Uma pedagogia alternativa para a construçÃo do saber



Baixar 41.23 Kb.
Encontro06.08.2016
Tamanho41.23 Kb.

UMA PEDAGOGIA ALTERNATIVA PARA A CONSTRUÇÃO DO SABER



Djanira Brasilino de Souza – Doutora em Ciências da Educação.

Joana D ´arc de Souza Dantas - Doutora em Educação

Universidade Federal do Rio Grande do Norte - RN –Brasil



UM POUCO DE HISTORIA - A história da Escola Freinet de Natal está ligada à fundação da Cooperativa de Professores do Rio Grande do Norte – COOPERN, criada no dia 8 de julho de 1986, na cidade do Natal – Rio Grande do Norte – Brasil, e congrega como sócios profissionais da educação, de nível superior. Estes questionando o ensino público vigente, de baixa qualidade, querem batalhar em busca de soluções. Portanto, preocupados e, conscientes de que o sistema público escolar brasileiro é alicerçado em regras e determinações do poder legislativo e político e que este sistema usa a escola para direcionar os indivíduos versus os seus interesses, alienando-os da função de cidadãos, levantam questões tais como: por que a escola pública se atrela a um livro texto único e obrigatório para todos, editado dentro dos propósitos do sistema público? Por que as aulas são monótonas – escutar o professor, ler sempre o mesmo livro, cada aluno na seqüência estabelecida pela professora. E o pior, não orienta o aluno a fazer uma análise da realidade para nela se inserir? Por que os alunos são tratados como robôs, ou seja, trabalham sem conhecerem os objetivos reais do seu desempenho?... Esses profissionais acreditam e pode-se até dizer, sem nenhum exagero, têm certeza que podem dar um novo direcionamento as ações educativas em busca da superação desses problemas, sobretudo na qualidade do ensino ministrado, através de ações mais integradas de um grupo que vê a educação como prioridade para o crescimento global da sociedade.
É a partir dessas reflexões que os sócios da COOPERN resolvem priorizar, num primeiro momento, dentre tantas linhas de ações possíveis numa Cooperativa, a implantação de uma escola - A “Escola Freinet de Natal” (que teve lugar no dia 30 de outubro desse mesmo ano), cujo projeto pedagógico enseja ações direcionadas para a formação de um indivíduo capaz de agir e interagir no seu meio, com consciência, autonomia e responsabilidade.
Assim sendo, no que diz respeito à prática pedagógica, esta Escola se apóia nos princípios da Pedagogia Freinet, bem como na vivência de suas técnicas, a fim de encontrar os meios mais viáveis, tanto em relação ao sucesso da cooperativa como em favor do sucesso dos alunos que a procuram. Trata-se, portanto de uma pedagogia viva e real centrada no aluno.
A escolha do nome – Escola Freinet, deve-se as seguintes razões:

  1. está integrada a uma Cooperativa de Professores

  2. ter sido criada no mês de outubro de 1966, ano centenário do professor Célestin Freinet que defende o cooperativismo e é idealizador da Cooperativa de Ensino Leigo (CEL);

  3. cria a Escola Moderna Francesa, cujo centro principal das ações pedagógicas é o aluno e para orientar essa escola utiliza uma pedagogia conhecida, hoje, entre os educadores como Pedagogia Freinet, norteadora do processo educativo que tem em mira a formação do cidadão.

Para compreender melhor essa escolha faz-se por bem evidenciar que questionando o ensino vigente na época, na França, Freinet contrapunha-se a Escola Tradicional, modeladora de uma classe de elite e castradora dos direitos das classes menos favorecidas, deixando-as à margem da sociedade, onde o professor é o centro do processo de ensino-aprendizagem, o dono absoluto do saber e cuja palavra não pode ser contestada, onde predomina um sistema de notas e classificações, aguçando o individualismo e a competição pela seleção e a concorrência, negando assim a igualdade de oportunidades. Ele questiona um sistema educativo onde a característica é obrigar todas as crianças seguirem o mesmo ritmo nas aprendizagens. E condena um sistema regido pela seleção e pela concorrência, negando assim, a todos os alunos igual direito ao sucesso; um sistema onde predomina uma avaliação com notas e classificação dos alunos que dá lugar ao individualismo e a competição.
Freinet defende um sistema escolar que coloca o aluno no centro do processo de ensino-aprendizagem, que se ocupa da construção de uma vida cidadã, que dá aos indivíduos, de uma maneira geral, o direito a uma identidade pessoal e a participação, a uma identidade coletiva, que respeita o aluno tal qual ele é, ou seja, se adapta a diversidade das crianças e dos adolescentes. Enfim, ele quer uma pedagogia que ofereça uma aprendizagem mais real, ou seja, mais condizente com as necessidades de aprendizagem dos educandos. E, para tanto, escolheu a escola como veículo para construção de uma vida cidadã e a partir daí começa a sua batalha na organização de uma pedagogia que pudesse revolucionar o ensino.
Freinet é contra um sistema escolar, que por suas diretrizes curriculares, coloca as crianças dentro de uma forma como se todas fossem iguais.
Freinet, apud ICEM (1979, p. 42-43) diz:
Nós nos opomos cotidianamente a essa empresa de normalização das crianças e dos adolescentes que conduz necessariamente ao fracasso maciço de um número entre eles e particularmente daqueles que saíram das classes populares. Não há uma criança tipo, uma criança norma inventada pelos psicólogos e pedagogos, mas crianças de meios ricos como de meios proletários, com as alegrias e os dramas que são os de todas as crianças, com as injustiças ou os privilégios que são os do seu meio social de origem, crianças semelhantes e diferentes cada vez mais. Semelhantes pelas suas potencialidades, o desejo de viver, de brincar, de criar, de amar, de ser amado... Diferentes pela afeição recebida, a ambição e o conforto do lar, a situação entre os irmãos e irmãs, a disponibilidade dos pais, a alimentação e a cultura dada pelo meio e pela classe a qual pertence.
Faz-se por bem remarcar que a Escola Freinet de Natal apresenta cinco características que a diferencia das demais escolas públicas e privadas do Estado do Rio Grande do Norte
1º) Ela é um empreendimento cooperativista e assim sendo todas as suas funções administrativas e pedagógicas são assumidas pelos professores membros da Cooperativa, ou seja, os seus cooperantes.
2º) Ela é um desafio para afrontar a redução das diferenças sociais, porque reúne na mesma sala de aula alunos de duas classes sociais bem distintas: crianças de classe social mais favorecida como por exemplo filhos de professores universitários e pela parceria firmada entre a Cooperativa de Professores e a Sociedade Eunice Weaver (entidade filantrópica que assiste a crianças menos favorecidas), recebe as crianças por ela assistidas, como por exemplo filhas e filhos de lavadeira, de empregada doméstica, entre outras. Essa entidade oferece, em troca, suas instalações para o funcionamento da escola.
3º) Desenvolve uma pedagogia diferenciada dos ensinamentos tradicionais – a Pedagogia Freinet, cujo centro do processo de ensino-aprendizagem é o aluno. É com ele e para ele que o ensino acontece. Para tanto essa pedagogia oferece princípios básicos que dão alicerce a construção do saber, bem como um conjunto de técnicas de trabalho dinamizadoras do processo de ensino- aprendizagem, cujo objetivo principal é envolver o aluno no processo de construção de suas aprendizagens de ordem cognitiva (conhecimentos e habilidades), e de ordem sócio-afetiva (atitudes e comportamentos).
4ª) O número máximo de alunos, em sala de aula, no Ensino Fundamental 1 (1ª a 4ª séries) é de 25 alunos e no Ensino Fundamental 2 (5ª a 8ª ), pode-se chegar a 30 alunos, em casos excepcionais, se as condições assim o permitem.
5ª) A avaliaçáo é contínua e diagnóstica, o que permite ao aluno detectar as aprendizagens não atingidas no primeiro momento de seus estudos e poder retomá-las de imediato, a fim que o seu processo de formação não sofra rupturas indesejáveis às aquisições dos seus saberes e, conseqüentemente na sua formação.
Para Freinet a escola é concebida como uma preparação para a vida, a qual começa ali pelo fato de o aluno assumir suas responsabilidades escolares como um trabalho que está inerente a todo aquele que nela esta engajada em busca da formação de sua personalidade.
Assim sendo, a sua proposta pedagógica não se restringe a simples transmissão de conhecimentos. Ela ultrapassa o simples estudar para a memorização dos conhecimentos prontos e acabados. A reflexão, a ação, a participação, a ajuda mútua, a compreensão dos direitos e deveres, o respeito ao outro etc, são elementos integrantes da sua ação educativa.
PROPOSTA PEDAGÓGICA - A escola Freinet de Natal, norteia o seu Projeto Político Pedagógico em sua totalidade, voltado para uma aprendizagem orientada num meio vivo e real, o que Freinet intitula de método natural – o primeiro e mais importante princípio norteador de sua pedagogia. Pelo método natural a criança aprende através do tateamento experimental, que está ligado a uma tentativa natural no meio onde ela vive, faz parte de um processo geral de aprendizagem em todos os domínios do conhecimento: história, geografia, ciências, desenho, leitura e escrita, entre outros.
.É tateando que a criança procura saber sem cessar a resposta construtora dos problemas complexos que a vida lhes coloca e ela tem necessidade de aprender. Mas para que tudo isso aconteça com segurança precisa-se dispor de técnicas pedagógicas apoiadas por instrumentos adequados para permitir e desenvolver na sala de aula atividades autênticas e motivadoras: expressão, criação, pesquisa, comunicação, cooperação..., porque face aos obstáculos que as crianças encontram, elas implicam num funcionamento natural da inteligência..
Freinet ainda estabelece como pilares básicos (de apoio) à sua ação educativa, quatro grandes princípios o que a Escola Freinet de Natal procura vivenciá-los com bastante propriedade, por entender que são eles as raízes de uma formação sólida dos alunos para o exercício da cidadania. Assim temos:


  1. a educação pelo trabalho, princípio inerente ao assumir as responsabilidades escolares pelo aluno, a autonomia que ele deve imprimir às suas ações educativas em busca de seus conhecimentos e de sua formação. Trata-se de uma atividade livremente escolhida, mas que nada a diferencia verdadeiramente de um trabalho. Freinet apud ICEM (1979. P. 79) diz: “a educação deve encontrar seu motor essencial no trabalho criador livremente escolhido”.

É sobre o signo da educação pelo trabalho, (trabalho entendido como atividade), que a Escola Freinet de Natal procura orientar seus alunos para que a escola se torne lugar de produção decidida cooperativamente. E assim, possa desenvolver a verdadeira preparação para a vida no seio da sociedade e no mundo do trabalho onde todos poderão participar igualmente.


  1. a comunicação e a expressão livre – indispensáveis às aquisições e, conseqüentemente ao crescimento intelectual e ao desenvolvimento social do aluno. É um direito fundamental que é reconhecido a todos os alunos da escola Freinet de Natal, desde a Educação Infantil ao Ensino Fundamental 1 e 2., (cursos que são oferecidos pela escola Freinet). Todos os alunos e cada um em particular, têm o momento para criar e comunicar suas criações, isto e, de provar o prazer de dizer alguma coisa sobre os seus trabalhos, de traduzir suas emoções e seus sentimentos, mas sem imposições prévias. É a criança que sabe melhor o que tem desejo de exprimir. Mas tudo isto é organizado previamente no seu plano de trabalho. Com isto não se quer dizer que ela não pode realizar um trabalho em casa, na hora que ela achar oportuno e trazê-lo para ser apresentado e discutido na escola. Não só pode como deve, pois isto é sinal de crescimento, amadurecimento e independência na busca de novos conhecimentos, ação sempre almejada pela Pedagogia Freinet.


c) o tateamento experimental, que imprime ao aluno a liberdade de caminhar no seu ritmo, tanto na busca de novas aquisições como no refazê-las, quando não inteiramente assimiladas. A Escola Freinet de Natal, em atenção à criança, deseja que seja respeitado, na sua diversidade e na sua riqueza o tateamento experimental de todas as crianças e de cada uma em particular. É um princípio que nos parece dar o único meio de formar seres capazes de intervir em lugar de reproduzir conhecimentos já elaborados por outros estudiosos.

O aluno utiliza o tateamento experimental tanto para fazer suas atividades diárias de sala de aula como para refazê-las, desde que as competências exigidas não sejam atingidas no primeiro momento do trabalho escolar. Faz-se por bem salientar que o tateamento experimental se faz mais presente na Educação Infantil, o que ajuda a criança a se tornar, passo a passo, mais independente em relação ao desenvolvimento de suas atividades.

Para responder as necessidades fundamentais das crianças, é bom salientar que os indivíduos têm direito não somente a expressão, a comunicação, à criação, mas também a um contato maior e o mais rico possível com a realidade, ou seja, o direito de questionar o presente e o passado, de se expressar, de cometer erros, de interrogar sobre o meio ambiente... E diz Freinet, apud ICEM, (1979, p. 132-133).

O tateamento experimental não é uma tática pedagógica tendo por objetivo a assimilação de um saber ou de uma tentativa de aquisição de um saber. Nós a reivindicamos como um processo se inscrevendo no tornar–se global de cada criança, como parte integrante da formação de sua personalidade.




  1. a cooperação, elemento integrador de todas as ações desenvolvidas pelo aluno em harmonia consigo mesmo e com o grupo classe e a escola e é propiciadora do crescimento tanto individual, quanto coletivo do aluno.

O Projeto Pedagógico da Escola Freinet de Natal procura introduzir novas técnicas de trabalho que permitem aos alunos se organizarem em grupo cooperativo. O que é muito importante é que se procura criar na escola um clima, entre os alunos, de confiança, de iniciativa e de cooperação.

Assim a Escola Freinet de Natal dá prioridade, em suas ações educativas, a tudo que abre espaço à cooperação e a solidariedade, tanto no nível das crianças como dos adultos (professores): sair da escola e se colocar em contato com a natureza, através das aulas passeio; trabalhar em equipe; abrir a escola aos pais organizando “a escola de pais”; abrir uma ação sobre o meio natural, através da construção de uma agenda ambiental etc.


Nesse sentido o papel do professor é de:


  1. ajudar a desenvolver as motivações, propor perspectivas, suscitar a iniciativa, aumentar o campo de investigações; permitir atividades que reforcem a capacidade de trabalhar as situações, desenvolvendo a iniciativa e a responsabilidade;




  1. conceber situações de ensino-aprendizagem em função dos alunos e do desenvolvimento de competências esperadas;




  1. planejar, organizar conjuntamente com os alunos, o modo de funcionamento das atividades na sala de aula, tendo em vista favorecer a aprendizagem e a socialização dos alunos




  1. trabalhar com os alunos na realização das atividades, permitindo o desenvolvimento das competências esperadas no programa de formação dos alunos, tanto em relação as aprendizagens dos conteúdos específicos como no que concerne aos comportamentos essenciais à formação da cidadania.

Portanto a cooperação está no centro das ações pedagógicas, e por isso muda as condições de trabalho na sala de aula, instalando novas estruturas de relações no trabalho.


A vida cooperativa dá ao aluno a oportunidade de reconhecer-se como sujeito ativo do seu próprio saber; ele determina o tempo, seus espaços, seu ritmo em relação a si mesmo e a seus projetos. E Freinet, apud ICEM (1979, p. 109), diz: “A vida cooperativa dá ao trabalho seu verdadeiro lugar por sua elaboração e sua crítica pelo grupo”. E precisa ainda:
Nós procuramos realizar uma escola cooperativa onde os adultos, trabalhando eles próprios cooperativamente, não abandonem seu papel de adultos, mas onde as crianças tomem uma parte crescente de responsabilidade, se preparando assim para sua vida social e pessoal.

Esses princípios constituem o alicerce, a base de toda a formação (intelectual e humana) do indivíduo, para que ele possa exercer, em plenitude a sua cidadania. São auxiliares no processo dessa formação, como dinamizadora do processo de ensino-aprendizagem, um elenco de técnicas, que bem organizadas e devidamente aplicadas envolvem o aluno de tal modo a transformá-lo no verdadeiro ator e construtor do seu saber. E é isto que se observa no cotidiano escolar dos alunos que estudam na Escola Freinet de Natal.

É baseada na vivência desses princípios, auxiliados por técnicas interativas do trabalho escolar e por um sistema de avaliação que em vez de classificar o aluno numa escala desigual de aprendizagens, se preocupa em diagnosticar os estágios em que este se encontra e propicia oportunidades de retomada das capacidades não atingidas para que num refazer consciente o aluno chegue ao sucesso escolar em relação as suas aprendizagens. É neste contexto que a Escola Freinet de Natal põe à prova uma ação educativa, que capacite todos os alunos, em termo de igualdade, para o exercício de sua cidadania.

O respeito à criança é o ponto orientador de todas as ações desenvolvidas pela Pedagogia Freinet. É na vida da criança que está alicerçado todo o trabalho educativo em sala de aula e fora dela, (nas oficinas, nas aulas passeio...) Assim sendo, a proposta pedagógica da Escola Freinet de Natal tem no aluno e nas suas potencialidades – o centro da ação educativa. O trabalho escolar é realizado tendo em vista o respeito à sua identidade, ou seja, o respeito as suas diferenças individuais e ao ritmo de aprendizagem do aluno. Prima pelo respeito às diferenças sociais, cognitivas, econômicas, culturais, étnicas e religiosas.

Portanto, a Escola Freinet de Natal tem como objetivo maior contribuir para a organização de uma sociedade mais democrática, mais justa e, assim sendo, preocupa-se com a formação de um homem mais livre das amarra do poder dominante, ou seja, que saiba quais são os seus direitos perante a sociedade, assim como saiba cumprir os deveres que lhe são inerentes como cidadão, o que caracteriza um homem mais autônomo e mais responsável ao tomar decisões e, portanto mais apto a contribuir na transformação da sociedade

O Projeto Político Pedagógico da Escola Freinet de Natal é essencialmente orientado para o sucesso escolar, porque se sabe que só o sucesso reforça o dinamismo pessoal. E é sobre essa visão de sucesso que essa escola alicerça as suas ações educativas para que o aluno possa afrontar todas as dificuldades.

Portanto, os conteúdos são organizados em consonância com a grade de disciplinas obrigatórias e complementares oferecidas pela rede oficial de ensino do país, respeitando todas as recomendações nela contida, bem como a inserção dos temas transversais (saúde, ética, meio ambiente, educação sexual, pluralidade cultural, trabalho e consumo). Os conteúdos são organizados pelo professor e os alunos que conjuntamente estabelecem as competências a serem atingidas.

Os procedimentos de ensino são compreendidos como um organismo que dá aos alunos liberdade de participação na escolha e organização das atividades a serem desenvolvidas, tanto na sala de aula como no âmbito da escola ou mesmo fora dela.. Tudo isto é feito tendo em vista a autonomia do aluno. As atividades são organizadas num plano de trabalho que pode ser diário, semanal ou quinzenal, dependendo da maturidade do aluno na vivência dessa pedagogia.

O que até o momento se pôde observar nessa experiência com a vivencia desses princípios da Pedagogia Freinet, a utilização de suas técnicas em sala de aula, e esse sistema de avaliação, embora os retrocessos e as retomadas, são atitudes positivas das quais passa-se a enumerar algumas:


  1. Os princípios da Pedagogia Freinet confere ao aluno uma maior responsabilidade quanto aos seus estudos, as suas produções, a autonomia e o interesse pelo trabalho escolar;

  2. A colaboração está presente nas ações do aluno em todas as ocasiões em que se faz necessária, tanto em sala de aula, como na escola e mesmo no lar, segundo testemunho de alguns pais;

  3. O aluno não demonstra constrangimento no refazer as atividades, pois ele sabe que essa é uma ocasião que o conduz ao sucesso;

  4. A comunicação se processa com a maior naturalidade, tanto no pequeno como no grande grupo e em ocasiões em que estão presentes os pais e, às vezes até autoridades;

  5. A conservação da limpeza no ambiente da sala de aula e na escola é de se elogiar;

  6. O aluno da Escola Freinet de Natal não é aquele estudante que está em busca de uma nota para passar de ano, nota-se nele até uma certa vaidade de ser bem sucedido em seus estudos, sem coação, sem classificação e sem comparação com os demais colegas;

  7. A avaliação não constitui para ele um momento de pavor, pois ele sabe que a avaliação tem função diagnóstica e, se não acertar da primeira vez outras chances lhe serão concedidas;

  8. O que tem marcado mais nas observações feitas é a demonstração de uma consciência cidadã (consciência essa orientada no cotidiano de sala de aula pelo professor).

Para concluir algumas observações se fazem necessárias:

  1. Na nossa opinião trata-se de uma tentativa ousada face a situação sócio-econômica do Estado do Rio Grande do Norte. Para melhor dizer A Escola Freinet de Natal é resultante de um esforço conjunto de todos que compõem essa comunidade escolar.

  2. Que uma maior credibilidade e confiança na Pedagogia Freinet é dada à medida que os trabalhos avançam no recinto da escola.

  3. Procura-se viver a Pedagogia Freinet em todos os seus aspectos para que os alunos possam ter sucesso em todos os domínios: os do conhecimento científico e os concernentes à formação da cidadania plena;

  4. As trocas entre a família e a escola são muito ricas. Os pais participam ativamente da vida da escola, onde eles encontram momentos muito agradáveis. Como atividades conjuntas eles têm: escola de pais, encontros de avaliação, Conselho Escolar.

REFERÊNCIAS

Freinet, C, A Educação do Trabalho. Tradução Maria Ermantina Galvão, São Paulo, Martins Fontes, 1998.

________. Pedagogia do Bom Senso. Tradução J. Batista, São Paulo, Martins Fontes, 1985.

ICEM, - Pédagogie Freinet Perspectives d`Éducation Populaire, Paris, PCM>






©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal