TraduçÃo prática técnica ou ferramenta transcultural?



Baixar 25.26 Kb.
Encontro21.07.2016
Tamanho25.26 Kb.

TRADUÇÃO
PRÁTICA TÉCNICA OU FERRAMENTA TRANSCULTURAL?


Isa Ferreira Martins (UERJ)
Maria Aparecida Ferreira de Andrade Salgueiro
 (UERJ)

O presente trabalho pretende propor uma discussão sobre o conceito de tradução que, comumente, fica limitado ao sentido da literalidade ou do trabalho técnico. Milenarmente praticada, a tradução ganha um novo papel de destaque na contemporaneidade devido às discussões sobre globalização - que há séculos vem ocorrendo, como veremos logo a seguir. No entanto, o legado cultural desse processo, que tem como importante ponte a prática tradutória, ocupa, geralmente, um papel de coadjuvante. Diante desse quadro, surge, então a necessidade de um novo olhar sobre o papel do tradutor e das questões que cercam seu ofício.

As experiências vividas como bolsista PROATEC (Programa de Apoio Técnico às Atividades de Ensino, de Pesquisa e de Extensão) do Escritório Modelo de Tradução Ana Cristina César, do Instituto de Letras da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, motivaram o presente trabalho. Vivenciar cotidianamente o trabalho desenvolvido pela equipe do Escritório serve como laboratório para reflexões sobre o trabalho do tradutor para a sociedade, algumas das desafiantes problemáticas que cercam o seu ofício, além de, cada vez mais, constatar a dimensão da tradução como ferramenta transcultural.

Embora alguns autores analisem o processo da globalização de forma semelhante a Renato Ortiz na citação seguinte, cabe ressaltar, anteriormente, que o presente trabalho vale-se do termo globalização não pelo seu aspecto econômico-político-comercial, mas, principalmente, pelo aspecto cultural, como início do processo da transculturação, há muito presente entre as civilizações. Contudo, a grande expansão atual do termo e do processo em si, coloca em destaque social a tradução, consequentemente, cada vez mais reconhecida e solicitada. Observemos a posição de Ortiz sobre o tema:

“(...) As religiões universais conheciam seus centros, as economias-mundo giravam em torno de seus núcleos específicos. A difusão cultural, assim como o universo das trocas, se fazia levando-se em consideração os círculos concêntricos que a determinavam. A pergunta que nos interessa é a seguinte: em que momento as economias, independentes entre si, tornaram-se uma só? A resposta, alguns autores procuram no desenvolvimento do capitalismo entre os séculos XV e XVIII. Este é o momento de sua expansão. Dinamizado pelas descobertas marítimas (o planeta tona-se geograficamente unificado), o capitalismo, um produto do Ocidente, promove seus valores universais, e etnocêntricos, em escala ampliada. No entanto, apesar da colonização dos continentes (América e África), da pujança militar e econômica de algumas potências, seria prematuro falarmos de globalização. São vários os indícios de sua incipiência. Até o final do século XVIII, mesmo diante do surgimento de uma economia internacionalizada (...) A rigor, até meados do século XIX, a fraqueza dos laços econômicos, a falta de relações diplomáticas e as distâncias impediam a emergência de um mundo singular. ” (ORTIZ: 1994, 36)

 

A prática tradutória colabora como importante ferramenta de impulso para que as culturas não se limitem às suas fronteiras geográficas. Porém, esta prática, aparentemente simples, é cercada de vários campos considerados como “minados”, mesmo, na maioria das vezes, sendo vista pela sociedade como um fenômeno quase empírico. Ou seja, muitos possuem a idéia de que sabendo uma língua ou mais de uma língua estrangeira o tradutor precisa “somente” fazer uma equivalência entre vocábulos.



Entretanto, os que de alguma forma estão ou em algum momento estiveram envolvidos com esse trabalho, sabem que traduzir não se limita a tal processo. O que muitos que solicitam os diversos tipos de traduções não percebem é que a questão cultural das línguas envolvidas permeia a tradução por mais simples que ela seja. Esta idéia, talvez, venha do momentâneo “esquecimento” das diferenças existentes entre as culturas envolvidas.

Cristina Carneiro Rodrigues em Tradução e Diferença aborda esta problemática através da teoria de John C. Catford, um dos mais conhecidos e divulgados teóricos de tradução no Brasil. Embora a teoria de Catford seja focalizada na tradução em termos de substituição e equivalência, desconsiderando o contexto histórico-social e do sujeito na produção dos significados, o teórico abre-nos uma importante brecha em sua suas idéias quanto ao aspecto cultural.

Vejamos o que ele nos diz:

Em muitos casos ao menos, o que torna “intraduzíveis” itens “culturalmente intraduzíveis” é o fato de que o uso de qualquer equivalente aproximado de tradução no texto da LM1 produz uma associação insólita na LM. Falar de “impossibilidade cultural de tradução” pode ser apenas outra maneira de falar sobre impossibilidade de tradução das associações: a impossibilidade de encontrar uma associação equivalente na LM.

1- Ao Fornecer sua definição de tradução, Catford afirma que ela é “inteiramente ampla”, mas não vaga: “a substituição de material textual numa língua (LF[lígua-fonte]) por material textual equivalente noutra língua (LM[língua-meta] )”. (RODRIGUES: 2000, 58 e .38)

 

O exemplo acima apresenta-nos uma das questões mais complicadas presentes no trabalho do tradutor que, na maioria das vezes, fica adormecida na memória daqueles que vêem a tradução como a simples transposição de palavras e, esquecem-se de toda a subjetividade que envolve as traduções e versões dos mais variados tipos. Diante de questões como a anteriormente apresentada o profissional de tradução vê-se diante de uma responsabilidade maior. Sem o referencial ou equivalência cultural, seu trabalho se torna não só mais difícil como delicado, pois, como passar a mensagem ou mensagens necessárias para o receptor? Muitos recorrem às notas de rodapé.



No entanto, nem sempre este recurso é suficiente, o que acaba levando a outra questão extremamente discutida: a tentativa de fidelidade textual. Objetivando essa fidelidade, o tradutor busca preservar a originalidade no texto, mas por nem sempre ser, absolutamente, possível é que seu trabalho ganha uma função artística.

Tais idéias são exemplificas de melhor forma através das palavras de Octavio Paz:

“Todo texto é único e, é, ao mesmo tempo, tradução de outro texto. Nenhum texto é completamente original porque a própria língua, em sua essência, já é uma tradução: em primeiro lugar, do mundo não - verbal e, em segundo, porque todo signo e toda frase é a tradução de outro signo e de outra frase. Entretanto, esse argumento pode ser modificado sem perder sua validade; todos os textos são originais porque toda tradução é diferente. Toda tradução é, até certo ponto, uma criação e, como tal, constitui um texto único.” (ARROJO: 2000, 11)

O tema também é amplamente discutido por André Lefevere em sua teoria: a tradução como reescritura.

“Na maior parte dos casos, os tradutores... reescrevem, tanto no nível do conteúdo quanto no estilo...Pode-se mostrar, portanto, que a “fidelidade” em tradução não é exatidão, nem primeiramente uma questão de ajustes no nível lingüístico. Envolve, mais precisamente, uma complexa rede de decisões tomadas pelos tradutores nos níveis da ideologia, da poética e do universo do discurso.” (RODRIGUES: 2000, 129)

 

As duas definições anteriores levam-nos à reflexão de que autor, texto, tradutor e leitor são os elementos primordiais para a alquimia de línguas e linguagens na poética tradutória. E que cada um deles desempenha uma importante função no caldeirão lingüístico-cultural em que vivemos.



Quando saímos do campo unicamente textual e passamos para as questões culturais, podemos perceber que, desde o primeiro encontro entre povos diferentes a tradução se faz presente. Os choques entre as culturas foram e são amenizados a partir do entendimento dos costumes, filosofias e também da língua. A troca nesse tipo de situação só é permitida através da interlocução, ao menos inicial, proporcionada pelo trabalho do tradutor-interlocutor.

Atualmente, podemos perceber o resultado desse trabalho diariamente nas ruas, nos trabalhos, na mídia, etc. Contudo, as pessoas pouco refletem sobre o multiculturalismo, fruto concreto da tradução, presente de forma extremamente marcante em nossas vidas. Alguns chegam a criticar a forte presença de determinadas culturas em nosso país.

No entanto, muitas vezes, estes mesmos não querem privar-se de, por exemplo, usar produtos produzidos por multinacionais, ir a um rodízio de pizza e tomar uma cerveja. “Esquecendo-se” que, o rodízio veio da cultura francesa, a cerveja da alemã e a pizza, como todos sabem é um símbolo da italiana. Não é possível, assim, fecharmos os olhos para o ganho que se tem nas trocas proporcionadas pelo transculturalismo.

Passemos agora a algumas palavras sobre a escritora, e também tradutora, Clarice Lispector, sua tradução, obra e alguns exemplos de sua contribuição transcultural.

A autora Clarice Lispector é um dos nomes brasileiros de destaque que proporcionou ao Brasil importantes diálogos culturais através das traduções que realizou, além de sua própria literatura. A prática tradutória, que permeia a produção literária de vários autores, no caso de Lispector, teve um papel fundamental, embora pouco explorado. Tal importância se dá não só como trabalho desempenhado pela autora, mas, também pelas influências literárias que obteve através das leituras de autores estrangeiros, possíveis através da tradução ou do domínio de uma outra língua. O papel que sua literatura e traduções de sua obra ficcional para outras línguas e os textos literários que a escritora como tradutora colaborou para que se tornassem conhecidos no Brasil são contribuições significativas para o processo de transculturação.

Pode-se contemplar, na produção de Clarice, aspectos fundamentais sobre cultura e tradução, a importância da autora no palco literário brasileiro e fora dele, e, as influências literárias que recebeu na prática tradutória. O processo transcultural proporcionado pela prática da tradução e da escrita, teve assim como uma das grandes realizadoras a escritora Clarice Lispector - um nome nacional e internacionalmente respeitado. Entretanto, nossa autora foi pouco reconhecida por esta imensa contribuição, ficando muitas vezes seu nome associado somente ao trabalho de escritora da Literatura Brasileira.

Investigar a influência literária de autores estrangeiros na literatura clariceana possibilitou uma melhor compreensão sobre as várias maneiras pelas quais o processo de transculturação, viabilizado pela tradução, se dá. Além disso, a análise dos textos teóricos, que discutem o tema aqui proposto, mostrou como a prática tradutória marcou, de forma intensa e particular, não só a obra mas, a vida de Clarice Lispector, e, conseqüentemente, a Literatura Brasileira e sua difusão em outras culturas.

A pesquisa sobre as traduções, feitas por ela, proporciona um melhor entendimento sobre a importância desse trabalho para a cultura e riqueza literária mundial. Assim, obras da literatura estrangeira chegaram às mãos de leitores da Língua Portuguesa através do trabalho tradutório de Clarice Lispector como é o caso de O Retrato de Dorian Gray de Oscar Wilde, Clássico da Literatura Inglesa, além do popular Entrevista com o vampiro de Anne Rice que tornaram-se um patrimônio literário. Desta forma, podemos perceber como a tradução, como obra artística, vem ao longo dos anos ganhando mais espaço e respeito na academia literária contemporânea. Lispector, autora consagrada internacionalmente, é um exemplo de contribuição para a disseminação da tradução e da literatura como ferramenta transcultural.

Vislumbra-se, portanto, a importância fundamental de uma sensível escrita para o sucesso da tradução. Tal prática ultrapassa a literalidade, ou seja, as simples correspondências de palavras, exigindo assim do tradutor um vasto domínio cultural das línguas em questão, além de uma linguagem capaz de expressar idéias sem, no entanto, transgredir a poética da língua em que dada obra foi escrita. Assim, percebemos que o trabalho do tradutor não é, nem de longe, puramente técnico e que a tradução serve, então, como ferramenta transcultural, proporcionando diálogos entre culturas, deixando à sociedade uma espécie de herança coletiva.

É através do ofício tradutório que o mundo tem acesso, por exemplo, às idéias de Platão, Shakespeare, Descartes, Dante, Newton, Einstein, Fernando Pessoa, entre vários outros, hoje difundidas mundialmente e fontes de saberes universais. Além de possibilitar, ainda, a troca de experiências, informações, livros e saberes técnicos, científicos, teóricos, históricos, artísticos, literários, filosóficos... Tais conhecimentos passam, assim, a pertencer à humanidade pela importante contribuição para o crescimento dos que, felizmente, podem ter acesso a esta herança literária viabilizada, na maioria das vezes, pela prática e os estudos de tradução em todo mundo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ARROJO, Rosemary, Oficina de Tradução. A teoria na prática. Série Princípios. São Paulo; Editora Ática. 2000.

IANNACE, Ricardo. A Leitora Clarice Lispector. São Paulo: Editora EDUSP, 2001.

LOBO, Luiza (org.) Fronteiras da Literatura. Discursos Tranculturais. V.2 Rio de Janeiro: Editora Relume Dumará, 1999.

ORTIZ, Renato. Mundialização e Cultura. São Paulo: Editora Brasiliense, 1994.

OTTONI, Paulo (org.). Tradução: a prática da diferença. Campinas, São Paulo: Editora UNICAMP, FAPESP, 1998.

SALGUEIRO, Maria Aparecida Ferreira de Andrade. “Tradução e Inclusão”. In. As Margens da Tradução. Rio de Janeiro: Editora Caetés, 2002.

RODRIGUES, Cristina Carneiro. Tradução e Diferença. São Paulo: Editora UNESP, 2000.



ROSENBAUM, Yudith. Clarice Lispector. Coleção Folha Explica. São Paulo: Editora Publifolha, 2002.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal