Universidade federal de santa catarina centro de comunicação e expressão programa de póS-graduaçÃo em literatura



Baixar 28.19 Kb.
Encontro28.07.2016
Tamanho28.19 Kb.







universidade federal de santa catarina

centro de comunicação e expressão

PROGRAMA DE PÓS-gRADUAÇÃO EM LITERATURA


Disciplina: PGL 410088 Arquivo, violência e memória.

Nome do Curso: Em torno do desaparecimento: o assédio ético da representação.

Prof(a). Dr(a). Susan A. de Oliveira

E-mail: susandeoliveira@yahoo.com.br

Duração: 15 semanas - 4 créditos
Ementa:
O conceito político de desaparecimento é parte do aparato discursivo repressor de bastante abrangência no século XX, contemplando uma série de táticas emblematizadas principalmente pelo nazi-fascismo europeu, pelas milícias coloniais nas guerras de independência colonial africanas, pela Guerra Fria e pela Operação Condor. O conceito de desaparecimento, nesse espectro, visava encobrir crimes de sequestro, prisão, tortura e assassinato praticados pelo Estado contra os seus opositores. No entanto, o ato mesmo do encobrimento do crime – a ausência do corpo de delito que impede a denúncia e o julgamento, e que adia indefinidamente a reparação e o luto - evidencia que o desaparecimento do indivíduo é o princípio de uma violência crescente e contínua sobre o corpo e a subjetividade do desaparecido, mas também sobre a alteridade que ele representa no âmbito coletivo. Portanto, a representação em torno do desaparecimento extrapola a individualidade e se reforça no aspecto fantasmático que essa condição assume nos laços sociais e na alteridade que o desaparecido representa.

A ideia do desaparecimento do outro se revela como fundamento indissociável da violência social - que se designa também como extermínios e genocídios - pois é a grupos que ela é atribuída e é contra grupos que ela é praticada através do corpo individual. Contemporaneamente, a ideia do desaparecimento tem sido discutida por duas vias principais: pela política de recuperação de memória, como as Comissões da Verdade, fruto de pressões sociais que reclamam pelo indivíduo desaparecido (principalmente através de atos de nomeação e divulgação de imagens), ao que é emblemático o Movimento das Mães e Avós da Praça de Maio; e pela produção da invisibilização de grupos e povos através de aparatos discursivos que reorientam estratégias de desaparecimento coletivo com uso de violência física, material e simbólica como ocorre em relação aos palestinos, aos imigrantes africanos e aos indígenas brasileiros sendo que tal invisibilização não acontece mediante o encobrimento, mas com o consentimento tácito socialmente hegemônico.


Assim, o curso volta-se predominantemente a esses dois aspectos citados da representação da alteridade em situações diversas de desaparecimento nas quais a construção do indivíduo como representação do outro o destitui de humanidade, considerando que por essa via perpassa a legitimação da violência física, material e simbólica, alcançando na ideia de desaparecimento uma configuração fantasmática do outro pela qual se pretende discutir os termos em que a representação do desaparecimento se afigura como assédio ético.

Bibliografia:

AGAMBEN, Giorgio. A linguagem e a morte. Um seminário sobre o lugar da negatividade. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

_____ Estado de exceção. (Homo Sacer II). Trad. Iraci Poleti. São Paulo: Boitempo, 2004.

_____Estancias. La palabra y el fantasma en la cultura occidental. Trad. Tomás Segovia. Valencia: Pre-Textos, 1995.

_____ Infancia e historia. Destrucción de la experiencia y origen de la historia. Trad. Silvio Mattoni. Buenos Aires: Adriana Hidalgo, 2004.

_____ Homo Sacer. O poder soberano e a vida nua I. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: Ed.UFMG, 2004.

_____O que resta de Auschwitz. O arquivo e a testemunha (Homo Sacer III). Trad. Selvino Assmann. São Paulo: Boitempo, 2008.

ARENDT, Hanna. Eichmann em Jerusalém. Um relato sobre a banalidade do mal. Trad. José Rubens Siqueira. São Paulo: Cia das Letras, 2004.

_____Responsabilidade e julgamento. Trad. Rosaura Eichenberg. São Paulo: Cia das Letras, 2003.

AVELAR, Idelber. Alegorias da derrota. A ficção pós-ditatorial e o trabalho do luto na América Latina. Trad. Saulo Gouveia. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

____ Figuras da violência. Ensaios sobre narrativa, ética e música popular. Belo Horizonte: Ed.UFMG, 2011.

ÁVILA, Remedios. Identidad y tragedia. Nietzsche y la fragmentación del sujeto. Barcelona: Editorial Crítica, 1999.

BENJAMIN, Andrew e OSBORNE, Peter (orgs.). A filosofia de Walter Benjamin. Destruição e experiência. Trad. Maria Luiza Borges. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 1997.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e historia da cultura. Trad. Sergio Paulo Rouanet. 2a ed. São Paulo: Brasiliense, 1986.

______Origem do drama barroco alemão. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BORRADORI, Giovanna. Filosofia em tempo de terror. Diálogos com Habermas e Derrida. Trad. Roberto Muggiati. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 2004.

CARNEIRO, Maria Luiza Tucci; CROCI, Federico (orgs.). Tempos de fascismos. Ideologia-Intolerância-Imaginário. São Paulo: EdUSP, 2010.

CAVALCANTI, Anna Hartmann. Símbolo e alegoria. A gênese da concepção de linguagem em Nietzsche. São Paulo: Annablume/FAPESP, 2005.

CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o Estado. Pesquisas de Antropologia Política. Trad. Theo Santiago. São Paulo: Cosac&Naif, 2003.

DOUGLAS. Mary. Pureza e perigo. São Paulo: Perspectiva, 1976.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Trad. Alexandre Pomar. Porto: Paisagem, s/d.

FAYE, Jean-Pierre. Introdução às linguagens totalitárias. Teoria e transformação do relato. Trad. Fábio Landa e Eva Landa. São Paulo: Perspectiva, 2009.

FERRO, Marc (org.). O livro negro do colonialismo. Trad. Joana Angélica. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.

FLESLER, Alba (et al.) (orgs.). Poetas, crianças e criminalidade...sobre Jean Genet. Trad. André Luis de Oliveira Lopes. Rio de Janeiro: Cia de Freud, 2005.

FLEYG, Mario (org.). Psicanálise e sintoma social. São Leopoldo: UNISINOS, 1993.

FOUCAULT, Michel. Os anormais. Curso no Collège de France 1974-1975. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

_____ Vigiar e punir. História da violência nas prisões. 22a ed. Trad. Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan, 1989.

GIACOIA Jr, Oswaldo. "Organizar o caos: a experiência brasileira à luz da teoria da cultura de Nietzsche". Revista Tempo Brasileiro, out-dez., n. 143, 2000, Rio de Janeiro.

GIRARD, René. A violência e o sagrado. Trad. Martha Conceição Gambini. São Paulo: UNESP/Paz e Terra, 1990. 

_____Literatura, mímesis y antropología. Trad. Alberto Bixio. Barcelona: Gedisa, 1997.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Trad. Lais T. Benoir. São Paulo: Centauro, 2004.

HARDMAN, Francisco Foot (org.). Morte e progresso. Cultura brasileira como apagamento de rastros. São Paulo: UNESP, 1998.

KEHL, Maria Rita. A frátria órfã. Conversas sobre a juventude. São Paulo: Olho D'água, 2008.

_____ O tempo e o cão. A atualidade das depressões. São Paulo: Boitempo, 2009.

_____ ; BUCCI, Eugênio. Videologias. São Paulo: Boitempo, 2004.

KEIL, Ivete; TIBURI, Marcia (orgs.). O corpo torturado. Porto Alegre: Escritos Editora, 2004.

KOLTAI, Caterina (org.). O estrangeiro. São Paulo: Escuta/FAPESP, 2008.

LACOUE-LABARTHE, Philipe; NANCY, Jean-Luc. O mito nazista. Trad. Márcio Seligmann-Silva. São Paulo: Iluminuras, 2002.

LINS, Daniel. Juízo e verdade em Deleuze. Trad. Fabien Lins. São Paulo: Annablume, 2004

MAFFESOLI, Michel. Dinâmica da violência. Trad. Cristina França. São Paulo: Edições Vértice, 1987.

MEMMI, Albert. Retrato do descolonizado árabe-muçulmano e de alguns outros. Tradução de Marcelo J. de Moraes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

NEIMAN, Susan. O mal no pensamento moderno. Uma história alternativa da filosofia. Trad. Fernanda Abreu. Rio de Janeiro: DIFEL, 2003.

PASSETTI, Edson (org.). Kafka, Foucault: sem medos. Cotia SP: Ateliê Editorial, 2004.

RABINOVITCH, Gérard. "Figuras da Barbárie", Psicologia em Revista, n°17, volume 11, Faculdade de Psicologia da PUC Minas, Belo Horizonte, Brasil, 2005, p.11-28.

______Schoá : sepultos nas nuvens. Trad. Fany Kon e Jacó Guinsburg. São Paulo: Editora Perspectiva, 2004.

RAGO, Margareth; VEIGA-NETO, Alfredo (orgs.). Para uma vida não-fascista. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Trad. Alain François (et al.). Campinas: EdUNICAMP, 2007.

ROCHA, Silvia Pimenta Velloso. Os abismos da suspeita. Nietzsche e o perspectivismo. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2010.

RONIGER, Luis; SZNAJDER, Mario. O legado de violações de Direitos Humanos no Cone Sul. Tradução: Margarida Goldsztajn. São Paulo: Perspectiva, 2004.

SAFATLE, Vladimir. Crítica da razão cínica. São Paulo: Boitempo, 2008.

SANDLER, Paulo Cesar (org.). Leituras psicanalíticas da violência. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

SECRETARIA ESPECIAL DOS DIREITOS HUMANOS. Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos. Direito à verdade e à memória. Brasília : Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2007.

http://portal.mj.gov.br/sedh/biblioteca/livro_direito_memoria_verdade/livro_direito_memoria_verdade_sem_a_marca.pdf

SEEGER, A.; DA MATTA, R. e VIVEIROS DE CASTRO, E. “A construção da Pessoa nas sociedades indígenas brasileiras”. In: Boletim do Museu Nacional. Rio de Janeiro:Museu Nacional, no. 32, maio 1979, p. 2-19.

SILVA, Umberto. Arte e ideologia del fascismo. Valencia: Fernando Torres Ed., 1975.

TAUSSIG, Michael. Mimesis and alterity: A particular history of the senses. New York: Routledge,1993.

_______Xamanismo, colonialismo e o homem selvagem. Um estudo sobre o terror e a cura. Trad. Carlos Eugênio M. de Moura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

TELLES, Edson; SAFATLE,Vladimir (orgs.). O que resta da ditadura. São Paulo: Boitempo, 2010.

TODOROV, Tzvetan. Em face do extremo. Trad. Egon de O. Rangel e Enid A. Dobránszky. Campinas: Papirus, 1995.

VATTIMO, Gianni. El sujeto y la máscara. Trad. Jorge Binaghi (c/ Edit Binaghi e Gabriel Almirante). Barcelona: Ediciones Península, 2003.

VERNANT, Jean-Pierre. Entre mito e política. Trad. Cristiano Murachco. São Paulo: EdUSP, 2002.

ZIZEK, Slavoj. Bem-vindo ao deserto do real. Cinco ensaios sobre o 11 de setembro e datas relacionadas. Trad. Paulo Cezar Castanheira. São Paulo: Boitempo, 2003.

_____ Eles não sabem o que fazem. O sublime objeto da ideologia. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1990.

_____Em defesa das causas perdidas. Trad. Maria Beatriz de Medina. São Paulo: Boitempo, 2011.



Obs: A inclusão de outros textos de caráter documental ou literário será discutida e adequada aos interesses do grupo no primeiro dia de aula.

Os alunos serão avaliados a partir da apresentação de seminários durante o curso e trabalho escrito entregue ao final do semestre letivo.


Atenciosamente,

Luiz Felipe Soares



Subcoordenador

Campus Universitário – Trindade – Sala 309 – 88.040-900 – Florianópolis – SC

Fone: (48) 3721 9582 – Fax: (48) 3721 6612 – e-mail: pglb@cce.ufsc.br



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal