Unidade universitária



Baixar 54.41 Kb.
Encontro27.07.2016
Tamanho54.41 Kb.

UNIDADE UNIVERSITÁRIA


PROGRAMA

DE

ENSINO

DA

GRADUAÇÃO

2016

Faculdade de Ciências e Tecnologia

CURSO DE

Geografia

HABILITAÇÃO

Licenciatura e bacharelado




OPÇÂO




DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL

Departamento de Geografia – Prof. Dr. NÉCIO TURRA NETO

IDENTIFICAÇÃO

CÓDIGO

DISCIPLINA OU ESTÁGIO

SERIAÇÃO IDEAL




GEOGRAFIA SOCIAL E CULTURAL

3o ANO

OPTATIVA

PRÉ E CO-REQUISITO

ANUAL/SEM.

Lic. e Bach.




2o Sem.

CRÉDITO

CARGA HORARIA

DISTRIBUIÇÃO DA CARGA HORÁRIA





TOTAL

TEÓRICA

PRÁTICA

TEÓRICO/PRATICA

OUTRAS

Prát. Pedagóg.

04

060

45

15







NÚMERO MÁXIMO DE ALUNOS POR TURMA: 35

AULAS TEÓRICAS

AULAS PRÁTICAS

AULAS TEÓRICO/PRÁTICAS

OUTRAS
















OBJETIVOS (ao término da disciplina o aluno deverá ser capaz de:)




  • Entender o espaço, sua (re)produção e vivência para além de sua materialidade, buscando o simbólico contido nele.

  • Desvendar o papel que o espaço, enquanto território e lugar, desempenha na construção das identidades edas experiências sociais.

  • Articular tais categorias geográficas à reflexão sobre as questões étnico raciais, que permeiam a sociedade brasileira.







CONTEÚDO PROGRAMÁTICO (título e discriminação das Unidades)

I – INTRODUÇÃO

- Apresentação da Disciplina;


II – HISTÓRIA DA GEOGRAFIA SOCIAL E CULTURAL

- Geografia Social e Cultural ao longo da história do pensamento geográfico;

- A Geografia Social e Cultural Anglo-Saxônica e suas correntes atuais.
III – CONCEITOS DE BASE DA GEOGRAFIA SOCIAL E CULTURAL

- Cultura e seu estatuto na sociedade contemporânea;

- Paisagem; Território; Lugar; Escala Geográfica.
IV – TEMAS POSSÍVEIS EM GEOGRAFIA SOCIAL E CULTURAL

- Percepção Ambiental; Festas; Literatura; Religião; Juventudes; Gênero.


V – QUESTÕES ÉTNICO-RACIAIS

- Identidade e Questões étnico-raciais no Brasil;

- O Ensino de Geografia frente à lei 10.639-03, de Janeiro de 2003, sobre o ensino de História e Cultura Afro-Brasileira.





METODOLOGIA DE ENSINO

  1. aulas expositivas;

  2. discussão das leituras obrigatórias;

  3. seminários;

  4. Estudo de caso




BIBLIOGRAFIA

ABREU, M. de A. Sobre a memória das cidades. Geografia, Porto, I série, vol. XIV, p. 79-97, 1998.

ALMEIDA, M. G. de; RATTS, A. JP. (org.). Geografia: leituras culturais. Goiânia: Alternativa, 2003.

CLAVAL, P. Geografia Cultural. Florianópolis: UFSC, 1999.

CARRANO, P. C. R.. Jovens na cidade. Trabalho e Sociedade, Rio de Janeiro, ano 1, n. 1, agosto de 2001. Disponível em www.uff.br/obsjovem - acessado em 5 de dezembro de 2007.

DAYRELL, J. Juventude, grupos culturais e sociabilidade. Disponível em www.fae.ufmg.br:8080/objuventude/acervo/textos%5caba2004.html - Acessado em 04 de abril de 2006.

DIÓGENES, G. Cartografias da cultura e da violência: gangues, galeras e movimento hip-hop. São Paulo: Annablume, 1998.

ELIADE, M. O Sagrado e o Profano. Lisboa: Ed. Livros do Brasil, s.d..

FERREIRA, L. F. Acepções recentes do conceito de lugar e sua importância para o mundo contemporâneo. Revista Território, ano V, n. 9, p. 65 – 83, jul/dez. 2000.

GUATTARI, F. Espaço e Poder: a criação de territórios na cidade, Espaço e Debates, [São Paulo], n. 16, p. 109 – 120, 1985.

GUPTA, A.; FERGUSON, J. Mais além da “cultura”: espaço, identidade e política da diferença. In: ARANTES, A. A. (org.). O espaço da diferença. Campinas: Papirus, 2000. p. 30 – 49.

HALL, S. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação e Realidade, 22(2), p. 15 – 46, jul/dez., 1997.

HOEFLET, S. W. Percepção do ambiente e domesticação do espaço no sertão nordestino. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, 55 (1/4), p. 171 – 197, jan./dez, 1992.

HOLZER, W. A geografia humanista: uma revisão. Espaço e Cultura, n. 3, p. 8 – 19, NEPEC, 1996.

__________. O lugar na geografia humanista. Território, Rio de Janeiro, ano IV, n. 7, p. 67 – 78, jul./dez. de 1999.

__________. Uma discussão fenomenológica sobre os conceitos de paisagem e lugar, território e meio ambiente. Território, Rio de Janeiro, ano II, n. 3, jul./dez. 1997.

MASSEY, D. Filosofia e política da espacialidade: algumas considerações. GEOgraphia, Rio de Janeiro, ano 6, n. 12, p. 7 – 23, 2004.

MASSEY, D. Um sentido global do lugar. In: ARANTES, A. A. (org.). O espaço da diferença. Campinas: Papirus, 2000. p. 176 – 185.

MCDOWELL, L. A transformação da geografia cultural. In: GERGORY, D.; MARTIN, R.; SMITH, G. (orgs.). Geografia humana: sociedade, espaço e ciência social.. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1996. p. 159 – 188

MAGNANI, J. G. C. Da periferia ao centro: pedaços e trajetos. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 35, p. 191 – 203, 1992.

MASSEY, D. Filosofia e política da espacialidade: algumas considerações. GEOgraphia, Rio de Janeiro, ano 6, n. 12, p. 7 – 23, 2004.

__________. Um sentido global do lugar. In: ARANTES, A. A. (org.). O espaço da diferença. Campinas: Papirus, 2000. p. 176 – 185.

MONTEIRO, C. A. de F. O mapa e a trama: ensaios sobre o conteúdo geográfico em criações romanescas. Florianópolis: Ed. UFSC, 2002.

ROSENDAHL, Z; CORRÊA, R L (org). Manifestações da cultura no espaço. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 1999.

__________. (org.). Religião, identidade e território. Rio de Janeiro: Ed.UERJ, 2001.

__________. (org.). Paisagem, tempo e cultura.. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 1998.

ROSENDAHL, Z. Hierópolis: o sagrado e o urbano. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 1999.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

SANTOS, R. E. dos. (org.). Diversidade, espaço e relações étnico-raciais: o negro na geografia do Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

SANTOS, R. J. Festa no Cerrado. Travessia, São Paulo, ano XI, n. 31, p. 17 – 21, maio/ago, 1998.

SANTOS, J. L. dos. O que é cultura. São Paulo: Brasiliense, 2003.

SIMÕES, J. A. Entre a rua e a internet: um estudo sobre o hip-hop português. Lisboa: ICS, 2010.

SMITH, N. Contornos de uma política espacializada: veículo dos sem teto e a construção da escala geográfica. In: ARANTES, A. (org.). O espaço da diferença. Campinas: Papirus, 2000. p. 132 – 175.

SOUZA, M. J. L. de. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: CASTRO, I. E. de; GOMES, P. C. da C.; CORRÊA, R. L. (org.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001. p. 77 – 116.

SILVA, T T da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis, Vozes, 2000.

SPOSITO, M. P. A sociabilidade juvenil e a rua: novos conflitos e ação coletiva na cidade. Tempo Social, São Paulo, 5 (1-2), p. 161-178, Nov. 1994.

WERLEN, B. Regionalismo e sociedade política. GEOgraphia, Rio de Janeiro, ano II, n. 4, p. 7 – 25, 2000.







BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

ALMEIDA, M. I. M. de; TRACY, M. de A. Noites nômades: espaço e subjetividade nas culturas jovens contemporâneas. Rio de Janeiro: Rocco, 2003.

BAUDRILLARD, Jean. A sociedade de consumo.  Lisboa : Edições 70, 2010

BAUMAN, Zigmunt. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro : Jorge Zahar, 2008.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: EDUSP, 2003.

CASTRO, L. R. de. A aventura urbana: crianças e jovens no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: 7Letras, 2004.

CHRISTOFOLETTI, A. Perspectivas da Geografia. São Paulo: DIFEL, 1982.

CORRÊA, R. L.; ROSENDAHL, Z. Geografia cultural: um século (2). Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2000.

FEATHERSTONE, M . Cultura de consumo e pós-modernismo. São Paulo: Studio Nobel, 1995.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar,1978.

GIDDENS, A. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2002.

GIDDENS, A. Mundo em descontrole: o que a globalização está fazendo de nós. Rio de Janeiro/São Paulo: Record, 2000.

GIDDENS, A. As conseqüências da modernidade. São Paulo; ED. UNESP, 1991.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. T. T. da Silva; G. L. Louro. 3º ed. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

HARVEY, D. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural 11ª. ed.. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

HOFBAUER, A. De raça à identidade: da disputa por paradigmas na “ciência do outro”. Cadernos de Campo, ano 5, n. 5 e 6, p. 173 – 188, 1995/6.

MAFFESOLI, M. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1987.

MARCUS, G. Identidades passadas, presentes e emergentes: requisitos para etnografias sobre a modernidade no final do século XX ao nível mundial. Revista de Antropologia, n. 34, p. 197 – 221, 1991.

PINTO, J. P. A guerra do fogo (o processo de humanização). Caderno Geográfico, v. 6, n. 8, p. 79 – 87, dez. 1996.

PORTUGUEZ, Anderson Pereira. Consumo e espaço: turismo, lazer e outros temas.  São Paulo: Roca, 2001.

PROST, A. Fronteiras e espaços do privado. In: PROST, A.; GÉRARD, V. (org.). História da vida privada, 5. São Paulo: Companhia das Letras, 1992, p. 13 – 154.

ROSENDAHL, Z.; CORRÊA, R. L.. Geografia cultural: um século (3). Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2002.

SARLO, B. La ciudad vista. Buenos Aires: Siglo Veinteuno Editores, 2009.

TUAN, Y. Espaço e lugar. São Paulo: DIFEL, 1983.

TUAN, Y. Topofilia. São Paulo: DIFEL, 1980





CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM

1. Capacidade de elaborar, de forma escrita, seu entendimento dos conteúdos da disciplina;

2. Capacidade de articular referencial teórico e análise da realidade empírica, em relatório;

3. Capacidade de elaborar e expressar entendimento do conteúdo, por meio de seminários.







CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO REGIME DE RECUPERAÇÃO

A recuperação será realizada a partir de uma prova escrita e/ou a partir de um trabalho que sintetize o conteúdo da disciplina.







INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO

  • Prova

  • Relatório de pesquisa.

  • Seminário




EMENTA (Tópicos que caracteriza as unidades dos programas de ensino)

Gênese e evolução da Geografia Cultural. As possibilidades de leitura da cultura pela geografia: o lugar, a paisagem e o território. A questão das identidades sócio-territoriais, as relações de poder que lhes são inerentes e as dimensões do global e do local no seu processo de constituição. Temas possíveis e propostas metodológicas de leitura da cultura pelo espaço e no espaço. Os estudos culturais e as perspectivas multiculturais no ensino de geografia.

MATERIAL INSTRUCIONAL

  • Basicamente Material bibliográfico.







AUTO-AVALIAÇÃO

- Será realizada ao final disciplina, a partir de uma conversa conduzida sobre o processo.




PEQUENOS PROJETOS – TRABALHO DE CAMPO







GRANDES PROJETOS – TRABALHO DE CAMPO








HORARIO DE ATENDIMENTO AO ALUNO:

A ser definido, de acordo com a demanda dos alunos matriculados e a disponibilidade de horários e agenda do docente.




APROVAÇÃO: DEPARTAMENTO


CONSELHO DE CURSO

COMISSÃO DE ENSINO


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal