Texto 1 – estudo de caso: toyota e taylor adm1014 administraçÃo e planejamento período 2010. 1 Prof. Sales Vidal estudo de caso: ohno-san vai ao supermercado



Baixar 32.97 Kb.
Encontro07.08.2016
Tamanho32.97 Kb.
TEXTO 1 – ESTUDO DE CASO: TOYOTA E TAYLOR
ADM1014 - ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO Período 2010.1 Prof. Sales Vidal

ESTUDO DE CASO: OHNO-SAN VAI AO SUPERMERCADO

Por volta de 1950, a economia japonesa estava debilitada. A Toyota tinha um programa de produção de menos de 1.000 carros por mês. Se fabricasse mais, não conseguiria vendê-los. Bem diferente da situação no final dos anos 80, quando a Toyota fabricava 1.000 carros em poucos minutos.

Em 1956, Taiichi Ohno, criador do sistema Toyota de produção, foi aos Estados Unidos visitar fábricas de automóvel. “Finalmente, ele escreveu, pude realizar o desejo de conhecer um supermercado de perto.” O Sr. Ohno conhecia o supermercado por referência e já havia observado que é a loja onde, em geral, se compra de acordo com a necessidade.

Do supermercado, o Sr. Ohno havia tirado a idéia de enxergar cada processo de uma linha de produção como uma espécie de loja que fornece peças para o processo seguinte. No entanto, a linha como um todo é administrada do fim para o começo. O processo seguinte (cliente) vai ao processo anterior (supermercado) para obter as peças necessárias (mercadorias) na hora certa e na quantidade necessária. O processo anterior imediatamente produz a quantidade que acabou de sair (reposição de mercadoria nas prateleiras). Escreveu ele mais tarde:




  • Nós esperávamos que essa idéia nos ajudasse a realizar o objetivo do just-in-time, de fabricar apenas o necessário. Em 1953, nós de fato aplicamos o sistema em nossa oficina de máquina da fábrica principal. Para fazer funcionar o sistema do supermercado, usamos pedaços de papel em que escrevíamos informações sobre o trabalho a ser realizado. Nós chamávamos isso de kanban.




  • O kanban, um cartão envelopado em plástico, tornou-se a ferramenta que faz funcionar o sistema Toyota.*




  • Suponham que levássemos o kanban ao supermercado. Como funcionaria? As mercadorias compradas pelos clientes passam pelo caixa. Cartões contendo informações sobre essas mercadorias seriam então enviadas ao departamento de compras. Com essa informação, as mercadorias que saíram seriam imediatamente repostas. Esses cartões correspondem ao kanban de retirada do sistema Toyota. No supermercado, as mercadorias expostas correspondem ao estoque da fábrica. Se o supermercado tivesse sua fábrica de mercadorias, enviaria para ela um kanban de produção. Com as informações deste kanban, a fabrica produziria as mercadorias para repor as que tivessem sido vendidas.

Nos anos 80, quando funcionários da Daihatsu procuraram a Toyota para aprender seus métodos de eficiência, o Sr. Ohno recomendou-lhes que fabricassem apenas o necessário.




  • Mas não é melhor idéia continuar produzindo, enquanto houver tempo e materiais?, perguntou um dos visitantes.




  • Acho que não, respondeu Ohno. Façam apenas o que for necessário. Pode ser que vocês fiquem com materiais sobrando, mas a empresa não ganha nada se fizer 120 itens quando precisa apenas de 100. Se você precisa de 100, faça apenas 100.

O Sr. Ohno também recomendou que o ritmo de trabalho fosse calibrado para que a produção dos 100 itens ocupasse o dia todo.




  • A fórmula básica da Toyota, de fazer o que for necessário, apenas na quantidade necessária, no momento necessário, tem outro elemento: tão eficientemente quanto possível. Ou seja, gastando o mínimo. Há muitas formas de gastar o mínimo para produzir. Uma delas é produzir apenas 100 se você precisa apenas de 100, mesmo que você possa produzir 110 antes do final do expediente.

Continuou o Sr. Ohno:




  • A parte mais difícil do sistema Toyota de produção é aprender a fazer os 100 itens gastando o mínimo. Para isso, todos devem aprender o just-in-time. Se a prioridade for dada apenas para a minimização dos gastos, pode-se obter diversos resultados indesejáveis. Porém, se esse objetivo for negligenciado, o produto poderá custar terrivelmente caro.

Essa idéia tem seus adversários. Eles dizem que não se deve restringir a produção. É melhor tentar reduzir os preços por meio da produção em massa. Ou então, se você tiver cinco trabalhadores disponíveis, é melhor fazer 200 itens ao invés de 100.


Questões
1. 1. Qual a relação entre o funcionamento do supermercado e o sistema Toyota de produção?

2. 2. Quais as diferenças entre o sistema Toyota de produção e o sistema tradicional?

3. 3. Quais as vantagens de fabricar apenas o necessário? Há desvantagens?

4. 4. Considere os argumentos dos adversários do sistema Toyota. Você concorda? Se tivesse que escolher entre o sistema Toyota e seus adversários, qual escolheria? Por que?

5. 5. Você já viu o pátio de uma fábrica de veículos em períodos de recessão? Se o diretor da fábrica lhe mostrasse o pátio cheio de veículos não vendidos e lhe pedisse uma solução, o que você recomendaria?

6. 6. Quais os resultados indesejáveis de se pensar apenas na minimização dos gastos?

7. 7. Quais os resultados indesejáveis de não se pensar na minimização dos gastos?
Quais as diferenças e semelhanças entre as proposições de Taiichi Ohno e Frederick Winslow Taylor?

ESTUDO DE CASO: TAYLOR RESOLVE UM PROBLEMA

O ano é 1898. A Bethlehem Steel vendeu 80 mil toneladas de ferro em lingotes. Agora é preciso carregar vagões com os lingotes, que estão amontoados em pequenas pilhas ao ar livre. Essa operação deve ser executada manualmente. Os operários contratados para essa gigantesca tarefa começaram movimentando 12,5 toneladas por homem por dia, o melhor que se pode conseguir.

Chamado para estudar a eficiência do processo, Frederick Taylor chegou decidido a aplicar a administração científica. Taylor adotou uma combinação de pagamento elevado, proporcional à quantidade movimentada, seleção dos melhores trabalhadores e orientação para realizar a tarefa. Porém, o Taylor percebeu que os trabalhadores iriam começar correndo, para ganhar bastante, e rapidamente ficariam exaustos, sendo obrigados a interromper o trabalho muito antes de terminá-lo.

Taylor, então, descobriu que homens de físico adequado conseguiriam aumentar a quantidade de toneladas movimentadas, com total segurança, desde que os supervisores os obrigassem a descansar a intervalos frequentes. Em resumo, ele descobriu que, para produzir o melhor resultado possível, um trabalhador que ele considerava de primeira classe, carregando lingotes que pesavam cerca de 45 quilos, deveria trabalhar apenas 43% do tempo. A "ciência" de carregar lingotes de ferro, desse modo, consistia primeiro em escolher o homem apropriado, e segundo, em obrigá-lo a descansar a intervalos que se havia descoberto serem os mais eficientes, após cuidadosa investigação.



Como consequência da intervenção do Taylor, os homens passaram a movimentar, em média, 47,5 toneladas por dia. Esse resultado ele conseguiu não por meio do estudo de tempos e movimentos, mas da minização do dispêndio da energia muscular. E assim, Frederick Taylor demonstrou que os níveis mais altos de produtividade resultam da utilização eficiente da energia: trabalhar menos produz mais.
1. 1. Que aconteceria se Taylor não obrigasse os homens a descansar? Você acha que eles se esgotariam e sua produtividade diminuiria, como Taylor previu?
2. 2. De forma geral, qual a consequência do trabalho duro e ininterrupto?
3. 3. O que Taylor comprovou com esta experiência?
4. 4. Você acha que trabalhar menos produz mais em qualquer situação? Você recomendaria isso a seus auxiliares?
5. 5. Você conhece outras situações em que as pessoas precisam descansar para poder realizar uma tarefa?
6. 6. Em sua opinião, por que algumas pessoas trabalham demais: necessidade, excesso de trabalho, falta de método, compulsão, vontade de agradar o chefe, recompensa elevada ou outro motivo?
7. 7. Você acha que, de forma geral, as pessoas que trabalham com inteligência não precisam trabalhar muito para alcançar bons resultados?

MODELO DE RESPOSTA
As respostas a seguir, para o caso Ohno-San, são de um grupo de estudantes de EAD 610 de 2003. Use-o como guia para dar suas próprias respostas com referências à literatura indicada para o curso. Nem pense em copiar...
1. 1. Qual a relação entre o funcionamento do supermercado e o sistema Toyota de produção?
Em um supermercado as mercadorias são repostas nas prateleiras de acordo com o consumo pelos clientes. No sistema Toyota a idéia é fabricar apenas o necessário a partir da demanda dos clientes, ou seja, assim como no supermercado, os clientes adquirem os produtos e, neste mesmo momento, a informação da quantidade necessária para a reposição (no caso, para a fabricação) é passada para o departamento de compras (no caso, a fábrica).
2. 2. Quais as diferenças entre o sistema Toyota de produção e o sistema tradicional? Em que são diferentes as proposições de Ohno e Taylor e Ford?
O sistema Toyota opera no modelo just-in-time, de fabricar apenas o necessário. Já o sistema tradicional opera com a idéia de produção: quanto maior a produção, maior o lucro.

Enquanto Ohno, se preocupa em produzir somente o que vai ser vendido, para evitar gastos e prejuízos, Taylor se preocupou com a racionalização do trabalho e Ford com a eficiência e produtividade. Tanto Taylor quanto Ford não se preocupavam em produzir somente o que era vendido para evitar prejuízos como mentalizou Ohno, mas em produzir em grande quantidade com eficiência, economia e organização.
3. 3. Quais as vantagens de fabricar apenas o necessário? Há desvantagens?
As principais vantagens de fabricar apenas o necessário são a quase eliminação total do desperdício no processo de produção e a fabricação de produtos de qualidade. A eliminação do desperdício se dá através da aplicação de técnicas de racionalização do trabalho (profissionais especializados realizando tarefas específicas) e da aplicação da filosofia just-in-time, ou seja, a empresa consegue produzir uma quantidade variada de produtos (por exemplo, 1000 carros em um dia ou 1000 carros em um mês) com o mesmo custo. Além disso, existe no sistema Toyota de produção uma intensa preocupação com o aprimoramento contínuo, que culmina na finalização de um produto de qualidade, nesta empresa os defeitos são tratados um a um, sem a preocupação de ir às causas (Maximiano, 2000, p.84). Com relação às desvantagens, o grupo reconheceu que o sistema Toyota não pode ser aplicado em qualquer empresa, como por exemplo, em uma indústria alimentícia que deveria fazer algumas modificações no sistema Toyota para depois aplicá-lo em sua empresa, sob pena de “perder mercado” e seus consumidores.
4. 4. Considere os argumentos dos adversários do sistema Toyota. Você concorda? Se tivesse que escolher entre o sistema Toyota e seus adversários, qual escolheria? Por que?
O Sistema Toyota de Produção foi inicialmente aplicado na linha de montagem de veículos, fazendo com que a fábrica obtivesse ótimos resultados na sua produção fabricando o mínimo necessário a custos baixos. Se pensarmos sobre os argumentos dos adversários da Toyota que acreditam que para minimizar gastos precisa-se produzir uma grande quantidade do bem, aproveitando também a eficiência do trabalhador, a nossa tese talvez se perca, uma vez que o sistema japonês obteve sucesso sendo adaptado a vários setores produtivos. Portanto, é considerável dizer que as afirmações dos que discordam do sistema Toyota, apesar de sustentáveis pelo modelo da escola clássica não podem ser diretamente confrontadas com a teoria administrativa japonesa, uma vez que esta está ligada a questões do comportamento do povo japonês. Provavelmente, escolheria o modelo Toyota, isto porque a cada processo da linha de produção se fornece informações do quanto se retirou de peças ou matérias-primas para a montagem, oferecendo um maior controle sobre o modo de produzir e iniciando a confecção correta desde o princípio, evitando-se, assim, perdas desnecessárias.
5. 5. Você já viu o pátio de uma fábrica de veículos em períodos de recessão? Se o diretor da fábrica lhe mostrasse o pátio cheio de veículos não vendidos e lhe pedisse uma solução, o que você recomendaria?
Se, em período de recessão, o diretor de uma fábrica nos mostrasse o pátio cheio de veículos não vendidos e nos pedisse uma solução, nós recomendaríamos, especialmente, a implantação do sistema Toyota (Operações Just In Time – JIT), a fim de garantir a minimização dos custos na produção, pois, segundo Bateman (1998), “o JIT é uma filosofia difundida em toda a empresa que se orienta para a eliminação de desperdícios em todas as operações e para a melhoria dos materiais em todas as áreas. Dessa forma, o estoque em excesso é eliminado e os custos são reduzidos” (p. 463). Com relação ao estoque já existente, orientaríamos o diretor a tomar medidas a serem realizadas em curto prazo para assegurar o fim do desperdício, tais como: o estabelecimento de um momento de férias coletivas; e, a utilização do Marketing com o intuito de tentar vender os veículos estocados, sendo que , se tal tentativa não chegasse a atingir resultados positivos, indicaríamos como solução extrema, mas necessária, a reciclagem ou destruição dos veículos, afinal, a manutenção do estoque por um longo período não significa apenas desperdício, em verdade, equivale a um imenso prejuízo. De qualquer forma, cabe enfatizar que, independentemente das nossas recomendações, a tomada de decisão administrativa seria realizada pelo diretor da fábrica cuja atenção deveria estar voltada ao “processo decisório ideal”, ou seja, ele estaria incumbido de “(1) identificar e diagnosticar o problema, (2) elaborar soluções alternativas, (3) avaliar as alternativas, (4) fazer a escolha, (5) implementar a decisão e (6) avaliar a decisão” (BATEMAN, 1998: 94).
6. 6. Quais os resultados indesejáveis de se pensar apenas na minimização dos gastos? Quais os resultados indesejáveis de não se pensar na minimização dos gastos?
Os resultados indesejáveis de se pensar apenas na minimização dos gastos são: 1) Lei da oferta e da procura, a empresa não consegue competir com um produto igual, produzido em larga escala e com um preço de mercado reduzido e 2) A empresa pode não estar preparada para mudanças bruscas no mercado (aumento da procura de seus produtos). E os resultados indesejáveis de não se pensar na minimização dos gastos são: 1) Os prejuízos, 2) O excesso de produtos no mercado e conseqüentemente 3) A queda de lucros (pela diminuição do preço de mercado).
7. 7. Que outras possibilidades existem de aplicação dos princípios de Taylor, Ford e Ohno? Identifique pelo menos uma instância de aplicação, que não seja convencional.
Poderíamos fazer a aplicação do sistema Taylor-Ford e do Toyota em uma fábrica de sorvetes. Quando se utiliza as idéias dos primeiros, pode-se dizer que cada funcionário procuraria no tempo de serviço produzir o máximo sem o mínimo de esforço, a produção em massa reduziria os custos de cada unidade de sorvete, aumentando assim a margem de lucro. Porém, mesmo durante as estações do ano em que o consumo de sorvete pode ser analisado e registrado como dado relevante para a empresa, esse tipo de produção poderia acarretar a criação de estoques, que acabariam por trazer custos à empresa, a qual, objetivando não perder seu produto, teria que reduzir os preços de cada sorvete, não obtendo retorno algum com essas unidades. No segundo tipo de produção, o esquema a ser seguido é o de ajustar o tempo de serviço de cada funcionário para a quantidade demandada de sorvete, não deixando que produzam mais do que o necessário, imbuir nestes o sentimento de que todos são responsáveis pela produção, não importa em qual parte da montagem estejam, quando da mudança de estação os produtores continuariam a produzir apenas o que é necessário evitando maiores perdas e mantendo uma checagem da qualidade em todo o processo.


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal