Universidade federal fluminense



Baixar 61.88 Kb.
Encontro26.07.2016
Tamanho61.88 Kb.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE


CENTRO DE ESTUDOS GERAIS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA
DISCIPLINA (obrigatória): MÉTODOS EM ANTROPOLOGIA

Professor: Jair Ramos

Horário: quintas-feiras, de 9 às 12 horas, 2º semestre de 2009
Ementa: Questões teóricas e metodológicas na construção de problemáticas de investigação em Antropologia. Relações entre sujeito e objeto. Análise e interpretações dos resultados da pesquisa. Controle e limites da comparação e da generalização em Antropologia.

Obs: Programa sujeito a algumas alterações até o início do curso.
Programa e bibliografia:
1ª aula : Apresentação do curso
2ª aula : A construção do objeto nas ciências sociais e o lugar da antropologia nas ciências sociais.

Bibliografia básica:

BERGER, Peter. A sociedade como realidade objetiva. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, 1973, p. 69-172

BOURDIEU, Pierre, CHAMBOREDON, Jean-Claude e PASSERON, Jean-Claude – A profissão de sociólogo: preliminares epistemológicos. Petrópolis: Vozes, 1999, p. 45-97 (Observação: devem ser lidos, também, os textos de apoio à seção, de Marx, Weber e Durkheim, respectivamente números 20, 21 e 22, ao final do volume, p. 177-188)

INGOLD, Tim. General introduction: the nature of Anthropology theory. Ingold, T. (edit) Key Debates in Anthropology. London, Routledge, 1996: 1-13.

KILANI, Monther. Les anthropologies et leur savoir: du terrain au texte. ADAM, J.M. et alii. Le discours anthropologique. Paris, Meridiens Klincksieck, 1990: 71-109

LENOIR, Remi. – Objeto sociológico e problema social. In Champagne, Patrick et alii, Iniciação à prática sociológica. Petrópolis: Vozes, 1998, p. 59-106.
3a aula: A etnografia:

MALINOWSKI, Bronislaw. 1976 (1922). “Introdução”, em Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cutural.

ZALUAR, Alba (org.). 1975. “O antropólogo e os pobres: introdução metodológica e afetiva” em A Máquina e a Revolta. São Paulo: Brasiliense, 1985.

FOOTE-WHITE, William. 1975 (1943). “Treinando a observação participante”, em Desvendando Máscaras Sociais . Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves.

CICOUREL, Aaron. 1975 (1969). “Teoria e método em pesquisa de campo”, em Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cutural.

WACQUANT, Loïc, 2002. “Prólogo” e “A rua e o ringue”, em Corpo e alma: notas etnográficas de um aprendiz de boxe, Rio de Janeiro: Relume Dumará.
4ª aula : Observando a cultura I: Clássicos.

DURKHEIM, Émile - As formas elementares da vida religiosa, São Paulo: Abril Cultural, 1976, (Os Pensadores). [Há edição recente e integral da Editora Paulinas]

DURKHEIM, Émile e MAUSS, Marcel. “Algumas formas primitivas de classificação” in MAUSS, Marcel, Ensaios de sociologia. São Paulo, Ed. Perspectiva.

WEBER, Max “Conceitos Sociológicos Fundamentais”. In WEBER, Max, Economia e Sociedade.
5a aula: Observando a cultura II: Antropologia interpretativa

GEERTZ, Clifford. Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura. In: _____ A interpretativa das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. capitulo 1.

GEERTZ, Clifford. “Um jogo absorvente: notas sobre a briga de galos balinesa”. In: GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar. 1978.

GEERTZ, Clifford 1983 [1974].“Do ponto de vista dos nativos: a natureza do entendimento antropológico”. In: O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Petrópolis: Vozes, 1997. p. 85-107.

GEERTZ, Clifford. 1983. “Mistura de gêneros: a reconfiguração do pensamento social. In: O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Petrópolis: Vozes, 1997 p. 33-56.
6a aula: Observando a cultura III:

SAHLINS, Marshall 1997. “O ‘Pessimismo Sentimental’ e a Experiência Etnográfica: Por que a Cultura Não é um ‘Objeto’ em Via de Extinção”. Mana. Estudos de Antropologia Social 3 (1): 41-73; Mana. Estudos de Antropologia Social 3 (2): 103-150.

BARTH, Frederik 2000 [1989]. “A análise da cultura nas sociedades complexas”. In Lask, Tomke (org) O Guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contracapa, pp. 107-119.

BRUBAKER, R. “Au-delà de l' ‘identité’” em Actes de la recherche en sciences sociales. 2001, No. 139, pp. 66-85]
7ª aula - Observando a sociedade I: trabalhos clássicos e situações limite.

AGUIAR, Neuma , "Hierarquias em Classes: uma introdução ao estudo da estratificação social". In: AGUIAR, Neuma (org). Hierarquias em Classes. Rio de Janeiro, Zahar, 1974.

BARTH, Fredrik. Os grupos étnicos e suas fronteiras. Em P. Poutignat & J. Streiff-Fenart (orgs.). Teorias da Identidade. São Paulo,: UNESP, 1997.

DUMONT, Louis. "Casta, racismo e estratificação". In: AGUIAR, Neuma (org). Hierarquias em Classes. Rio de Janeiro, Zahar, 1974.

ELIAS, Norbert e SCOTSON, John.  Estabelecidos e outsiders. Introdução: ensaio teórico sobre a relação entre estabelecidos e outsiders. RJ, Jorge Zahar editora, 2000.

POLLAK, Michael. Os Homossexuais e a Aids: Sociologia de uma Epidemia. Estação Liberdade: São Paulo, Brasil, 1990. Pgs. 11 a 56

OLIVEIRA FILHO, João Pacheco de. "Uma Etnologia dos ‘Índios Misturados’? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais” in OLIVEIRA FILHO, João Pacheco de (org.) A Viagem da volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste indígena. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 1999.

GEERTZ, Clifford. Form and variation in Balinese village structure. American Anthropologist, v. 61, n.6 (Dec. 1959), pp. 991-1012 (disponível intregalmente na internet) (há versão em português a ser depositada na pasta xerox)
8ª aula - Observando a sociedade II: Interação e instituição

GOFFMAN, Erving. 1974 [1961] Manicômios, Prisões e Conventos. São Paulo: Editora Perspectiva. “Introdução” e cap. 1 (“As características das instituições totais”), pp. 11- 108.

GOFFMAN, Erving. 1967 Interaction Ritual. Essays on Face-to-Face Behaviour. Garden City, N.Y: Anchor Books. “Introduction”; “On Face-Work”; “The Nature of Deference and Demeanor”, pp. 1- 95.
9ª aula - Observando a sociedade III: Classes, habitus e reprodução social em Pierre Bourdieu. Bibliografia:

BOURDIEU, Pierre. “Condição de classe e posição de classe”, “reprodução cultura e reprodução social”, e “Estrutura, habitus e prática” in A economia das trocas simbólicas. São Paulo, Ed, Perspectiva, 1974.

BOURDIEU, Pierre. “Descrever e Prescrever”  e “Ritos de instituição” in A Economia das Trocas Lingüísticas. SP:Edusp, 1998

BOURDIEU, Pierre. “Espaço social e gênese das classes” in O poder simbólico. Lisboa, Ed. Difel, 1989.
10ª aula - Observando a sociedade IV: família e parentesco

GODELIER, Maurice, Métamorphoses de la parenté, Fayard, 2004. Pgs 9 a 32.

BOURDIEU, Pierre. “Apêndice: O espírito da família”. In Razões Práticas: Sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996. pp 124-135

FONSECA, Cláudia. “Amor e família: vacas sagradas da nossa época”. Ivete Ribeiro, Ana Clara T. Ribeiro (orgs.). Família em processos contemporâneos: Inovações culturais na sociedade brasileira. São Paulo : Loyola, 1995. pp. 69 – 89.

WEBER, Florence. "Pour penser la parenté contemporaine", in Danielle EBORDEAUX, Pierre STROBEL (dir.), Les solidarités familiales en questions. Entraide et transmission, Paris, LGDJ, Coll. Droit et Société, vol. 34 , 2002

SCHNEIDER, David M. “The family”. In American Kinship: A cultural account. New Jersey: Prentice-Hall, 1968. pp 31-54

MACHADO, Lia Zanota. "Famílias e individualismo: tendências contemporâneas no Brasil. Revista Interface. Comunicação, Saúde, Educação. Fundação UNI Botucatu/UNESP,vol. 5, no. 8. Botucatu, S.P., 2001.
11ª aula - Estrutura e História

SAHLINS, Marshall. Metáforas históricas e realidades míticas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008



SAHLINS, Marshall. Ilhas de História. “Introdução”;"Outras Épocas, Outros Costumes: A Antropologia da História" e “Estrutura e História”. In: Ilhas de História. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1990.
12ª aula - Histórias de vida e trajetórias sociais: alguns problemas metodológicos.

BECKER, Howard - A história de vida e o mosaico científico, Métodos de pesquisa em ciências sociais, São Paulo: Hucitec, 1993, p. 101-116.

BOURDIEU, Pierre - A ilusão biográfica, in Ferreira, Marieta e Amado, Janaína (orgs.), Usos e abusos da história oral, Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1996, p. 183-192.

DEBERT, Guita - Problemas relativos à utilização da história de vida e história oral, in Cardoso, Ruth (org.), A aventura antropológica. Teoria e pesquisa, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986, p. 141-156.

FASSIN, Didier. Et la soufrance devint sociale. Critique, janvier-fevrier 2004. Tomo LX, Nº 680-681: 16-29.

FOISIL, Madeleine - A escritura do foro privado in ARIÈS, Philippe e CHARTIER, Roger (orgs.), História da Vida Privada 3. Da Renascença ao Século das Luzes, São Paulo: Companhia das Letras, 1991, p. 331-369.

LEVI, Giovani - Usos da biografia, in Ferreira, Marieta e Amado, Janaína (orgs.), Usos e abusos da história oral, Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1996, p. 167-182

13ª aula - A escrita das histórias de vida e trajetórias sociais: exemplos

BEHAR, Ruth - Rage and Redemption: reading the life story of a Mexican marketing woman, in Tedlock, Dennis e Mannheim, Bruce (orgs.), The dialogic emergence of culture. Urbana e Chicago: University of Illinois Press, 1995, p. 148-178.

BERTAUX, Daniel. Les récits de vie. Paris: Nathan, 1997.

CALLAWAY, Helen. Anthropology and autobiography. ASA Monographs, 29, London, 1992.

LEWIS, Oscar - Antropologia de la pobreza. Cinco familias. México: Fondo de Cultura Economica, 1975, p. 16-32 (La escena) e p. 33-65 (Um dia en un pueblo mexicano: la familia Martinez).

14ª aula - A produção e análise de entrevistas

BOURDIEU, Pierre - Compreender in Bourdieu , Pierre et alii, A miséria do mundo, Petrópolis: Vozes, 1997, p. 693-713.

MALINOWSKI, Bronislaw - Baloma: os espíritos dos mortos nas Ilhas Trobriand in Malinowski, B., Magia, ciência e religião, Lisboa: Edições 70, 1988, parte VIII, p. 255-272.

MICHELAT, Guy - Sobre a utilização da entrevista não diretiva em sociologia in Thiolent, Michel, Crítica metodológica, investigação social e enquete operária, São Paulo: Polis, 1982, p.191-212.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal