Uma Luz a liturgia desta noite nos fala de um Deus que ama os homens; por isso, não os deixa perdidos e abandonados a percorrer caminhos de sofrimento e de morte



Baixar 12.84 Kb.
Encontro02.08.2016
Tamanho12.84 Kb.
Natal 0801N: Uma Luz
A liturgia desta noite nos fala de um Deus que ama os homens;

por isso, não os deixa perdidos e abandonados

a percorrer caminhos de sofrimento e de morte,

mas envia "um menino" para lhes apresentar

uma proposta de vida e de liberdade.
Nas "trevas" da Noite, queremos celebrar esse menino,

que veio para ser a "Luz" de todos os Povos.


A 1ª Leitura anuncia a chegada de "um menino", da descendência de David,

que inaugurará uma era de alegria, de felicidade e de paz sem fim. (Is 9,1-6)


No tempo de Isaías (732 a.C), a população da Galileia (Zabulon e Naftali)

"andava nas trevas da morte", sob a opressão e a violência do império assírio.

De repente, surge uma "Luz": um "Menino" será enviado por Deus

para restaurar o trono de Davi e para estabelecer a paz, o direito e a justiça.

Essa promessa alimentou o sonho de um futuro novo de paz e de felicidade.

- Jesus é essa "Luz" anunciada pelo profeta, que veio vencer as "trevas da morte".

A Galileia oprimida torna-se imagem de toda a humanidade,

e aquele em quem ela coloca sua esperança deve ser o Salvador de todos.
* O nascimento que celebramos esta noite significa que este "Reino" chegou.

No entanto, ele já é de fato uma realidade viva na história humana?


- Acolher Jesus, celebrar o seu nascimento,

é aceitar esse projeto de justiça e de paz que Ele veio trazer aos homens.

- Em quê, ou em quem coloco eu a minha esperança e a minha segurança?

Nos políticos, que prometem e se servem da minha ingenuidade para fins próprios? No dinheiro, que se desvaloriza e que não serve para comprar a paz do coração?

Na situação sólida da minha empresa, que pode desfazer-se

nas convulsões sociais ou numa crise econômica?

Isaías diz que só podemos confiar em Deus e

nesse "menino" que Ele mandou ao nosso encontro,

se quisermos encontrar a "luz" e a paz.
- Reparemos, ainda, no "jeito" de Deus:

Ele não se serve da força e do poder para intervir na história e mudar o mundo.

É através de um "menino", símbolo da fragilidade e da dependência,

que Deus propõe aos homens o seu projeto de salvação.

Temos consciência de que é na simplicidade e na humildade

que Deus age no mundo?


A 2ª Leitura lembra-nos as razões pelas quais devemos viver

uma vida cristã autêntica e comprometida. (Tt 2,1-14)


Se quisermos que a Luz se manifeste,

essa vida nova recebida deve manifestar-se em nossa vida.


O Evangelho narra a realização da tão esperada promessa:

O Sinal é um menino recém-nascido em Belém,

envolto em faixas e deitado numa manjedoura. (Lc 2,1-14)
Lucas pretende apresentar uma catequese sobre Jesus.

Por isso, as indicações são mais teológicas do que geográficas ou históricas.


- BELÉM: Sugere que Jesus é o Messias, da descendência de Davi,

anunciado pelos profetas. Um lugar pequeno e afastado dos grandes centros.


- O QUADRO do Nascimento: apresenta a pobreza e a simplicidade

que rodeiam a vinda ao mundo do libertador dos homens:

a falta de lugar na hospedaria, a manjedoura dos animais a fazer de berço,

os panos improvisados que envolvem a criança, a visita dos pastores…

É na pobreza, na simplicidade, na fragilidade,

que Deus se manifesta aos homens e lhes oferece a salvação.


- As TESTEMUNHAS do Nascimento: Os Pastores,

gente considerada rude, violenta, marginalizada,

colocada ao lado dos publicanos e dos cobradores de impostos.

Sugere que é para estes pecadores e marginalizados que Jesus vem;

por isso, a chegada de um tal "salvador" é uma "boa notícia":

a partir de agora, os pobres, os fracos, os marginalizados, os pecadores,

são convidados a integrar a comunidade dos filhos amados de Deus.
- Os TÍTULOS dados pelos anjos definem o papel e a Missão de Jesus:

Ele é "o Salvador, Cristo e Senhor".


No Prefácio, proclamamos hoje jubilosos nossa ação de graças ao Pai.

"Quando o vosso Filho se fez homem,

nova LUZ da vossa glória brilhou para nós,

para que, vendo a Deus com nossos olhos,

aprendêssemos a amar nele a divindade que ao vemos" (prefácio).
* Essa Luz já está presente em nossa vida, iluminando nossos atos?
Por que ele quis nascer na pobreza,

fora de casa, sem o aconchego de um berço bem quentinho?

E depois, passar longos anos nessa pobreza,

vivendo com o trabalho de suas mãos e dar a vida por nós?

Porque nos ama tanto e ama a todos...

Sejamos os anunciadores dessa Boa Nova:



Cristo nasceu, trazendo-nos a alegria e a Paz.
Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa - 25.12.2011


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal