Universidade do Oeste de Santa Catarina – Unoesc, Campus de Xanxerê Programa Alfabetização Regional Projeto “Leitura Na Escola” Orientadora: Profª. Drª



Baixar 88.7 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho88.7 Kb.
Universidade do Oeste de Santa Catarina – Unoesc, Campus de Xanxerê

Programa Alfabetização Regional

Projeto “Leitura Na Escola”

Orientadora: Profª. Drª. Andrea do Roccio Souto

Acadêmico-bolsista: Ivonete Maciel

Plano de Atividades
I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO
Livro a ser trabalhado: Chapeuzinho Vermelho

Escola: E.E.B. Professor Anacleto Damiani

Série: 2ª

Turno: Matutino

Nº de encontros: 2

II DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES PROPOSTAS
1° Encontro

Trabalhar com a narração, chapeuzinho vermelho e suas versões com gesticulação e utilizando máscaras e fantoches, entonação e preparação do espaço a ser utilizado, ampliando os vários sentidos das narrativas;

Refletir sobre os princípios éticos, morais e culturais apresentados , interligando-os com a realidade atual, desenvolvendo a habilidade da argumentação;

Confecção do dedoches, representação de cenas da história para desenvolver a coordenação motora e explorar a linguagem oral, e expressão corporal;

Tempestade de idéias com a palavra-chave, Chapeuzinho Vermelho, onde todos contribuirão com palavras do texto. Com base nas palavras do texto serão feitas frases de incentivo aos personagens, por exemplo: Lobo você é muito malvado, mas pode melhorar. A próxima atividade será a descrição dos lobos de todas as versões;

2° Encontro
A pintura da Chapeuzinho Amarelo, Vermelho ou Vermelho de Raiva para a montagem do quebra-cabeça e com isso desenvolver a criatividade e a oralidade;

Assistir ao filme Deu a louca na Chapeuzinho, para desenvolver a atenção e concentração e realizar comparações entre o filme e as histórias já contadas;

Escrever e cantar as músicas da história da Chapeuzinho Vermelho, com entonação de voz dos personagens;

Será confeccionado o jogo da memória dos personagens da Chapeuzinho Vermelho e seus respectivos nomes;

Caça-palavras com nomes dos personagens e palavras do texto;

Será apresentado aos alunos algumas cenas da história para que eles relatem a mesma, colocando as referidas cenas na ordem dos acontecimentos;

Com uma das cenas o aluno terminará o diálogo iniciado entre a Chapeuzinho Vermelho e o Lobo;

Escrever um história para a confecção de um livrinho, para desenvolver a criatividade, concentração e o prazer pela leitura e escrita.

Será confeccionado a capa do livrinho.
III CRONOGRAMA


Encontro

Data

Atividades

1º Encontro

dia/mês

Contar a história de Chapeuzinho Vermelho e suas versões;

Confecção do dedoche;

Tempestade de idéias com as palavras Chapeuzinho Vermelho;

Criação de frases de para os personagem com base nas palavras encontradas na tempestade de idéias;

Representação de uma das histórias pelas crianças;

Montar e Pintar o quebra-cabeça da Chapeuzinho Vermelho.

Desenhar e escrever as características do lobo;


2º Encontro




Assistir o filme Deu a louca na Chapeuzinho e comparar as histórias;

Montar e Pintar as princesas escrevendo o que sabe da história de cada uma delas;

Música da história da Chapeuzinho Vermelho;

Escrever um história, com base nas histórias contadas, em seguida juntaremos todas as histórias para a confecção do livrinho;

Confecção da capa do livrinho.

.



IV REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Dia-a-dia do Professor, volume 1 Gerusa Rodrigues Pinto;

Blog Turma HP 20;

Google.com.br, Picasa

Baú do Professor, volume 1 < Walquiria Garcia/ Osório Garcia;

A N E X O S


  • ANEXAR AS TAREFAS ENTREGUES À TURMA, COMPROVANTES DOS TRABALHOS DESENVOLVIDOS (ESCANEADOS, POIS O PROJETO E O RELATÓRIO SÃO ENTREGUES EM VERSÃO ELETRÔNICA) E FOTOS (SE HOUVER).




CHAPEUZINHO VERMELHO


Era uma vez uma menina tão doce e meiga, que todos gostavam dela. A avó, então, a adorava, e não sabia mais que presente dar a criança para agradá-la.
xxxx
Um dia presenteou-a com um chapeuzinho de veludo vermelho.
xxxx
O chapeuzinho agradou tanto à menina, que ela não queria mais saber de usar outro. Não o tirava nem para dormir. Por causa disso, ficou conhecida como Chapeuzinho Vermelho.

Certa manhã, a Mãe chamou-a e disse:


xxxx
- Chapeuzinho, leve este pedaço de bolo e essa garrafa de vinho para sua avó. Ela está doente e fraca, e isto vai faze-la ficar melhor.
xxxx
- Vá logo e comporte-se pelo caminho e não invente de correr pela mata. Você pode cair e quebrar a garrafa de vinho, e ele é muito importante para a recuperação de sua avó.
xxxx
Chapeuzinho prometeu que obedeceria sua mãe, e pegando a cesta com o bolo e o vinho, despediu-se e partiu.
Sua avó morava no meio da floresta, distante uma hora e meia da vila.
xxxx
Logo que Chapeuzinho entrou na floresta, um Lobo apareceu na sua frente.
xxxx
Como ela não o conhecia nem sabia que ele era um ser perverso, não sentiu medo algum.
xxxx
- Bom dia Chapeuzinho - saudou o Lobo.
xxxx
- Bom dia, Lobo - ela respondeu.
xxxx
- Aonde você vai assim tão cedinho?
xxxx
- Vou à casa da minha avó.
xxxx
- E o que você está levando nessa cestinha?

- Minha avó está muito doente e fraca, e eu estou levando para ela um pedaço de bolo que a mamãe fez ontem, e uma garrafa de vinho. Isto vai deixá-la forte e saudável.


xxxx
- Chapeuzinho, diga-me uma coisa, onde sua avó mora?
xxxx
- A uns quinze minutos daqui. A casa dela fica debaixo de três grandes carvalhos e é cercada por uma sebe de aveleiras. Você deve conhecer a casa.
O Lobo pensou consigo:
xxxx
"Esta tenra menina é um delicioso petisco. Se eu agir rápido posso saborear sua avó e ela como sobremesa."
xxxx
Então o Lobo disse:
xxxx
- Escute Chapeuzinho, você já viu que lindas flores há nessa floresta? Por quê você não dá uma olhada? Você não está ouvindo os pássaros cantando? Você é muito séria, só caminha olhando para a frente. Veja quanta beleza há na floresta.

- Quem está aí? - perguntou a velhinha.


xxxx
Chapeuzinho então olhou a sua volta, viu a luz do sol brilhando entre as árvores, viu como o chão estava coberto com lindas e coloridas flores, e pensou:
xxxx
"Se eu pegar um buquê de flores para minha avó, ela vai ficar muito contente. E como ainda é cedo, eu não vou me atrasar."
xxxx
E, saindo do caminho, entrou na mata. E sempre que apanhava uma flor, via outra mais bonita adiante, e ia atrás dela. Assim, foi entrando na mata cada vez mais.
xxxx
Enquanto isso, o Lobo correu à casa da avó de Chapeuzinho e bateu na porta

E Chapeuzinho continuava colhendo flores na mata. Foi só quando não podia mais carregar nenhuma, que lembrou da avó. Então retomou o caminho para a casa dela.


xxxx
Quando ela chegou lá, para sua surpresa, encontrou a porta aberta.
xxxx
Ela caminhou até a sala, e tudo parecia tão estranho, que pensou:
xxxx
"Oh, céus, por quê será que estou com tanto medo? Sempre me sinto tão bem na casa da vovó..."
xxxx
Então ela foi até a cama da avó e abriu as cortinas. A vovó estava lá deitada, com sua touca escondendo parte do rosto. Ela parecia muito estranha...

- Vovó! Por que a senhora tem orelhas tão grandes? - perguntou então Chapeuzinho.


xxxx
- É para te ouvir melhor.
xxxx
- Vovó! Por que a senhora tem olhos tão grandes?
xxxx
- É para te ver melhor.
xxxx
- E suas mãos, vovó, por que são tão grandes?
xxxx
- São para te abraçar melhor.
xxxx
- Credo, vovó! Por que a senhora tem essa boca grande e horrível?
xxxx
- É para te comer melhor! - e dizendo isto o Lobo saltou sobre a indefesa menina e engoliu-a de um só bote.
xxxx
Depois que encheu a barriga, ele voltou à cama, deitou, dormiu, e começou a roncar muito alto.

Um caçador, que ia passando ali perto, escutou e achou estranho que uma velhinha roncasse tão alto. Então ele decidiu ir dar uma olhada.


xxxx
Ele entrou na casa, e viu deitado na cama o Lobo que ele procurava há muito tempo.
xxxx
E o caçador pensou:
xxxx
"Ele deve ter comido a velhinha, mas talvez ela ainda possa ser salva. Não posso atirar nele."
xxxx
Então ele pegou seu facão, e abriu a barriga do Lobo. Quando começou a cortar, viu surgir um chapeuzinho vermelho. Ele cortou mais, e a menina pulou para fora exclamando:
xxxx
- Eu estava com muito medo! Dentro da barriga do lobo estava muito escuro!
xxxx
E assim, a vovó foi salva também.


CHAPEUZINHO VERMELHO DE RAIVA



- Senta aqui mais perto, Chapeuzinho. Fica aqui mais pertinho da vovó, fica.

 

- Mas vovó, que olho vermelho... E grandão... Queque houve?



 

- Ah, minha netinha, estes olhos estão assim de tanto olhar para você. Aliás, está queimada, heim?

 

- Guarujá, vovó. Passei o fim de semana lá. A senhora não me leva a mal, não, mas a senhora está com um nariz tão grande, mas tão grande! Tá tão esquisito, vovó.



 

- Ora, Chapéu, é a poluição. Desde que começou a industrialização do bosque que é um Deus nos acuda. Fico o dia todo respirando este ar horrível. Chegue mais perto, minha netinha, chegue.

 

- Mas em compensação, antes eu levava mais de duas horas para vir de casa até aui e agora , com a estrada asfaltada, em menos de quinze minutos chego aqui com a minha moto.



 

- Pois é, minha filha. E o que tem aí nesta cesta enorme?

 

- Puxa, já ia me esquecendo: a mamãe mandou umas coisas para a senhora. Olha aí: margarina, Helmmans, Danone de frutas e até uns pacotinhos de Knorr, mas é para a  senhora comer um só por dia, viu? Lembra da indigestão do carnaval?



 

- Se lembro, se lembro...

 

- Vovó, sem querer ser chata.



 

Ora, diga.

 

- As orelhas. A orelha da senhora está tão grande. E ainda por cima, peluda. Credo, vovó!



 

- Ah, mas a culpada é você. São estes discos malucos que você me deu. Onde á se viu fazer música deste tipo? Um horror! Você me desculpe porque foi você que me deu, mas estas guitarras, é guitarra que diz, não é? Pois é; estas guitarras são  muito barulhentas. Não há ouvido que agüente, minha filha. Música é a do meu tempo. Aquilo sim, eu e seu finado avô, dançando valsas... Ah, esta juventude está perdida mesmo.

 

- Por falar em juventude o cabelo da senhora está um barato, hein? Todo



desfiado, pra cima, encaracolado. Que qué isso?

 

- Também tenho que entrar na moda, não é, minha filha? Ou você queria que



eu fosse domingo ao programa do Chacrinha de coque e com vestido preto com bolinhas brancas?

 

Chapeuzinho pula para trás:



 

- E esta boca imensa???!!!

 

A avó pula da cama e coloca as mãos na cintura, brava:



 

- Escuta aqui, queridinha: você veio aqui hoje para me criticar é?!

 

 

Mario Prata



 

- Senta aqui mais perto, Chapeuzinho. Fica aqui mais pertinho da vovó, fica.

 

- Mas vovó, que olho vermelho... E grandão... Queque houve?



 

- Ah, minha netinha, estes olhos estão assim de tanto olhar para você. Aliás, está queimada, heim?

 

- Guarujá, vovó. Passei o fim de semana lá. A senhora não me leva a mal, não, mas a senhora está com um nariz tão grande, mas tão grande! Tá tão esquisito, vovó.



 

- Ora, Chapéu, é a poluição. Desde que começou a industrialização do bosque que é um Deus nos acuda. Fico o dia todo respirando este ar horrível. Chegue mais perto, minha netinha, chegue.

 

- Mas em compensação, antes eu levava mais de duas horas para vir de casa até aui e agora , com a estrada asfaltada, em menos de quinze minutos chego aqui com a minha moto.



 

- Pois é, minha filha. E o que tem aí nesta cesta enorme?

 

- Puxa, já ia me esquecendo: a mamãe mandou umas coisas para a senhora. Olha aí: margarina, Helmmans, Danone de frutas e até uns pacotinhos de Knorr, mas é para a  senhora comer um só por dia, viu? Lembra da indigestão do carnaval?



 

- Se lembro, se lembro...

 

- Vovó, sem querer ser chata.



 

Ora, diga.

 

- As orelhas. A orelha da senhora está tão grande. E ainda por cima, peluda. Credo, vovó!



 

- Ah, mas a culpada é você. São estes discos malucos que você me deu. Onde á se viu fazer música deste tipo? Um horror! Você me desculpe porque foi você que me deu, mas estas guitarras, é guitarra que diz, não é? Pois é; estas guitarras são  muito barulhentas. Não há ouvido que agüente, minha filha. Música é a do meu tempo. Aquilo sim, eu e seu finado avô, dançando valsas... Ah, esta juventude está perdida mesmo.

 

- Por falar em juventude o cabelo da senhora está um barato, hein? Todo



desfiado, pra cima, encaracolado. Que qué isso?

 

- Também tenho que entrar na moda, não é, minha filha? Ou você queria que



eu fosse domingo ao programa do Chacrinha de coque e com vestido preto com bolinhas brancas?

 

Chapeuzinho pula para trás:



 

- E esta boca imensa???!!!

 

A avó pula da cama e coloca as mãos na cintura, brava:



 

- Escuta aqui, queridinha: você veio aqui hoje para me criticar é?!

 

Retextualização produzida pelos alunos da 7ª A: Amauri, Ari, Everton e Itamar.


Uma nova versão para “Chapeuzinho Vermelho.
CHAPEUZINHO DE HOJE

Estamos no ano de 2007 na cidade de Cântaro, uma cidade pouco conhecida. É uma cidade calma, quase não acontecem roubos, graças a mão de ferro do xerife Lenhador, chamado assim por causa de seu antigo emprego.


Nessa cidade mora Chapeuzinho Vermelho, uma menina simpática, chamada assim por usar um capuz vermelho, mas seu verdadeiro nome é Alice.
Certa vez, quando Chapeuzinho acabara de voltar da escola sua mãe falou:
__ Chapeuzinho sua avó está adoentada, e você vai levar esse remédio para ela. Aproveita e também leva estes docinhos, pois ela adora...
A menina respondeu:
__ Mas mãe eu vou ao cinema hoje.
__ Alice! Você vai à casa de sua vovozinha e outro dia vai ao cinema!
__ Está bem mãe!
Desta forma, a menina do capuz vermelho saiu em direção à casa da sua avó. Ela foi pela rua mais movimentada, pois queria encontrar alguns amigos para disser que não iria ao cinema. Não encontrou ninguém.
Chegando à casa da sua avó viu uma “lobo”, ou seria um gatuno, entrando pé a pé. Chapeuzinho ficou olhando pelo buraco da fechadura e viu quando o lobo trancou o sua vovozinha no armário.
A menina ligou para o xerife Lenhador e contou o acontecido. Ele pediu que o esperasse. Quando ele chegou a Chapeuzinho Vermelho entrou na casa da vovó e disse:
__ Olá vovó! Como senhora está diferente! Está com os olhos grandes...
__ É para de ver melhor, minha lindinha.
__ E que nariz grande que senhora tem!
__ É para sentir melhor o seu perfume, minha flor.
__ E que orelhas enormes a senhora está vovó!
__ Mas que... Digo é para escutar suas palavras de carinho, meu benzinho.
__ Credo vovó e que mãos sujas e grandes a senhora tem!
__ Já chega, sua chata. É para te roubar.
Nessa hora o xerife entrou e falou:
__ É para ficarem mais apertadas na algemas... Seu larápio.
Desta forma o lobo foi preso, a vovó ficou curada e Chapeuzinho Vermelho ganhou uma medalha por ser “amiga da comunidade”.
Depois desse fato sua avó foi morar com Chapeuzinho e seus pais, e todos viveram felizes, até aparecer uma “leão”, mas isso já é uma outro história...





ENCAIXANDO AS PRICESAS DESCUBRA QUAL É A CHAPEUZINHO


Quebra Cabeça da Chapeuzinho Vermelho




A história em seqüência















CAÇA –PALAVRAS DA CHAPEUZINHO VERMELHO

A C D V C H A P E U Z I N H O V E R M E L H O N V L O B O V D H G F S W F H Y W R F T H J G F I S E D F L O R E S T A U Y H S Ã H S T C E S T A N M U I

F L O R E SJ D S H S F H S F H A O N O P O l P G H C A Ç A D O R J S H D F H D F H D I D D F C A M A I

S I U I F S I U D F G F I O Ç D O J S H I G R H D F I Y

V O V O Z I N H A Y I Ã A F H I U H E S H U E F I S I

M Ã E H E Y U F U I G J G I Q W R T Y U H C A M I N H O H Y G T F R M A L V A D O M F D M E N I N A R

Q W K L Ç X B C V M N C W H J H J D H F M R T V U

Q W R T Y U H C A S I N H A Y T Q W N B C X Z O R




Quais são os lobos mal de hoje?

Continue esse diálogo


-Olá, você é bonzinho nessa história infantil?

-Claro, claro menininha!

-Nossa, você tem olhos grandes, dentes enormes e uma língua vermelha e tão molhada. Qual personagem você é?

-

j

DEDOCHES



Músicas da história da Chapeuzinho Vermelho

Pela Estrada (Braguinha)
Pela estrada a fora, eu vou bem sozinha
Levar esses doces para a vovozinha
Ela mora longe, o caminho é deserto
E o lobo mau passeia aqui por perto
Mas à tardinha, ao sol poente
Junto à mamãezinha dormirei contente

Lobo Mau (Braguinha)
Eu sou o lobo mau,
Lobo mau, lobo mau
Eu pego as criancinhas
Pra fazer mingau!

Hoje estou contente,


Vai haver festança
Tenho um bom petisco
Para encher a minha pança
Produção de texto












Produção de texto da aluna SABRINA





Pescar as palavras da história da Chapeuzinho Vermelho que estão nos peixes




Mascaras pintadas pelos alunos



Dedoches confeccionado para a apresentação da história



Produção de texto do aluno Weslei



Outras atividades d produção



Assistindo ao Filme Deu a Louca na Chapeuzinho


Desenho da casa da vovó da chapeuzinho feito pela aluna Kassandra









Enfeite da porta da 3ª série


Enfeite da porta da,2ª série









LIVRINHO CONFECCIONADO PELOS ALUNOS

ATIVIDADES DE PRODUÇÃO DE TEXTO

MONTAGEM DO TEXTO FRAGMENTADO




HISTÓRIA EM QUADRINHOS









Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal