Uma breve história do css



Baixar 13.3 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho13.3 Kb.

Uma breve história do CSS

E aqui começou a revolução

Formatar informações dos sites não é algo novo. Por volta de 1970, no começo da tragetória do SGML, vários browsers já personalizavam as aparências dos documentos, cada um com seu estilo próprio.

Quando o HTML foi criado, a intenção não era de forma alguma, formatar informação. A medida que o HTML foi se popularizando e evoluindo, foram incluídas em suas qualidades o domínio de controlar algumas aparências para o documento. Isso fez com que a linguagem ficasse muito complexa, mais difícil de se entender e manter.

Outro problema eram as diferenças de compatibilidades dos browsers que dificultava a visualização dos sites.

Por esse tempo Håkon Wium Lie, estudava e percebia as dificuldades que se tinham ao desenvolver um site, e resolveu criar uma maneira fácil para formatar a informação do HTML. Foi aí que ele propôs a criação do CSS ou Cascading Style Sheets. Esse era o ano de 1994.

Aceitando o convite feito pelo próprio Håkon, Bert Bos - que naquele tempo estava trabalhando em um browser chamado Argo - começou a trabalhar no projeto.

Em 1995 eles apresentaram sua proposta e finalmente, o W3C - World Wide Web Consortium - que estava acabando de nascer, se interessou pelo projeto e resolveu criar uma equipe, obviamente liderada por Håkon e Bert Bos. O resultado apareceu logo, em 1996, eles lançaram a recomendação oficial pelo W3C do CSS Level 1 (CSS 1).

Dois anos depois, no dia 12 de Maio de 1998, eles lançaram a recomendação do CSS de nível 2. A segunda versão das Folhas de Estilo para web.

O nível 3 do CSS ainda está em desenvolvimento. Mas, sabemos que as facilidades serão muitas, como por exemplo, criar bordas arredondadas sem o uso de imagens, ou definir duas imagens como background de um mesmo objeto.


Compatibilidade

Embora a especificação do CSS fosse lançada em 1996, os browsers levariam mais três anos para ter suporte completo ao CSS de nível 1.
Uma curiosidade interessante, é que o primeiro browser a ter suporte completo de CSS 1 foi o Internet Explorer para Mac. Ultrapassando o Opera que naquele tempo era o mais complacente.

Atualmente (Janeiro de 2006) nenhum browser tem completo suporte ao CSS 2. Propriedades de CSS Aural, por exemplo, ainda não estão totalmente implementadas.

Outro ponto que dificultou a vida dos desenvolvedores, foi a falta de compatibilidade de alguns browsers, como por exemplo o Internet Explorer versões 5.+ e 6. O IE6 não tem suporte total ao CSS 2, e como se não bastasse, há bugs em algumas propriedades que ele suporta.

Entretanto, conseguimos criar um site sem problemas e que seja compatível com todos os browsers atuais (Firefox, Opera, Internet Explorer, Safari, Konqueror, Camino, etc).

O W3C, lançou o CSS 2.1, que são resoluções de bugs que haviam nas especificações do CSS. Isso melhorou o suporte dos browsers, ampliando a compatibilidade entre eles.

Hoje em dia, o nível de compatibilidade entre os browsers é muito parecido, de forma que se você implementar algo específico em um browser, é muito provável que em outro browser esteja igual.

Portanto, o desenvolvedor pode ficar tranqüilo quanto a maioria dos problemas causados por diferenças entre browsers.

Não estou dizendo que é 100% de certeza. Vão haver problemas que você terá que resolver, mas nada que te faça desisitir de um layout ou algo parecido.


O uso do CSS e suas qualidades

O uso do CSS traz muitas facilidades, como já vistas no primeiro capítulo deste curso. Seu uso é muito abrangente. Por exemplo, toda a interface do browser Firefox é baseada em XUL e CSS.
Os Widgets do Dashboard do Mac OS X também é baseade em CSS, bem como os Widgets do ex-Konfabulator, agora chamado Yahoo! Widget Engine.

Perceba então que o CSS não está restritro a páginas de internet. Ele vai além.


Hoje em dia, CSS pode ser usado até mesmo para diagramar Livros ou outros serviços de impressão.

O CSS então, se transforma em uma ferramenta não só de formatação de informação pra sites, mas também formatação e diagramação de qualquer aplicação. Basta que o autor da aplicação, queira esse suporte.



Com a popularização das aplicações baseadas em XML - como o Firefox que usa seu próprio padrão de XML chamado XUL - a diagramação visual feitas com CSS será normal, e acima de tudo, útil.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal