* É pela aprendizagem nas relações com os outros que construímos os conceitos que permitem nosso desenvolvimento mental;

* Segundo Vigotsky a evolução cultural é caracterizada por saltos qualitativos de um nível de conhecimento para outro;

* A criança nasce dotada apenas de funções psicológicas elementares, como o reflexo e a atenção involuntária, presentes em todos os animais mais desenvolvidos;

* O meio é sempre revestido de significados culturais;

* A inteligência é construída a partir das relações recíprocas do homem com o meio;

* O homem para se desenvolver e evoluir, é necessário o convívio com outras pessoas;

* Através das concepções do materialismo histórico e dialético tentaram explicar o desenvolvimento das funções mentais superiores, a qual dedicou maior tempo de seus estudos, através da teoria sociocultural, contestando criticamente que as funções intelectuais do adulto não são resultado unicamente da maturação;

* Entendia o pensamento como reflexo generalizado da realidade, transmitido através da fala e esta como importante mecanismo que estrutura e organiza o pensamento;

* É no brinquedo que a criança aprende a agir numa esfera cognitiva em vez de uma esfera visual externa, dependendo das motivações internas e não unicamente dos incentivos fornecidos pelo objeto externo;

* O trabalho em duplas facilita o aprendizado, mas cabe ao professor acompanhar individualmente o aluno;

* O professor é o condutor do processo, atuando na zona de desenvolvimento proximal;

* O erro faz parte do processo de aprendizagem. O professor não pode esperar que o aluno descubra sozinho seu erro;



TEORIA DE PAULO FREIRE

Nasceu em Recife Pernambuco em 1921, e morreu em São Paulo vitima de infarto agudo do miocárdio, no ano de 1997. Aprendeu a ler com os pais, á sombra do quintal de casa, sua alfabetização partiu de palavras de sua infância, de sua prática, de suas experiências como criança. Seu giz era os gravetos da mangueira em cuja sombra aprendia a ler, e seu quadro era o chão. O seu pré-escolar foi informal e livre.

Paulo Freire teve uma infância feliz, embora tenha conhecido muito cedo o significado da fome e da miséria.

Freire era o maior defensor da tendência progressiva. Em seus escritos discute a pedagogia do oprimido, introduz a influência da educação bancária, destaca os contrastes entre formas de educação que tratam as pessoas como objetos em lugar de assuntos e, explora a educação como ação cultural.

Ele foi quase tudo o que deve ser como educador. De professor de escola o criador de ideias e métodos.

Segundo Paulo Freire, o homem que detém a crença em si mesmo é capaz de dominar os instrumentos de ação á sua disposição, incluindo a leitura. A metodologia por ele desenvolvida foi muito utilizada no Brasil em campanhas de alfabetização.

Com o golpe militar de 1964, a experiência de Paulo Freire, já espalhada por todo o país, foi abortada sob alegações inconsistentes como subversiva, propagadora da desordem e do comunismo, etc. Foi preso após o golpe Militar de 1964, deixando o Brasil depois de 72 dias de reclusão. Exilou-se primeiro no Chile onde, encontrou um clima social e político favorável ao desenvolvimento de suas teses. Também nesta época, desenvolveu durante cinco anos, trabalhos em programas de educação de adultos no Instituto Chileno para a Reforma Agrária. Nesta época escreveu uma das obras mais importantes da sua vida: A Pedagogia do Oprimido. Freire nas suas conversas informais costumava sempre dizer, que A Pedagogia do Oprimido foi escrito com a intenção de superar esta opressão que vive o nosso povo. Numa visão crítica e filosófica, parte para a transformação do contexto social, tomando assim consciência do mundo vivido.

Paulo Freire concebia educação como reflexão sobre a realidade existencial. Articular com essa realidade nas causas mais profundas dos acontecimentos vividos, procurando inserir sempre os fatos particulares na globalidade das ocorrências da situação.

A aprendizagem da leitura e da escrita equivale a uma releitura do mundo. Ele parte da visão de um mundo em aberto, isto é, a ser transformado em diversas direções pela ação dos homens.

Paulo Freire atribui importância ao momento pedagógico, mas com meios diferentes, como práxis social, como construção de um mundo refletido com o povo. Para Paulo Freire, o diálogo é o elemento chave onde o professor e aluno sejam sujeitos atuantes.

No seu método, a palavra geradora era subtraída do universo vivencial do alfabetizando.Para Freire, a educação é conscientização. É reflexão rigorosa e conjunta sobre a realidade em que vive de onde surgirá o projeto de ação. A palavra geradora era pesquisada com os alunos. Assim, para o camponês, as palavras geradoras poderiam ser enxada, terra, terra, colheita, etc; para o operário poderia ser tijolo, cimento, obra, etc.

Em seu método, Paulo Freire propunha a exploração de tudo: palavras, frases, ditos, modos peculiares de falar, de contar o mundo. Isto visava revelar o mundo vivido pelos analfabetos. Desta forma, resultava num sucesso total.

Paulo Freire criticou tanto aqueles que não procuram compreender suas idéias, quanto os seus seguidores que tomam suas teorias ao pé da letra, fora do contexto. A coerência que ele defende como virtude do educador revolucionário, é em suma, sua principal virtude.

Em termos de uma proposta para a educação no Brasil, Paulo Freire disse que a educação de um país não é de uma pessoa só, mas do povo, de uma equipe. Explica também que, fazendo parte dessa equipe, faria tudo para achar caminhos através dos quais a escola pudesse superar principalmente a contradição entre a teoria e a prática. Freire foi quase tudo o que se deve ser como educador, de professor de escola a criador de idéias e métodos.



Destaques na teoria de Paulo Freire:
* Sua atividade como educador levou-o a criação, em 1961 do chamado Movimento de Educação de Base, sob o patrocínio do Bispo D. Helder Câmara, ao mesmo tempo em que se tomava forma o método Paulo Freire de Alfabetização;

* Criou um método próprio, constituído de momentos dialéticos e interdisciplinares;

* Defendeu que o pedagogo deve cuidar de libertar o homem das alienações a que a consciência dominadora o submete;

* Critica a educação bancária, isto é, educação que trata as pessoas como objeto; defende a educação como uma ação cultural;

* O primeiro passo na direção da conscientização é a alfabetização, entendida como a aproximação critica da realidade por meio da linguagem;

* Professor e aluno fazem parte de um único contexto social, isto é, aprendem juntos, num processo de integração permanente;

* “Ato criador capaz de gerar outros atos criadores”;

* Paulo foi educado como cristão católico, mas criticava a chamada igreja dos opressores;

* Paulo sempre lutou pelos direitos dos analfabetos, embora sempre soube que votar por votar é insuficiente, e lembra que um cidadão que seja participante não é aquele participante apenas em dia de eleição;

* O seu método busca um significado social, e explica a tomada de consciência do mundo;

* Em seu método, Freire propunha a exploração de tudo: palavras, frases, ditos, modos peculiares de falar, de contar o mundo;

1   2   3   4   5


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal