Um Acelerador no Museu!



Baixar 7.87 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho7.87 Kb.
Um Acelerador no Museu!
Os aparelhos para acelerar partículas permitem estudar objetos muito pequenos revelando-nos a estrutura mais íntima da matéria encontrada ao nível do núcleo dos átomos. Os aceleradores são tão importantes para a física das partículas, como os telescópios o são para a astronomia ou os microscópios para a biologia.

Em 1929, John Cockroft e Ernest Walton iniciaram, no Laboratório Cavendish em Cambridge, Inglaterra, a construção de um aparelho deste tipo. O laboratório era dirigido pelo reconhecido cientista neo-zelandês Ernest Rutherford, que considerava como problema central da física naquele momento, o conhecimento da estrutura do núcleo atómico. Para isso era preciso “partir o átomo” fazendo chocar partículas umas contra as outras, a elevadas velocidades. Para as atingir era preciso conceber uma máquina que produzisse tensões eletricas muito elevadas que serviriam para acelerar essas partículas.

Cockroft e Walton desenvolveram um aparelho que permitia produzir essas tensões (entre 600 000 e 800 000 Volt) com correntes relativamente baixas, usando um circuito multiplicador de tensão formado, sobretudo, por condensadores e díodos. As partículas assim aceleradas atingiam energias da ordem dos 600 000 eV (electrão – Volt).

Construído o acelerador, Cockroft e Walton realizaram experiências sensacionais!

Foram eles que, em 1932, provocaram as primeiras reações nucleares com partículas aceleradas artificialmente. Utilizando um tubo de descarga auxiliar, os cientistas retiraram eletrões a átomos de hidrogénio, obtendo um feixe de protões. Os protões eram depois acelerados pela alta tensão, num tubo vazio e apontados para um alvo.

O lítio foi o primeiro elemento a ser utilizado como alvo e, por isso, a ser examinado. Do choque entre o feixe de protões e uma folha de lítio resultava a absorção de protões por parte do lítio e a deteção das chamadas partículas–alfa.

Rutherford já tinha identificado partículas–alfa no início da sua carreira, como núcleos de átomos de hélio que perdem os seus eletrões e que têm quatro vezes a massa do protão. Os resultados desta experiência foram mesmo fantásticos: pela primeira vez na história provocara-se uma desintegração não–espontânea de um núcleo atómico sem recorrer à utilização de elementos radioactivos.

Cockroft e Walton foram ainda mais longe: mediram a energia cinética das partículas–alfa e confirmaram experimentalmente a famosa fórmula de Einstein, E = mc2, da equivalência entre a massa e a energia!

Os dois cientistas ganharam, pelo seu trabalho, o Prémio Nobel da Física em 1951.

Os trabalhos de Rutherford, Cockroft, Walton e de muitos outros, abriram caminho para a física das partículas e para a construção de aceleradores que já nada tem a ver com as primeiras máquinas aceleradoras de partículas concebidas nos anos trinta.

No Museu Nacional de História Natural e da Ciência existem componentes de um acelerador que chegou a Portugal em 1957 e pertenceu ao Instituto Tecnológico e Nuclear (ITN). Foram adquiridos nos anos noventa, para o Museu, pelo Professor Bragança Gil. Na Jardineta do Museu está, hoje, exposto o Gerador de Cockroft–Walton (na imagem) fabricado pela empresa americana HighVoltage.

Na verdade, os aceleradores actuais são instrumentos enormes que exigem meios humanos e materiais imensos e que resultam da colaboração de vários países. Atualmente, o Large Hadron Colider (LHC), no CERN, é o maior acelerador de partículas do Mundo. Com um perímetro de 27 km permite realizar colisões de partículas que atingem energias da ordem dos 7 TeV (7 x 1012 eV)!



O objectivo será o mesmo que animou Rutherford e a comunidade científica: penetrar mais fundo na natureza da matéria e descobrir os seus segredos...

Vasco Teixeira
Museu Nacional de História Natural e da Ciência
Ciência na Imprensa Regional – Ciência Viva


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal