Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Comunicação e Expressão (cce) Bacharelado em Letras/Libras na Modalidade a Distância Rosemeri Bernieri de Souza Kapitaniuk psicolinguística



Baixar 261.75 Kb.
Página4/4
Encontro18.07.2016
Tamanho261.75 Kb.
1   2   3   4

SLOBIN, D.I. EMMOREY, Karen (2003) Perspective on Classifier Constructions in Sign Language. Lawrence Erlbaum Associates Inc

STERNBERG, Robert. (2000). Psicologia Cognitiva. Tradução Maria Regina Borges. Osório – Porto Alegre: Artes Médicas Sul


TITONE, R. (1983). Psicolingüística Aplicada: introdução psicológica à didática das línguas; tradução Aurora Fornoni Bernardini. São Paulo: Summus.
WEEDWOOD, B. (2002). História concisa da Linguística. Trad. Marcos Bagno – São Paulo: Parábola Editorial
ZIMMER, M.; FINGER, I.; SCHERER, L. Do bilingüismo ao multilingüismo: intersecções entre a psicolingüística e a neurolingüística. ReVEL. Vol. 6, n. 11, agosto de 2008. ISSN 1678-8931[www.revel.inf.br].

Referências indiretas


BELLUGI, U. ; KLIMA, E. S. (1982) The acquisition of three morphological systems in American Sign Language. Papers and Reports on Child Language Development, 21, 1-35


BELLUGI, U.; LILLO-MARTIN, D.; O’ GRADY, L.; van HOEK, K. (1990). The development of spatialized syntactic mechanisms in American Sign Language. In W. Edmonson; F. Karisson (eds), Fourth International Symposium on Sign Language Research (pp. 16-25). Hamburg Signum-Verlag Press.
ERTING, C.; PREZIOSO, C.; O’GRADY-HINES, M. (1990). The interactional context of deaf mother-infant communication. In: Volterra, V.; Erting, C. J. (eds.) From gesture to language in hearing and deaf children (pp. 97-106) New York Springer-Verlag.

GROSJEAN, F. (1999). The right of the deaf child to grow up bilingual. Deaf worlds, 1999, 15(2), 29-31.


HANSEN, G. (ed.) (1999) Probing the process in translation: methods and results. Copenhagen: Samfundslitteratur.
KESS, J. F. (1992) Psycholinguistics: psychology, linguistics and the study of natural language. Amesterdam/Philadelphia, John Benjamins Publishing Company.
KÖNIGS, F. G. (1987) Was beim Übersetzen passiert. Theoretische Aspekte, empirische Befunde und praktische Konsequenzen. Die Neueren Sprachen, 2, p. 162-185.
KRINGS, H. P. (1986) Was in den Köpfen von Übersetzern vorgeht. Eine empirische untersuchung der struktur des Übersetzungs-prozesses an fortgeschrittenen lernern. Tübingen: Gunter Narr.
LILLO-MARTIN, D. (1999). Modality effects and modularity in language acquisition of American Sign Language. In: W. C. Ritchie; T. K. Bhatia (eds.), Handbook of child language acquisition. (pp. 531-567) San Diego Academic Press
LÖRSCHER, M. P. (1991) Translation performance, translation process, and translation strategies. A psycholinguistics investigation. Tübingen: Gunter Narr.
NEWPORT, E. L.; MEIER, P. (1985). The acquisition of American Sign Language. The crosslinguistics study of language acquisition, vol I : The data, ed. by Dan Slobin, 881-938. Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum.
PETTITO, L. A.; MARENTETTE, P. F. (1991). Babbling in the manual mode: Evidence for the ontogeny of language. Science, 251, 1493-1496

QUADROS, R. M. As categorias vazias pronominais: uma análise alternativa com base na Língua Brasileira de Sinais e reflexos no processo de aquisição. Dissertação de mestrado. Ano de obtenção: 1995


QUADROS, R. M.; LILLOMARTIN, D.; MATHUR, G. . O que a aquisição da linguagem em crianças surdas tem a dizer sobre o estágio de infinitivos opcionais? . Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 36, n. 3, p. 391-398, 2001.
QUADROS, R. M. (1997) Aspectos da sintaxe e da aquisição da língua de sinais brasileira. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 110, p. 125-146.
REILLY, J.S.; BELLUGI, U. (1996) Competition on the face: Motherese in ASL. Journal of Child Language, 23, 219-239.
TEIXEIRA, J. F. (1998) Mentes e máquinas: uma introdução à ciência cognitiva. Porto Alegre: Artes Médicas.
VYGOTSKY, L. (1993) Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes.

1 Wilhelm Maximilian Wundt foi um médico, filósofo e psicólogo alemão. É considerado um dos fundadores da moderna psicologia experimental.

2 Filósofo e psicólogo norte americano, considerado, ao lado de Charles Sanders Peirce um dos fundadores do pragmatismo. Ele escreveu livros influentes sobre a jovem ciência da psicologia, as variedades da experiência religiosa e do misticismo e a filosofia do pragmatismo.

3 Psicologo alemão e primeiro autor na psicologia a desenvolver testes de inteligência.

4 Psicólogo americano que esteve na origem do condicionamento operante, sustentado mais tarde por Skinner.

5 Burrhus Frederic Skinner foi um autor e psicólogo estadunidense. Ele conduziu trabalhos pioneiros em psicologia experimental e foi o propositor do Behaviorismo Radical, abordagem que busca entender o comportamento em função das interrelações entre história filogenética e ambiental do indivíduo.

6 Friedrich Wilhelm Christian Karl Ferdinand, Barão von Humboldt, funcionário do governo, diplomata, filósofo, fundador da Universidade de Berlim (hoje, Humboldt-Universität). É principalmente conhecido como um lingüista alemão que fez importantes contribuições à filosofia da linguagem, à teoria e prática pedagógicas e influenciou o desenvolvimento da filologia comparativa.

7 Edward Sapir foi um antropólogo e linguista alemão de origem judaica.

8 Leonard Bloomfield é considerado o fundador da lingüística estrutural norte-americana.

9 Karl Bühler foi um psicólogo e psiquiatra alemão. Membro da escola de Würzburg, estudou os mecanismos do pensamento e da vontade e dedicou-se à psicologia da forma.

10 Roman Osipovich Jakobson foi um pensador russo que se tornou num dos maiores lingüistas do século XX e pioneiro da análise estrutural da linguagem, poesia e arte.


11 Nikolay Sergeyevich Trubetzkoy foi um lingüista russo cujos preceitos formaram o núcleo do Círculo de Praga de lingüística estrutural. Ele é amplamente considerado o fundador da morfofonologia.

12 Para este espaço, faço aqui uma distinção dos termos língua e linguagem verbal: devido ao uso polissêmico do termo língua, que tanto pode ser o órgão musculoso situado na cavidade bucal, como sinônimo de idioma ou ainda princípios subjacentes à mente. Assim, nesse trabalho utilizaremos o termo linguagem verbal para designar o conhecimento de regras que o falante/sinalizante tem armazenado na sua mente e língua equivalente ao código oral ou sinalizado. Fala ou sinalização é um comportamento observável, produção de sons significativos.

13 Escolhemos o termo cinésico-visual pelo fato de acreditarmos que ele define melhor os processos de percepção e produção das línguas de sinais. A cinésica é uma ciência que estuda os movimentos com valor simbólico produzidos pelo corpo humano.

14 Site oficial: http://emmoreylab.sdsu.edu/psycholinguistic-publications.php

15 Concluído em 2008 - Aquisição da sintaxe em crianças surdas brasileiras: repercussões das diferentes formas de acesso à língua de sinais
Em andamento - Aquisição da linguagem em crianças com diferentes formas de acesso à língua de sinais em contextos monolíngüe e bilíngüe.



16 Disponível em http://linguagem.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/0402/09.htm, acessado em 25/05/2009

17 Epigenéticos – exposição ao ambiente exterior ao indivíduo.
1   2   3   4


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal