Universidade federal da paraíba centro de ciências agrárias programa de pós-graduaçÃo em zootecnia



Baixar 368.16 Kb.
Página1/5
Encontro23.07.2016
Tamanho368.16 Kb.
  1   2   3   4   5




UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA

CO-PRODUTO DE VITIVINÍCOLAS COMO ADITIVO PARA SILAGENS DE MANIÇOBA



Fabiana Rodrigues Dantas

Zootecnista



AREIA - PB

2007

FABIANA RODRIGUES DANTAS


CO-PRODUTO DE VITIVINÍCOLAS COMO ADITIVO PARA SILAGENS DE MANIÇOBA



Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Zootecnia, da Universidade Federal da Paraíba, parte das exigências para a obtenção do titulo de Mestre em Zootecnia.


Comitê de Orientação:

Dr. Gherman Garcia Leal de Araújo – Orientador Principal

Dr. Severino Gonzaga Neto


Dr. Ariosvaldo Nunes de Medeiros
AREIA - PB

2007

A João Ribamar Dantas e Gilvanir Rodrigues Dantas,

meus pais,

A Ricardo Rodrigues Dantas e Lidiane Inácio Dantas,

meu irmão e cunhada,

A Thaís Inácio Dantas,

minha sobrinha,


À vocês, meus grandes amores e verdadeiros amigos, retribuo com todo amor e carinho, toda a confiança que em mim foi depositada,
Dedico.

AGRADECIMENTOS
À Deus, por mais uma de suas muitas bênçãos em minha vida.

À meus pais pela educação e por terem me incentivado a sempre persistir em busca de meus sonhos.

À Universidade Federal da Paraíba, especialmente ao Centro de Ciências Agrárias, representada pelo Programa de Pós-graduação em Zootecnia, pela oportunidade concedida de realização deste curso e conclusão de um sonho.

À Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES, pela concessão da bolsa de estudo, da qual desfrutei durante parte do mestrado.

À Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, EMBRAPA – Semi -Árido, pela disponibilidade do Campo Experimental e laboratório de Nutrição Animal.

À FUNDECI/ETENE pelo financiamento do projeto de pesquisa.

À Vitivinícola Milano pela doação do resíduo de uvas (co-produto de vitivinícolas).

Ao Prof. Dr. Gherman Garcia Leal de Araújo, pela confiança em mim depositada, e que mesmo em meio a seus compromissos nunca se negou a atender-me, e tornou-se além de orientador, um amigo.

Ao professor Dr. Severino Gonzaga Neto, pelos conselhos valiosos e amizade.

Ao Prof. Dr. Divan Soares da Silva, pelas valiosas critícas e sugestões.

Ao Prof. Dr. Walter Esfrain Pereira pela orientação nas análises estatísticas e paciência.

À equipe do Laboratório de Nutrição Animal da Embrapa Semi-Árido: os laboratoristas José Benedito, Alcides Amaral; os bolsistas Daniel Ribeiro de Menezes, Ellio Celestino das Chagas, Manuela Silva Libânio Tosto e Laécio Souza de Jesus; os funcionários Suetone Coelho de Alencar, João dos Santos e João Neto e os estagiários Thadeu Mariniello da Silva, Eulália Barros e Anna Fotius, pela amizade, atenção e carinho que me foram prestadas em todos os momentos da pesquisa e análises laboratoriais.

Às secretárias Sara Neila Brandão de Oliveira e Gisélia Cristina de Santana, pelo apoio e ajuda nas horas que precisei e pela sua competência profissional que muito admiro.

Ao Dr. Daniel Maia, pesquisador da Embrapa Semi-Árido e amigo, por sua presteza e ajuda no inglês.

Ao pesquisador da Embrapa Semi-Árido, Luiz Gustavo Ribeiro Pereira, pela valiosa contribuição nas avaliações deste trabalho.

À Paula Ribeiro, pelo companheirismo e cumplicidade, que fortaleceu cada vez mais a nossa amizade.

À Mônica Cecília e sua família pelo cuidado e carinho.

À todos estes, que compõem a Embrapa Semi-árido e/ou são “agregados” em Petrolina, que se tornaram minha grande família “petrolinense” e foram coadjuvantes na construção deste sonho.

Ao Cefet Petrolina, nas pessoas dos gerentes de ensino, Selma e Adelmo, que mesmo estando como substituta, compreenderam minhas ausências e sempre apoiaram minhas atividades do mestrado.

À minha família e amigos norte-rio grandenses que compreenderam minha ausência e intercederam a Deus pelo meu sucesso. Em especial Thaís, que na sua inocência questionou várias vezes as minhas “idas e vindas”.

Aos amigos Areienses, da pós-graduação em Zootecnia e Agronomia com os quais compartilhei o período de disciplinas, em especial a Bárbara e Jailma, que mesmo longe torceram pelo meu sucesso.

Enfim, a todos que, direta ou indiretamente, colaboraram para o êxito deste trabalho:



Muito obrigada!

SUMÁRIO

Página

Lista de Tabelas..........................................................................................................

vii

Lista de Figuras..........................................................................................................

x

Resumo Geral..............................................................................................................

xi

Abstract.......................................................................................................................

xii


Capítulo 1 - Referencial Teórico................................................................................

Referências bibliográficas......................................................................


Capítulo 2 - Composição química e características fermentativas de silagens de maniçoba com diferentes percentuais de resíduo de vitivinícolas..........................................................................................

Resumo.................................................................................................

Abstract................................................................................................

Introdução.............................................................................................

Material e Métodos...............................................................................

Resultados e Discussão........................................................................

Conclusões............................................................................................

Referências Bibliográficas...................................................................


Capítulo 3 - Consumo e digestibilidade aparente de silagens de maniçoba com adição de resíduo de vitivinícolas em ovinos.......................................

Resumo.................................................................................................

Abstract................................................................................................

Introdução............................................................................................

Material e Métodos...............................................................................

Resultados e Discussão........................................................................

Conclusões............................................................................................

Referências Bibliográficas...................................................................



1

18


23

24

25



26

29

32



40

41

44



45

46

47



50

53

58



59


LISTA DE TABELAS



CAPÍTULO 2




Página

Tabela 1 - Composição bromatológica, digestibilidade in vitro da matéria seca (DIVMS) e pH da maniçoba e do resíduo de vitivinícola desidratado utilizado na confecção das silagens.................................
Tabela 2 - Médias, coeficiente de variação, equação de regressão e coeficiente de determinação referente à densidade e às perdas por fermentação das silagens de maniçoba com adição de resíduo de vitivinícolas (SMRV) em porcentagem da massa inicial ensilada...........................
Tabela 3 - Médias, coeficiente de variação (CV), equação de regressão e coeficiente de determinação (r2) dos componentes solúveis: matéria seca (MS), matéria mineral (MM), matéria orgânica (MO), proteína bruta (PB), extrato etéreo (EE) e digestibilidade in vitro da matéria seca (DIVMS) das silagens de maniçoba com adição de resíduo de vitivinícolas (SMRV) aos 60 dias após ensilagem, com base na porcentagem de matéria seca................................................
Tabela 4 - Médias, coeficiente variação (CV), equações de regressão e coeficiente de determinação (r2) das frações fibra em detergente neutro (FDN), fibra em detergente ácido (FDA), lignina (LIG), nitrogênio insolúvel em detergente neutro (NIDN), nitrogênio insolúvel em detergente ácido (NIDA), carboidratos totais (CT) e carboidratos não-fibrosos (CNF) das silagens de maniçoba com níveis de resíduo de vitivinicolas (SMRV) aos 60 dias após ensilagem, expressas em porcentagem da matéria seca...................
Tabela 5 - Médias, equações de regressão e coeficiente de determinação (r2) das determinações de pH e porcentagem de nitrogênio amoniacal em relação ao nitrogênio total (N-NH3/NT) das silagens de maniçoba com níveis de resíduo de vitivinícolas (SMRV)..............................................................................................

32

35


36

39


42




CAPÍTULO 3




Página

Tabela 1 - Teores de matéria seca (MS), matéria mineral (MM), matéria orgânica (MO), de proteína bruta (PB), extrato etéreo (EE), fibra em detergente neutro corrigido para cinzas (FDNcz), fibra em detergente ácido (FDA), lignina (LIG), carboidratos totais (CT), carboidratos não-fibrosos (CNF) e digestibilidade in vitro da matéria seca (DIVMS) das silagens de maniçoba com inclusão de resíduo de vitivinícola (SMRV) e da mistura múltipla utilizada, com base na matéria seca..................................................................
Tabela 2 - Médias, equações de regressão e coeficientes de variação (CV) para os consumos de matéria seca (CMS), matéria mineral (CMM), matéria orgânica (CMO), proteína bruta (CPB), extrato etéreo (EE), fibra em detergente neutro (CFDN), fibra em detergente ácido (CFDA), carboidratos totais (CT) e lignina (CLIG) expressos em quilogramas por dia (kg/dia), em porcentagem de peso vivo (%PV) e em gramas por unidade de tamanho metabólico (g/kgUTM) das silagens de maniçoba com inclusão de resíduo de vitivinícola (SMRV) por ovinos.............................................................................
Tabela 3 - Médias, equações de regressão e coeficientes de variação (CV) da digestibilidade in vivo da matéria seca (DMS), matéria mineral (DMM), matéria orgânica (DMO), proteína bruta (DPB), fibra em detergente neutro (DFDN) E fibra em detergente ácido (DFDA) das silagens de maniçoba com inclusão de resíduo de vitivinícola (SMRV) por ovinos............................................................................

59

61



62



LISTA DE FIGURAS


CAPÍTULO 2




Página

Figura 1. Resíduo de Vitivinícola em secador solar.

29

Figura 2. Maniçoba coletada do campo experimental da Embrapa.

30

Figura 3. Tubos de PVC, previamente identificados.

30

Figura 4. Confecção dos silos.

31

Figura 5. Vedamento dos silos com lona e ligas.

31

Figura 6. Pesagem dos silos após a confecção e antes da abertura.

31

Figura 7. Abertura dos silos, homogeneização da silagem e amostragem.

33

Figura 8. Amostras das silagens levadas a estufa à 55°C para pré-secagem.

33



CAPÍTULO 3




Página

Figura 1. Ovinos confinados durante período experimental.

55

Figura 2. Silagens de maniçoba com adição de 0, 8, 16 e 24 % de resíduo de vitivinícolas, respectivamente.

56


Figura 3. Balde para fornecimento de concentrado.

57

Figura 4. Ovinos com dispositivo para coleta de fezes total (bolsa coletora).

57

Figura 5. Baldes para pesagem de oferecido e sobras, identificados de acordo com os tratamentos e animais.

58


Figura 6. Pesagem do oferecido e das sobras.

58

CO-PRODUTO DE VITIVINÍCOLAS COMO ADITIVO PARA SILAGENS DE MANIÇOBA

  1   2   3   4   5


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal