Um Estudo sobre Governança em Tecnologia de Informação com enfoque na Qualidade da Prestação de Serviços ao Cliente Fausto Vetter1, Maria Marta Leite1



Baixar 52.71 Kb.
Encontro20.07.2016
Tamanho52.71 Kb.



Um Estudo sobre Governança em Tecnologia de Informação com enfoque na Qualidade da Prestação de Serviços ao Cliente

Fausto Vetter1, Maria Marta Leite1

1Departamento de Informática e Estatística – Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Caixa Postal 476 – 88.040-900 – Florianópolis – SC – Brasil

{fvetter,marta}@inf.ufsc.br



Abstract. The quality client care is an imperative to any business nowadays. Desiring this, many businesses make use of Information Technology (IT) to help to keep the processes of customer relationship management (CRM). But, throughout the time, the client needs tend to evolve. So, the used IT in the business has to be revised. This process, also known as IT Governance, keeps aligned the business and the IT goals. In this project, a revision is done about COBIT and ITIL models and focuses on aspects that they get involved on CRM. Also, a methodology of IT Governance focused on CRM is proposed and validated in this project through a study case done on the perfSONAR project.

Resumo. O atendimento do cliente com qualidade é um imperativo para qualquer negócio atualmente. Visando isso, muitas empresas se utilizam de Tecnologia de Informação (TI) para auxiliar o processo de gerenciamento do relacionamento com o cliente (CRM). Entretanto, ao longo do tempo, as necessidades dos clientes tendem a evoluir. Com isso, a TI aplicada na empresa deve ser revisada. Este processo, conhecido como governança de TI, acaba mantendo alinhadas as metas da empresa e TI. Neste trabalho é realizada uma revisão dos modelos COBIT e ITIL, focando nos aspectos de CRM. Também, uma metodologia de governança de TI enfocada em CRM é proposta e validada através de um estudo de caso no projeto perfSONAR.

1. Introdução


Atender as necessidades dos clientes é um objetivo inerente a qualquer organização que deseja alcançar sucesso no mercado. O foco nas necessidades dos clientes deixa de ser uma obrigação para se tornar um imperativo para a sobrevivência no contexto atual de mercado. Um cliente retido representa um diferencial para qualquer negócio. Potencializar a sua participação no negócio é uma estratégia de grande valia e interesse para a empresa alcançar melhores resultados.

Como uma das formas de busca deste objetivo, muitas empresas utilizam a Tecnologia de Informação (TI) para automatizar os processos organizacionais e, em especial, os de relacionamento com o cliente, visando diminuir o tempo de execução das tarefas e aumentar a satisfação do cliente, bem como a produtividade de seus funcionários. Somente a implantação de TI, entretanto, não garante que o real valor da TI seja alcançado. Visando gerir esse processo de manutenção e vanguarda tecnológica em uma organização, modelos de boas práticas de gestão de TI foram propostos por vários organismos de âmbito mundial.

Observando a problemática do uso de TI para auxiliar na maximização da interação entre cliente e empresa, bem como a dinâmica da evolução tecnológica, torna-se importante uma análise referente aos modelos de governança em TI, em especial o COBIT e o ITIL, sob a perspectiva dos clientes da TI.

2. Governança em Tecnologia de Informação


A tecnologia de informação (TI) tem sido usada para permitir a melhoria no desempenho de qualquer organização dependente de dados. A TI permite que os serviços sejam prestados aos clientes de uma organização de forma mais autônoma. Para Cameira e Caulliraux (2000, p. 5), a TI tornou possível a quebra de barreiras funcionais, permitindo tratarem-se processualmente os fluxos de informações.

A governança em TI, segundo ITGI (2005, p. 5), é definida como a liderança, estruturas organizacionais e processos, que garantem que a TI da empresa sustenta e estende as estratégias do negócio e seus objetivos, integrando e institucionalizando boas práticas. Outra visão exposta em Weill e Ross (2004 apud HOLM et al., 2006, p. 1) é que governança em TI pode ser vista como a especificação de arcabouços de deveres e obrigações para encorajar o desejável comportamento no uso de TI.

Para esse trabalho, foi definida a realização de um estudo mais aprofundado de dois modelos específicos: o COBIT e o ITIL. A escolha destes dois modelos deve-se ao fato de serem modelos que focam a governança de TI de uma maneira mais global e não de uma área específica, como demonstra Holm et al. (2006) em sua avaliação de vários modelos existentes.

2.1. COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)


O COBIT (ITGI, 2005) foi desenvolvido pelo IT Governance Institute (ITGI) e é um documento que apresenta um arcabouço focado em gestão de TI, o qual provê boas práticas e é baseado em domínios e processos. O arcabouço proposto é mais focado em controle e menos em execução. O COBIT está organizado em 34 processos de TI que são categorizados em quatro domínios de TI distintos.

O enfoque no negócio é o principal tema do COBIT, pois é projetado para ser usado em qualquer organização e não somente nas áreas de TI. O COBIT classifica os processos em quatro domínios distintos: Planejamento e Organização, Aquisição e Implementação, Prestação e Suporte e Monitoramento e Avaliação.

No COBIT, cada processo de TI possui um objetivo de controle de alto nível e um número de objetivos de controle detalhados. O COBIT provê três ferramentas para medir os processos: modelos de maturidade; metas de desempenho e métricas para o processo de TI; e metas de atividades.

Como o COBIT é baseado na harmonização de padrões existentes de TI e em melhores práticas, é projetado para ser um modelo complementador e ser usado em uma implantação de governança em TI em conjunto a um outro padrão ou guia de melhores práticas.


2.2. ITIL


O ITIL (ITSMF, 2003) é do Office of Government Commerce (OGC). O ITIL oferece um arcabouço comum para todas as atividades de TI, como parte do provimento do serviço, sendo baseado na infra-estrutura de TI. Um aspecto único do ITIL é que oferece um arcabouço genérico baseado em experiências práticas de uma infra-estrutura de usuários profissionais.

O ITIL não é um método, mas um arcabouço para planejar os processos mais comuns, papéis e atividades, indicando as ligações entre eles e quais linhas de comunicação são necessárias. O ITIL se organiza em dois livros núcleo, sendo que um trata de Suporte de Serviço e, outro, Prestação de Serviço. Os cinco elementos principais do ITIL são: Suporte de Serviço, Prestação de Serviço, Perspectiva do Negócio, Gerenciamento de Infra-Estrutura de TI e Gerenciamento de Aplicações.

O ITIL não é uma fórmula mágica. Deve ser encarado como um quadro de referência para as estruturas dos processos de TI visando sua melhoria e não como uma receita de como se devem implementar os processos de TI. Além disso, pode ser usado como guia para melhor estruturar a TI da organização.

2.3. COBIT versus ITIL


Estudados os modelos de governança ITIL e COBIT, o que se percebe é que são modelos muito similares, entretanto com enfoques distintos. O COBIT é muito mais apropriado para avaliação do status geral dos processos, enquanto o ITIL é mais focado na execução dos processos do departamento de TI da organização.

Em verdade, o COBIT e o ITIL podem ser usados como modelos complementares. Um resumo das características e comparações entre o COBIT e o ITIL pode ser observado na Tabela 1.



Tabela 1. Comparação entre COBIT e ITIL

Estudado o tema de governança de TI, torna-se importante agora estudar o outro enfoque do trabalho, o gerenciamento do relacionamento com o cliente.


3. Relacionamento com o Cliente


Segundo Bose (2002, p. 90), uma firma centrada no consumidor consegue tratar cada consumidor individualmente e unicamente, dependendo de suas preferências, gerando a demanda de gerenciamento do relacionamento com o cliente, ou do inglês, Customer Relationship Management (CRM).

O conceito mais básico para se compreender CRM é o de marketing. Grönroos (1990 apud GRÖNROOS, 1997, p. 327) resume a função de marketing como sendo:



Marketing é para estabelecer, manter e melhorar os relacionamentos com os clientes e outros parceiros, de forma lucrativa, para que os objetivos dos parceiros envolvidos sejam alcançados. Isto é executado pela troca mútua e o cumprimento das promessas.

Compreender como ocorre o relacionamento entre as partes num processo de compra ou prestação de serviço se torna importante para o CRM. O estabelecimento do relacionamento, como comentado por Grönroos (1997, p. 327), pode ser dividido em duas partes: atração do consumidor e construção do relacionamento. Galbreath e Rogers (1999, p. 161) apresentam uma boa conceituação sobre CRM que diz o seguinte:



Gerenciamento de relacionamento com o cliente, ou CRM, é um novo conceito de gerenciamento – uma nova abordagem – para gerenciar clientes. CRM é sobre o gerenciamento de tecnologia, processos, recursos de informação e pessoas necessárias para criar um ambiente que permite um negócio ter uma visão de 360 graus de seus clientes. Ambientes de CRM, por natureza, são complexos e requerem uma mudança organizacional e uma nova forma de pensar sobre os clientes – e sobre um negócio de uma forma geral. A criação de tal ambiente requer mais que gerenciamento adequado do relacionamento com o cliente ou novas tecnologias, requerendo também novas formas de liderança.

Em suma, CRM é uma combinação de elementos, tais como tecnologia, pessoas e processos, visando melhorar a interação entre o cliente e a empresa, de tal forma que esta interação torne-se uma relação de simbiose para ambas as partes, ou seja, seja benéfica tanto para os clientes quanto para as organizações que utilizam CRM. Os elementos do CRM devem ser encarados como facilitadores e potencializadores do processo de CRM e não como pilares fundamentais para o processo. Os pilares de CRM encontram-se no relacionamento e na retenção de clientes interessantes para o negócio.

O CRM se caracteriza, segundo Plattner (1999, p. 4), pelas seguintes áreas funcionais centradas no cliente: marketing, vendas e serviço. Além disso, segundo Xu et al. (2002, p. 446), soluções de CRM não são somente para melhorar a lealdade dos clientes, mas também para melhorar processos internos o que, por sua vez, aumenta a eficiência. Renner (2000 apud CHEN; POPOVICH, 2003, p. 684) argumenta que a otimização das relações dos clientes requer uma compreensão completa de todos os clientes, lucrativos ou não, para então, organizar processos de negócio para tratar clientes individualmente baseados em suas necessidades e seus valores.

Xu et al. (2002, p. 447-448) comentam que, embora, CRM dependa e seja dirigido pelo suporte da tecnologia, somente funciona quando suportado por uma cultura corporativa que abrange alvos focados no cliente. Sem essa visão compreensiva dos objetivos focados nos clientes, segundo os autores, a companhia terá dificuldades em disseminar esse suporte tecnológico. Um modelo centrado no cliente, segundo Chen e Popovich (2003, p. 685), requer o compartilhamento de dados entre toda a empresa, o que usualmente requer uma mudança de paradigma fundamental na cultura para compartilhar informação e conhecimento. Galbreath e Rogers (1999, p. 172) afirmam que o verdadeiro líder de CRM vive e respira a visão da empresa todos os dias.

Chen e Popovich (2003, p. 684) comentam que tanto a tecnologia quanto os processos de negócio são críticos para iniciativas de sucesso de CRM, entretanto os blocos construtores dos relacionamentos com os clientes, na verdade, são cada um dos funcionários. Para Xu et al. (2002, p. 447-448), CRM deveria ser visto como uma estratégia que precisa de um projeto cuidadoso e do apoio de todos os empregados em todos os níveis da companhia.

Os clientes atualmente não somente desejam um produto bom a um preço razoável, segundo Galbreath e Rogers (1999, p. 172-173), mas desejam mais e, em alguns casos, muito mais. Os autores comentam que os clientes desejam produtos e serviços customizados e individualizados, relacionamentos pessoais com seus fornecedores e não serem esquecidos após a venda. Para suprir essa demanda, os autores sugerem que companhias deveriam continuar migrando em direção de uma abordagem holística de CRM, pois se implementado corretamente, o CRM cria um ambiente onde um negócio pode suprir as expectativas dos seus clientes e permitir a um negócio a identificação de seus melhores clientes e aprofundar o relacionamento com os mesmos.

De forma geral, conforme Galbreath e Rogers (1999, p. 164-165) argumentam, um cliente compra um produto ou serviço que atenda suas expectativas ou as excedam, em termos da oferta e de atenção personalizada dos empregados de uma firma. Para atender essa demanda, os autores comentam que as empresas deverão focar em três áreas: customização, relacionamentos pessoais e serviço/suporte de pós-venda.

Greenberg (2001 apud LEITE, 2004, p. 96) afirma que a questão central das discussões não se encontra mais em afirmar a importância de CRM para as empresas, mas sim, na forma de aplicá-lo nas empresas. Por isso, metodologias sobre isso são criadas, das quais se podem citar as metodologias de: Peppers & Rogers Group, mais conhecida como Marketing One to One; Richard Lee; Jay Curry e Adam Curry, conhecida como Customer Marketing Method; e Maria Marta Leite, para empresas de pequeno e médio porte (LEITE, 2004).

Hewson e McAlpine (1999 apud CORNER; HINTON, 2002, p. 243) apresentam oito conjuntos de possíveis riscos em projetos de CRM, os quais são inerentes a qualquer projeto, por isso a necessidade de se conhecer o que é possível acontecer fora do planejado, para, ao máximo, prever algum comportamento alternativo para dar continuidade a um projeto. Enfim, os riscos existem e devem ser considerados em projetos de CRM.

Uma vez que um projeto de CRM é complexo de se realizar, metodologias de implantação existem para tentar auxiliar neste processo. O que visam estas metodologias é diminuir a probabilidade dos riscos existentes emergirem durante a execução do projeto. Percebe-se que metodologias que enfocam em demasia um aspecto acabam se tornando incompletas para se tornarem como guia de um projeto de implantação de CRM. Nota-se, entretanto, que nenhuma metodologia por si só será capaz de abordar todos os casos específicos. Estas devem ser usadas como modelos para que, a partir destes, cada empresa crie sua própria forma de se implantar CRM e atenda as suas demandas e necessidades, baseadas em suas prioridades e formas de trabalhar.

Deve-se perceber que o que deve ser mudado é a forma de se pensar sobre o cliente na organização. Cativar o cliente deve ser o objetivo central de qualquer organização e não uma obrigação diária maçante para os seus empregados de linha de frente. CRM deve ser observado como meta diária de todos os funcionários e deve ser encarado com responsabilidade. Cada funcionário deve integrar as metas do CRM em sua visão diária. Este deve ser usado para melhorar tanto para a empresa como para os seus clientes. O CRM é o que dará aos clientes um aspecto mais humano das empresas.

Tendo estudado o conceito de CRM, torna-se relevante realizar uma proposta de uso conjunto dos temas até agora tratados: governança em TI e CRM.


4. Governança de TI em CRM


Em um mercado atual altamente centrado no consumidor e onde a informação cada vez mais tem importância para os elementos que participam deste ambiente, torna-se irrelevante a discussão sobre o uso de TI para viabilizar o processo de CRM de uma empresa. Para ITSMF (2003), o principal desafio para o CRM em TI é garantir que existam bons e efetivos relacionamentos entre a organização de TI e o cliente da organização em todos os níveis.

Devido a uma grande variedade de requisitos existentes para suprir a demanda existente em projetos de CRM, a identificação dos requisitos que se relacionam a governança de TI torna-se relevante para que se possa eleger os processos adequados das metodologias e definir uma metodologia de abordagem para projetos de CRM. Os projetos de CRM necessitam de governança de TI, de uma forma geral, nos seguintes aspectos: auxílio na gestão de CRM, pontos de contato, canais de comunicação, infra-estrutura de TI e inovação. Com isso, torna-se importante observar que nas metodologias COBIT e ITIL existem processos que atendem a tais demandas para CRM e que podem ser mapeados entre si e ser usados em um projeto conjunto entre CRM e governança em TI.

Baseado nas metodologias de CRM estudadas percebe-se que qualquer metodologia de implantação de CRM, por mais detalhada ou superficial, segue um padrão no conjunto de processos que qualquer metodologia adota. Devido a esse fator, consegue-se generalizar com os seguintes passos: Pré-CRM, Concepção / Aceitação, Planejamento, Implantação e CRM.

O Pré-CRM é composto por um ou mais passos que são responsáveis por análises de mercado, posicionando o negócio quanto ao ambiente que este se encontra inserido. Percebe-se que essa fase serve para embasar a decisão em se iniciar um projeto de implantação de CRM.

Na Concepção/Aceitação é feita a decisão por se prosseguir no processo de CRM. Caso se opte pelo seguimento do processo de implantação, o alinhamento entre a missão e visão do negócio com os objetivos e metas do projeto de CRM é realizado.

No Planejamento existe a preocupação com os recursos que serão utilizados e com a decisão sobre que ferramentas devem ser adotadas na implementação das atividades de CRM. O objetivo do planejamento é a diminuição de riscos na fase de implementação e criar um plano de execução viável para a implantação do projeto.

A fase de implantação preocupa-se, baseada nos planos previamente propostos, em executar as atividades. Esta é a fase onde os funcionários se envolvem em maior escala. Exige-se esforço de todos para que as idéias semeadas anteriormente se tornem realidade. Nesta fase, os resultados começam a ser observados, apontando detalhes antes não percebidos, que podem levar a um re-planejamento para correção de curso.

Finalmente, o CRM é o resultado final esperado de um projeto de implantação de CRM, ou seja, um serviço de atendimento ao cliente adequado a realidade da empresa. Nesta fase, colhem-se os resultados esperados das promessas do CRM, como, por exemplo, a retenção e a fidelização do cliente.

Sendo o processo de CRM muito dependente de TI para ser executado, uma gestão adequada deste recurso torna-se importante. Gerir TI significa, neste sentido, manter os objetivos do negócio, de CRM e de TI alinhados. Por isso, um processo de governança de TI neste contexto é essencial. A Figura 1 apresenta a proposta de metodologia para se implantar governança em TI para CRM. Este modelo deve ser considerado uma complementação ao adotado em CRM.



Figura 1. Metodologia para Governança em TI para CRM

Os passos definidos para a metodologia de governança em TI foram os seguintes: Pré-Pesquisa, Pré-Avaliação, Avaliação de Maturidade, Avaliação de Processos e Pesquisa de Avaliação. Estes passos apresentados se relacionam respectivamente aos passos da metodologia de CRM generalizada, uma vez que cada passo deve ser executado em conjunto com seu sub-processo correlacionado.

A Pré-Pesquisa tem o papel de contextualização da visão do cliente para a empresa e deve ser realizada em conjunto a tarefa de Pré-CRM do processo de CRM. Devem ser aplicadas pesquisas que visem descobrir se as necessidades que a empresa acredita que os clientes possuam são alinhadas as reais demandas que estes desejam e anseiam da empresa. O objeto dessa pesquisa deve ser o serviço e a forma como este é prestado ou o produto e a forma como este é apresentado. Ao final, espera-se obter informações que possam direcionar as decisões do projeto de governança de TI.

O alinhamento estratégico de governança de TI e de CRM é realizado na fase de Pré-Avaliação, que é realizada em concordância com a fase de Concepção / Aceitação. Esperam-se, neste momento do projeto, definir, em linhas gerais, as principais diretrizes que sustentam um projeto de grande porte como este. Esta pesquisa dará subsídios para a decisão em se continuar este projeto e mostrará quais as principais deficiências na visão interna de quem realiza as atividades da empresa.

Na Avaliação de Maturidade, que é realizada com o Planejamento do CRM, a recomendação é usar a análise dos processos recomendada pelo COBIT, uma vez que esta análise é mais rápida e verifica a eficiência na execução dos processos de TI. O resultado esperado dessa fase é se definir a distância entre a imagem atual e a desejada para a área de TI da empresa.

O uso do ITIL é recomendado na Avaliação dos Processos, que ocorre em sintonia com a etapa de Implantação de CRM. Nesta fase, os processos devem ser avaliados quanto a sua execução. Ainda, definem-se como os elementos do CRM de TI serão executados e prestados ao cliente de TI. Em suma, desta fase espera-se uma revisão completa dos processos de TI e que estes estejam alinhados à imagem e visão da empresa.

Como forma de se confirmar o trabalho realizado, deve-se periodicamente consultar com os clientes da empresa, através de uma Pesquisa de Avaliação, se estas ações realizadas realmente surtiram efeito e tornaram o cliente mais fiel e satisfeito com o serviço ou produto recebido.

Os desafios desta metodologia são: o convencimento da alta gerência que esta metodologia pode trazer um retorno imediato ao investimento gasto na sua execução; a identificação dos líderes na organização, uma vez que estes são responsáveis pela proliferação da nova cultura organizativa que se deseja implantar; e convencer o cliente participar ativamente do processo de implantação de governança de TI em CRM, pois é a opinião do cliente que guiará todo o processo.

Alguns possíveis riscos da metodologia são: a falta de maturidade da empresa, a falta de alinhamento entre o processo de governança em TI e os objetivos da organização; as expectativas dos retornos não aparecerem no tempo esperado; a falta de compreensão dos conceitos envolvidos em cada processo; e um forte enfoque na tecnologia ao invés da necessidade real do cliente.

As vantagens percebidas desta metodologia é que esta abrange os processos de uma maneira geral e completa, pode-se mapear a avaliação inicial realizada pelo COBIT com a avaliação de execução do processo que é realizada utilizando o ITIL e que esta metodologia pode ser realizada em paralelo ao processo de implantação de CRM. Em contrário a isso, as desvantagens encontradas são: metodologia muito abrangente e muito tempo para ser executada por completo.

A TI, em sua essência, é de suma importância como um fator que auxilia viabilizar o processo de CRM em qualquer organização que se utilize de informação como forma de auto-conhecimento e melhoramento baseados no conhecimento adquirido através dos pontos de contato com os seus clientes. Sendo assim, percebe-se que o processo de se governar TI em um processo de implantação de CRM é um processo complementar. Com isso, a manutenção da qualidade e do desempenho da infra-estrutura estabelecida deve sempre ser reavaliada, para que a percepção do cliente não seja conturbada no decorrer do ciclo de vida do relacionamento. Por estes fatores expostos, o uso da metodologia proposta, que alinha o processo de governança em TI a um modelo genérico de implantação de CRM, auxilia o planejamento e a execução desta tarefa que exige um esforço grande para se tornar realidade. Esta metodologia permite que um processo organizado seja implantado e executado de uma maneira adequada, o que tende a aumentar a probabilidade de sucesso da governança em TI.

5. Estudo Prático no Projeto perfSONAR


Tendo o objetivo de validar a metodologia proposta, um trabalho prático foi proposto aos responsáveis do projeto denominado perfSONAR (Performance focused Service Oriented Network monitoring ARchitecture) (PERFSONAR, 2007). Neste trabalho prático, buscou-se verificar se o enfoque deste projeto estaria de acordo com as expectativas dos clientes e se a visão futura para este projeto estaria muito distante das expectativas existentes.

O perfSONAR primeiramente é um consórcio de organizações que buscam construir um middleware para desempenho em redes de computadores que seja inter-operável através de múltiplas redes e útil para análises intra- e inter-redes. O perfSONAR também é um protocolo e um exemplo uma implementação, que tenta implementar um arcabouço para um middleware inter-operável para desempenho em redes de computadores.

Dado o contexto do projeto, um estudo do caso, que envolveu partes da metodologia proposta neste trabalho, foi sugerido aos gestores do projeto. O objetivo deste estudo de caso foi observar as necessidades dos clientes e realizar uma avaliação inicial de um dos processos de TI existente nas metodologias de governança em TI COBIT e ITIL.

Inicialmente uma pré-pesquisa foi realizada com os clientes para se verificar a perspectiva que estes têm do projeto. Seguindo esta etapa, a segunda foi realizada visando identificar pessoas que poderiam auxiliar no processo de análise de um dos processos escolhidos quanto à maturidade deste processo baseando-se na avaliação do COBIT. Além destes passos, um documento descrevendo o processo de gerenciamento de versões e outro a forma como o serviço na Geant2 será implantado foram analisados para avaliar como o ITIL influenciou a decisão de como iniciar a implantação de um serviço a partir do projeto perfSONAR. Finalmente, uma avaliação da perspectiva do cliente foi realizada para se verificar o resultado desse esforço.

Os resultados obtidos na Pré-Pesquisa foram os seguintes: usuários reportaram dificuldade no processo de instalação dos serviços; documentação considerada de baixa qualidade; solicitação para integração com ferramentas já conhecidas de gerência de redes; e preferência por versões estáveis do serviço. Além destas conclusões, houve reportes de usuários desejando mais ferramentas que fossem facilmente acessíveis, utilizassem mais tecnologias voltadas para web e que fossem focadas em prover informação de tempo atual e não em médias históricas.

Na etapa de Pré-Avaliação realizou-se uma apresentação prévia de conceitos como ITIL, COBIT e CRM e suas relações e os resultados alcançados encontram-se na Figura 2. Como consideração desta etapa, percebe-se que os entrevistados possuem uma forte atuação em planejamento, implementação e prestação de serviço, sendo posicionados em um nível altamente tático para as suas organizações. Além disso, praticamente todos os processos são executados dentro da organização, mesmo que, para alguns processos, não se conseguiu mapear a responsabilidade dentro de alguma área da organização.











Internet2

Geant2

Figura 2. Resultados da Pré-Avaliação no projeto perfSONAR

Para o processo do COBIT DS1 – Definir e Gerenciar Níveis de Serviço, foi realizado uma Avaliação de Maturidade e os resultados obtidos podem ser observados na Figura 3. Comparando os resultados observa-se que, de maneira geral, a Geant2 está mais preocupada em seguir melhores práticas no processo DS1. Percebe-se, devido a isso, que a diferença entre o nível de maturidade encontrado em relação ao desejado é mais acentuada na Geant2 e mais suave na Internet2, uma vez que a Geant2 impõe maiores exigências para cada nível do processo.







Geant2

Internet2

Figura 3. Resultados da Avaliação de Maturidade no projeto perfSONAR

Após, uma Avaliação dos Processos foi realizada no Multi Domain Monitoring (MDM) Service e verificou-se que o ITIL foi a base fundamental para se definir como abordar a problemática de transformação de um desenvolvimento de um projeto na prestação de um serviço em produção para o seu usuário final.

Finalmente, uma Pesquisa de Avaliação foi realizada, mas não de maneira formal. Percebe-se que as opiniões dos clientes influenciaram algumas decisões estratégicas tomadas pelos gestores do projeto que direcionaram seus desenvolvimentos ao atendimento das necessidades eminentes de seus principais clientes.

Com a realização deste trabalho prático no projeto do perfSONAR, houve a validação da metodologia proposta. Mesmo que não aplicada em sua totalidade em todos os processos possíveis, conseguiu-se observar sua potencialidade quando aplicada num ambiente que deseje melhorar o atendimento ao cliente da organização.


6. Conclusão


O processo de governança em TI, uma vez introduzido na cultura da organização visando o melhoramento do atendimento do cliente através do melhoramento dos processos internos de TI, é um passo que quando iniciado altera todo o rumo de existência da organização. O enfoque se direciona em prestar serviços ou fornecer produtos que atendam as demandas e as solicitações dos clientes. Para isso, a metodologia proposta neste trabalho auxilia o gestor a definir quais os passos necessários para se implantar esta nova concepção na empresa.

Observa-se que a metodologia proposta neste trabalho consegue de forma simplificada auxiliar a qualquer implantação de CRM, independente de qual metodologia escolhida, a definir e implementar um programa de governança de TI que pode auxiliar este tipo pode projeto a organizar os processos internos e de comunicação com o usuário, melhorando a qualidade percebida pelo cliente do serviço ou produto fornecido.

Estudos que poderiam continuar este trabalho seriam os seguintes:


  • Modelagem de um sistema para pesquisas automatizadas de avaliação de maturidade baseadas no COBIT;

  • Verificação de aplicabilidade do modelo proposto no ambiente de organizações mais complexas, como empresas virtuais e cadeias de organizações;

  • Aplicação deste modelo em outros estudos de caso para se comprovar a eficiência da metodologia, e

  • Ampliar o escopo desta metodologia para outras áreas do conhecimento não abordadas neste trabalho.

7. Referências


BOSE, Ranjit. Customer relationship management: key components for IT success. Industrial Management & Data Systems. 2002, p. 89-97.

CAMEIRA, R.; CAULLIRAUX, H. Engenharia de Processos de Negócios: Considerações Metodológicas com Vistas à Análise e Integração de Processos. III SIMPOI - Simpósio de Administração da Produção Logística e Operações Internacionais. São Paulo, Brasil – Setembro, 2000.

CHEN, Injazz J.; POPOVICH, Karen. Understanding customer relationship management (CRM) People, process and technology. Business Process Management Journal, v. 9, n. 5, 2003, p. 642-688.

GALBREATH, Jeremy; ROGERS, Tom. Customer relationship leadership: a leadership and motivation model for the twenty-first century business. The TQM Magazine, v. 11, n. 3, 1999, p. 161-171.

GREENBERG, Paul. CRM at the Speed of Light: Capturing and Keeping Customers in Internet Real Time. Berkeley: Osborne/McGraw-Hill, 2001.

GRÖNROOS, Christian. Service Management and Marketing: Managing the Moments of Truth in Service Competition. Free Press/Lexington Books, Lexington, MA, 1990, p. 138.

GRÖNROOS, Christian. Key Note Paper: From Marketing mix to relationship marketing – towards a paradigm shift in marketing. Management Decision. MCB University Press. 1997, p. 322-339.

HOLM, Michael Larsen; KÜHN, Mogens Pedersen; VIBORG, Kim Andersen. IT Governance: Reviewing 17 IT Governance Tools and Analysing the Case of Novozymes A/S. Proceedings of the 39th Hawaii International Conference on Systems Sciences - 2006. IEEE. Koloa, Kauai. Janeiro, 2006, p. 11.

ITGI, IT Governance Institute. COBIT 4.0: Control Objectives, Management Guidelines, Maturity Models. IT Governance Institute. Rolling Meadows, IL, EUA. 2005.

ITSMF, The IT Service Management Forum. IT Service Management: An Introduction. The IT Service Management Forum. 2003.

LEITE, Maria Marta. Pressupostos para Implantação de Estratégias de Relacionamento com os Clientes em Pequenas e Médias Organizações: uma Abordagem baseada em Gerenciamento de Projetos. Tese em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, 2004.

HEWSON, W; MCALPINE, G. The CRM Systems Handbook. Hewson Consulting Group, Cambridge, 1999.

PERFSONAR. perfSONAR. Disponível em: http://www.perfsonar.net/. Acesso em: 2007.

PLATTNER, Hasso. Customer Relationship Management. SAP AG, Walldorf/Baden. Electronic Business Engineering, International Tantung Wirtschaftsinformatik, 1999, p. 1-12.

RENNER, D. Customer relationship management: a new weapon in your competitive arsenal. Siebel Magazine, v. 1, n. 2, 2000.

WEILL, P.; ROSS, J. W. IT Governance – How Top Performers Manage IT Decision Rights for Superior Results. Harvard Business School Press. Boston, Massachusetts, EUA, 2004.



XU, Yurong; YEN, David C.; LIN, Binshan; CHOU, David C. Adopting customer relationship management technology. Industrial Management & Data Systems, v. 102, n. 8, 2002, p. 442-452.



Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal