Um novo modo de ser igreja



Baixar 7.04 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho7.04 Kb.
No coração da Igreja
UM NOVO MODO DE SER IGREJA
O florescimento de novos movimentos, associações de fiéis e comunidades constitui um sinal e uma ajuda do Espírito à Igreja no tempo actual. Através deles, Deus derramou dons espirituais e dá indicações sobre a direcção que a Igreja deve seguir. São dons que devem servir a todo o povo de Deus e não apenas a quem os recebeu ou deles participa por uma adesão pessoal. Não é fácil compreender o que este fenómeno significa e não se consegue apreendê-lo à primeira vista. É preciso discernimento e talvez também tempo, para perceber o que Deus nos quer dizer e dar com estes rebentos novos que brotam na árvore bimilenar da santa Igreja.

Creio que na variedade dos dons e da sua concretização, Deus nos oferece alguns traços de um novo modo de ser Igreja, cuja fisionomia se verá somente no futuro. Antes de mais, a importância da experiência e da opção pessoal para se viver com entusiasmo a fé e pertencer à Igreja. Os movimentos e novas comunidades proporcionam às pessoas meios para vivenciarem pessoalmente a fé: pela escuta e vivência da Palavra de Deus, pela oração e adoração intensa e prolongada, por experiências espirituais, por vezes, radicais, pela partilha de vida e responsabilidades em grupo ou pequenas comunidades... Assim, as pessoas são levadas a fazerem uma opção pessoal de pertença e a comprometer-se imediata ou progressivamente.

A diversidade de carismas que está na base destas realidades eclesiais corresponde também às diferentes sensibilidades humanas, pelo que as pessoas podem aderir àqueles com os quais melhor se identificam. Uns orientam-se mais para a espiritualidade, outros para a devoção mariana, outros para a evangelização com meios modernos como a rádio ou a televisão ou com iniciativas de rua; há ainda os que se empenham no serviço aos mais necessitados, ou os que estão comprometidos na luta pela paz e na ajuda a quem sofre. Há os que promovem maior responsabilidade da mulher e os que se orientam para as elites culturais. O Espírito não se repete, é criativo e distribui os seus dons conforme as necessidades das pessoas, da Igreja e dos tempos.

Também no que se refere às formas de organização e de proporcionar a comunhão fraterna, há variedade: desde os que têm uma organização mínima e geram grupos por todos o lado, semelhantes entre si no espírito e no estilo mas autónomos no seu funcionamento e finalidades específicas, aos que têm uma estrutura bem definida; dos que são mistos, possibilitando a convivência e cooperação entre homens e mulheres, aos que se organizam com base na diferenciação sexual, embora admitam alguma colaboração para as finalidades da organização; há os que constituem comunidades com residência comum ou os que promovem mais encontros de grupos ou grandes assembleias, valorizando menos a vida comunitária.

Um outro aspecto é a distribuições de responsabilidades. Há os que se centram na autoridade e ministério dos sacerdotes e os que são liderados por leigos, limitando de certo modo o serviço dos presbíteros a determinados aspectos litúrgicos e espirituais. Desenvolvem-se, por outro lado, sobretudo em alguns dos movimentos e novas comunidades, novas formas de ministérios assumidos por leigos na administração de bens, na animação de grupos, na evangelização e na condução da oração, no aconselhamento, etc.

Tenho a intuição de que nas novas realidades carismáticas está a germinar um novo modo de ser Igreja, incarnando provavelmente a visão que emergiu do Concílio Vaticano II. Mas é pela força do Espírito Santo que se vai desenhando essa nova configuração. Ela desce do Céu, embora seja edificada na terra com o contributo e as marcas dos talentos e das limitações dos homens. Como o foi ao logo da sua história, a Igreja continua a ser uma realidade divina e humana em transformação: o futuro não será como o passado, embora o integre e se fundamente nele. A Igreja é de Deus, lembremo-nos bem, mas conta também connosco para lhe pertencermos e a construirmos, em ordem à sua missão divina no mundo.



Padre Jorge Guarda


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal