Trabalho De Informática Jurídica «A criptografia» Universidade do Minho. Maio de 20005



Baixar 14.99 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho14.99 Kb.
Trabalho
De
Informática Jurídica


«A criptografia»
Universidade do Minho.

Maio de 20005.

Criptografia

O homem inicialmente aprendeu e começou a dominar a escrita, mas desde tempos remotos que sentia a necessidade de ocultar dos outros certas e determinadas mensagens. Conseguiu-o através de códigos.

A criptografia (em grego KRYTOS- secreto, GRAPHOS- escrita) é na sua essência fazer chegar a alguém uma mensagem conservando-a inacessível a quem desconheça o código por ele utilizado e ou criado.

A história revela-nos que desde há quatro mil anos o homem recorreu a diversas formas de escrita codificada.

Nas pedras sepulcrais do Antigo Egipto foram encontradas pedras codificadas às quais eram atribuídos poderes mágicos e religiosos. Foi Júlio César, um estadista romano que entre (100-44 a.C) criou um cifrário (sistema de cifra) que utilizava para fazer chegar as suas mensagens em segurança as suas ordens e legiões romanas que comandava.

Com o advento da revolução Industrial, a criptografia evoluiu no sentido da automatização. O uso de códigos secretos até então de uso exclusivo de diplomatas, foi-se gradualmente se difundindo em diversas áreas. A sua utilização é aplicada para as fichas médicas em hospitais; para empresas, cuja a intenção é preservar informações técnicas de laboração e dos seus equipamentos; para as actividades bancárias; para o tratamento de dados científicos; para salvaguardar a informação em redes informáticas

(exemplo: hackers); entre outras áreas.

Os métodos utilizados na criptografia são muitos:

A cítala de espartana; o método de transposição; o método da substituição que foi inventado por Júlio César, método esse que remonta os quatro anos antes de Cristo e que ainda hoje é falado; o código rotativo de Alberti; a régua de Saint-Cyr; as listas; a criptografia mecânica; o rotor; a criptografia electrónica; entre muitas outras que de todas a resistente nestes quatro mil anos são as CIFRAS. Em todos os métodos o objectivo era desenvolver uma forma de codificar mensagens e para que tal aconteça é necessário existir dois agentes: o Emissor (cifra textos) e o Receptor (decifra mensagens). No entanto em qualquer sistema criptográfico é necessário uma “chave”, que é utilizada para o evento decifrar que após produz uma mensagem. Entre estes dois agentes existe uma extrema relação de confiança para poderem proceder a transmissão de informação. Para decifrar a mensagem o receptor recebe a mensagem enviada pelo emissor, adiciona a chave e obtêm o resultado, que é uma mensagem ou um criptograma.

As cifras consistem num algarismo sem valor absoluto. Estas eram anteriormente apenas utilizadas no campo de guerra e no campo diplomático. Tiveram o seu auge na segunda guerra mundial. Hoje são utilizadas nas mais variadas áreas.

Allesandro Volta (1745-1827) criou os espaços eléctricos aplicados a criptologia; Paula Martí (1762-1827) expõe uma variedade de cifras; Louis Braille (1809-1852) criou o código Braille que foi universalmente aceite e utilizado até aos dias de hoje; Samuel Morse (1791-1872) desenvolveu o código de Morse que na verdade não é um código, mas sim um alfabeto cifrado em sons curtos e longos; Francis Beaufort e a cifra de Beaufort; o padre brasileiro José Francisco de Azevedo inventou a máquina de escrever; Friedrich wilhelm kasiski que publicou um texto «Die Geheimxhrifton Und Die Dechiffrierkuns» (As escritas secretas e a arte da decifração), que se refere a solução de cifras polialfabéticas, problema que atormentava os criptoanalistas durante séculos; assim como Eduard Barros e o seu manual de criptografia; Roberto Landell de Moura e as primeiras transmissões de sinais telegráficos e da voz humana.

Concluímos que além da comunicação oral e escrita, são conhecidas muitas outras maneiras de transportar informação, como o telégrafo da selva, tambores, sinais de fumaça e outros. Estes métodos não são criptográficos, porém exigem codificação e descodificação, o que significa que a história da linguagem, a história da comunicação e a história da criptologia estão intimamente ligadas.

Em suma, a criptologia é uma forma benéfica de comunicação que nos permite desde há quatro mil anos comunicar em situações de conflito

(guerras), de segurança máxima (diplomacia) e que hoje se expandiu nos mais varados níveis, como é o caso das fichas médicas nos hospitais, que têm a sua própria cifra.




Trabalho realizado por:

Glória Soares nº 27049.

Joana Carvalho nº31675.

Raquel Gomes nº31679.





Catálogo: twiki -> pub -> Education -> Archive
Archive -> Docente: Dr. José Manuel E. Valença a informática na saúde
Archive -> Universidade do Minho Licenciatura em Direito Informática Jurídica Técnicas Criptográficas—Cifras Docente
Archive -> Realizado por: Henrique Fernandes da Cunha Nº. 34531 Cristina Laura Silva Ferreira Nº. 31625 Mafalda Joana Saraiva Magalhães N
Archive -> Informática Jurídica 2004/2005 Uminho
Archive -> Docente: Dr. José Manuel E. Valença
Archive -> Universidade do Minho – Escola de Direito Informática Jurídica
Archive -> Informática Jurídica Contratos Na Internet
Archive -> Universidade do Minho – Escola de Direito Informática Jurídica
Archive -> O principio da preservação da propriedade intelectual na Web: Uma perspectiva ética
Archive -> Informática Jurídica 2004/2005 Uminho


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal