TÍtulo: e-Learning para Deficientes Visuais a fundação Bradesco



Baixar 25.23 Kb.
Encontro22.07.2016
Tamanho25.23 Kb.
TÍTULO: e-Learning para Deficientes Visuais

A Fundação Bradesco:
A Fundação Bradesco [ www.fb.org.br ] é uma Entidade sem fins lucrativos, criada em 1956 por Amador Aguiar, com o objetivo de proporcionar educação básica, profissional e de jovens e adultos às comunidades carentes dos 26 estados brasileiros. Mantida exclusivamente pela Organização Bradesco, inaugurou sua primeira escola de ensino fundamental em 29.06.62, na Cidade de Deus - Osasco/SP, com 300 alunos e 7 professores. Hoje são 39 escolas, com 2500 colaboradores que possibilitarão em 2003 o atendimento de 105.000 alunos.
A tecnologia Educacional na Fundação Bradesco - e-Learning:
A Fundação Bradesco iniciou o seu projeto de tecnologia educacional em 1995 com o objetivo de possibilitar a inclusão digital e o desenvolvimento de competências na aplicação da tecnologia, através de soluções tecnológicas e pedagógicas que levassem em consideração o desenvolvimento cognitivo e lúdico das crianças e jovens. Hoje o projeto contempla mais de 3500 computadores conectados à Internet em 39 escolas localizadas em 26 estados brasileiros.

O projeto de e-Learning fez parte dessa iniciativa com a finalidade de complementar o atendimento em sala de aula, através de um ambiente de colaboração síncrona e assíncrona e estender o atendimento a população carente, através de parcerias com entidades públicas e sem fins lucrativos

A Escola Virtual da Fundação Bradesco[ www.escolavirtual.org.br ], portal de e-Learning, foi concebida em 1997 a partir da seleção de soluções tecnológicas líderes de mercado, com o objetivo de prover um ambiente interativo de gerenciamento de campus virtual (LMS), Colaboração Síncrona (Live e-Learning) e exercício on-line a mais de 100.000 alunos.




Atualmente a Escola Virtual oferece mais de 150 cursos voltados à área de informática, com certificação em tecnologias das empresas Cisco e Microsoft, formação de professores e conteúdos de educação básica para alunos da Fundação Bradesco e de Escolas Públicas, através de tecnologias e conteúdos de empresas parceiras, como DOCENT, CENTRA, ABAN e NIIT da Índia, QUESTIONMARK, MICROSFT, INTEL e CISCO.




A previsão de atendimento para 2003 é de 30000 alunos da Fundação Bradesco e de comunidades carentes, através de parcerias com escolas públicas. Os cursos são à distância, com tutoria e acompanhamento de especialistas em educação e tecnologia da Escola Virtual.





A Informática para Deficientes Visuais:
Em agosto de 1998, o Banco Bradesco lançou de forma inédita um site para portadores de deficiência visual, que permitia o acesso à informações bancárias, através da Internet e recursos de síntese de voz, integrada ao sistema operacional Windows. Essa solução possibilitou aos portadores de deficiência visual uma inclusão social e digital antes imaginável, abrindo novas oportunidades de treinamento em informática e acesso à informações sem a necessidade de uso do Brille. A parceria da Fundação Bradesco com o Bradesco em setembro de 1998 possibilitou o desenvolvimento de uma metodologia de ensino de informática para portadores de deficiência visual, através de uma mediação pedagógica e acessibilidade, que permitiu o atendimento de mais de 4000 portadores de deficiência visual até setembro de 2003. Os cursos desde então são : Digitação, Virtual Vision, Windows, Word, Excel e Internet.

Dando continuidade à Inclusão Digital de pessoas portadoras de deficiência visual, a Fundação Bradesco em parcerias com 10 Entidades e provedores de tecnologia, criou em 1999 um grupo de discussão de temas referentes questões de portadores de deficiência visual, mobilizando entidades em todo o Brasil. Site www.deficientevisual.org.br.



O e-Learning para Deficientes Visuais:

Na área de acessibilidade tecnológica um contexto de grande relevância social e que merece atenção é o número de deficientes visuais no Brasil , 12 milhões segundo pesquisa do IBGE em 2002 e o tamanho continental do nosso país. Nesse cenário, acreditamos que o e-learning possa ser uma solução de inclusão social e digital, atingindo um grande número de portadores de deficiência visual, através de centros de inclusão digital ou Tele-Centros, pois é de conhecimento público que a maioria de portadores de deficiência visual brasileiros apresentam carência sócio-econômica.

Com base nos resultados obtidos no projeto de e-Learning da Fundação Bradesco até o momento, acreditamos que é o momento de acrescentar um novo item na lista de recursos tecnológicos dedicados aos cursos na Internet: a acessibilidade.

A inclusão social de portadores de deficiência já estimulou a disseminação dos softwares leitores de telas, incentivos e exigências governamentais, e iniciativas públicas e privadas de acessibilidade.

A Fundação Bradesco, por exemplo, através do Programa de formação de Deficientes Visuais para uso da tecnologia, já atendeu mais de 4.000 pessoas num curso presencial. Considerando que maior parte destas pessoas dependem de familiares para se locomoverem, o e-Learning pode trazer grandes oportunidades para que dêem continuidade a seus estudos, levando-os até mesmo à universidade visto que já temos cursos de graduação aprovados pelo Ministério da Educação do Brasil para serem oferecidos em modalidade semi-presencial com 70% da carga horária em ensino à distância via Web.

O número de empresas que estão aderindo à contratação de deficientes visuais e ao e-Learning como universidade corporativa para seus funcionários, é crescente. Neste caso o desenvolvimento de cursos que sejam acessíveis por aplicativos leitores de telas deve ser considerado para promover acessibilidade nesta universidade corporativa. Outro item crescentes é a empregabilidade de DV’s quebrando o estereótipo de empregá-los sempre na área de telemarketing. Hoje podemos destacar profissionais atuantes nas áreas de Administração, Informática (especialmente desenvolvimento de sistemas), Direito, Contabilidade entre outras.

Para as Universidades que abrem espaço para atender portadores de deficiência visual, disponibilizar conteúdos via Web e com acessibilidade, poderá ser considerada uma ação de inclusão social significativa, pois os recursos1 que o DV dispõe para anotar não são adequados para uso em sala de aula.Para os DV’s que cursam a universidade, a ausência da visão e dificuldade em fazer registro no momento da aula podem ser amenizados com acesso ao conteúdo em formato eletrônico sobre a aula em questão.

As empresas como IBM, Microsoft, Macromedia, Adobe e outras, estão atentas à necessidade de promover a acessibilidade em seus produtos. Atualmente podemos encontrar além de normas técnicas, softwares para diagnóstico da acessibilidade e softwares que podem auxiliar na otimização do processo de tornar acessível objetos desenvolvidos.

A inclusão social e digital está evoluindo e as grandes empresas de tecnologia estão e participando. Porém, a utilização das tecnologias que possibilitam promover a acessibilidade de conteúdos Web que sejam acessíveis através de software leitor de telas2 necessita de diretrizes de padrões para gerar melhores resultados.

O desenvolvimento de projetos de e-Learning tem se apoiado em metodologias de ensino que valorizam o ritmo, a capacidade individual de aprendizagem e um processo de mediação pedagógica onde a interatividade, colaboração e tutoria on-line são fundamentais no sucesso do ensino-aprendizagem.

O pioneirismo, a experiência e a capacidade de apropriação de tecnologias de e-Learning e para treinamento em informática de deficientes visuais, propiciou a Fundação Bradesco o desenvolvimento de uma metodologia, mediação e integração tecnológica que permitem aos portadores de deficiência visual a participação de cursos através da Escola Virtual (via Internet), sem a necessidade de deslocamento de suas residências ou à um centro de treinamento mais próximo.

A solução tecnológica compreende a integração do sintetizador de voz Virtual Vision, com a solução de gerenciamento de campus virtual (LMS) Docent e de colaboração síncrona da Centra. O sistema operacional necessário é o Windows XP, com a versão 4.0 do Virtual Vision, do DOCENT 6.5 e Centra 6.1. A integração das ferramentas com o sintetizador de voz foi possível devido a compatibilidade com os padrões de mercado de e-learning e design instrucional ADA Section 508, AICC e SCORM.

A mediação pedagógica foi desenvolvida por um portador de deficiência visual, Sr. Ivo Ramalho, considerando a necessidades específicas de interatividade e acessibilidade do Portador de Deficiência Visual, o tipo de curso oferecido e o público a ser atendido. Os níveis de mediação para portadores de deficiência visual estão entre o nível 1 e 3, dependendo do tipo de cursos e resultado esperado na aprendizagem.

Os cursos oferecidos são de informática para usuários e desenvolvedores, com duração média de 40 horas e em caso de certificação (emissão de certificado de conclusão) com avaliações presenciais. As inscrições são feitas através do portal da escola virtual, que apresenta acessibilidade para portadores de deficiência visual.

Um outro meio de aprendizagem, via e-Learning, oferecida pela Fundação Bradesco para os portadores de deficiência visual é o portal de conferencia (www.conferencia.org.br) , ambiente de colaboração e conferência web, onde a interação ocorre via áudio e apresentações em PowerPoint, acesso a sites e aplicações, através da tutoria de um especialista (apresentador).

Empresas Parceiras:



  • Microsoft www.microsoft.com.br

  • Cisco Systems http://cisco.netacad.net

  • Intel http://www97.intel.com/education/teach/us_program.htm

  • NIIT Online Learning www.netvarsity.com

  • MicroPower www.micropower.com.br

  • Docent www.docent.com

  • Centra www.centra.com

  • Avan Informatics Limited www.classontheweb.com

Participação da Fundação Bradesco em Congressos:

Nacionais:

eLearning Brazil - palestrante

ABRH – Associação Brasileira de Recursos Humanos - palestrante

Internacionais:

Educause - palestrante



Online Learning



1 Notebook com software leitor de telas e fone de ouvido, reglete e punção, ou máquina de datilografia braille.


2 Software leitor de telas é um sistema que utiliza o recurso de sintetizador de voz para transformar as informações disponibilizadas numa forma de texto em uma resposta audível (falada).


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal