Universidade da região da campanha urcamp pró-reitoria do campus universitário de caçapava do sul



Baixar 115.18 Kb.
Encontro27.07.2016
Tamanho115.18 Kb.


UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA - URCAMP

PRÓ-REITORIA DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE CAÇAPAVA DO SUL


CENTRO DE CIÊNCIAS DA ECONOMIA E INFORMÁTICA

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS




METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO I

MATÉRIA PARA OS CURSOS DE


ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Prof. Esp. Elcio da Rosa Lima


Caçapava do Sul, RS – 1º semestre de 2011
SUMARIO

1 – O CONHECIMENTO CIENTÍFICO

1.1 – O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS



1.1.1 – O conhecimento empírico

1.1.2 – O conhecimento científico

1.1.3 – O conhecimento filosófico

1.1.4 – O conhecimento teológico

1.2 – O TRINÔMIO: VERDADE, EVIDÊNCIA, CERTEZA



1.2.1 – A verdade

1.2.2 – A evidência

1.2.3 – A certeza

1.3 – FORMAÇÃO DO ESPÍRITO CIENTÍFICO



1.3.1 – Natureza do espírito científico

1.3.2 – Qualidades do espírito científico

1.3.3 – Importância do espírito científico
2 – MÉTODOS E TÉCNICAS CIENTÍFICAS

2.1 – O MÉTODO

2.2 – AS TÉCNICAS

2.2.1 – Observação

2.2.2 – Experimentação

2.2.3 – Indução

2.2.4 – Dedução

2.2.5 – Inferência

2.2.6 – Análise e síntese

2.2.7 – Elementos de Estatística

2.3 – TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS



2.3.1 – Entrevista

2.3.2 – Questionário

2.3.3 – Formulário
3 – CONCEITOS, TERORIAS, LEIS E DOUTRINAS

3.1 – CONCEITOS

3.2 – AS LEIS

3.3 – TEORIA

3.4 – DOUTRINA
4 – PESQUISA – CONCEITOS E DEFINIÇÕES

4.1 – TIPOS DE PESQUISA



4.1.1 – Pesquisa bibliográfica

4.1.2 – Pesquisa descritiva

4.1.3 – Pesquisa experimental

4.1.4 – Estudos exploratórios

4.1.5 – Resumo de assunto

4.1.6 – Seminário de estudos

4.2 – ROTEIRO PARA A PESQUISA DESCRITIVA E EXPERIMENTAL

4.3 – PROJETO DE PESQUISA
5 – FASES DA ELABORAÇÃO DA PESQUISA

5.1 – ESCOLHA DO TEMA



5.1.1 – Delimitação do tema

5.1.2 – Definição dos objetivos

5.2 – FORMULAÇÃO DO PROBLEMA DA PESQUISA



5.2.1 – O problema de pesquisa

5.2.2 – Formulação das hipóteses

5.3 – ESTUDOS EXPLORATÓRIOS



5.3.1 – Levantamento bibliográfico

5.3.2 – Apontamentos e anotações

5.4 – COLETA E ANÁLISE DE DADOS: LEITURA E PROCESSOS DE LEITURA



5.4.1 – Pré leitura

5.4.2 – Leitura seletiva

5.4.3 – Leitura crítica ou reflexiva

5.4.4 – Leitura interpretativa

5.4.5 – Comentários de texto
6 – COMUNICAÇÃO DA PESQUISA

6.1 – ELEMENTOS PRÉ TEXTUAIS

6.2 – ELEMENTOS TEXTUAIS

6.3 – ELEMENTOS PÓS TEXTUAIS



1 - O HISTÓRICO DO MÉTODO CIENTÍFICO
As ciências, (físicas, biológicas, matemáticas, sociais, políticas, etc.), no estado em que se encontram atualmente, são o resultado de tentativas ocasionais e de pesquisas cada vez mais metódicas e científicas nas etapas posteriores.
A ciência é uma das poucas realidades que podem ser legadas às gerações seguintes. Os homens de cada período histórico assimilam os resultados científicos das gerações anteriores, desenvolvendo e ampliando alguns aspectos novos. Do duplo elemento de uma época, o mutável e o fixo, o ainda não comprovado e o estabelecido definitivamente somente o último é cumulativo e progressivo.
Os elementos que constituem boa parte da ciência e que são a parte transitória e efêmera, como certas hipóteses e teorias, perdem-se no tempo, conservando, quando muito, interesse histórico.
Cada época elabora suas teorias, segundo o nível de evolução em que se encontra, substituindo as antigas, que passam a ser consideradas como superadas e anacrônicas.
O que permitiu à ciência chegar ao nível atual foi o núcleo de técnicas de ordem prática, seus fatos empíricos e leis, que formam o elemento de continuidade, que foi sendo aperfeiçoado e ampliando ao longo da história do Homo sapiens.
A ciência, nos moldes em que se apresenta hoje, é relativamente recente. Só na idade moderna da história adquiriu o caráter científico que tem atualmente. Entretanto, desde o início da humanidade já se encontravam os primeiros traços rudimentares de conhecimentos e de técnicas que constituiriam a futura ciência.
A revolução científica, propriamente dita, registra-se nos séculos XVI e XVII, com Copérnico, Bacon e seu método experimental, Galileu, Descartes e outros. Não surgiu, porém, do acaso. Toda descoberta ocasional e empírica de técnicas e de conhecimentos referentes ao universo, à natureza e ao homem, desde os antigos babilônios e egípcios, a contribuição do espírito criador grego, sintetizado e ampliado por Aristóteles, as invenções feitas na época das conquistas prepararam o surgimento do método científico e do caráter de objetividade que vai caracterizar a ciência a partir do século XVI, ainda de forma vacilante e agora de modo rigoroso.
Aos poucos o método experimental foi aperfeiçoado e aplicado em novos setores. Desenvolveu-se o estudo da química e da biologia; surgiu um conhecimento mais objetivo da estrutura e das funções dos organismos vivos no século XVIII. Já no século seguinte, verificou-se uma modificação geral nas atividades intelectuais e industriais. Surgiram novos dados relativos à evolução, ao átomo, à luz, à eletricidade, ao magnetismo, à energia. Enfim, no Século XX, a ciência, com seus métodos objetivos e exatos, desenvolveu pesquisas em todas as frentes do mundo físico e humano, atingindo um grau de precisão surpreendente não só na área das navegações espaciais e de transplantes, como nos mais variados setores da realidade.
Essa evolução das ciências tem, sem dúvida, como mola propulsora os métodos e instrumentos de investigação aliados ao espírito científico, perspicaz, rigoroso e objetivo.
Esse espírito, que foi preparado ao longo da história, impõe-se agora, de maneira inexorável, a todos quantos pretendem conservar o legado científico do passado ou, ainda, se propõe a ampliar suas fronteiras.



    1. – O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS

O homem não age diretamente sobre as coisas. Sempre há um intermediário, um instrumento entre ele e seus atos. Isso também acontece quando ele faz ciência, quando investiga cientificamente. Ora, não é possível fazer um trabalho científico sem conhecer os instrumentos. E esses se constituem de uma série de termos e de conceitos que devem ser claramente distinguidos, de conhecimentos a respeito das atividades cognoscitivas que nem sempre entram na constituição da ciência, de processos metodológicos que devem ser seguidos, a fim de se chegar a resultados de cunho científico e, finalmente, é preciso imbuir-se de espírito científico.


“Nossas possibilidades de conhecimento são muito e até, tragicamente pequenas. Sabemos pouquíssimo, e aquilo que sabemos sabemo-lo muitas vezes superficialmente, sem grande certeza. A maior parte de nosso conhecimento somente é provável. Existem certezas absolutas, incondicionais, mas estas são raras”. (Bochensky, 1961, p.42).
O que é conhecer? É uma relação que se estabelece entre o sujeito que conhece e o objeto conhecido. No processo de conhecimento o sujeito cognoscente se apropria, de certo modo, do objeto conhecido.
Se a apropriação é física, sensível, por exemplo, a representação de uma onda luminosa, de um som, o que acarreta uma modificação de um órgão corporal do sujeito cognoscente, tem-se um conhecimento sensível. Tal tipo de conhecimento é encontrado tanto em animais como no homem.
Se a representação não é sensível, o que ocorre com realidades, tais como conceitos, verdades, princípios e leis, tem-se então um conhecimento intelectual. (a água, prumo, gravidade, rotação/translação da terra, etc.).
O conhecimento sempre implica uma dualidade de realidades: de um lado, o sujeito cognoscente e, de outro, o objeto conhecido, que está possuído, de certa maneira pelo cognoscente. O objeto conhecido pode, às vezes, fazer parte do sujeito que conhece. Pode-se conhecer a si mesmo, pode-se conhecer e pensar os seus pensamentos. Mas nem todo o conhecimento é pensamento. O pensamento é atividade intelectual.
Pelo conhecimento o homem penetra nas diversas áreas da realidade para dela tomar posse. Ora, a própria realidade apresenta níveis e estruturas diferentes em sua própria constituição. Assim, a partir de um ente, fato ou fenômeno isolado, pode-se subir até situá-lo dentro de um contexto mais complexo, ver seu significado e função, sua natureza aparente e profunda, sua origem, sua finalidade, sua subordinação a outros entes; enfim, sua estrutura fundamental com todas as implicações daí resultantes. (A abelha e a flor).
Essa complexidade do real, objeto de conhecimento, ditará, necessariamente formas diferentes da apropriação por parte do sujeito cognoscente. Essas formas darão os diversos níveis de conhecimento segundo o grau de penetração do conhecimento e conseqüente posse mais ou menos eficaz da realidade, levando ainda em conta a área ou estrutura considerada.
Com relação ao homem, por exemplo, pode-se considerá-lo em seu aspecto externo e aparente e dizer uma série de coisas que o bom senso dita ou a experiência cotidiana ensinou. Pode-se, também, questioná-lo quanto à sua origem, sua realidade e destino e pode-se, ainda, investigar o que dele foi dito por Deus através dos profetas e de seu enviado Jesus Cristo. Finalmente, pode-se estudá-lo com propósito mais científico e objetivo, investigando experimentalmente as relações existentes entre certos órgãos e suas funções.
Têm-se, assim, quatro espécies de considerações sobre a mesma realidade; o homem, consequentemente o pesquisador, está se movendo dentro de quatro níveis diferentes de conhecimento. O mesmo pode ser feito com outros objetos de investigação.
Têm-se, então, conforme o caso:

  1. Conhecimento empírico;

  2. Conhecimento científico;

  3. Conhecimento filosófico;

  4. Conhecimento teológico.



1.1.1 – Conhecimento empírico:
Conhecimento empírico, também chamado vulgar ou de senso comum, é o conhecimento do povo, obtido ao acaso, após ensaios e tentativas que resultam em erros e em acertos. Esse tipo de conhecimento e ametódico e assistemático.
A pessoa comum, sem formação para operacionalizar os métodos e as técnicas científicas, tem conhecimento do mundo material exterior onde se acha inserida e de certo número de pessoas, seus semelhantes, com as quais convive. Vê essas pessoas no momento presente, lembra-se delas, prevê o que poderão fazer e ser no futuro. Tem consciência de si mesma, de suas idéias, tendência e sentimentos.
Cada qual se serve da experiência do outro ora ensinando, ora aprendendo, em um intenso processo de interação humana e social. Pela vivência coletiva os conhecimentos são transmitidos de uma pessoa à outra, de uma geração à outra.
Pelo conhecimento empírico, a pessoa conhece o fato e sua ordem aparente, tem explicações concernentes à razão de ser das coisas e das pessoas. Tudo isso é obtido das experiências feitas ao acaso, sem método e de investigações pessoais feitas ao sabor das circunstâncias da vida ou então sorvido do saber dos outros e das tradições da coletividade ou, ainda, tirado da doutrina de uma religião positiva.

1.1.2 – Conhecimento científico:
O conhecimento científico vai além do empírico, procurando conhecer, além do fenômeno, suas causas e leis.
Para Aristóteles o conhecimento só se dá de maneira absoluta quando sabemos qual a causa que produziu o fenômeno e o motivo, porque não pode ser de outro modo; é o saber através da demonstração.
A ciência, até a Renascença, era tida como um sistema de proposições rigorosamente demonstradas, constantes e gerais que expressam as relações existentes entre seres fatos e fenômenos da experiência.
O conhecimento científico era caracterizado como:


  1. Certo, porque sabe explicar os motivos de sua certeza, o que não acontece com o conhecimento empírico;

  2. Geral, no sentido de conhecer no real o que há de mais universal e válido para todos os caos da mesma espécie. A ciência, partindo do indivíduo concreto, procura o que nele á de comum com os demais da mesma espécie.

  3. Metódico e sistemático. O cientista não ignora que os seres e fatos estão ligados entre si por certas relações. O seu objetivo é encontrar e reproduzir esse encadeamento. Alcança-o por meio do conhecimento ordenado de leis e princípios.

A essas características acrescentam-se outras propriedades da ciência, como a objetividade, o interesse intelectual e o espírito crítico.


A ciência, assim entendida, era o resultado da demonstração e da experimentação, só aceitando o que fosse provado.
Hoje a concepção de ciência é outra. A ciência não é considerada como algo pronto, acabado ou definitivo. Não é a posse de verdades imutáveis.
Atualmente, a ciência é entendida como uma busca constante de explicações e de soluções, de revisão e de reavaliação de seus resultados, apesar da sua falibilidade e de seus limites.
Nessa busca sempre mais rigorosa, a ciência pretende aproximar-se cada vez mais da verdade através de métodos que proporcionem controle, sistematização, revisão e segurança maior do que possuem outras formas de saber não-científicas.
Por ser algo dinâmico, a ciência busca renovar-se e reavaliar-se continuamente. A ciência é um processo em construção.

1.1.3 – O conhecimento filosófico:
O conhecimento filosófico distingue-se do conhecimento científico pelo objeto de investigação e pelo método. O objeto das ciências são os dados próximos, imediatos, perceptíveis pelos sentidos ou por instrumentos, pois, sendo de ordem material e física, são por isso suscetíveis de experimentação. O objeto da filosofia é constituído de realidades mediatas, imperceptíveis aos sentidos e que, por serem de ordem supra-sensíveis, ultrapassam a experiência.
A ordem natural do procedimento é, sem dúvida, partir dos dados materiais e sensíveis (ciência) para se elevar aos dados de ordem metafísica, não sensíveis, razão última da existência dos entes em geral (filosofia). Parte-se do concreto material para o concreto supramaterial, do particular ao universal.
Na acepção clássica, a filosofia era considerada a ciência das coisas por suas causas supremas. Modernamente, prefere-se falar em filosofar. O filosofar é um interrogar, e um contínuo questionar a si mesmo e à realidade. A filosofia não é algo feito, acabado. A filosofia é uma busca constante do sentido, de justificação, de possibilidades, de interpretação a respeito de tudo aquilo que envolve o ser humano e sobre o próprio ser em sua existência concreta.
Filosofar é interrogar. A interrogação parte da curiosidade. Essa é inata. Ela é constantemente renovada, pois surge quando um fenômeno nos revela alguma coisa de um objeto e ao mesmo tempo nos sugere o oculto, o mistério. Esse impulsiona o ser humano a buscar o desvelamento do mistério. Vê-se, assim, que a interrogação somente nasce do mistério, que é o oculto enquanto sugerido.
A tarefa fundamental da filosofia resume-se na reflexão. A experiência fornece uma multiplicidade de impressões e opiniões. Adquirem-se conhecimentos científicos e técnicos nas mais variadas áreas. Têm-se aspirações e preocupações as mais diversas. A filosofia procura refletir sobre esse saber, interroga-se sobre ele, problematiza-o. Filosofar é interrogar principalmente sobre fatos e problemas que cercam o ser humano concreto em seu contexto histórico. Esse contexto muda através dos tempos, o que explica o deslocamento dos temas de reflexão filosófica. É claro que alguns temas perpassam a história como a própria humanidade. Qual o sentido da existência do ser humano e da vida? Existe ou não existe o absoluto? Há liberdade? Entretanto, o campo de reflexão ampliou-se muito em nossos dias. Hoje, os filósofos, além das interrogações metafísicas tradicionais, formulam novas questões: a humanidade será dominada pela técnica? A máquina substituirá o ser humano? Também poderão o homem ou a mulher serem produzidos em séries, em tubos de ensaio? As conquistas espaciais comprovam o poder ilimitado da espécie humana? O progresso técnico é um benefício para a humanidade? Quando chegará a vez do combate conta a fome e a miséria? O que é valor, hoje?
A filosofia procura compreender a realidade em seu contexto mais universal. Não há soluções definitivas para grande número de questões. Entretanto, habilita o ser humano a fazer uso de suas faculdades para ver melhor o sentido da vida concreta. (efeito estufa).

1.1.4 – Conhecimento teológico
Duas são as atitudes que se podem tomar diante do mistério.
A primeira é tentar penetrar nele com o esforço pessoal da inteligência. Mediante a reflexão e o auxílio de instrumentos, procura-se obter um procedimento que seja científico ou filosófico.
A segunda atitude consiste em aceitar explicações de alguém que já tenha desvendado o mistério e implica sempre uma atitude de fé diante de um conhecimento revelado.
Esse conhecimento revelado ocorre quando há algo oculto ou um mistério, alguém que o manifesta e alguém que pretende conhecê-lo.
Entende-se por mistério tudo o que é oculto enquanto provoca a curiosidade e leva à busca. O mistério é o oculto enquanto sugerido. Pode estar ligado a dados da natureza, da vida futura, da existência do absoluto, para mencionar apenas alguns exemplos.
Aquele que manifesta o oculto é o revelador. Pode ser o próprio homem ou Deus.
Aquele que recebe a manifestação tem fé humana, se o revelador for um homem ou uma mulher, e tem fé teologica, se Deus for o revelador.
A fé teológica sempre está ligada a uma pessoa que testemunha Deus diante de outras pessoas. Para que isso aconteça, é necessário que tal pessoa que conhece a Deus e que vive o mistério divino o revele a outra. Afirmar, por exemplo, que tal pessoa é o Cristo equivale a explicitar um conhecimento teológico.
O conhecimento revelado – relativo a Deus – e aceito pela fé teológica constitui o conhecimento teológico. Esse por sua vez é o conjunto de verdades ao qual as pessoas chegam, não com o auxílio de sua inteligência, mas mediante a aceitação dos dados da revelação divina. Vale-se de modo especial do argumento de autoridade. São os conhecimentos adquiridos nos livros sagrados e aceitos racionalmente pelas pessoas, depois de terem passado pela crítica histórica mais exigente. O conteúdo da revelação, feita a crítica dos fatos ali narrados e comprovados pelos sinais que a acompanham, reveste-se de autenticidade e de verdade. Essas verdades passam a ser consideradas como fidedignas, e por isso são aceitas. Isso é feito com base na lei suprema da inteligência: aceitar a verdade, venha de onde vier, contanto que seja legitimamente adquirida.



    1. – O TRINÔMIO: VERDADE, EVIDÊNCIA, CERTEZA

Já foi visto que o problema do conhecimento é, em grande parte, enigmático. O ser humano é cheio de limitações e a realidade que pretende conhecer e dominar é múltipla e complexa. Diante disso surgem inúmeras questões: o ser humano pode conhecer a verdade? O que é a verdade? Quais são as evidências que temos de que as verdades reveladas pela religião ou descobertas pela ciência sejam realmente a verdade? Como poderemos ter certeza de que o ser humano e a humanidade estejam no caminho certo? Nosso esforço será exatamente no sentido de compreender o caminho que cientistas, pesquisadores e estudantes percorrem para nos proporcionar evidências científicas que, com razoável grau de certeza, nos indiquem senão a verdade, pelo menos nos ajudem a entender o universo, a vida e a realidade em que vivemos.





      1. A verdade

Todos falam, discutem e querem estar com a verdade. Nenhum mortal, porém, é o dono da verdade. Isso porque o problema da verdade está na finitude do próprio ser humano, de um lado, e na complexidade e ocultamento do ser da realidade, de outro. O ser das coisas e objetos que pretendemos conhecer oculta-se e manifesta-se sob múltiplas formas. Aquilo que se manifesta, que aparece em um dado momento, não é, certamente, a totalidade do objeto, da realidade investigada. A pessoa pode apoderar-se e conhecer aquele aspecto do objeto que se manifesta, que se impõe, que se desvela, e isso ainda de modo humano, Isto é, imperfeito, pois não entra em contato direto com o objeto, mas apenas com sua representação e impressões que causa. Contudo, a realidade toda jamais poderá ser captada por um investigador humano; quiçá, nem todos juntos alcançarão um dia desvendar todo esse mistério.


O desvelamento do ser das coisas supõe a capacidade de percebermos as mensagens; isso implica atenção, boa capacidade de percepção e bons instrumentos de pesquisa. Inútil lembrar que os instrumentos são o centro de toda pesquisa científica rumo à abertura do ser, à manifestação do ser, ao conhecimento da verdade.
O que é, pois, a verdade? É o encontro da pessoa com o desvelamento, com o desocultamento e com a manifestação do ser. A essência das coisas se manifesta, torna-se translúcida, visível ao olhar, â inteligência e â compreensão humana. Pode-se dizer que há verdade quando percebemos e dizemos o ser que se desvela, que se manifesta. Há uma certa conformidade entre o que julgamos e dizemos e aquilo que do objeto se manifesta.
O objeto, porém, nunca se manifesta totalmente, nunca é inteiramente transparente. Por outro lado, não somos capazes de perceber tudo aquilo que se manifesta e nem nos é possível estar de posse plena do objeto de conhecimento; quando muito, podemos conhecer os objetos por suas representações e imagens. Por isso, nunca conhecemos toda a verdade, a verdade absoluta e total.
Muitas vezes ocorre, ainda, que, levados por certas aparências e sem o auxílio de instrumentos adequados, emitimos conclusões precipitadas que não correspondem aos fatos e â realidade: temos então o erro. E os erros são freqüentes ao longo da história; temos, por exemplo, as afirmações do geocentrismo, da geração espontânea, etc.



      1. A evidência

A verdade só resulta quando há evidência. Evidência é manifestação clara, é transparência, é desocultamento e desvelamento da natureza e da essência das coisas. A respeito daquilo que se manifesta das coisas, pode-se dizer uma verdade. Mas, como nem tudo se desvela de um ente, portanto, não se pode falar arbitrariamente sobre o que não se desvelou. A evidência, o desvelamento, a manifestação da natureza e da essência das coisas são, pois, o critério da verdade.





      1. A certeza

Finalmente a certeza é o estado de espírito que consiste na adesão firme a uma verdade, sem temor de engano. Esse estado de espírito se fundamenta na evidência, no desvelamento da natureza e da essência das coisas.


Relacionando o trinômio, pode-se concluir dizendo que, havendo evidência, isto é, se o objeto, fato ou fenômeno se desvela ou se manifesta com suficiente clareza, pode-se afirmar com certeza, sem temor de engano, uma verdade.
Quando não houver evidência ou suficiente manifestação do objeto, fato ou fenômeno, o sujeito será encontrado em outros estados de espírito, o que deve transparecer também na sua expressão ou na sua linguagem. São os casos da ignorância, da dúvida e da opinião.
Ignorância é um estado intelectual negativo, que consiste na ausência de conhecimento relativo às coisas por falta total de desvelamento. A ignorância pode ser:


  1. Vencível – quando pode ser superada;

  2. Invencível – quando não pode ser superada;

  3. Culpável – quando há obrigação de fazê-la desaparecer;

  4. Desculpável – quando não há obrigação de fazê-la desaparecer.


A dúvida é um estado de equilíbrio entre a afirmação e a negação. A dúvida é espontânea quando o equilíbrio entre a afirmação e a negação resulta da falta do exame dos prós e dos contra; a dúvida refletida é um estado de equilíbrio que permanece após o exame das razões prós e contra; a dúvida metódica consiste na suspensão fictícia ou real, mas sempre provisória do assentimento a uma asserção tida até então por certa para lhe controlar o valor; a dúvida universal consiste em considerar toda asserção como incerta. É a dúvida dos céticos.
A opinião caracteriza-se pelo estado de espírito que afirma com temor de se enganar. Já se afirma, mas de tal maneira que as razões em contrário não dão uma certeza. O valor da opinião depende da maior ou menor probabilidade das razões que fundamentam a afirmação. A opinião pode, às vezes, assumir as características de probabilidade matemática. Essa pode ser expressa sob a forma de uma fração, cujo denominador exprime o número de casos possíveis e cujo numerador expressa o número de casos favoráveis. Por exemplo, havendo em uma caixa 6 bolas pretas e 4 brancas, a probabilidade de se extrair uma bola branca será, matematicamente, 4/10.



    1. – A FORMAÇÃO DO ESPÍRITO CIENTÍFICO

A formação do espírito científico tem seu ponto de partida na curiosidade infantil, passa pela inquietação da adolescência e pelos sonhos do jovem. Se bem cultivados e administrados tais atributos, a coerência metodológica que se espera na maturidade pode resultar em cientistas e pesquisadores produtivos ou, no mínimo, em adultos capazes de tratar, analisar e sintetizar os dados da realidade de maneira lógica e coerente.


Assim como a formação do espírito científico pode se dar em qualquer idade e em quaisquer circunstâncias, a ciência pode ser praticada também nas mais variadas situações de vida, e não apenas no recesso dos laboratórios e na solidão das pesquisas de campo.
O desafio de países como o Brasil é, sobretudo, encontrar soluções para os graves problemas sociais que o país vive, soluções essas muito mais urgentes e necessárias do que toda a indústria de armas, de foguetes e de viagens espaciais, por exemplo.



      1. Natureza do espírito científico

O espírito científico é uma atitude ou disposição subjetiva do pesquisador que busca soluções sérias, com métodos adequados, para o problema que enfrenta. Essa atitude não é inata na pessoa; ao contrario disso, é conquistada ao longo da vida, à custa de muitos esforços e exercícios. Ela pode e deve ser aprendida.


O espírito científico, na prática, é expressão de uma mente crítica, objetiva e racional.
A consciência crítica levará o pesquisador a aperfeiçoar seu julgamento e a desenvolver o discernimento, capacitando-o a distinguir e separar o essencial do superficial, o principal do secundário. Criticar é julgar, distinguir, discernir, analisar para melhor poder avaliar os elementos componentes da questão. A crítica, assim entendida, não tem nada de negativa. É, antes, uma tomada de posição, no sentido de impedir a aceitação do que é fácil e superficial. O crítico só admite o que é suscetível de prova.
A consciência objetiva, por sua vez, implica o rompimento corajoso com as posições subjetivas, pessoais e mal fundamentadas do conhecimento vulgar. Para conquistar a objetividade científica, é necessário libertar-se da visão subjetiva do mundo, arraigada na própria organização biológica e psicológica do sujeito e ainda influenciada pelo meio social. A objetividade é a condição básica da ciência. O que vale não é o que algum cientista imagina ou pensa, mas aquilo que realmente é. Isso porque a ciência não é literatura. A objetividade torna o trabalho científico impessoal a ponto de desaparecer a pessoa do pesquisador. Só interessam o problema e a solução. Qualquer um pode repetir a mesma experiência, em qualquer tempo, e o resultado será sempre o mesmo porque independe das disposições subjetivas. A objetividade do espírito científico não aceita meias-soluções ou soluções apenas pessoais. O eu acho, o creio ser assim não satisfazem a objetividade do saber.
O espírito científico age racionalmente. As únicas razões explicativas de uma questão só podem ser intelectuais ou racionais. As razões que a razão desconhece, as razões da arbitrariedade, do sentimento e do coração nada explicam nem justificam no campo da ciência.



      1. Qualidades do espírito científico

Além das propriedades fundamentais, já referidas, poderíamos acrescentar outras tantas qualidades de ordem intelectual e moral que o espírito científico implica. Como virtude intelectual, ele se traduz no senso de observação, no gosto pela precisão e pelas idéias claras, na imaginação ousada, mas regida pela necessidade da prova, na curiosidade que leva a aprofundar os problemas, na sagacidade e no poder de discernimento.


Moralmente, o espírito científico assume a atitude de humildade e de reconhecimento de suas limitações, da possibilidade de certos erros e enganos. O espírito científico é imparcial, não torce os fatos, respeita escrupulosamente a verdade.
O possuidor do verdadeiro espírito científico cultiva a honestidade, evita o plágio, não colhe como seu o que outros plantaram, tem horror às acomodações e é corajoso para enfrentar os obstáculos e os perigos que uma pesquisa possa oferecer.
Finalmente o espírito científico não reconhece fronteiras, não admite nenhuma intromissão de autoridades estranhas ou limitações em seu campo de investigação e defende o livre exame dos problemas. A honestidade do cientista está relacionada, unicamente, com a verdade dos fatos que investiga.


      1. Importância do espírito científico

O universitário consciente de sua função na universidade vai procurar imbuir-se desse espírito científico, aperfeiçoando-se nos métodos de investigação e aprimorando suas técnicas de trabalho. O essencial é aprender como trabalhar, como enfrentar e solucionar os problemas que se apresentam não só na universidade, mas principalmente na vida profissional. E isso não é adquirir conhecimentos científicos comprovados, fórmulas mágicas para todos os males, mas sim hábitos, consciência e espírito preparado no emprego dos instrumentos que levarão a soluções de problemas. Esses sempre se apresentarão, na carreira profissional, com novos matizes, de tal forma que as soluções aprendidas na universidade, serão inadequadas. Logo, faz-se necessário apelar para a criatividade para achar a solução mais indicada.




  1. MÉTODOS E TÉCNICAS CIENTÍFICAS



    1. – O MÉTODO

Em seu sentido mais geral, o método é a ordem que se deve impor aos diferentes processos necessários para atingir um certo fim ou um resultado desejado. Nas ciências, entende-se por método o conjunto de processos empregados na investigação e na demonstração da verdade.


O método é apenas um conjunto ordenado de procedimentos que se mostram eficientes, ao longo da história, na busca do saber. O método científico é, pois, um instrumento de trabalho. O resultado depende de seu usuário.
Todo método depende do objetivo de investigação. A filosofia não tem por objeto o estudo de coisas fantasiadas, irreais ou inexistentes. A filosofia questiona a própria realidade. Por isso, o ponto de partida do método racional é a observação desta realidade ou a aceitação de certas proposições evidentes, princípios ou axiomas, para em seguida prosseguir por dedução ou indução, em virtude das exigências unicamente lógicas e racionais. Mediante o método racional, que também se desdobra em diversas técnicas, como a observação, a análise, a comparação e a síntese, a indução e a dedução, a hipótese e a teoria, procura-se interpretar a realidade quanto a sua origem, natureza profunda, destino e significado no contexto geral.
Pelo método racional procura-se obter uma compreensão e visão mais ampla sobre o homem, sobre a vida, sobre o mundo, sobre o ser. Essa cosmovisão, a qual leva à investigação racional, evidentemente não pode ser testada ou comprovada experimentalmente em laboratórios. E é exatamente a possibilidade de comprovar ou não as hipóteses que distingue o método experimental científico do racional.



    1. – AS TÉCNICAS

O método se caracteriza como o conjunto das diversas etapas ou passos que devem ser dados para a realização da pesquisa. Esses passos são as técnicas. Podem ser chamados de técnicas aqueles procedimentos científicos utilizados por uma ciência determinada no quadro das pesquisas próprias desta ciência. Assim, há técnicas associadas ao uso de certos testes de laboratório, ao levantamento de opiniões de massa, à coleta de dados estatísticos; há técnicas para conduzir uma entrevista, para determinar a idade em função do carbono, para decifrar inscrições desconhecidas, etc. Vejamos algumas técnicas.





      1. Observação

Observar é aplicar atentamente os sentidos físicos a um objeto, para dele adquirir um conhecimento claro e preciso. A observação é de importância capital nas ciências. É dela que depende o valor de todos os outros processos. Sem a observação, o estudo da realidade e de suas leis seria reduzido à simples conjetura e adivinhação.


Em qualquer das modalidades, a observação deve ser: atenta, exata e completa, precisa, sucessiva e metódica.
Para isso é preciso conseguir dar valores numéricos a tudo quanto no objeto de pesquisa observado for suscetível de medida quantitativa. Daí a importância que assumem as medidas, quando combinadas com métodos e técnicas científicas.



      1. Experimentação

A experimentação consiste no conjunto de processos utilizados para verificar as hipóteses.


A idéia geral que governa as técnicas de experimentação é a seguinte: consistindo a hipótese, em estabelecer uma relação de causa e efeito entre dois fenômenos, trata-se de descobrir se realmente B (suposto efeito) varia cada vez que se faz variar A (suposta causa) e se varia nas mesmas proporções.



      1. Indução

A indução e a dedução são, antes de mais nada, formas de raciocínio ou de argumentação e, como tais, são formas de reflexão, e não de simples pensamento. O ato de pensar caracteriza-se por ser dispersivo, natural e espontâneo. A reflexão, porém, requer esforço e concentração voluntária. É dirigida e planificada.


Na indução, a conclusão está para as premissas, como o todo está para as partes. De verdades particulares concluímos verdades gerais. Exemplo:
Venus, Terra, Marte e Saturno são todos planetas.

Ora, Venus, Terra, Marte e Saturno não brilham com luz própria.

Logo, os planetas não brilham com luz própria.



      1. Dedução

A dedução é a argumentação que torna explicitas verdades particulares contidas em verdades universais. O ponto de partida é o antecedente, que afirma uma verdade universal, e o ponto de chegada é o conseqüente, que afirma uma verdade menos geral ou particular contida implicitamente no primeiro.


O processo dedutivo, por um lado, leva o pesquisador do conhecido ao desconhecido com pouca margem de erro; por outro lado, é de alcance limitado, pois a conclusão não pode possuir conteúdos que excedam o das premissas. Sendo assim, concluir que a dedução seja infrutífera e estéril é não perceber seu verdadeiro significado.
Duas regras gerais são apontadas quanto à validade das conclusões do processo dedutivo:


  1. Da verdade do antecedente segue-se a verdade do conseqüente.


Todos os animais respiram.

Ora, o mosquito é animal.

Logo, o mosquito respira.


  1. Da falsidade do antecedente pode seguir-se a falsidade ou a veracidade do conseqüente.


Todos os animais são quadrúpedes. (falso)

Ora, o cisne é um animal.

Logo, o cisne é quadrúpede (falso)
Ou então:
Toda árvore é racional. (falso)

Ora, Gilberto é uma árvore.

Logo, Gilberto é racional. (verdadeiro)
O raciocínio dedutivo poderá ter forma:



  1. Categórica


Todas as crianças têm pais.

Ora, Gilberto é criança.

Logo, Gilberto tem pais.


  1. Hipotética


Se Henrique estudar, passará nos exames.

Ora, Henrique estuda.

Logo, passará nos exames.



      1. Inferência

Pode-se tomar inferência como equivalente a raciocínio.

Pela inferência somos levados a tirar conclusões a partir de premissas conhecidas. Inferir é tirar uma conclusão de uma ou várias proposições dadas nas quais está implicitamente contida.
É imediata a inferência quando chegamos à proposição nova sem intermediários e mediata quando há intermediários.
a) Inferência imediata - as proposições a que se pode chegar a partir de uma proposição dada, seguindo as leis da oposição das proposições, são obtidas por meio da inferência imediata. Há ainda a inferência imediata na conversão de uma proposição, Istoé, ao se transpor o sujeito e o predicado de uma proposição dada a uma proposição nova, igualmente verdadeira. Por exemplo:
Nenhum homem é quadrúpede;

Nenhum quadrúpede e homem.
b) Inferência mediata – é a que se opera mediante um termo de comparação ou termo médio. Por exemplo, não sabendo que o ouro é bom condutor de calor, pode-se conclui que o é, descobrindo um termo, no caso metal, que se relaciona com os dois termos da questão. (ouro – condutor de calor). Todo metal ...
As inferências mediatas podem ser indutivas ou dedutivas. Assim, todas as conclusões a que se chega pelo raciocínio dedutivo ou indutivo têm por base inferências mediatas.
A inferência, como se vê, é uma operação mental que leva a concluir algo a partir de certos dados antecedentes. É uma extensão do conhecimento. É uma passagem do conhecimento ao não conhecido. Implica uma espécie de salto dos dados estabelecidos e verdades aceita para novas verdades a elas relacionadas. A inferência ou ilação é o instrumento com o qual os cientistas conseguem generalizar suas descobertas referentes aos fenômenos observados e explicados em forma de leis ou fórmulas.



      1. - Análise e síntese

René Descartes, na obra (O discurso do método, 1956, p.22) procurando traçar normas gerais e indispensáveis a qualquer trabalho científico, formulou quatro regras:




  1. Nunca aceitar como verdadeira qualquer coisa, sem conhecê-la como tal. Evitar cuidadosamente a precipitação e a prevenção (é a evidência como critério da verdade);




  1. Dividir cada uma das dificuldades a abordar, no maior número possível de parcelas que forem necessárias para melhor resolvê-las (é a análise);




  1. Conduzir por ordem de pensamento, começando pelos objetos mais simples e mais fáceis de conhecer, para subir pouco a pouco, gradualmente, ate o conhecimento dos mais complexos (é a síntese);




  1. Fazer sempre enumerações tão completas e revisões tão gerais que dêem certeza de nada omitirem (é a condição comum e a garantia da análise e síntese).

A análise é a decomposição de um todo em suas partes. A síntese é a reconstituição do todo decomposto pela análise. Ou, por outra: a análise é o processo que parte do mais complexo para o menos complexo, e a síntese parte do mais simples para o menos simples.


A análise e a síntese são necessárias?
Sim, porque a inteligência não é capaz de tirar da complexidade de idéias, de seres e de fatos relações de causa e efeito e a relações entre princípios e conseqüências. Sem a análise, todo o conhecimento é confuso e superficial; sem a síntese, é fatalmente incompleto.



      1. Elementos de estatística

Outrora a estatística estava confinada à área das ciências exatas. Raramente atraía o interesse de pesquisadores de outras áreas, como as ciências humanas ou biológicas. Atualmente, é considerada um dos mais úteis instrumentos de trabalho em todos os campos da investigação. E, no momento em que a computação eletrônica está ao alcance dos pesquisadores de nível universitário, a estatística atinge um grau de sofisticação do mais elevado padrão.


Concentramos nossa atenção em três elementos imprescindíveis para a análise estatística: Tabelas, quadro e gráficos.
Tabelas – abertas nas pontas, constituem representações numéricas de dados quantitativos coletados por meio de instrumentos próprios para este fim. A representação numérica pode ser em forma de números absolutos ou em percentuais, mas não em frações. Tabelas exigem obrigatoriamente, a identificação da fonte, mesmo que o pesquisador tenha dado outro arranjo para os dados, caso a origem não seja a sua pesquisa.
Quadros – geralmente são livres arranjos que o autor faz para organizar e sistematizar a apresentação de algumas informações. São preferencialmente descritivos e essencialmente informativos, e não analíticos.
Gráficos – constituem representações visuais de categorias, variáveis e tendências cuja leitura é orientada, mais pelas curvas do que pelos números. Os gráficos são, preferencialmente, montados a partir dos dados de tabelas e podem ser apresentados conjuntamente com estas. O uso de diferentes cores, de diferentes formas geográficas ou de diferentes linhas requer o acréscimo de legendas explicativas, que indiquem o significado de cada símbolo ou cor apresentados.

2.3 – TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS


Toda pesquisa, de modo especial a pesquisa descritiva, deve ser bem planejada se quiser oferecer resultados úteis e fidedignos.
Este planejamento envolve também a tarefa de coleta de dados, que corresponde a uma fase intermediária da pesquisa descritiva.
A coleta de dados ocorre após a escolha e delimitação do assunto, a revisão bibliográfica, a definição dos objetivos, a formulação do problema e das hipóteses e a identificação das variáveis.
Realizada a coleta de dados, seguem-se as tarefas da análise, discussão dos dados com a conclusão e o relatório do trabalho.
A coleta de dados, tarefa importante na pesquisa, envolve diversos passos, como a determinação da população a ser estudada, a elaboração do instrumento de coleta, a programação da coleta e também os dados e a própria coleta.
Há diversas formas de coleta de dados, todas com as suas vantagens e desvantagens. Na decisão do uso de uma forma ou de outra o pesquisador levará em conta o que menos desvantagens oferecer, respeitados os objetivos da pesquisa.
Os instrumentos de coleta de dados, de largo uso, são a entrevista, o formulário e o questionário.
Na aplicação da entrevista e do formulário, o informante conta com a presença do pesquisador ou seu auxiliar que registra as informações. O questionário, sem a presença do investigador, é preenchido pela pessoa que fornece as informações.
Além do instrumento usado, o tipo de pergunta, que pode ser fechada por um número limitado de opções ou aberta, sem restrições, determina a maior ou menor exatidão dos dados e o grau de dificuldades na tabulação e análise das informações.
Esses aspectos e a disponibilidade de tempo e de recursos devem ser levados em consideração ao ser fixado o instrumento de coleta de dados.
Somente depois de ter sido definido o objetivo da pesquisa e depois de levantadas as hipóteses e variáveis, o pesquisador vai elaborar as questões do instrumento de coleta de dados.
A preocupação básica ao elaborar as perguntas deve ser, além da validade, a finalidade e a relação das questões com o objetivo da pesquisa.
As perguntas, em maior ou menor número, devem sempre colher informações a respeito das variáveis e hipóteses do trabalho. Em geral, as questões alheias aos objetivos da pesquisa não se justificam.
Passos a serem observados na elaboração das perguntas:


  1. Identificar os dados ou as variáveis sobre as quais serão feitas as questões;

  2. Selecionar o tipo de pergunta a ser utilizada, com vistas ao tempo a ser consumido para obter os dados e a maneira de tabulá-los e analisá-los;

  3. Elaborar uma ou mais perguntas referente a cada dado a ser levantado;

  4. Analisar as questões elaboradas quanto à clareza da redação, classificação e sua real necessidade;

  5. Codificar as questões para a posterior tabulação e análise com a inclusão dos códigos no próprio instrumento;

  6. Elaborar instruções claras e precisas para o preenchimento do instrumento;

  7. Submeter as questões a outros técnicos para sanar possíveis deficiências;

  8. Revisar o instrumento para dar ordem e sequência às questões;

  9. Submeter o instrumento a um pré-teste para detectar possíveis reformulações ou correções, antes de sua aplicação.

Outros instrumentos usados em pesquisa descritiva, como a entrevista e a observação, embora não percorram rigorosamente os passos descritos, devem cercar-se das devidas precauções para evitar prejuízos à pesquisa, por falhas na coleta de dados.



2.3.1 – Entrevista
A entrevista não é simples conversa. É conversa orientada para um objetivo definido: recolher, por meio do interrogatório do informante, dados para a pesquisa.
A entrevista tornou-se, nos últimos anos, um instrumento do qual se servem constantemente os pesquisadores em ciências sociais e psicológicas. Recorrem esses à entrevista sempre que têm necessidade de obter dados que não podem ser encontrados em registros e fontes documentais e que podem ser fornecidos por certas pessoas. Esses dados serão utilizados tanto para o estudo de fatos como de casos ou de opiniões. Deve-se adotar os seguintes critérios para o preparo e a realização da entrevista:


  1. O entrevistador deve planejar a entrevista, delineando cuidadosamente o objetivo a ser alcançado:

  2. Obter, sempre que possível, algum conhecimento prévio acerca do entrevistado;

  3. Marcar com antecedência o local e o horário para entrevista. Qualquer transtorno poderá comprometer os resultados da pesquisa;

  4. Criar condições para a entrevista, pois será mais fácil obter informações espontâneas e confidenciais de uma pessoa isolada do que em grupo;

  5. Escolher o entrevistado de acordo com a sua familiaridade ou autoridade em relação ao assunto escolhido;

  6. Fazer uma lista das questões, destacando as mais importantes;

  7. Assegurar um número suficiente de entrevistados, o que dependerá da viabilidade da informação a ser obtida.

O entrevistador deve obter e manter a confiança do entrevistado, evitando ser inoportuno, não interrompendo outras atividades de seu interesse, nem entrevistando-o no momento em que esteja irritado, fatigado ou impaciente.


Convém dispor-se a ouvir mais do que falar. O que interessa é o que o informante tem a dizer. Deve-se dar o tempo necessário para que o entrevistado discorra satisfatoriamente sob o assunto.
O entrevistador deve controlar a entrevista, reconduzindo, se necessário, o entrevistado ao objeto da entrevista. Deve-se evitar perguntas diretas que precipitariam as informações, deixando-as incompletas.
É conveniente apresentar primeiramente as perguntas que tenham menores probabilidades de provocar recusa ou produzir qualquer forma de negativismo, uma após outra, a fim de não confundir o entrevistado.
Sempre que possível, conferir as respostas, mantendo-se alerta às eventuais contradições.
Finalmente, o entrevistador não deve confiar demasiadamente em sua memória. Deve fazer, cuidadosamente, o apontamento dos dados, registrando-os sumariamente, durante a entrevista e completando suas anotações imediatamente após a mesma ou o mais breve possível. Deve registrar também aqueles dados fornecidos após a entrevista, quando considerados de importância.
Quando se há de recorrer à entrevista?
Recorre-se à entrevista quando não há fontes mais seguras para as informações desejadas ou quando se quiser completar dados extraídos de outras fontes.
A entrevista possibilita registrar observações sobre a aparência, sobre o comportamento e sobre as atitudes do entrevistado. Daí sua vantagem sobre o questionário.
Deve-se evitar recorrer à entrevista para obter dados de valor incerto ou para obter informações precisas, cuja validade dependeria de pesquisa ou de observações controladas, tais como datas, relações numéricas etc.
O entrevistado deve ser sempre previamente informado do motivo da entrevista e de sua escolha.

2.3.2 – Questionário
O questionário é a forma mais usada para coletar dados, pois possibilita medir com melhor exatidão o que se deseja. Em geral, a palavra questionário refere-se a um meio de obter respostas às questões por uma formula que o próprio informante preenche. Assim qualquer pessoa que preencheu um pedido de trabalho teve a experiência de responder a um questionário. Ele contém um conjunto de questões, todas logicamente relacionadas com um problema central.
O questionário poderá ser enviado pelo correio, entregue aos respondentes ou aplicado por elementos preparados e selecionados. Neste caso, pode ser aplicado simultaneamente a maior número de indivíduos.
Todo questionário deve ter natureza impessoal para assegurar uniformidade na avaliação de uma situação para outra. Possui a vantagem de os respondentes se sentirem mais confiantes, dado o anonimato, o que possibilita coletar informações e respostas mais reais. Deve, ainda, ser limitado em sua extensão e finalidade.
É necessário que se estabeleça, com critério, quais as questões mais importantes a serem propostas e que interessam ser conhecidas, de acordo como os objetivos. Devem ser propostas perguntas que conduzam facilmente às respostas de forma a não insinuarem outras colocações.
Se o questionário for respondido na ausência do investigador, deverá se acompanhada de instruções minuciosas e específicas.
O uso de perguntas abertas permite obter respostas livres - (Do que você mais gosta na cidade?); perguntas fechadas permitem obter respostas mais precisas – (Qual o seu grau de instrução?)


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal