Textos complementares



Baixar 30.2 Kb.
Encontro02.08.2016
Tamanho30.2 Kb.


TEXTOS COMPLEMENTARES
TEXTO 01
Extraídos de:

ECO, Umberto. Como se faz uma tese. Trad. Gilson Cesar Cardoso de Souza. 17 ed. São Paulo: Perspectiva, 2002. (Coleção Estudos, 85)


Que é a cientificidade?” (ECO, 2002, p. 21-25)
Para alguns, a ciência se identifica com as ciências naturais ou com a pesquisa em bases quantitativas: uma pesquisa não é científica se não se conduzir mediante fórmulas e diagramas. Sob este ponto de vista, portanto, não seria científica uma pesquisa a respeito da moral em Aristóteles; mas também não o seria um estudo sobre consciência de classe e levantes camponeses por ocasião da reforma protestante. Evidentemente, não é esse o sentido que se dá ao termo “científico” nas universidades. Tentemos, pois, definir a que título um trabalho merece chamar-se científico em sentido lato.

O modelo poderá muito bem ser o das ciências naturais tal como foram apresentadas desde o começo do século. Um estudo é científico quando responde aos seguintes requisitos:

1) O estudo debruça-se sobre um objeto reconhecível e definido de tal maneira que seja reconhecível igualmente pelos outros. O termo objeto não tem necessariamente um significado físico. A raiz quadrada também é um objeto, embora ninguém jamais a tenha visto. A classe social é um objeto de estudo, ainda que algumas pessoas possam objetar que só se conhecem indivíduos ou médias estatísticas e não classes propriamente ditas. [...] Definir o objeto significa então definir as condições sob as quais podemos falar, com base em certas regras que estabelecemos ou que outros estabeleceram antes de nós. [...]

2) O estudo deve dizer do objeto algo que ainda não foi dito ou rever sob uma óptica diferente o que já se disse. Um trabalho matematicamente exato visando demonstrar com métodos tradicionais o teorema de Pitágoras não seria científico, uma vez que nada acrescentaria ao que já sabemos. [...] Como já dissemos [...], mesmo uma tese de compilação pode ser cientificamente útil na medida em que o compilador reuniu e relacionou de modo orgânico as opiniões já expressas por outros sobre o mesmo tema. [...]

3) O estudo deve ser útil aos demais. Um artigo que apresente nova descoberta sobre o comportamento das partículas elementares é útil. [...] Um trabalho é científico se (observados os requisitos 1 e 2) acrescentar algo ao que a comunidade já sabia, e se todos os futuros trabalhos sobre o mesmo tema tiverem que levá-lo em conta, ao menos em teoria. Naturalmente, a importância científica se mede pelo grau de indispensabilidade que a contribuição estabelece. [...]

4) O estudo deve fornecer elementos para a verificação e a contestação das hipóteses apresentadas e, portanto, para uma continuidade pública. Esse é um requisito fundamental. Posso tentar demonstrar que existem centauros no Peloponeso, mas para tanto devo: (a) fornecer provas (pelo menos um osso da cauda, como se disse); (b) contar como procedi para achar o fragmento; (c) informar como se deve fazer para achar outros; (d) dizer, se possível, que tipo de osso (ou outro fragmento qualquer) mandaria ao espaço minha hipótese, se fosse encontrado.

Desse modo, não só forneci as provas para minha hipótese, mas procedi de maneira a permitir que outros continuem a pesquisar, para contestá-la ou confirmá-la.

O mesmo sucede com qualquer outro tema. Suponhamos que eu faça uma tese para demonstrar que, num movimento extra parlamentar de 1969, havia dois componentes, um leninista e outro trotskista, embora se supusesse que ele fosse homogêneo. Devo apresentar documentos (panfletos, atas de assembléias, artigos, etc.) para demonstrar que tenho razão; terei de dizer como procedi para encontrar aquele material e onde o encontrei, de modo a que outros possam continuar a pesquisa naquela direção; e devo mostrar ainda que critério adotei para atribuir o dito material probatório aos membros daquele grupo. [...] Só assim fornecerei aos outros a possibilidade de encetar novas investigações e mostrar, por exemplo, que minhas observações estavam erradas porque, digamos, não se podia considerar como membro do grupo um indivíduo que fazia parte dele segundo a polícia, mas que nunca fora reconhecido como tal pelos outros membros, a julgar pelos documentos disponíveis. Terei assim apresentado uma hipótese, provas e procedimentos de confirmação e contestação.

Escolhi de propósito temas bizarros justamente para demonstrar que os requisitos de cientificidade podem aplicar-se a qualquer tipo de pesquisa. [...]
TEXTO 02 - “E se for preciso ler livros? Em que ordem?” (ECO, 2002, p.77-79).
O capítulo sobre pesquisa na biblioteca e o exemplo de pesquisa ab ovo que apresentei podem fazer pensar que fazer uma tese significa amealhar montes de livros.

Mas uma tese é sempre feita sobre livros e com livros? Já vimos que também há teses experimentais onde se registram pesquisas de campo, fruto às vezes de meses e meses de observação do comportamento de um casal de ratos num labirinto. Sobre esse tipo de tese não me aventuro a falar, uma vez que o método depende da disciplina, e ademais quem costuma fazer pesquisas do gênero já vive em laboratórios, convivendo com outros pesquisadores, e não precisa deste livro. Só sei, como já disse, que, mesmo neste gênero de tese, a experiência deve ser enquadrada numa discussão da literatura científica precedente, de sorte que também aí os livros entram em jogo.

O mesmo acontecerá a uma tese de sociologia que exija do candidato um longo contato com situações reais. Também aqui precisará de livros, quando menos para saber como se fizeram pesquisas análogas.

Há teses que se fazem folheando jornais ou atas parlamentares, mas elas também exigem uma literatura de apoio.

Enfim, existem outras onde apenas se fala de livros, como em geral as de literatura, filosofia, história da ciência, direito canônico ou lógica formal. Nas universidades italianas, em especial nas faculdades de ciências humanas, constituem maioria. Até porque um estudante americano que estude antropologia cultural tem os índios em casa ou encontra quem lhe financie pesquisas no Congo, enquanto, de um modo geral, o italiano se contenta em analisar o pensamento de Franz Boas. Existem, está claro, e cada vez mais, boas teses de etnologia calcadas no estudo da realidade do país, mas mesmo aí se exige certo trabalho de biblioteca, ao menos para procurar repertórios de folclore anteriores.

Digamos, de qualquer forma, que o presente livro tem em mira, por razões compreensíveis, a grande maioria de teses feitas sobre livros e utilizando exclusivamente livros.

A este propósito, contudo, convém recordar que em geral uma tese sobre livros recorre a dois tipos de livros: os livros de que se fala e os livros com a ajuda dos quais se fala. Em outras palavras, existem os textos-objeto e a literatura sobre eles. No exemplo do parágrafo anterior, tínhamos, por um lado, os tratadistas do Barroco e, por outro, todos os que escreveram sobre esses tratadistas. Devemos, pois, distinguir os textos da literatura crítica.

Uma pesquisa oportuna é, portanto, a seguinte: cumpre enfrentar imediatamente os textos ou passar primeiro pela literatura crítica? A questão pode ser desarrazoada por dois motivos: (a) porque a decisão depende da situação do estudante, que pode já conhecer bem o autor e decidir aprofundar-se, ou estar pela primeira vez abordando um autor difícil e a primeira vista incompreensível; (b) o círculo é em si vicioso, pois sem literatura crítica preliminar o texto pode parecer ilegível, e sem seu conhecimento não se pode aquilatar a literatura crítica.

Mas a pergunta tem seu fundamento quando provém de um estudante desorientado, o de nosso exemplo anterior, por exemplo, a enfrentar pela primeira vez os tratadistas barrocos. Ele pode indagar-se se deve começar a ler de imediato Tesauro ou familiarizar-se antes com Getto, Anceschi, Raimondi etc.

A resposta mais sensata me parece esta: abordar em primeiro lugar dois ou três textos críticos dos mais gerais, o suficiente para formar uma idéia do terreno onde está se movendo; passar depois ao autor original, procurando entender algo do que ele diz; a seguir, examinar o resto da literatura crítica; por fim, voltar ao autor original e reexaminá-lo à luz das novas idéias adquiridas. Mas este é um conselho teórico demais. Na realidade, cada um estuda ao ritmo do objetivo e, nesse caso, “comer” desordenadamente não faz mal. Pode-se avançar em ziguezague, alternar os objetivos, desde que uma rigorosa rede de anotações pessoais, possivelmente sob a forma de fichas, dê consistência ao resultado destes movimentos “aventureiros”. Naturalmente, tudo depende também da estrutura psicológica do pesquisador. Existem pessoas monocrônicas e policrônicas. As primeiras só trabalham bem quando começam e acabam uma coisa por vez. Não conseguem ler ouvindo música, não conseguem interromper um romance para ler outro, senão perdem o fio da meada e, nos casos extremos, nem sequer conseguem responder a uma pergunta enquanto fazem a barba.



Os policrônicos são o contrário. Só trabalham bem quando conduzem várias atividades concomitantemente e, se se concentram numa delas, tornam-se opressos e entediados. Os monocrônicos são mais metódicos, mas sua fantasia é às vezes limitada. Os policrônicos parecem mais criativos, não raro se revelam atabalhoados e inconstantes. Mas se formos analisar a biografia dos grandes homens, veremos que entre eles havia tanto monocrônicos quanto policrônicos.

TEXTO 03 - “Como se fala” (ECO, 2002, p. 115-121)
Uma vez decidido a quem se escreve (à humanidade, não ao examinador), cumpre resolver como se escreve. Problema difícil: se houvesse a respeito regras cabais, seríamos todos escritores de proa. Pode-se recomendar escrever a tese várias vezes, ou escrever outras coisas antes de atacá-la, pois escrever é também questão de treino. De qualquer forma, é possível dar alguns conselhos muito gerais.

Não imite Proust. Nada de períodos longos. Se ocorrerem, registre-os, mas depois desmembre-os. Não receie repetir duas vezes o sujeito. Elimine o excesso de pronomes e subordinadas. [...]

Não pretenda ser e.e. cummings. Cummings era um poeta americano que assinava com as iniciais minúsculas. E, naturalmente, usava vírgulas e pontos com muita parcimônia, cortava os versos, em suma, fazia tudo aquilo que um poeta de vanguarda pode e deve fazer. Mas você não é um poeta de vanguarda. Nem sua tese versa sobre poesia de vanguarda. Se escrever sobre Caravaggio, por-se-á de súbito a pintar? Portanto, ao falar do estilo dos futuristas, evite escrever como um deles. Esta é uma recomendação importante, pois hoje em dia muita gente se mete a fazer teses “de ruptura”, onde não se respeitam as regras do discurso crítico. A linguagem da tese é uma metalinguagem, isto é, uma linguagem que fala de outras linguagens. [...] Quando Marx falava dos operários, não escrevia como um operário de sua época, mas como um filósofo. Mas quando, de parceria com Engels, redigiu o Manifesto de 1848, empregou um estilo jornalístico, de períodos curtos, muitíssimo eficaz e provocatório. Diferente do estilo de O Capital, destinado a economistas e políticos. [...]

Abra parágrafos com freqüência. Quando for necessário, para arejar o texto, mas quanto mais vezes melhor.

Escreva o que lhe vier à cabeça, mas apenas em rascunho. Depois perceberá que o ímpeto lhe arrebatou a mão e o afastou do núcleo do tema. Elimine então as partes parentéticas e as divagações, colocando-as em nota ou em apêndice (ver). A finalidade da tese é demonstrar uma hipótese que se elaborou inicialmente, e não provar que se sabe tudo.

Use o orientador como cobaia. Faça-o ler os primeiros capítulos (e depois, aos poucos, o resto) com boa antecedência antes da entrega da tese. As reações dele poderão ser de grande utilidade. Se o orientador for uma pessoa muito ocupada (ou preguiçosa) recorra a um amigo. Verifique se qualquer pessoa entende o que você escreveu. Não se faça de gênio solitário.

Não se obstine em iniciar no primeiro capítulo. Talvez esteja mais preparado e documentado para o quarto capítulo. Comece por aí, com a desenvoltura de quem já pôs em ordem os capítulos anteriores. Ganhará confiança. Naturalmente você conta com um ponto de apoio no índice-hipótese, que vai orientá-lo desde o começo [...].

Não use reticências ou pontos de exclamação, nem faça ironias. Pode-se falar uma linguagem absolutamente referencial ou uma linguagem figurada. Por linguagem referencial entendo uma linguagem onde todas as coisas são chamadas pelo seu nome mais comum, o mais reconhecível por todos e que não se presta a equívocos. [...] Um ensaio crítico ou um texto científico deveriam de preferência ser escritos em linguagem referencial (com todos os termos bem definidos e unívocos), mas às vezes é útil empregar uma metáfora, uma ironia ou uma litotes1.

[...]


No entanto, este terceiro trecho contém, de forma condensada, muitos vezos feios do escritor diletante. Antes de mais nada, a utilização de reticências para advertir “atenção que agora vem chumbo grosso!” Puerilidade. As reticências, como veremos, só se empregam no corpo de uma citação para assinalar os trechos omitidos e, no máximo, no final de um período para indicar que nem tudo terminou, que ainda haveria algo a dizer. Em segundo lugar, o uso do ponto de exclamação para enfatizar uma assertiva. Fica mal, pelo menos num ensaio crítico. [...] Se disser coisas importantes, conseguirá maior efeito. [...]

Defina sempre um termo ao introduzi-lo pela primeira vez. Não sabendo defini-lo, evite-o. Se for um dos termos principais de sua tese e não conseguir defini-lo, abandone tudo. Enganou-se de tese (ou de profissão).

Não comece a explicar onde fica Roma para depois não explicar onde fica Timbuctu. [...] Não diga, nem mesmo numa tese de história: “T.S. Eliot, poeta inglês” (à parte o fato de ter nascido nos Estados Unidos). Parte-se do princípio de que Eliot é universalmente conhecido. [...] Mas, se a tese for sobre Eliot, tenha a humildade de fornecer todos os dados, se não no texto, pelo menos numa nota logo no início: em dez linhas condensará, com precisão e honestidade, os dados biográficos necessários. Não se deve exigir do leitor, ainda que especializado, que se lembre de quando Eliot nasceu. Isso vale ainda mais para autores menores de um século passado. Não presuma que todos saibam de quem se trata. Diga logo quem era, sua posição etc. Mas, ainda que fosse Molière, que custa alinhavar uma nota com duas datas? Nunca se sabe.

Eu ou nós? Deve-se, na tese, introduzir as opiniões próprias na primeira pessoa? Deve-se dizer “penso que...”? Alguns acham isso mais honesto do que apelar para o noi majestatis. Não concordo. Dizemos “nós” por presumir que o que afirmamos possa ser compartilhado pelos leitores. Escrever é um ato social: escrevo para que o leitor aceite aquilo que lhe proponho. Quando muito, deve-se procurar evitar o pronome pessoal recorrendo a expressões mais impessoais, como “cabe, pois, concluir que”, “parece acertado que”, “dever-se-ia dizer”, “é lícito supor”, “conclui-se daí que”, “ao exame desse texto percebe-se que” etc. Não é necessário dizer “o artigo que citei anteriormente”, ou “o artigo que citamos anteriormente”, basta dizer “o artigo anteriormente citado”. Entretanto, é válido escrever “o artigo anteriormente citado nos demonstra que”, pois expressões assim não implicam nenhuma personalização do discurso científico.

[...]




1 Figura que combina a ênfase retórica com a ironia, sugerindo uma idéia pela negação do seu contrário (p.ex., usar “não ser nada baixo” no lugar de “ser muito alto”); Eco (2002, p. 118) dá o seguinte exemplo: “dizer que não estamos convencidos de que fulano seja um intérprete perspicaz significa dizer que estamos convencidos de que ele não é um intérprete perspicaz.”



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal