Universidade federal de santa catarina ccb – departamento de botânica fone 37219242 disciplina: morfologia e sistemática vegetal



Baixar 34.29 Kb.
Encontro06.08.2016
Tamanho34.29 Kb.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA


CCB – DEPARTAMENTO DE BOTÂNICA - fone 37219242
DISCIPLINA: MORFOLOGIA E SISTEMÁTICA VEGETAL

CÓDIGO: BOT 5120

CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 90 h/aula (18 semanas)

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 5 h/aula (2 teóricas/3 práticas)

CURSO: Agronomia

P R O G R A M A




EMENTA


Introdução à Botânica; sistemas de classificação; conceitos e métodos taxonômicos; nomenclatura botânica; plantas vasculares: morfologia, sistemática e principais táxons de interesse agronômico.


OBJETIVOS


  1. Descrever as características básicas e as relações filogenéticas de plantas vasculares.

  2. Discutir os princípios básicos da sistemática vegetal e os procedimentos e processos associados a esse estudo.

  3. Conhecer os principais sistemas de classificação das plantas vasculares.

  4. Compreender e aplicar as principais regras nomenclaturais.

  5. Conhecer técnicas de coleta e de herborização.

  6. Identificar e descrever as estruturas morfológicas externas dos órgãos das plantas vasculares, interpretando suas variações e relacionando-as com adaptações ecológicas e evolutivas.

  7. Identificar angiospermas até o nível família, com base na análise morfológica e em chaves analíticas.

  8. Estabelecer relações de afinidades ou diferenças entre táxons, com base em caracteres morfológicos e princípios evolutivos.

9. Conhecer os principais táxons de interesse agrícola das famílias estudadas.

CONTEÚDO


  1. Botânica: importância e histórico

  2. Conceitos taxonômicos

  3. Sistemas de classificação; características dos principais, com ênfase para os filogenéticos.

  4. Nomenclatura botânica

  5. Herbários e métodos de coleta e herborização

  6. Chaves analíticas de identificação

  7. Características gerais, morfologia, ciclos de vida e principais táxons de Pteridófitas e Gimnospermas.

  8. Morfologia de Angiospermas adaptada à sistemática: raiz, caule, folha, flor, inflorescência, fruto, semente, ciclo de vida.

  9. Características de táxons de Angiospermas e principais representantes de interesse agrícola.

9.1. Dicotiledôneas (lato sensu): Apiaceae, Asteraceae, Bignoniaceae, Brassicaceae, Cucurbitaceae, Euphorbiaceae, Fabaceae, Lamiaceae, Lauraceae, Malvaceae, Melastomataceae, Meliaceae, Moraceae, Myrtaceae, Passifloraceae, Rosaceae, Rubiaceae, Rutaceae e Solanaceae.

9.2. Monocotiledôneas: Araceae, Arecaceae, Bromeliaceae, Cyperaceae, Liliaceae lato sensu, Musaceae, Orchidaceae e Poaceae.



BIBLIOGRAFIA BÁSICA

BARROSO, G.M. et al. 1978. Sistemática de angiospermas do Brasil. Rio de Janeiro, LTC/EDUSP. v.1.

BARROSO, G.M. et al. 1984; 1985. Sistemática de angiospermas do Brasil. Viçosa, Impr. Univ. UFV, v.2.; v3

BELL, A.D. 1998. Plant form. An illustrated guide to Flowering plant morphology. Oxford, Oxford University Press, 341p.

BOWN, D. 1995. Encyclopedia of herbs & theirs uses. New York: Dorling Kindersley.

CRONQUIST, A. 1981. An integrated system of classification of flowering plants. New York, Columbia Un.

CRONQUIST, A. 1988. Evolution and classification of flowering plants. 2 ed. New York, New York Bot. Garden.

DIMITRI, M.J. & L.R. PARODI ed. 1978. Enciclopédia Argentina de agricultura y jargineria. 3ed. Buenos Aires, Acme. v.1.

DIMITRI, M.J. & L.R. PARODI ed. 1980. Enciclopédia Argentina da agricultura y jardinaria. 3ed. Buenos Aires, Acme. v.2.

FERRI, M.G. et al. 1978. Glossário ilustrado de botânica. São Paulo, EBRATEC/EDUSP

FONT QUER, P. 1982. Dicionario de botânica. Barcelona, Labor.

GIFFORD, E.M. & FOSTER, A.S. 1988. Morphology and evolution of vascular plants. New York, W.H. Freeman.

HEYWOOD, V.H. 1970. Taxonomia vegetal. São Paulo, Nacional/EDUSP.

GONÇALVES, E.G. & LORENZI, H. 2007. Morfologia vegetal: organografia e dicionário ilustrado de morfologia das plantas vasculares. Nova Odessa: Instituto Plantarum.

JOLY, A.B. 1991. Botânica. Introdução a taxonomia vegetal. 10 ed. São Paulo, ed. Nacional.

JUDD, W.S.; Campbell, C.S.; Kellogg, E.A., Stevens, P.F. & Donoghue. 2009. Sistemática vegetal. Um enfoque filogenético. 3 ed. Artemed, Porto Alegre.

KISSMANN, K.G. & GROTH, D. 2000. Plantas infestantes e nocivas. 2 ed. BASF. v. 2 e v. 3.

LORENZI, H. 1992. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Instituto Plantarum. v. 1.

LORENZI, H. 1998. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Instituto Plantarum. v.2

LORENZI, H.; BACHER, L.B.; LACERDA, M.T.C. de; SARTORI, S.F. 2006. Frutas brasileiras e exóticas cultivadas (de consumo in natura). Nova Odessa: Instituto Plantarum..

LORENZI, H.; SOUZA, H.M.1999. Plantas ornamentais no Brasil: arbustivas, herbáceas e trepadeiras. 2. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum.

LORENZI, H.; SOUZA, H.M.; COSTA, J.T.M.; CERQUEIRA, L.S.C. & FERREIRA, E. 2004.

LORENZI, H.; SOUZA, H.; TORRES, M. A. V.; BACHER, L. B. 2003. Árvores exóticas no Brasil: madeireiras, ornamentais e aromáticas. Nova Odessa: Instituto Plantarum.

McNEILL, J.; BARRIE, F.R.; BURDET, H.M.; DEMOULIN, V.; HAWKSWORTH, D.L.; MARHOLD, K.; NICOLSON, D.H.; PRADO, J.; SILVA, P.C.; SKOG, J.E.; WIERSEMA, J.H. & TURLAND, N.J. (eds.) 2007. Código Internacional de Nomenclatura Botânica (Código de Viena). São Paulo, Rima.

PEREIRA, C. & F.V. AGAREZ. 1980. Botânica. Taxonomia e organografia das Angiospermas. Chaves para identificação de famílias. Rio de Janeiro, Interamericana.

RADFORD, A.E.; DICKISON, W.C.; MASSEY, J.R. & BELL, R.C. 1974. Vascular plant systematics. New York, Harper & Row.

RAVEN P.H.; EVERT, R.F. & EICHHORN S.E. 2001. Biologia vegetal. 6 ed. Rio de Janeiro, Guanabara Dois.

REIS, A. (ed.) 1996-97; 2001-2002; 2004-05. Flora Ilustrada Catarinense. Herbário Barbosa Rodrigues. Itajaí, Herbário Barbosa Rodrigues, 11 fascículos.

REITZ, R. (ed.) 1965-89. Flora Ilustrada Catarinense. Herbário Barbosa Rodrigues. Itajaí, Herbário Barbosa Rodrigues, 161 fascículos.

SIMPSON, B.B. OGORZALY, M.C. 1995. Economic botany. plants in our world. New York, McGraw-Hill.

SOUZA, V.C. & Lorenzi, H. 2007. Chave de identificação para as principais famílias de Angiospermas nativas e cultivadas do Brasil. Nova Odessa, Instituto Plantarum.

SOUZA, V.C. & Lorenzi, H. 2008. Botânica sistemática. Guia ilustrado para identificação das famílias de fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG II. Nova Odessa, Instituto Plantarum.

STACE, C.A. 1991. Plant taxonomy and biosystematics. 2 ed. Cambridge, Cambridge Un. Press.

TREHANE, P. et al.. (ed.). 1995. International code of nomenclature for cultivated plants - 1995. Wimborne, Quarterjack.

TRYON, RM. & TRYON, A.F. 1982. Ferns and allied plants. New York, Springer-Verlag.

VIANA FREIRE, C. 1998. Chaves analíticas. Florianópolis, Departamento de Botânica da UFSC.

VIDAL, W.N. & VIDAL, M.R.R. 1983. Botânica - organografia. 2 ed. Viçosa, Impr. Univ. UFV.

WEBERLING, F. & SCHWANTES, H.O. 1985. Taxionomia vegetal. São Paulo, EPU.



UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DEPARTAMENTO DE BOTÂNICA

Campus Universitário, Trindade, Florianópolis - SC, CEP 88040-900 - Fone (48) 3319242
DISCIPLINA BOT 5120: MORFOLOGIA E SISTEMÁTICA VEGETAL - TURMAS: A, B. C, D

Curso: Agronomia - Professoras: Ana Zanin e Maria Leonor D'El Rei Souza

Carga Horária Semestral: 90 horas-aula (2 aulas teóricas e 3 aulas práticas /semana)

PLANO DE ENSINO 2010.1


Ementa: ver programa

Metodologia: Aulas Teóricas - com utilização de recursos didáticos (quadro-negro; giz; transparências; textos; data show).

Aulas Práticas - análise de material vegetal com auxílio de microscópio estereoscópico e bibliografia adequada (glossários; chaves analíticas para identificação; livros com descrições de famílias botânicas e textos).

Avaliação: média aritmética entre as notas obtidas.

MARÇO

03/04/05: Introdução à disciplina /conceitos taxonômicos/ Sistemas de classificação

10/11/12: Sist. classificação/ nomenclatura botânica/ Pteridófitas


17/18/19: Pteridófitas/ Gimnospermas

24/25/26: Gimnospermas

31: Angiospermas - Morfologia externa


ABRIL

07: 1ª AVALIAÇÃO TEÓRICA

08/09: Angiospermas - Morfologia externa

14/15/16: Angiospermas - Morfologia externa

22/23: Angiospermas - Morfologia externa

28/29/30: Angiospermas - Morfologia externa
MAIO

05: 2ª. AVALIAÇÃO TEÓRICA

06/07: Herbário e Métodos de Coleta

12/13/14/ Monocotiledôneas x Dicotiledôneas lato sensu

19/20/21: Famílias Dicotiledôneas

26/27/28: Famílias Dicotiledôneas
JUNHO

02: Famílias Dicotiledôneas

09/10/11: Famílias Monocotiledôneas

16/17/18: Famílias Monocotiledôneas
23: AVALIAÇÃO TEÓRICA

24/25: AVALIAÇÃO PRÁTICA
01/02 abril – Sexta-feira Santa

21 abril - Tiradentes

03/04 junhoCorpus Christi

Turmas A e B: Aulas Teóricas CCb 517. 4ª. 13:30

Turmas C e D: Aulas Teóricas CCB 517. 4ª. 15:10

Aulas Práticas: LAB. 1 Bot.

OBS.: ESTA DISCIPLINA NÃO PREVÊ

RECUPERAÇÃO

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

*Barroso, G.M. et al. 1978. Sistemática de Angiospermas do Brasil. Rio de Janeiro, LTC/EDUSP. v.1.

*Bell, A.D. 1998. Plant form. An illustrated guide to Flowering plant morphology. Oxford, Oxford University Press.

*Cronquist, A. 1981. An integrated system of classification of flowering plants. New York, Columbia Un.

*Cronquist, A. 1988. Evolution and classification of flowering plants. 2 ed. New York, New York Bot. Garden.

*Ferri, M.G. et al. 1978. Glossário ilustrado de botânica. São Paulo, EBRATEC/EDUSP

*Font Quer, P. 1982. Dicionario de botânica. Barcelona, Labor.

*Gonçalves, E.G. & Lorenzi, H. 2007. Morfologia vegetal: organografia e dicionário ilustrado de morfologia das plantas vasculares. Nova Odessa: Instituto Plantarum.

*Joly, A.B. 1998. Botânica introdução à taxonomia vegetal. 12 ed. São Paulo, ed. Nacional.

*Judd, W.S.; Campbell, C.S.; Kellogg, E.A., Stevens, P.F. & Donoghue. 2009. Sistemática vegetal. Um enfoque filogenético. 3 ed. Artemed, Porto Alegre.

*Mcneill, J.; Barrie, F.R.; Burdet, H.M.; Demoulin, V.; Hawksworth, D.L.; Marhold, K.; Nicolson, D.H.; Prado, J.; Silva, P.C.; Skog, J.E.; Wiersema, J.H. & Turland, N.J. (eds.) 2007. Código Internacional de Nomenclatura Botânica (Código de Viena). São Paulo, Rima.

*Raven P.H.; Evert, R. F. & Eichhorn S.E. 2001. Biologia vegetal. 6 ed. Rio de Janeiro, Guanabara Dois

*Simpson, B.B. Ogorzaly, M.C. 1995. Economic botany. plants in our world. New York, McGraw-Hill.

*Souza, V.C. & Lorenzi, H. 2008. Botânica sistemática. Guia ilustrado para identificação das famílias de fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG II. Nova Odessa, Instituto Plantarum.

Souza, V.C. & Lorenzi, H. 2007. Chave de identificação para as principais famílias de Angiospermas nativas e cultivadas do Brasil. Nova Odessa, Instituto Plantarum.

*Stace, C.A. 1991. Plant taxonomy and biosystematics. 2 ed. Cambridge, Cambridge Un. Press.

*Stueussy, T.F. 1990. Plant taxonomy. The systematic evaluation of comparative data. New York, Columbia Un. Press

*Trehane, P. et al. (ed.). 1995. International code of nomenclature for cultivated plants - 1995. Wimborne, Quarterjack.

*Tryon, Rm. & Tryon, A.F. 1982. Ferns and allied plants. New York, Springer-Verlag.

Viana Freire, C. 1998. Chaves analíticas. Florianópolis, Departamento de Botânica da UFSC.



*Vidal, W.N. & Vidal, M.R.R. 1983. Botânica - organografia. 2 ed. Viçosa, Impr. Univ. UFV.
* encontrado na Biblioteca Central


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal