Universidade federal do rio de janeiro instituto de economia



Baixar 160.43 Kb.
Página1/6
Encontro19.07.2016
Tamanho160.43 Kb.
  1   2   3   4   5   6
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

INSTITUTO DE ECONOMIA



IMPACTOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL SOBRE O MEIO AMBIENTE:
UMA ANÁLISE PARA O CASO BRASILEIRO DE 1985 A 2005.


LUIZA MAIA DE CASTRO


luizamaiadecastro@gmail.com

Matrícula nº: 104022877




ORIENTADOR:


Prof. Carlos Eduardo F. Young

MARÇO 2010


 

 

 



 

 

 



 

 

 



 

 

 



 

 

 



 

 

 



 

 

 



 

 

    


As opiniões expressas neste trabalho são de exclusiva responsabilidade da autora.

AGRADECIMENTOS
Gostaria de começar agradecendo as minhas meninas. A minha avó Edda que leu e releu esse trabalho que sempre me apoiou e foi um exemplo para mim. A minha irmã Laura, que eu amo muito, e a quem devo grande parte das vírgulas desta monografia. A minha supermãe economista, Eneide, por acreditar em mim e me aguentar por todos esses anos, por ser a pessoa mais sensata e inteligente que eu conheço, um exemplo de mulher. A Alice Varela e a Letícia Xerez pelo apoio e amor incondicional.

Aos meus meninos. Meu avô, Josué Fernando de Castro, economista e crítico que me ensinou a discordar e refletir. Ao meu super pai Josué Fernando de Castro Filho, economista ambiental cuja paixão por essa causa, e tantas outras, me contaminou desde pequena. Agradeço sua ajuda neste trabalho, em todos os meus sonhos, desafios e desenganos. Ao Francisco Duarte pelo cuidado e atenção. E também a Eduardo Lacerda pelo carinho e força neste momento e em tantos outros.

Aos meus professores do IE pelos ensinamentos passados e pela forma de ver esta ciência social que é a economia Aos meus amigos do IE de tantas agonias e alegrias. A todos da secretaria acadêmica (Anna Lucia, Darci e Paulinho) pela paciência, eficiência e amizade. A todos os queridos da Cantina do Seu Antonio pelas alegrias matinais e carinho com gostinho de café.

Ao Miguel Borda de Sá pela ajuda ao longo do processo dessa graduação, apoio e paciência nos momentos de desespero.

Ao GEMA, pela ajuda e pela experiência na área ambiental. Em especial a Bruna Stein grande amiga, pessoa sem a qual esse trabalho não teria saído. Ao meu professor e orientador Carlos Eduardo Young pela paciência, pelo aprendizado e pela confiança no meu trabalho.


RESUMO

 

   O objetivo deste trabalho é analisar o potencial poluidor da exportação industrial brasileira e a dependência de produtos primários na pauta exportadora para o período entre 1985 e 2005. Dessa forma, oferecer uma contribuição empírica para a discussão sobre os impactos do comércio internacional sobre o meio ambiente.



Para calcular a toxicidade da exportação foi aplicada a metodologia do Relatório do Banco Mundial, Industrial Pollution Projection System (Hettige et al. 1994), às exportações brasileiras para esse período. A mesma metodologia foi aplicada a matriz insumo-produto onde se constatou uma maior toxicidade para a produção industrial para exportação do que para consumo interno. Os resultados encontrados apontam para uma tendência a reprimarização da pauta e aumento da toxicidade das exportações industriais a partir do ano 2000. Assim, reforçando a hipótese de uma inserção internacional pouco estratégica e ambientalmente problemática.

 

 



 

 

 



 

 

 



ABSTRACT

The purpose of this study is to analyze the potential pollution of Brazil's industrial export and the dependence on primary commodities exportation for the period between 1985 and 2005. Thus, to provide an empirical contribution to the discussion on the impacts of international trade on the environment. 

In order to calculate the toxicity of export it was applied World Bank Industrial Pollution Projection System (Hettige et al. 1994) methodology, to Brazilian exports to this period. The same methodology was applied to input-output matrix which demonstrated a higher toxicity for industrial production for export than for domestic consumption. The results indicate a tendency to reprimarization of exportations and increased toxicity of industrial exports from the year 2000.  Strengthening the hypothesis of a little strategic international insertion and environmentally problematic.

SÍMBOLOS, ABREVIATURAS, SIGLAS E CONVENÇÕES

CO - monóxido de carbono

NO2 - dióxido de nitrogênio

SO2 - dióxido de enxofre

COV - compostos orgânicos voláteis

PT - partículas totais

TSS- Total de sólidos em suspensão

ISIC - International Standard Industrial Classification

SITC-Standard International Trade Classification

VA - valor adicionado

VP - valor da produção

EPA - Environmental Protection Agency

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

IPPS - Industrial Pollution Projection System



TABELAS

Tabela 1: Setores mais poluentes segundo a classificação ISIC e setorial do IBGE

Tabela 2: Toxicidade potencial por componente da demanda final

GRÁFICOS
Gráfico 1 : Índice linear de toxicidade humana aguda (ILITHA) aplicado à exportação industrial e participação dos produtos primários na exportação

Gráfico 2 : Índice linear de toxicidade humana aguda (ILITHA) aplicado à exportação industrial e participação percentual dos setores industriais potencialmente mais poluentes



Sumário


Sumário 9

Capítulo I - Introdução 9

II- PROPOSIÇÕES TEÓRICAS SOBRE COMÉRCIO INTERNACIONAL E DESENVOLVIMENTO NA PERSPECTIVA AMBIENTAL: 11

II.1 Um breve histórico do debate ambiental 11

II.2 Comércio e meio ambiente 15

III- EVOLUÇÃO DA EXPORTAÇÃO BRASILEIRA INTENSIVA EM RECURSOS NATURAIS E POLUIÇÃO: 22

III.1 Objetivo e Metodologia 22

 III.2 RESULTADOS 27



III.3 Toxicidade da produção para consumo interno e para exportação. 31

IV Conclusão 33

VI- Referências Bibliográficas: 36




Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal