Texto base 1 – amb, Movimento Feminista e Feminismo nas Localidades Feminismo como Movimento Social Carmen Silva e Silvia Camurça



Baixar 18.47 Kb.
Encontro04.08.2016
Tamanho18.47 Kb.





Texto base 1 – AMB, Movimento Feminista e Feminismo nas Localidades
Feminismo como Movimento Social

Carmen Silva e Silvia Camurça
A palavra feminismo tem origem francesa e vem, da palavra femme, que em francês significa mulher. Feminismo pode ser então compreendido como tudo aquilo que diz respeito às mulheres. Hoje o feminismo é, entretanto, mais que isto. O feminismo é ao mesmo tempo uma teoria que analisa criticamente o mundo e a situação das mulheres, um movimento social que luta por transformação e uma atitude pessoal diante da vida.

Como uma linha de pensamento, ou seja, uma perspectiva teórica, o feminismo procura explicar a situação das mulheres e elabora continuadamente a crítica e a denúncia da injustiça da sociedade patriarcal. Em sua dimensão organizativa, o feminismo é a movimentação das mulheres na sociedade e as organizações que as mulheres criam para fazer a luta por direitos, por mudanças, por igualdade, por justiça e por transformar a própria sociedade. A igualdade e a justiça que a gente quer não são possíveis nesta sociedade patriarcal, capitalista e racista. É preciso transformá-la. Como atitude o feminismo é uma postura cotidiana assumida por cada mulher diante da sua própria vida ao não aceitar ser o 'tipo de mulher' que a sociedade impõe que ela seja.

Como movimento social, o feminismo congrega muitas experiências de auto-organização das mulheres: grupos de bairros, grupos setoriais de mulheres de partidos, secretarias de mulheres de centrais sindicais e sindicatos, centros de estudos e pesquisas, núcleos de educação e formação feminista, ongs, fóruns, redes, articulações e movimentos. Ou seja, são parte do feminismo todas as formas organizativas criadas pelas mulheres para serem instrumentos de luta contra a dominação, exploração e opressão das mulheres. Participam também do feminismo mulheres que não estão em nenhum destes tipos de grupos, mas que no seu trabalho profissional e/ou na sua vida cotidiana assumem e elaboram posições feministas.

O feminismo é um movimento plural, dentro do qual convivem em conflito, e muitas vezes em aliança, diferentes 'expressões': o feminismo negro; o feminismo lésbico; o feminismo sindical; o feminismo indígena; o feminismo popular, o feminismo acadêmico, entre outras. Algumas destas expressões se constituem como um modo de pensar o feminismo e outras configuram apenas um espaço de atuação.

Todos estes lugares de atuação são perpassados por correntes políticas, algumas mais liberais e outras mais de esquerda. As várias correntes formam campos políticos que se articulam no interior do movimento, mas, muitas vezes, as diferentes organizações e/ou expressões do feminismo atuam no movimento e defendem posições sem levar em conta estas divergências. Tem muitas pessoas que não percebem as divergências porque não existem muitos momentos fortes nos quais os debates aconteçam de forma explícita e contundente.

Além dos diferentes modos de organização, das diversas expressões e das correntes políticas, existem também as diferentes visões teóricas. Isso quer dizer que a teoria feminista não é um 'pensamento único'. Existem várias maneiras de pensar no feminismo, mas todas com a preocupação de tentar entender a situação das mulheres e propor formas de superação da desigualdade.

Se no feminismo tem tantas diferenças internas, o que nos unifica? Na verdade o que nos une são nossas lutas por liberdade e autonomia para todas as mulheres. Daí a importância de convivermos bem com nossas diferenças internas, enfrentando nossos conflitos com generosidade e gerando acordos políticos em torno de algumas causas que nos mobilizem e consigam agregar muitas mulheres e o apoio de outros movimentos.
Princípios organizativos no feminismo

No feminismo destacamos dois princípios organizativos importantes para o fortalecimento do movimento e sua não-burocratização: o princípio da autonomia e o princípio da horizontalidade.

Nos movimentos, há diferentes formas de pensar autonomia. Às vezes, autonomia é tomada como voluntarismo, ou seja, cada uma fazer o que se tem vontade em qualquer circunstância. Outras vezes, autonomia é tratada como ausência de qualquer relação – como quando se fala em autonomia frente aos partidos, governos ou a igrejas.

Para o feminismo, autonomia está relacionada com o poder, poder de tomar decisões frente as circunstâncias e contingências. É um conceito relacional. Isso significa que o sujeito autônomo considera as relações sociais nas quais age, reflete e decide por si. No sentido organizativo do movimento trata-se de sujeito coletivo, isto é, o grupo ou movimento decide autonomamente o seu caminho, e não alguém, de dentro ou de fora do movimento, decide por ele.

Para o feminismo a conquista da autonomia para as mulheres é um objetivo e ao mesmo tempo uma condição para o fortalecimento do próprio movimento. A autonomia do movimento, por outro lado, não é um objetivo, é um princípio a partir do qual se faz a auto-organização das mulheres, sem tutelas, e a partir do qual as mulheres organizadas poderão estabelecer, ou não, relações com outros movimentos, governos e partidos políticos.

Autonomia é o princípio pelo qual torna-se possível ao movimento de mulheres decidir sobre quando e com quem estabelecer relações políticas sejam elas de colaboração, aliança ou confronto, mas sempre a partir dos interesses, convicções e projeto com os quais o movimento se orienta coletivamente.

Quanto ao princípio da horizontalidade este é assumido pelo feminismo em contraposição ao modelo hierárquico e vertical que prevalece em muitas formas de organização política, com relações de poder estabelecidas de forma centralizada e decisões impostas de cima para baixo. A horizontalidade no feminismo faz com que todas as organizações que dele sentem-se parte possam atuar com legitimidade no movimento, sem precisar ser autorizadas por ninguém. A horizontalidade é o princípio que levou, por exemplo, o feminismo a atuar na forma de rede, sem ter um centro de poder que o dirija.

O princípio da horizontalidade já foi, entretanto, muito criticado no feminismo, especialmente por falsear a real desigualdade de poder, de saber e de classe, que existe entre as mulheres dentro das organizações e no movimento mesmo. Fazemos movimento de mulheres numa sociedade desigual, e por isto estamos, nós mulheres, em situação de desigualdade umas frentes as outras.

A partir desta crítica, parte do movimento colocou em questão este princípio. Enquanto outra parte mantém-se fiel a ele, mas tomando este princípio como proposição utópica, ou seja, que deve ser buscada sempre, de modo a garantir o máximo de igualdade entre as mulheres no movimento, mesmo que estejam numa situação de desigualdade na sociedade.

A horizontalidade permanence como um princípio que orienta o movimento sobre como devem ser vivenciadas as relações de poder entre as mulheres. É com base nele que propomos a negação de relações hierárquicas e queremos construir organizações cada vez mais democráticas. Para isso, nos organizamos em forma de redes (às vezes chamados fóruns ou articulações), estabelecemos instâncias coletivas de direção, temos formas participativas de tomada de decisão, trabalhamos a formação de consensos para realizar ações, todas podemos falar pelo movimento, defendemos o direito de minorias, etc.

Movimentos de Mulheres e a AMB

Um debate sempre recorrente é a relação entre feminismo e movimento de mulheres. Alguns setores do movimento pensam como dois espaços distintos frente aos quais devemos nos posicionar e decidir participar de um ou outro. Outros setores do movimento, no qual nos incluímos, compreendem o feminismo como parte do movimento de mulheres. No nosso ponto de vista, o movimento de mulheres faz o feminismo ao mesmo tempo em que é construído por ele. Um alimenta o outro.

Todo movimento feminista é parte do movimento de mulheres, mas nem todo movimento de mulheres é feminista. O movimento de mulheres colhe os princípios organizativos, a teoria explicativa da sociedade e o projeto político formulados a partir do feminismo. Quando apropriam-se destes elementos, os movimentos de mulheres passam a usá-los criticamente e com isto constroem e transformam continuadamente seu próprio movimento. As mulheres contribuem com novas reflexões e novas experiências a partir do que novas pautas de lutas são instituídas no movimento, enriquecendo o próprio feminismo. Assim, em certo sentido, somos todas feministas. Embora, com certeza, também existam ainda muito desconhecimento, algumas desconfianças e posições antifeministas dentro dos movimentos de mulheres.

A Articulação de Mulheres Brasileiras (AMB) é um movimento de mulheres e é também um movimento feminista. Na AMB, participam todas as mulheres que aderem ao tipo de feminismo que procuramos construir juntas: um feminismo anti-patriarcal, anticapitalista e antirracista. Ou seja, nos organizamos na AMB para lutar contra a situação de desigualdade na qual vivemos. Estas desigualdades são construídas pelo sistema patriarcal de dominação e exploração dos homens sobre as mulheres; pelo racismo que é o sistema de dominação e de valoração das pessoas brancas em detrimento das pessoas negras; e do capitalismo que se fundamenta na exploração do trabalho de mulheres e homens e na concentração de riquezas nas mãos de uns poucos. Nós lutamos contra tudo isso e, no cotidiano, oferecemos resistência, de várias formas e com todas as forças, às expressões deste sistema nas nossas vidas.



Auto formação da AMB – Tema 1: AMB, Movimento Feminista e o Feminismo nas nossas localidades



Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal