Trovante – 125 azul Conteúdos: Competências culturais



Baixar 47.14 Kb.
Encontro27.07.2016
Tamanho47.14 Kb.

Trovante – 125 azul


Conteúdos:

Competências culturais: informações sobre a biografia e discografia do grupo Trovante; a música que se faz atualmente em Portugal;

Competências linguísticas:

- competência semântico-lexical: formação de palavras: derivação; antonímia; sinonímia; expressões com cores;

- competência gramatical: Indicativo Presente e Passado; expressões enfáticas; o verbo “dar” seguido de preposições; valores de “mesmo”;

Competências pragmático-discursivas: argumentar; justificar;

Competências sociolinguísticas: compreender textos; exprimir opiniões.
Nível QECR: B1

Tempo aproximado: 120 minutos
CULTURA – COMPETÊNCIA SOCIOCULTURAL

Informações sobre Trovante e a sua discografia

Os Trovante começaram em 1976, em Sagres, quando um grupo de amigos se juntou para fazer música. A sua formação original era constituída por Luís Represas (voz), João Nuno Represas (percussões), Manuel Faria (teclados), João Gil (guitarra) e Artur Costa (saxofone). Em 1977 gravam o seu primeiro disco "Chão Nosso", com uma forte componente política e influenciado pela música tradicional portuguesa. No ano seguinte, mudam de editora e gravam "Em Nome da Vida", um disco que os confirma como um grupo muito importante da nova música de intervenção. Participam, também, nos coros do disco "Fura Fura" de José Afonso e em "Histórias de Viageiros" de Fausto.

Né Ladeiras (vinda da Brigada Victor Jara) junta-se à banda e participa na gravação do single "Toca a Reunir", além de participar em vários espetáculos. No entanto, esta cantora estará pouco tempo no line up.

A partir de 1980 o grupo muda de rumo musical, concentrando-se mais nos elementos de origem tradicional da sua música e com os seus componentes a iniciarem estudos musicais no Hot Club de Portugal, sem dúvida uma escola que se revelará importantíssima na evolução do som do grupo.

Em 1981 gravam o disco "Baile no Bosque", um enorme sucesso comercial. Em pleno boom do rock português, os Trovante conseguem ter sucesso sem se enquadrarem nesse estilo. Para a história ficarão "Balada das Sete Saias" e "Outra Margem". Fernando Júdice (baixo) e José Martins (teclas e outros instrumentos) entram para a banda que passa a ser constituída por sete elementos. “Baile no Bosque” vem demonstrar que a banda aproveitou com grande utilidade os anos de experiência com os maiores nomes da música portuguesa: José Afonso, Vitorino, Fausto, Sérgio Godinho.

O sucessor de "Baile no Bosque" será editado em 1983 e chamar-se-á "Cais das Colinas", no qual está incluindo esse verdadeiro ex-libris do grupo que é "Saudade". Neste disco já não participa João Nuno Represas, que abandonou o grupo. José Salgueiro entra para a bateria e José Martins encarrega-se das percussões. Luís Represas, Gil, Faria, Costa, Júdice, Salgueiro e Martins serão a formação definitiva dos Trovante.

No ano seguinte lançam "84", do qual se destacam temas que ficam na história do grupo, como "Xácara das Bruxas Dançando" e "Travessa do Poço dos Negros". Este disco é o pretexto para dois concertos no Coliseu de Lisboa, com 8 000 pessoas a aplaudirem os músicos. Em 1986 surge "Sepes", o seu novo trabalho, e continuam os espetáculos, sempre com grande sucesso. No 10º aniversário da banda voltam a encher os Coliseus de Lisboa e do Porto, em cinco triunfais noites de Maio.

À sombra dos Trovante tinham, entretanto, surgido outros projetos como os Charanga com o disco "Aguarela" e Mafalda Veiga com "Pássaros do Sul": pode até falar-se no trovantismo e no pós-trovantismo, tal a importância que o grupo adquiriu.

Em 1987 editam “Terra Firme”, de sonoridade marcadamente mais pop e urbana no qual as referências mais tradicionais se esbatem. Dele notabilizaram-se 125 Azul, Perdidamente (com poema de Florbela Espanca) e Bye-Bye Blackout. É muito bem acolhido pela crítica e obtém um Disco de Ouro.

Em 1988 o grupo arrisca uma superprodução no Campo Pequeno, para oito mil pessoas que sabem todas as canções de cor e que resulta no disco ao vivo "Trovante Ao Vivo no Campo Pequeno", que será disco de Platina. Em 1990 o grupo edita o seu último disco de estúdio "Um Destes Dias" que terá em "Timor" o seu maior êxito, mas também mencionamos “Objetos perdidos” e “Baltazarblimunda”. Este disco é mal recebido pela crítica e os Trovante realizam a sua última digressão antes da dissolução definitiva em 1992.

O grupo efetuou, em 12 de Maio de 1999, no Pavilhão Multiusos do Parque das Nações, um espetáculo de que resultou um duplo disco e a transmissão na RTP. O pretexto foi um convite do Presidente da República, Jorge Sampaio, para que o grupo Trovante se voltasse a reunir neste ano em que se comemoraram os 25 anos do 25 de Abril. Deste concerto resulta “Uma Noite Só”, o último registo e ao mesmo tempo uma síntese de uma década e meia de carreira.

Em 12 de Outubro de 2006, o grupo reuniu-se para um concerto no Campo Pequeno, numa iniciativa promovida pelo Montepio Geral. Para efeitos promocionais é registado o DVD "Não Há Volta A Dar". No ano de 2007 é lançado em DVD o concerto "Uma Noite Só".


Texto adaptado a partir de http://anos80.no.sapo.pt/trovante.htm [20/07/2013]
COMPREENSÃO DA LEITURA

Atividade 1. Assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) as afirmações abaixo. No caso de a afirmação ser F, corrija-a e dê a informação correta:

  1. Os Trovante gravaram o primeiro disco dois anos depois da sua formação.

  2. Né Ladeiras abandonou o grupo pouco depois da sua entrada na banda.

  3. Nos anos oitenta, quando o estilo rock começou a ter grande sucesso em Portugal, os Trovante mudaram de rumo e adotaram esse estilo.

  4. Os Trovante nunca foram influenciados pelos grandes nomes da música portuguesa.

  5. No décimo aniversário do grupo, os Trovante deram vários concertos nos Coliseus de Lisboa e do Porto.

  6. O disco “Terra Firme”, onde as referências tradicionais continuam vivas, recebeu um Disco de Ouro.

  7. O grupo deixou de existir depois da gravação do disco “Um Destes Dias”.

  8. Em 1999, quando se comemoraram os vinte e cinco anos do 25 de Abril, os Trovante deram um grande espetáculo.


Atividade 2. Selecione nas frases abaixo a palavra ou a expressão mais adequada como sinónimo:

1. Né Ladeiras junta-se à banda e participa na gravação do single "Toca a Reunir".

(a) grupo;

(b) direção;

(c) partido.
2. A partir de 1980 o grupo Trovante muda de rumo musical, concentrando-se mais nos elementos de origem tradicional da sua música.

(a) muda de direção;

(b) muda de destino;

(c) muda de estilo.


3. “Balada das Sete Saias” e “Outra Margem” ficaram para a história.

(a) ficaram esquecidas;

(b) ficaram na memória;

(c) ficaram num livro de história.


4. José Salgueiro entra para a bateria e José Martins encarrega-se das percussões.

(a) responsabiliza-se pelas;

(b) tomou encargo das;

(c) deu encargo às.


COMPREENSÃO DA LEITURA / FUNCIONAMENTO DA LÍNGUA

Atividade 3. Um dos valores do Presente do Indicativo refere-se aos usos em que se narram factos passados para tornar o discurso mais vivo. Depois de reler o texto acima, reescreva-o conjugando as formas verbais no tempo passado.
COMPREENSÃO ORAL

Atividade 4. Ouça uma primeira vez a canção 125 azul na interpretação dos Trovante disponível no site http://youtu.be/wRyqnDsBU7w. Tente identificar o tema da canção e justifique o seu título. A que se refere 125 azul e o que é que lhe sugere?
Atividade 5. Volte a ouvir a canção e preencha os espaços em branco com as palavras em falta para reconstituir as suas letras. A que classe gramatical pertencem estas palavras? De seguida, verifique as suas respostas com base na versão acompanhada da letra disponível no site http://letras.mus.br/trovante/504543/#selecoes/1050411/
Foi sem mais nem menos
Que um dia ________ a 125 azul
Foi sem mais nem menos
Que me deu para ________ sem destino nenhum

Foi sem graça nem pensando na desgraça


Que eu ________ pelo calor
Sem pendura que a vida já me foi dura
P´ra ________ na companhia

O tempo não me diz nada


Nem o homem da portagem na entrada da auto-estrada
A ponte ________ deserta nem sei mesmo se Lisboa
Não ________ para parte incerta

Viva o espaço que me fica pela frente e não me deixa ________


Sem paredes, sem ter portas nem janelas
Nem muros para ________

Talvez um dia me encontre


Assim talvez me encontre

Curiosamente dou por mim pensando onde isto me vai ________


De uma forma ou outra há-de haver uma hora para a vontade de ________
Só que à frente o bailado do calor vai-me ________ para o vazio
E com o ar na cara, vou ________ desafios que nunca ninguém sentiu

Talvez um dia me encontre


Assim talvez me encontre

Entre as dúvidas do que ________ e onde quero ________


Um ponto preto ________-me a solidão do olhar
Será que existe em mim um passaporte para ________
E a fúria de ________ é mesmo fúria de ________

Foi sem mais nem menos


Que um dia ________ a 125 azul
Foi sem mais nem menos
Que ________ sem destino nenhum
Foi com esperança sem ligar muita importância àquilo que a vida ________
Foi com força acabar por ________ naquilo que ninguém quer

Mas Deus leva os que ama


Só Deus tem os que mais ama
ÂMBITO LINGUÍSTICO GERAL

Exercício 1. A partir de algumas palavras tiradas da letra da canção 125 azul, resolva os seguintes tópicos:

1.1. O substantivo desgraça é formado a partir do lexema graça ao qual se acrescenta o prefixo de negação des-. Dê outros cinco exemplos de substantivos formados com o mesmo prefixo.

1.2. Com o mesmo prefixo de negação des-, dê cinco exemplos de verbos formados da mesma maneira que os substantivos acima.

1.3. Se os verbos do ponto anterior são formados por derivação prefixal, há também verbos formados por derivação parassintética, isto é, o prefixo des- e o sufixo -ar juntam-se ao mesmo tempo ao radical. Dê cinco exemplos de verbos formados por derivação parassintética.

1.4. Na letra da canção também aparece desafio ou destino, formados através de derivação regressiva. Dê outros cinco exemplos de substantivos formados por derivação regressiva a partir de verbos formados com o prefixo des-.

1.5. Na letra da canção, para além do prefixo de negação des-, aparece também o prefixo in- (com as suas variantes im-, ir-, i-), como em incerto. Forme palavras com este último prefixo a partir de: previsto, respirável, coerente, limitado, perdoável.
Exercício 2. A partir das seguintes palavras tiradas da letra da canção e devidamente contextualizadas, encontre os antónimos: (vida) dura, a entrada (da auto-estrada), (a ponte ficou) deserta; (entre) as dúvidas (do que sou…); fúria (de viver / acabar).
Exercício 3. Encontre na letra da canção sinónimos para as seguintes expressões: sair de repente, andar para trás, pôr sela em, pôr fim, levar à força.
Exercício 4. Expressões de realce

Lembrete gramatical. Para realçar determinadas ideias ou ações, utilizam-se as expressões de realce é (foi)…que…; é que, entre outras. Veja os seguintes exemplos:

- é que (invariável quando colocada depois do sujeito): ele é que selou a 125 azul

- quem… é / são (de acordo com o tempo do verbo principal): quem selou a 125 azul foi ele / foram eles

- ser (variável)´+ pronome sujeito + relativo que: foi ele que selou a 125 azul / foram eles que selaram a 125 azul.

Para além do sujeito (como nos exemplos acima), também podem ser destacados complementos, como por exemplo: Foi sem motivo que selei a 125 azul. Foi a 125 azul que selei sem motivo.



4.1. Encontre na letra da canção expressões enfáticas.

4.2. A partir da seguinte frase, utilize expressões de realce para enfatizar várias partes da oração: Os Trovante começaram em 1976, em Sagres, quando um grupo de amigos se juntou para fazer música.
Exercício 5. O verbo dar seguido de preposições.

Lembrete gramatical. O verbo dar seguido de várias preposições ganha sentidos diferentes. Repare nos seguintes exemplos:

- dar com (encontrar, descobrir): Não dei com a rua que me indicaste. Dei com o João a mexer na minha mala.

- dar-se com (relacionar-se com): Ela não se dá com os pais.

- dar em (acabar em, resultar): Agora deu em músico!

- dar para (estar situado defronte): As janelas da sala dão para um jardim; (ter vocação para): O Pedro não dá para médico, só de ver sangue fica mal disposto; (ser conveniente): Dá para passares pela minha casa amanhã de manhã?; (servir): Isso dá para alguma coisa?

- dar por (aperceber-se): Ele entrou e saiu e eu não dei por nada.

- dar-se por (considerar-se): Dou-me por vencido.
5.1. O verbo dar aparece duas vezes na letra da canção. Identifique os contextos.

5.2. Reescreva as frases seguintes utilizando o verbo dar seguido das preposições convenientes:


  1. Não encontrei os discos de que me falaste.

  2. Encontrei os miúdos a brincarem sozinhos no jardim.

  3. Os membros do grupo não se relacionaram muito bem e acabaram por se separar.

  4. Mesmo sem sabendo tocar, o João recebeu uma guitarra e agora anda a arranhá-la o dia todo a pensar que é já um grande guitarrista.

  5. Estes discos antigos servem para alguma coisa?

  6. Dá-te jeito ires comigo ao concerto dos Trovante?

  7. Infelizmente, não me apercebi da tua saída.

  8. Considera-se satisfeito com a música que compôs.


Exercício 6. Valores de mesmo. A palavra mesmo aparece na letra da canção duas vezes: “…nem sei mesmo se Lisboa / Não partiu para parte incerta” e “E a fúria de viver é mesmo fúria de acabar”. Em ambos os casos, mesmo tem valor adverbial.

Para além do valor adverbial, mesmo pode ter valor adjetival (com o sentido de “idêntico”: Comprou os mesmos discos que eu; “próprio”: Ele mesmo veio receber-nos); pronominal e substantival (Nos dias seguintes sucedeu-se o mesmo); conjuncional com valor concessivo (Mesmo estudando, terá de fazer o exame escrito e oral).

Quanto ao valor adverbial, mesmo tem várias acepções, visto que pode denotar:


  1. uma espécie de limite (até, também): Mesmo as pessoas que se diziam amigas viraram-lhe as costas;

  2. inclusão (inclusive, também): Mesmo o seu marido não acreditou que ela estava a dizer a verdade;

  3. tempo enfático (junto a hoje, agora, ontem etc.): Eles saíram agora mesmo;

  4. de facto, de verdade, realmente: Foi mesmo uma notícia que alegrou a todos.


Indique nas frases seguintes os valores de mesmo:

1. Fizeram parte do mesmo grupo musical.

2. Ir ou não ao concerto era o mesmo para ele.

3. Mesmo a irmã se recusou a dar-lhe apoio.

4. Foram ao concerto ontem mesmo.

5. O prémio que a banda ganhou foi mesmo uma novidade.

6. Mesmo praticando oito horas por dia, nunca se vai tornar um grande guitarrista.
Exercício 7. Na letra da canção aparece uma única referência ao preto. Em português há dois adjetivos referentes à ausência total da cor: preto e negro. Na maioria das locuções e expressões os dois adjetivos não são substituíveis. Preencha os espaços em branco com um desses dois adjetivos:

humor ______; filme a ______ e branco; mercado ______; chá ______; ter um dia ______; lista ______; naipes ______ (cartas); pôr o ______ no branco; magia ______; ovelha ______; pão ______; maré ______; cerveja ______.


PRODUÇÃO ORAL

Exercício 8. Um dos temas da canção é o tema da viagem. Mas os primeiros versos da canção referem-se ao facto de não haver nenhum motivo para originar a viagem: “Foi sem mais nem menos / Que um dia selei a 125 azul / Foi sem mais nem menos / Que me deu para arrancar sem destino nenhum”. Tente inverter a situação e encontre razões para alguém iniciar uma viagem para um determinado destino.
Exercício 9. Qual é o desfecho da viagem iniciada pelo protagonista desta canção? Defenda o seu ponto de vista com base na letra da canção.
Exercício 10. Discussão em pares. Imaginem que cada um de vocês representa um grupo de pessoas: o dos que pensam que viajar é uma forma de conhecimento e o dos que pensam que viajar é um desperdício. Quais são os argumentos que podia trazer com o intuito de convencer o seu interlocutor? Apesar dos contra-argumentos, tente defender os seus pontos de vista.
PRODUÇÃO ESCRITA

Exercício 11. Faça uma pesquisa sobre o tema da viagem na literatura portuguesa ou na literatura do seu país. Não ultrapasse 30 linhas.
PARA SABER MAIS

No texto acima transcrito aparecem referenciados vários cantores portugueses. No site http://www.aja.pt/ poderá encontrar informações sobre a biografia e discografia de José Afonso e no site http://www.infopedia.pt/ poderá encontrar algumas referências a Vitorino, Fausto e Sérgio Godinho.



http://www.languagesbysongs.eu


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal