Universidade federal de alagoas



Baixar 57.58 Kb.
Encontro28.07.2016
Tamanho57.58 Kb.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS

CENTRO DE EDUCAÇÃO

SEMANA DE PEDAGOGIA 2013

GESTÃO DA EDUCAÇÃO EM ALAGOAS: AMEAÇAS E DESAFIOS”





Gestão escolar na eja: O que são redes temáticas?
Abraão Felipe Santos de Oliveira (CEDU/UFAL)

pedagogiaufal@hotmail.com

Giselle Grace Basilio de Santana (CEDU/UFAL)



gisellegbs@hotmail.com

Maria Luisa de Melo Santos (CEDU/UFAL)

malu_luisa12@hotmail.com

Thâmara Santos Gomes (CEDU/UFAL)

thamara.stos.gomes@hotmail.com


RESUMO:

Este trabalho se caracteriza essencialmente como uma pesquisa de caráter bibliográfico que realizamos para fundamentar o projeto de intervenção que é uma das etapas que devemos desenvolver na disciplina Estágio Supervisionado 1, que está voltada para a gestão escolar. Embora haja um grande comprometimento por parte da equipe gestora (direção e coordenação), ainda existem vários aspectos que precisam ser superados para a melhoria do trabalho da escola e, consequentemente, melhoria na qualidade da educação ofertada aos discentes. A partir do que foi observado durante o período de caracterização, os professores da Educação de Jovens e Adultos têm mostrado certa dificuldade em trabalhar com as propostas vindas da SEMED, em especial no que diz respeito à implementação das Redes Temáticas. Apresentamos aqui qual a finalidade da EJA, em seguida apresentamos como a gestão escolar pode contribuir com a EJA e por fim fazemos algumas considerações dobre o que são as redes temáticas.


PALAVRAS-CHAVE: Gestão Escolar. Educação de Jovens e Adultos. Redes Temáticas.

1 INTRODUÇÃO
A Educação de Jovens e Adultos – EJA é uma modalidade de ensino que possibilita aos jovens e adultos que por motivos diversos como a necessidade de trabalhar para garantir o seu sustento não tiveram a oportunidade de se alfabetizar ou concluir os seus estudos, mas que nesse momento possui interesse em dar continuidade a sua formação. No entanto devido ao cansaço, o desanimo ou por não encontrarem sentido no que esta sendo ensinado e da forma como esta sendo ensinado, um grande número destes jovens e adultos tem se evadido das salas de aula e os que permanecem não conseguem obter bons resultados, já que não encontram no método de ensino que está sendo aplicado na sala de aula elementos que façam parte da sua realidade.
No Brasil, a continuidade dos estudos para os egressos das Campanhas de Alfabetização de Adultos e de Jovens e Adultos, bem como aqueles que não conseguiram por razões históricas e sociais concluírem o I segmento de EJA, não tem se constituído prioridade. Essa continuidade tem caminhado em três direções: via Ensino Fundamental noturno dito regular, Telecurso da Fundação Roberto Marinho e via Exames Supletivos. (FREITAS, ROCHA, 2013, p. 84)
As redes temáticas se apresentam como uma possibilidade viável para o trabalho de dos professores na EJA, já que sua proposta esta voltada para a discussão da realidade dos alunos, e a partir dessas discussões os professores irão, juntamente com os alunos, selecionar temas que trabalharam de forma interdisciplinar na matemática, nas ciências, na língua portuguesa e nas demais disciplinas que são ofertadas na sala de aula.

Nossa intenção em trabalhar com as redes temáticas na Escola Major Bonifácio da Silveira reside na necessidade de ajudar a escola a implementar essa proposta de ensino na EJA para que a mesma esteja atendendo as exigência da Secretaria Municipal de Educação de Maceió (SEMED) e de proporcionar para os professores e gestão desta escola um esclarecimento a cerca deste tema, demonstrando como ele pode contribuir para o processo de ensino e aprendizagem dos alunos, podendo diminuir a evasão dos alunos já que estes encontraram sentidos nas aulas, pois a aprendizagem acontecerá com as situações do dia-a-dia dos alunos e de sua realidade.


2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
A Educação de Jovens e Adultos

A Educação de Jovens e Adultos – EJA é uma modalidade da educação básica destinada aos jovens e adultos que não tiveram acesso ou não concluíram os estudos no ensino fundamental e no ensino médio. A idade mínima para ingresso na EJA é de 15 anos para o ensino fundamental e 18 anos para o ensino médio.


A EJA é uma noção da teoria do conhecimento, concepções, conceitos e conteúdos das totalidades de conhecimentos pautados no estudo, discussão e aprofundamento do projeto político pedagógico em curso na Secretaria de Estado da Educação e que contribuiu para elaboração final desta Proposta Pedagógica de EJA no Estado. Pautando-se em bases políticas e pedagógicas, os objetivos, os princípios e os referenciais teóricos da Educação Popular, Construtivismo Interacionista, Interdisciplinaridade e Avaliação Emancipatória, explorando certos limites dos PCN’s e das Diretrizes de EJA, proposta pelo MEC, para garantir as demandas, características da política e da ação social/educativa na esfera de ensino Estadual em Alagoas e sua expansão, a implantação do projeto do ideário de EJA sediará nas salas de aula, instância do “como fazer”, onde a experimentação das totalidades de conhecimento possa revelar uma organização curricular que trate as vivências escolares de forma crítica, democrática, libertadora e transformadora, seja na Rede Estadual de Ensino, seja na parceria com o movimento social, universidades, prefeituras, igrejas, entre outros atores sociais da sociedade civil. (Acessado no dia: 16/-6/13. 13:30hrs http://www.educacao.al.gov.br/educacao-basica/educacao-especial/jovens-e-adultos/historico-de-educacao-de-jovens-e-adultos/educacao-de-jovens-e-adultos)
A educação de jovens e adultos deve conter uma formação na qual os alunos possam aprender constantemente, refletir de modo crítico, agir com responsabilidade individual e coletiva, acompanhar a dinâmica das mudanças sociais, enfrentar problemas construindo soluções utilizando os conhecimentos científicos, e sócio-históricos.

A EJA surge como forma de assegurar um direito previsto em lei. A lei 9394/96, em seu artigo 37º § 1º diz: Os sistemas de ensino assegurarão gratuitamente aos jovens e aos adultos, que não puderam efetuar os estudos na idade regular, oportunidades educacionais apropriadas, consideradas as características do alunado, seus interesses, condições de vida e de trabalho, mediante cursos e exames.

Ou seja, a educação de jovens e adultos, como o próprio nome já nos mostra a sua destinação, deve ocorrer em um horário e de maneira que não atrapalhem o horário de trabalho dos seus alunos. Apesar de ser um curso de abrangência de ensino fundamental, e médio também, não se pode esquecer que se tratam de adultos ou jovens adultos. Assim, se faz necessário pensar no currículo e na construção de conhecimentos que serão relevantes na vida desses alunos.

Tabela 1 – Matriz curricular ensino fundamental – EJA – 1º segmento

(1º ao 5º ano)






ARÉAS DO CONHECIMENTO


1ª ETAPA







2ª ETAPA


3ª ETAPA

Carga Horária Anual

Carga Horária Anual

Carga Horária Anual

1. Linguagens, Códigos e suas tecnologias (Língua Portuguesa, Educação Física e Arte).

200h

200h

200h

2. Ciências da Natureza, Matemática e suas tecnologias.

200h

200h

200h

3. Ciências Humanas e suas tecnologias (História, Geografia e Ensino Religioso).

200h

200h

200h

TOTAL

600h

600h

600h
Fonte: Os autores1

Tabela 2 - Matriz curricular ensino fundamental – EJA – 2º segmento



 (6º ao 9º ano) – presencial diurno

DISCIPLINAS

4ª ETAPA

5ªETAPA













  1. Língua Portuguesa

CHS

CHA

CHS

CHA

  1. Inglês/Espanhol

4

160

4

160

  1. Arte

2

80

2

80

  1. Educação Física

1

40

1

40

  1. Matemática

2

80

2

80

  1. Ciências

4

160

4

160

  1. História

2

80

2

80

  1. Geografia

2

80

2

80

  1. Ensino Religioso

1

40

1

40

TOTAL

21

840

21

840

Fonte: Os autores
Gestão Escolar e Educação de Jovens e Adultos
As questões referentes à gestão escolar na EJA precisam ser discutidas, pois se trata de um diálogo que possibilita e garante uma educação de boa qualidade para esses jovens e adultos que estão fora de faixa educacional esperada pela sociedade:
Os núcleos gestores, de certa forma, contribuem bastante para a falta de participação dos discentes da EJA, por meio de atitudes que muitas vezes nem eles percebem ter. Estudos sobre a formação de educadores da EJA demonstram que há um amplo conjunto de problemas na constituição dessa área como campo pedagógico. Esses estudos, de acordo com Ribeiro (1999), evidenciam a falta de especificidade na formação docente para esta modalidade de ensino como um dos principais fatores de limitações às experiências educativas na EJA. Nesse contexto, aconselha-se a necessidade de aumentar a produção e sistematização de conhecimentos que possam contribuir para a formação dos educadores na EJA. Sendo assim, e, consequentemente, a culminância da participação na gestão escolar. (SANTOS; PRADO, 2011, p. 2)
A gestão escolar deve manter o direito de vez e voz aos alunos da EJA, por meio do PPP que é um processo coletivo no qual toda comunidade escolar trabalha para a melhoria da qualidade do ensino, e estão dispostos a mudar a realidade coletivamente. Uma estratégia para a construção do PPP é a organização de grupos multidisciplinares que comtemplam os diversos segmentos da comunidade escolar, portanto trata-se de uma gestão que realiza as ações com a comunidade escolar, trata-se de um espaço dialógico.
Seria bastante relevante para a educação em Alagoas se todas as propostas expostas no PPP da escola fossem executadas para a melhoria da educação em nosso Estado. Portanto, é importante perceber que ainda há um afastamento muito grande da realidade oficialmente descrita no PPP desta escola com relação ao discurso participativo da incorporação na modalidade da EJA na construção coletiva. (SANTOS; PRADO, 2011, p. 4)
Quanto ao projeto Político-Pedagógico, para que se possa falar em escola cidadã, autônoma e participativa, este deve ser construído coletivamente. Neste caso, a gestão democrática é responsável pela administração, elaboração e acompanhamento do projeto de educação, o qual, por sua vez deve ser fundamentado em um paradigma de homem e de sociedade. Assim, a Educação de Jovens e Adultos como modalidade de ensino que é um grande desafio para a gestão escolar que precisa reformular e buscar práticas que busquem uma qualidade de ensino que estimulem a permanência e atenda a esses alunos.
As contribuições das Redes Temáticas no processo ensino aprendizagem
Trabalhar com redes temáticas vai além de desenvolver conteúdos que os sujeitos deixaram de obter na infância ou na adolescência. É um planejamento construído dentro da realidade em que eles se encontram, sendo a sala de aula o espaço de construção dessa proposta pedagógica. Nesse sentido, o currículo da Educação de Jovens e Adultos (EJA) parte de um desenvolvimento de competências relacionadas às dimensões da sua vida social.

O desenvolvimento das redes temáticas é um processo que envolve a comunidade escolar, na construção de um currículo dinâmico, dentro de uma perspectiva de educação popular, na qual é através do diálogo que conecta os conhecimentos e os sujeitos. Nas redes temáticas, buscam-se analisar quais possíveis temas são relevantes para trazer para sala de aula, integrando saberes científicos, com intuito de transformar o contexto social no qual os sujeitos estão inseridos.

A diversidade das disciplinas, seus conteúdos não são postos em questão aqui; ao contrário, já que o caminho dos empregos se fecha, o ensino poderia pelo menos adotar como meta oferecer a essas gerações marginais uma cultura que desse sentido à sua presença no mundo, à simples presença humana, permitindo-lhes adquirir uma visão geral das possibilidades reservadas aos seres humanos, uma abertura, sobre os campos de seus conhecimentos. E, a partir daí, razões de viver, caminhos a abrir, um sentido para seu dinamismo imanente. (FORRESTER, 1997, p. 80)
A função da escola vai além de uma mera transmissora de cultura, passando a ser um local de cruzamentos, conflitos e diálogos de distintas culturas, abrindo oportunidades para a manifestação e valorização das diferenças, já que cada indivíduo possui um contexto distinto do outro. A escola sempre teve dificuldade em lidar com a realidade em que os sujeitos se encontram, por isso, muitas vezes ela silencia seu posicionamento e neutraliza certas problemáticas, que deveriam ser enfrentadas no intuito de abrir espaço para o diálogo acontecer.

O processo de ensino e aprendizagem é pautado com base em uma rede curricular, na qual os docentes definem suas didáticas e metodologias. Entretanto tais práticas não são desenvolvidas levando em consideração a contextualização do aluno, principalmente da Educação de Jovens e Adultos. Portanto, a proposta curricular deve ser dimensionada numa linha de trabalho mais adequada para esta modalidade de ensino.


3 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Concluímos nosso trabalho entendendo a importância da gestão escolar e as suas contribuições com a educação de jovens e adultos. A gestão escolar deve estar fundada no paradigma dialógico, pois, só por meio do diálogo, a escola vai romper com as barreiras que os alunos da EJA enfrentam. Faz-se necessário uma gestão que busque manter os processos democráticos, a participação coletiva da comunidade, o diálogo e a reflexão. Tudo isso, como forma garantir uma gestão que tenha como objetivo um trabalho emancipador.

Compreendemos tambem como o trabalho com redes temáticas pode contribuir com o processo de ensino e aprendizagem dos alunos, pois esta nova organização do currículo do EJA vem possibilitar o desenvolvimento de atividades que busquem retratar o convívio social e de vivências socializadoras e culturais dos alunos, agregando os conhecimentos das áreas científicas (português, matemática, história, geografia, etc.) à sua realidade, estimulando e incentivando sua aprendizagem.




REFERÊNCIAS
FREITAS, M. L. de Q.; ROCHA, A. R. V. da. O currículo em educação de jovens e adultos em Maceió na perspectiva de rede temática. Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos, Vol. 1, nº 1, 2013.
SANTOS, J. S. A; PRADO, Edna Cristina do. Fulano, beltrano e sicrano vão participar? a incorporação da educação de jovens e adultos na gestão escolar de em uma unidade educacional da rede pública municipal de Maceió/AL, In: VI Encontro de Pesquisa em Educação em Alagoas - EPEAL e I Encontro da Associação Nacional de Política e Administração em Educação - ANPAE/AL, 2011, Maceió. O papel da universidade hoje: formação, pesquisa e compromisso social, 2011.

Parte superior do formulário



1As tabelas deste trabalho forma elaboradas pelos autores, os dados contidos nelas forma obtidos em nossa pesquisa bibliográfica.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal