Universidade federal do rio de janeiro



Baixar 16.55 Kb.
Encontro27.07.2016
Tamanho16.55 Kb.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA

Semestre: 2008/01

Turno: diurno

Professor: Ricardo Figueiredo de Castro (ricardocastro@ufrj.br)


NAZISMO, NEONAZISMO, REVISIONISMO


Ementa: Introdução à historiografia do fascismo – ideologia do fascismo (o caso alemão) – holocausto e modernidade – revisionismo e neonazismo
Objetivos Apresentar os temas e as questões da história e da historiografia do movimento Nacional-Socialista alemão (Nazismo), particularmente sua ideologia, bem como o fenômeno neonazista contemporâneo e inseri-los na discussão mais geral do fascismo.


I - Introdução (problemas, debates, historiografia)

a) A questão geral do fascismo

b) fascismo e nacional-socialismo

c) neonazismo





  • SILVA, Francisco C. T. da. “Os fascismos” In.: REIS FILHO, Daniel Aarão. Século XX. Vol. II: o tempo das crises. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2000.

  • PAXTON, Robert O. A anatomia do fascismo. São Paulo, Paz e Terra, 2007. Capítulo 1: p. 13-49

  • PAXTON. Op.cit., Capítulo 8: p. 335-361


II - O nazismo e o holocausto


  1. fascismo na Alemanha: aspectos da ideologia nacional-socialista

  2. holocausto e modernidade




    • BRACHER, Karl Dietrich. “Nacional-socialismo” In.: BOBBIO, Op. Cit., p. 806-812.

    • HOBSBAWM, Eric. A era dos extremos. São Paulo, Companhia das Letras, 1995. Capítulo 5 (“Contra o inimigo comum”)

    • BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e holocausto. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1998. Capítulo “Singularidade e normalidade do holocausto” p. 106 a 141.


III - O neonazismo e o revisionismo





  1. O fascismo pós-45

  2. O neonazismo e a crise da sociedade industrial

  3. Revisionismo, Neonazismo e a Internet



  • PAXTON. Op. Cit., Capítulo 7: p. 283-334.

  • GOODRICK-CLARKE, Nicholas. Sol Negro: cultos arianos, nazismo esotérico e políticas de identidade. São Paulo: Madras, 2004. Capítulo 14 (Crenças conspiracionistas e a Nova Ordem Mundial): p. 369-396 e Conclusão: p. 397-401

  • VIZENTINI, Paulo F. “O ressurgimento da extrema direita e do neonazismo: a dimensão histórica e conceitual” In.: MILMAN, Luís, VIZENTINI, Paulo. Neonazismo, negacionismo e extremismo político. Porto Alegre, Editora da Universidade, 2000. p. 17 a 46. Livro disponível em http://www.derechos.org/nizkor/brazil/libros/neonazis/

  • KRAUSE-VILMAR, Dietfrid. “A negação dos assassinatos em massa do nacional-socialismo: desafios para a ciência e para a educação política” In.: MILMAN, Luís, VIZENTINI, Paulo, op. Cit.,p. 97 a 114

  • MILMAN, Luis. “Negacionismo: gênese e desenvolvimento do genocídio conceitual” In.: MILMAN, Luís, VIZENTINI, Paulo, Op. Cit., p. 115 a 154.

  • DIAS, Adriana. “Links de ódio: o racismo, o revisionismo e o neonazismo na Internet” In.: Os Urbanistas: Revista de Antropologia Urbana. Campinas, Ano 3, vol. 3, no. 4, julho de 2006.

  • (Disponível em http://www.aguaforte.com/osurbanitas4/AdrianaDias2006.html)



IV – Bibliografia sumária:
BERNARDO, João. Labirintos do fascismo: na encruzilhada da ordem e da revolta. Porto, Editora Afrontamento, 2003.

BLACK, Edwin. A IBM e o holocausto. Rio de Janeiro, Campus, 2001.

CAPELATO, Maria Helena, D’ALESSIO, Márcia Mansor. Nazismo, política, cultura e holocausto. São Paulo, Atual Editora, 2004.

DIWAN, Pietra. Raça pura: uma história da eugenia no Brasil e no mundo. São Paulo, Contexto, 2007.

ESSNER, C. A Demanda da Raça: Uma Antropologia do Nazismo. Lisboa, Instituto Piaget, 1995.

FELICE, Renzo de. Entrevista sobre o fascismo. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1988.

FINKELSTEIN, Norman. A indústria do holocausto. São Paulo, Record, 2001.

FLORENTIN, Manuel. Guia de la Europa negra: sessenta años de la extrema derecha. Barcelona, Anaya & Mario Munchnik, 1994.

GOODRICK-CLARKE, Nicholas. Raízes ocultistas do nazismo: cultos secretos arianos e sua influência na ideologia nazi. Lisboa, Terramar, 2002.

GOODRICK-CLARKE, Nicholas. Sol Negro: cultos arianos, nazismo esotérico e políticas de identidade. São Paulo: Madras, 2004.

GRIFFIN, Roger. “Revolts against the modern world: the blend of literary and historical fantasy in the Italian New Right” In.: Literature and History, 11 (spring), 1985: 101-123.

HERF, Jeffrey. O modernismo reacionário: tecnologia, cultura e política na República de Weimar e no III Reich. São Paulo, Editora da Unicamp, Editora Ensaio, 1993.

LOPEZ, Luiz Roberto. Do Terceiro Reich ao novo fascismo. Porto Alegre, Ed. da Universidade, 1992. Capítulo “A reconstrução do passado”

MENEGAT, Marildo. Depois do fim do mundo: a crise da modernidade e a barbárie. Rio de Janeiro, Relume:Dumará, FAPERJ, 2003.

PALLA, Marco. A Itália fascista. São Paulo, Ática, 1996.

PINTO, António Costa. O salazarismo e o fascismo europeu: problemas de interpretação nas ciências sociais. Lisboa, Editorial Estampa, 1992.

ROSEMAN, Mark. Os nazistas e a solução final: a conspiração de Wansee – do assassinato em massa ao genocídio. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2003.

SALEM, Helena. As tribos do mal: o neonazismo no Brasil e no mundo. 11 ed. São Paulo, Atual, 1995.

STERNHELL, Zeev et alli. Nascimento da ideologia fascista. Lisboa, Livraria Bertrand, 1995.

TRINDADE, Hélgio. O nazi-fascismo na América Latina: mito e realidade. Porto Alegre, Editora da Universidade, 2004.



VIDAL-NAQUET, Pierre. Os assassinos da memória: o revisionismo na história. Campinas, Papirus.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal