Universidade de Lisboa Faculdade de Direito Manual de Direito Constitucional



Baixar 123.29 Kb.
Página1/3
Encontro29.07.2016
Tamanho123.29 Kb.
  1   2   3


Universidade de Lisboa

Faculdade de Direito

Manual de Direito Constitucional

Tomo III - A estrutura constitucional do Estado



Prof. Doutor Jorge Miranda

Luís Manuel Lopes do Nascimento



2003/2004

Capítulo I – A PROBLEMÁTICA DO ESTADO EM GERAL



. Sequência

A definição de Estado adoptada parte de um tipo de Estado concreto: «o Estado nacional soberano que, nascido na Europa, se espelhou recentemente por todo o mundo». Estado, é uma espécie de sociedade política, não significa que não existam outras. Não se vê como podemos prescindir do Estado, para efeito de análise e de tratamento de situações jurídico-positivas, não sendo possível a existência de Direito constitucional sem Estado. Contudo, existem fenómenos que hoje se verificam e põem em causa o Estado, na concepção que se entende desde à 300 anos:




  • Multiplicação de lobbies:

Sectores da sociedade civil organizados, de forma mais ou menos explícita, que pelo poder que têm e dispõem, tendem a influenciar as organizações públicas e até a substituirem o poder (corporações, como as associações socio-profissionais ou os sindicatos, que exercem um protagonismo excessivo na vida social).

  • Privatização e globalização:

Grandes empresas, multi-nacionais, que nalguns casos são mais poderosas que os próprios estados, e que tendem a impor a sua vontade às autoridades públicas (por exemplo, as grandes fabricas de armamento nos EUA, que possuem verdadeiros lobbies de pressão junto da comunidade política)

  • Localismo e regionalismo:

Regiões autónomas e municípios tendem a desfragmentar o Estado, constituindo intraves às políticas do poder «centralizado» (por exemplo, a liberdade dos municípios no que diz respeito ao PDM, que impõe verdadeiras restrições na tentativa do Estado de pautar uma disciplina pública única nesta matéria; ou a constante reinvidicação de mais poderes para as regiões autonómas).
Os traços fundamentais deste tipo de Estado são:

  1. Complexidade de organização e de actuação – com um grande diferenciação de funções, órgãos e serviços.

  2. Institucionalização do poder – subsistência do poder como ideia que não se dilui, antes predura, para além dos seus detentores concretos e actuais.

  3. Autonomia – formação de uma dinâmica própria do poder e do seu aparelho frente à vida social.

  4. Coercibilidade – monopólio do uso legítimo da força.

  5. Sedentariedade – enlace com certo território.

  6. Interdependência com o factor nacional.

  7. Secularização ou laicidade dos fins prosseguidos.

  8. A concepção do poder em termos de soberania.

Quanto às três características que são clássicas de uma definição de Estado (povo, território, soberania), aceitam-se enquanto «condições de existência» do Estado.
. As grandes correntes doutrinais acerca da natureza ou essência do Estado

As grandes correntes podem sumariar-se nas seguintes contraposições:



  • Entre correntes idealistas (o Estado encalado como ideia ou finalidade) e realistas (o Estado como ser de existência temporal e sensível).

  • Entre correntes objectivas (o Estado considerado como realidade exterior aos homens) e subjectivistas (o estado tomado como realidade predominantemente subjectiva ou até como expressão fundamental psicológicas de relações humanas).

  • Entre correntes atomistas ou nominalistas (o eEstado, mero conjunto de indíviduos, nome sem realidade substancial) e organicistas ou realistas (o Estado, irredutível aos indíviduos, susceptível de ser tomado como uma entidade específica ou com vontade própria).

  • Entre correntes contratualistas (o Estado como produto da vontade, como associação) e institucionalistas (o Estado como instituição).


. As concepções mais relevantes

As concepeções contratualistas têm raízes no pensamento político medieval – que só a partir do contrato apreendia a organização policêntrica da sociedade e, que, quando afirmava a origem popular do poder, recorria aos conceitos de «pactum unionis te pactum subjectionis» - desenvolveram-se nos séculos XVII e XVIII – Hobbes e Rousseau, Locke e Kant. Era um princípio lógico de explicação do Estado, um fundamento ético em que este deva assentar.



Hobbes – pelo contrato social transfere-se o direito natural absoluto que cadaa um possui sobre todas as coisas a um princípe ou a uma assembleia e, assim, constituem-se, ao mesmo tempo o Estado e a sujeição a esse príncipe ou a essa a assembleia. O único modo de erigir um poder comum, capaz de defender os homens e de lhes assegurar os frutos da terra, consiste em conferir todo o seu poder e força a um homem ou a uma assembleia que reduzirá à unidade a pluralidade de vontades. Através de um só e mesmo acto os homens formam a comunidade e submetem-se a um soberano. Leviatã ou o assunto, forma e poder duma república eclesiástica e civil – século XVII.

Rousseau – vê no pacto social a alienação total de cada associado, com todos os seus direitos, à comunidade, de sorte que cada um, dando-se a todos, não se dá a ninguém, a condição é igual para todos e cada um ganha o equivalente daquilo que perde e mais força para conservar aquilo que tem. O acto de associação produz um corpo moral e colectivo, que dele recebe a sua unidade, o seu eu comum, a sua vida e a sua vontade, e se chama Estado quando passivo, soberano quando activo e potência quando comparado aos demais. Contrato social – século XVIII.

Kant – apenas no contrato originário se pode fundar entre os homens uma constituição civil, por conseguinte inteiramente legítima, e também uma comunidade. Mas este contrato (contractus originarius ou pactum socialis) enquanto coligação de todas as vontades particulares e privadas num povo numa vontade geral e pública, não se deve, de modo algum, pressupor necessariamente como um facto. E uma simples ideia da razão, a qual tem, no entanto, a sua realidade (prática) indubitável: obriga todo o legislador a fornecer as suas leis como se elas pudessem emanar da vontade colectiva de um povo inteiro, e a considerar como se ele tivesse assentido pelo seu sufrágio e semelhante vontade. A paz prepétua (Paz pérpétua págs 82-83.).

Loke – o estado de natureza é tendencialmente pacífico, não obstante se traduzir numa situação em que os homens vivem sem organização, dado que não existe poder político que os governe. Todos nascem livres e iguais, mas a lei do mais forte impedir que os direitos individuais possam ser defendidos na generalidade das situações, na medida em que têm de ser objecto de autotutela. Em fcae deste panorama, a razão determina que os homens concluam um contrato social, que vai estar na base do estado de sociedade. O Estado de sociedade é resultado do contrato social, em resultado do qual o poder de governar a comunidade vai ser atribuído a alguns com o consentimento de todos. A transferência deste poder pode, no entanto, cessar quando não for adequada aos fins qu visa alcançar, na medida em que se trata de uma delegação de poderes. Dois tratados sobre o governo – século XVII.
Várias correntes organicistas oscilam entre a consideração do Estado como unidade espiritual e a equiparação a um organismo natural ou biológico. Primeira tendência – Gierke, o Direito e o estado não são senão expressões do espírito de um povo. O Estado é um princípio vital, uma totalidade, uma integração ou união de vontades. Segunda tendência – Spencer, liga-se ao positivismo e ao cientismo, e procura alargar ao domínio político e do jurídico os esquemas dos cientistas da natureza. O Estado é um ser vivo, sujeito a leis paralelas às dos restantes seres vivos.
Hegel – o Estado é a realidade em acto da ideia moral objectiva, o espírito como vontade substancial revelada, clara para si mesma, que se conhece e se pensa, e realiza o que sabe e porque sabe.

Concepção marxista – o estado surge sem substancia própria perante a economia, consequência da sociedade de classes e máquina de domínio de uma classe sobre outras. O estado é um produto da sociedade, quando esta chega a um determnado grau de desenvolvimento, sendo a confissão de que essa sociedade se enredou numa irrdutível contradição consigo mesma e está dividida por antagonismos irreconciliáveis. Para esses antagonismos, essas classes com interesses económicos colidentes, não se devorem e não consumam a sociedade numa luta estéril, torna-se necessário um poder colocado aparentemente acima da sociedade, chamado a amortecer o choque e a mantê-lo dentro dos limtes da «ordem»: esse poder é o estado. O Estado é o resumo das contradições da sociedade e daí que o político em geral se aproxime do estadual. O estado político exprime, nos limites da sua forma., todos os combates, necessidades ou interesses sociais.

Jellinek – dupla perspectiva ou concepção – social e jurídica – do estado que propõe e na integração dos três elementos – povo, território e poder político. O Porf. Jorge Miranda, considera o conceito território sugestivo, mas ambíguo, na medida em que é condição de existência do Estado, mas não da composição deste. O Prof. prefere destacar outro elemento, a ordem jurídica (regula as relações comunidade/estado e comunidade/comunidade).
. Posição adoptada

O Estado é um caso histórico de existência política e esta, por seu turno, uma manifestação do sicial, qualificada ou específica. O político assenta na intensificação, na diversificação e na extensão da vida comum, na dimensão mais ampla ou no significado mais forte que ela adquire para ir ao encontro de necessidades não susceptíveis de satisfação a nível de sociedades primárias ou menores. Consiste em determinada forma de conceber o social em termos de coklectivo, de propor fins pluriinstitucionais e fins gerais a se, de se dotar de meios adequados a tais fins, de criar interdependências, numa solidadriedade organizada segundo uma ideia da obra comunitária a empreender.

O político é o global, é tudo aquilo que assume relevância para toda uma sociedade ou um conjunto de sociedades, em certo tempo e em certo lugar. É tb o que envolve, prende e insere num mesmo âmbito uma multiplicidade de grupos e o que comporta contraposição, ascendente e descendente, entre diferentes fins gerais e diversos quadros institucionais em que esses fins podem ser concretizados. A essência do político encontra-se sobretudo na dialéctica do grupo humano e do poder. O grupo empresta enquadramento ao poder, modela os homens que o exercem, reconhece-lhes legitimidade. O poder político gera um processo próprio de agir e afirmar em graus variáveis que, no Estado, chegam à autonomia. O político possui uma estrutura dualista (na medida em que se analisa em comunidade e em poder, em distinção entre membros da Civitas e os que detêm o governo) e implica um momento de unidade (comunidade e poder não existem por si, implicam-se reciprocamente).



O Estado é a comunidade e poder juridicamente organizados, pois só o Direito permite passar, na comunidade, da simples coexistência à coesão convivencial e, no poder, do facto à instituição. Nenhum Estado pode deixar de existir sob o direito, fonte de segurança e de justiça (conceito ambíguo) e não sob a força ou a violência (ressalve-se que o estado não se esgota no direito).
. As relações entre Estado e sociedade

Quando se contrapõe Estado-comunidade e estado-poder, está-se a racionar no interior de fenómeno estadual, com o seu enlace necessário e dinâmico entre comunidade e poder. Quando se contrapõe Estado e sociedade, já o âmbito se exibe diferente e mais largo.



No pesamento grego e romano – sociedade não tem autonomia fora da polis. A cidade não era constituída por uma sociedade civil que devesse ser governada como coisa distinta do Estado.

Idade Média – o político dispersa-se e está presente na sociedade e na sua teia de instituições.

Absolutismo – o estado identifica-se com o poder, com a soberania, com o rei e a sociedade., aparece à margem do político e sem projecção do poder.

Liberalismo – sociedade afirma-se, em termos negativos, agrangendo todo o que se pretende que fique subtraído à acção do poder.

Estado social – intervém na sociedade para a transformar ou conformar.

Evolução do termo sociedade civil e do conceito da sociedade civil não deixa de ser curiosa. Começou por equivaler a sociedade política, distinta da Igreja, do conjunto de fiéis enquanto tais: societas civilis sive res publics. A partir de Hegel, recorta-se como conjunto de relações e situações que se projectam entre o indíviduo e o estado.


Se a sociedade sustenta o Estado-comunidade enquanto conjunto humano, não se confunde com ele dum prisma jurídico e institucional, pois guarda sempre um grau de distanciamento e, pelo menos, sempre seria configurável para efeito de análise, como desprendida do poder. Por outro lado, o Estado-comunidade apresenta-se como uma unidade em razão do poder e da organização, como uma só sociedade política. Já a sociedade, sociedade civil, se apresenta como ambiência e feixe de classes, de estruturas, de grupos de natureza vária. De tudo decorre que o Estado-comunidade ascende de pleno à esfera do público, do que é geral ou se torna geral e comum, para a res publica, e que a sociedade é, por definição, o domínio do privado ou onde o privado se pode manifestar e desenvolver.
. Os elementos ou condições de existência do Estado

O Estado tem sido descrito como o fenómeno histórico que consiste em um povo exercer em determinado território um poder próprio o poder político. Ressalta a ambivalência do termo «elementos do Estado» com que são designados. Podem ser constitutivos ou componentes do Estado, definidores do seu conceito ou da sua essência -1- (abrangem-se um povo, um território e um poder político), quanto condições ou manifestações da sua existência -2- (tem de haver um povo território e um poder político, sem com isso se aceitar, necessariamente, a recondução a eles da estrutura do Estado).

1 - Questões se levantam em relação ao entendimento a atribuir aos elementos do estado, em especial o território. Há que sustente que o território adere ao homem e que todos os homens, ou que um Estado implica stare, sede fixa. Há ainda que sustente que o poder soberano se traduz numa organização, de que é elemento dimensional o território. Tommaso Perassi – sustenta que o território não pode considerar-se como o «corpo» do estado, não é um território que delimita o âmbito do senhorio, é o senhorio que delimita o território. É um elemento meramente exterior, sendo que, uma coisa é dizer que ele é elemento da idsia de Estado, outra coisa que é elemento do Estado.

O Porf. Jorge Miranda afasta a ideia de elementos essenciais ou constitutivos do Estado.. os elementos não podem ser tomados como partes integrantes do Estado, visto que isso:



  • Suporia reduzir o Estado a eles, à sua suma.

  • Suporia ainda assimiliar a estrutura de cada um dos seus elemntos à dos outros dois.

  • Esqueceria outros aspectos tão significativos como o sentido de obra comum (Hauriou) ou os fins (Cabral de Moncada).

  • Não explicaria o papel da organização como base unificante do Estado.

2 - Povo, território e poder político são pressupostos ou condições de existência do Estado, indispensáveis em todos os lugares e em todas as épocas em que se pode falar de Estado. Sociedade política complexa o Estado traduz-se num conjunto de pessoas ou povo, fixa-se num espaço físico ou território e requer uma autoridade institucional ou poder político. Assim, se o povo corresponde à comunidade política e o poder é o poder organizado do Estado, já o território, embora necessariamente presente, se situa forado Estado, não de insere na substância do Estado: os efeitos jurídicos fundamentais que se lhe ligam não postulam que ele seja Estado, postulam uma condição sem a qual o Estado não poderia subsistir. O território não valepor si, vale como elemento definidor do povo e do poder político. Acaba por se mostrar algo secundário, se bem que não despiciente, dizer que há dois aspectos no Estado (comunidade e poder político) com determinada base territorial
. O Estado como pessoa colectiva

Unidade jurídica que o Estado constitui pode exprimir-se com recurso à noção de pessoa colectiva, distinta de cada uma das pessoas físicas que compõem a comunidade e dos próprios governantes e susceptível de entrar em relações jurídicas com outras entidades, tanto no domínio do Direito interno como no do Direito internacional, tanto sob a veste do Direito público como sob a do Direito privado. Personaliza-se o Estado na estrutura que lhe pertence (estrutura dual de comunidade e de poder). Se a unidade do Estado advém do sistema normativo, não é este o subtrato da personalidade do Estado, mas tão-só o elemnto donde, justamente, procede o fenómeno jurídico de atribuição da personalidade.


A subjectivação do Estado obdece a uma dupla finalidade: racionalização e acentuação da subordinação à norma jurídica. Ela propícia um instrumento técnico ou construtivo muito importante destinado a dar resposta a algumas das mais permanentes necessidades da vida do Estado, na multiplicidade de actos que tem constamente de celebrar. Implica tb uma mais imediata e nítida afirmação de integração no mundo jurídico, na medida em que, sendo sujeito de relações e mesmo quando dotado de privilégios, o Estado tira a sua capacidade de querer e de agir da norma jurídica. Na concepção patrinomial, o Estado não era sujeito, mas objecto de um direito do monarca, e no Estado de Polícia procedia-se á distinção entre Estado e Fisco. Com as ideias de Estado de Direito vai-se avançar na linha da personalidade do Estado (envolve reconhecimento de uma personalidade de direito público dos cidadãos, situações jurídico-públicas não apenas do estado mas tb das pessoas membros da comunidade política e, muito em especial, direitos fundamentais). As resistências opostas à teoria da personalidade radicam em visões do estado que o identificam com o poder, a soberania, a autoridade, o jus imperii, ou em contestações globais do próprio conceito (Campos Lima Martinho de Melo).
A personalidade de cada Estado depende das regras jurídicas positivas. Todos os Estado com acesso directo às relações internacionais possuem personalidade jurídca. A presença nestas relações, a capacidade de particar actos jurídicos próprios relevantes internacionalmente e a responsabilidade deles emergente postulam a subjectividade internacional dos Estados. No ordenamento interno, enquanto ente unitário e perpétuo que ultrapssa a existência dos indíviduos que o compôem, oferece susceptibilidade e, mesmo, tendência para se personificar.
. O Estado nas Constituições portuguesas
Constituição de 1822: três denominações (prevalece a primeira):

  • Nação – Constituição política de todos os portugueses (art. 20.º); A soberania reside essencialmente em a Nação (art. 26.º); toma-se «Nação» ou numa visão sintética da comunidade e do poder ou na acepção revolucionária de povo, comunidade política, Estado-comunidade.

  • Estado – Secretários de Estado e Conselho de Estado (arts. 123.º, 129.º); refere-se sobretudo ao poder e aos órgãos do poder.

  • Reino unido – Coroa do Reino Unido (arts. 141.º 143.º); designa o território, ou o Estado-poder.


Carta Constitucional:

  • Nação – formam uma nação livre e independente (art. 1 e 2).

  • Estado – Ministros de Estado (art. 74.º).

  • Reino – Reino de Portugal, Algarves e seus domínios; agora como comunidade política.


Constituição de 1838: equilíbrio entre os três conceitos:

  • Nação – Nação Portuguesa é a asssociação política de todos os Portugueses (art. 1.º).

  • Estado – Ministros e Secretários de Estado (art.31.º).

  • Reino – todo o cidadão pode conservar-se noreino (art. 12.º).

  • No sentido de território, a Constitução reporta-se curiosamente a «Monarquia» (art. 6.º).


Constituição de 1911: aparece a refrência a república persistem os termos Nação e Estado:

  • A Nação Portuguesa, organizada em estado Unitário, adopta como forma de governo a República (art. 1.º); Nação como comunidade política, o Estado como sistema de poder e a república como forma institucional.

  • Nação – continua a significar Estado numa perspectiva totalizante (arts. 2.º e 55.º).


Constituição de 1933: mantém Estado e Nação, realça a sua contraposição e, ao mesmo tempo, multiplica as referências a «Estado»:

  • Portugal – A Nação Portuguesa constitui um Estado independente (art. 4.º); encara-se como Estado e como comunidade .

  • Estado – «Estado-poder» (arts. 2.º 5.º 7.º);

  • Raça – como comunidade política (art. 11.º).

  • País – como estado ou como estado-Poder (arts. 87.º e 114.º).

Constituição de 1976: prevalece o termo Estado:

  • Estado – Estado-poder central (sistema institucional, o de entidade pública central e o de regime) ou a entidade pública soberana (arts. 3.º, 6.º, 14.º); não equivale à absorção da sociedade, aliás distinguem-se as duas e analisa-se a sociedade numa vasta gama de grupos e realidades existenciais, com funções reconhecidas em domínios especificos (os partidos – art. 10.º – classes de trabalhadores – art. 54.º – organizações profissionais – art. 40.º – escolas particulares e cooperativas – arts. 43.º e 75.º –); corresponde por vezes a configuração específica da organização constitucional, a regime, a regime democrático (arts. 2.º 9.º); é pessoa colectiva de Direito Público interno (arts. 82.º e 199.º).

Comunidade política – múltiplas são as palavras para a descrever («Povo português», «Sociedade portuguesa», «País», «Comuidade nacional»); os preceitos masi expressivos são os do art. 1.º e 5.º.

Capítulo II – O ESTADO COMO COMUNIDADE POLÍTICA
. O povo

Deve ser entendido, segundo o prof. Jorge Miranda, como uma «comunidade de pessoas», como a «comunidade política e é constituído por aqueles «homens que o seu Direito reveste da qualidade de cidadãos ou de súbditos e que permanecem unidos na obdiência às mesmas leis». É, em conformidade, o « substrato humano do Estado». Tb o prof. Rebelo de Sousa define povo como o conjnto de cidadãos ou nacionais de certo Estado.

Não há povo sem organização política. É a mesma a origem do povo e da organização política (povo concebe-se como realidade jurídica, e a organização é a organização de certos homens).
Rousseau - «Os associados, os membros do Estado tomam colectivamente o nome de povo e chamam-se, em particular, cidadãos enquanto participantes na autoridade soberana e súbditos enquanto sujeitos às leis do Estado».
O povo é sujeito e objecto de do poder. Sujeito do poder, na medida em que sujeito ao poder do estado, como conjunto de homens livres, ele engloba pessoas dotadas de direitos subjectivos umas diante das outras e perante o Estado. Objecto do poder, dado que é o destinatário das normas que são criadas no âmbito do Estado, o qual deve ser «um Direito próprio, não um Direito estranho».

Deve-se ainda distinguir entre povo (colectividade estadual) e colectividade pré-estadual, com base num critério de indóle jurídica: a adstrição a um Direito, a uma organização que não procede do exterior e que se torna a fonte objectiva da sua unidade. Assim, o pressuposto da criação do estado é tanto a identidade de que o grupo se julga portador como o condicionalismo político interior e exterior, que propicia (ou não) a energia motriz de um direito e de um poder independente ou soberano. A colectividade será então o grupo humano que, em virtude da instituição do poder político, se vem a transformar em povo (o Estado não cria o seu povo, assim como não cria o seu poder. Estado povo e poder são noções que se entrecruzam ou condicionam umas as outras, três realidades formadas no mesmo instantes em função do facto constitutivo do Estado).

O reconhecer-se que o estado se pode encontrar na continuação de uma colectividade preexistente e até que a sua criação se pode atribuir à obra de indivíduos que agem em nome dela suscita, alguns equuívocos a desfazer. Nenhum lugar aqui existe para qualquer espécie de dualismo. Comunidade política é apenas o povo, não esse grupo, mesmo que se trate duma nação.

Daqui resulta, que se a nação condiciona indiscutivelmente o estado, não age senão através do Estado (o que se diz da nação vale para qualquer outro tipo de colectividade). Não é sujeito de direitos, não pode formar qualquer vontade específica.


É necessário distinguir o conceito de povo dos conceitos de população e de nação. População é um conceito demográfico e económico e representa o conjunto de residentes em certo território, sejam cidadãos ou estrangeiros.

Separar povo de nação é mais dificil. Historicamente a revolução francesa adoptou o termo «nação» para designar o povo. Se na Europa a ideia de Estado e o sentimento de nação despontaram quase ao mesmo tempo, noutros continentes, nos sécs. XIX XX, o Estado tem vindo a preceder a nação e a servir de fulcro para a sua formação.

O específico da nação encontra-se no domínio do espírito, da cultura, da subjectividade, ela é uma alma, um princípio espiritual (Renan). Uma comunidade histórica de cultura. Uma nação funda-se numa história comum, em atitudes e estilos. A consciência nacional revela-se a consciência dum povo que se sente próprio portador de valores humanos universais, de um povo que traz em si e nos seus flancos a própria humanidade (Radbruch).

Relativamente ao povo tenha ainda em consideração



  • A protecção dos cidadãos que estejam integrados em minorias, quer sejam de natureza nacional, linguísticam, étnica ou religiosa.

  • A protecção dos cidadãos que não habitam no território do Estado, nomeadamente as comuidades de trabalhadores emigrantes.

  • A possibilidade da existência num Estado de comunidades ou populações com graus de desenvolvimento cultural diferenciado.


Cinco concepções político-constitucionais e ideológicas de povo:

- Em critérios jurídicos (as dos Estados de Direito Ocidental), o povo aparece como conjunto de homens livres que agem racionalmente. (o povo soberano é constituído pela totalidade dos cidadãos francesses – art.1.º da Constituição francesa do ano I).

- Em critérios económicos (como as marxistas e as que estavam na base do sufrágio censitário), o povo apresenta-se como resposta à noção e à prática burguesas e da situação económica relativa das pessoas dentro da comunidade política. Priveligia a posição entre os bens e as relações de produção.

- Em critérios rácicos (como a nacional-socialista), o povo não é o conjunto de cidadãos, nem uma unidade política, é uma unidade étnica que repousa na comunidade de sangue (Geblutsrecht). Não se confunde com a nação única, até porque em qualquer povo, se encontram elementos de várias raças. O fim supremo é a conservação do povo e da raça.

- Em critérios ético- históricos (como as do fascismo italiano e as do nacionalismo autoritário), diluição do povo numa realidade mais ampla que o ultrapassa, em nome de imperativos mais fortes. Eticismo objectivo, conúbio de idealismo hegeliano e de activismo vitalista, o fascismo é a teoria da minoria activa que age, em nome de uma noção metafísica de nação. E essa ideia de nação (ou de povo) surge implicada com o poder do Estado, do Estado que é «a verdadeira realidade do indivíduo» (Mussollini). Oliveira Salazar

- Em critérios religiosos (como as do fundamentalismo islâmico), não separação entre político e religioso. Os princípios islâmicos são os limites aos direitos dos cidadãos e critério de acção do Estado, embora todos os muçulmanos sejam obrigados a conduzir-se «com moderação, justiça e equidade» para com os não mulçulmanos e devam salvaguardar os direitos destes.


O poder recai sobre todos e alei a todos se dirige bem pode aduzir-se que a regra fundamental que lhe preside vem a ser a unidade, a qual postula, universidade e igualdade de direitos de deveres.

Burdeau – para o indivíduo a sujeição é sempre concreta, mas a sua cidadania pode ser abstracta ou efectiva ou efectiva. Cidadão abstracto é o que é somente cidadão de um estado livre; cidadão real aquele cuja vontade pessoal, cujas determinações particulares, têm a possibilidade de pesar nas opções que valerão como decisões do Estado.

O sentido do sufrágio universal não é que todos, incluindo as crianças e os dementes, tenham direito de voto, mas antes que haja correspindência entre capacidade civil e eleitoral
. A cidadania ou nacionalidade

Sendo o povo a comunidade dos cidadãos ou súbditos, é fundamental determinar quais são as pessoas que devem ser qualificadas dessa forma. Os Estado gozam nesta matéria, em conformidade com o Dt internacional, de uma competência exclusiva na definição das regras de aquisição e de perda da cidadanioa, não obstante a necessidade de atenderem à existência de uma ligação efectiva entre o indivíduo e o Estado que a atribui.



Cidadãos são os membros do Estado, da Civitas, os destinatários da ordem jurídica estadual, os sujeitos do poder. Existem outras comunidades políticas, para além do Estado, em face das quais se estabelecem qualidades ou vínculos similares aos da cidadania (assim a condição dos súbditos feudais). Por outro lado, em Estados complexos (federações uniões reais), ocorre um desdobramento da cidadania em moldes variáveis embora, seja sempre a cidadania do Estado central a determinar a cidadania correspondente a qualquer das entidades competentes.

Existem básicamente dois critérios quanto à atribuição da cidadania:



  • Jus sanguinis – que tem na sua base os laços de sangue ou de filiação (prevalecente nos Estados de formação mais antiga).

  • Jus soli - que tem na sua base o local de nascimento (mais actual).

Deve distinguir-se a aquisição originária da cidadania, se produz efweitos desde o nascimento e a aquisição derivada da cidadania, se produz efeitos a partir de um momento posterior.

Hj deve ser apreciada numa dupla vertente, enquanto vínculo-jurídico, que une um indivíduo ao seu Estado, e enquanto direito do indivíduo com a natureza de direito fundamental.

Implica dts e deveres:



  • Participar na vida política.

  • Beneficiar da defesa dos seus direitos dentro e fora do estado.

  • Participar na defesa do território, nomeadamente através de prestação de serviço militar.

Deve ser tido em consideração que podem existir situações de cidadania dupla (umindivíduo é considerado como nacional de um ou mais Estados) e de apatrídia ou apolídia (não é considerado como cidadão de nenhum estado).

No sentido de evitar esta preocupações estabelece o art. 15 da Declaração dos Direitos do Homem:

1 – Todo o indivíduo tem direito a uma nacionalidade.

2 – Ninguém pode ser arbitrariamente privado da sua nacionalidade, nem do direito de mudar de nacionalidade.

Na linha da Declaração Universal, a Convenção sobre Redução da Apatridia de 1961, transformou em obrigação para as suas partes, em certos casos, a faculdade dos Estados de atribuição da sua cidadania dos indivíduos com ligação efectiva com eles e, que, doutro modo, seriam apátridas.

Distinguir cidadania e nacionalidade. Cidadania deve ser reservada a pessoas singulares. Nacionalidade deve ser aplicada a pessoas colectivas (navios, empresas).


. A situação dos estrangeiros e apátridas

O estrangeiros e os apátridas ou apólidas gozam, em termos gerais, de um estatutojurídico distinto do dos cidadãos do Estado. A principal diferença será o não terem, em princípio, o gozo de direitos políticos, na medida em que devem ter um tratamento compatível com a dignidade da pessoa humana. Daqui resulta que esse estatuto pode variar entre:

- «um tratamento mínimo ou razoável dos estrangeiros como pessoas, à luz da consciência universal ou dominante no nosso tempo»

- e a «equiparação ou tratamento mais favorável», em consequência de convenções internacionais que sejam celebrados pelos Estados interessados.

Deve ser, no entanto, sublinhado que «nenhum estrangeiro tem direito de entrada no território de outro Estado (ao contrário do que sucede com os cidadãos), mas, uma vez admitido, fica o Estado adstrito a trata-lo de modo razoável segundo um critério objectivo (que pode ser superior ao conferido aos seus cidadãos)».
. A cidadania europeia

Já no Tratado de Roma (1957), se declarava um princípio de não discriminação entre os cidadãos dos Estados membros e se consagrava a liberdade de circulação dos trabalhadores. À medida em que se avança no processo de integração europeia e que se verifica a concomitante interferência dos órgãos comunitários, no próprio estatuto jurídico dos particulares, foi afirmando a consciência da específica consideração desses direitos.

O Tratado de Maastricht (1992), dito da União europeia, iria ao encontro destas aspirações precavendo: «o reforço da defesa dos direitos e dos interesses dos nacionais dos seus Estados-membros, mediante a instituição da cidadania da União …».

Em todo o caso não pode confundir-se a cidadania, enquanto cidadãos membros do Estado, da Civitas, os destinatários da ordem jurídica estadual, os sujeitos do poder. Deste modo não há cidadania europeia equivalente à cidadania estatal, pois o Tratado de Maastricht não a define à margem dos Estados (são estes que continuam a fixar quem é seu cidadão).



Capítulo III - O PODER POLÍTICO
1 – Poder e soberania
. Estrutura e função do poder

O Estado surge em virtude de se instituir um poder que transforma uma colectividade em povo. Esta instituição é um fenómeno jurídico. Constituir o estado equivale a dar-lhe as bases da sua ordem jurídica. Todo o Estado, porque constituído, tem Constituição (em sentido institucional, por inerente à institucionalização do poder). O poder político exercido nos Estado é:



  • Um poder constituinte, originário, que tem um fundamento próprio e que não está dependente de qualquer outro poder.

  • Um poder de auto-organização, que tem por objectivo permanente e continuado a criação de condições para a manutenção da segurança, a administração da justiça e promoção do bem-estar da comunidade poítica.

  • Um poder de decisão que faz as opções consideradas adquadas à organização da vida da comunidade política, nomeadamente através da produção de regras jurídicas.






Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal